Paraná recebe mais doses e começa a distribuir 377,5 mil vacinas nesta quarta

O Paraná começa a distribuir nesta quarta-feira (21) mais 377.505 vacinas contra Covid-19 para as 22 Regionais de Saúde. As doses fazem parte da 31ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde. São 453,7 mil vacinas no total, sendo 296.550 da Covishield (AstraZeneca/Oxford); 88.200 da CoronaVac (Instituto Butantan/Sinovac); e 69.030 doses da Comirnaty (Pfizer/BioNTech). Parte do quantitativo será armazenada para segunda dose, e parte ainda é esperada para os próximos dias.

O lote inclui as 211.575 doses da AstraZeneca/Fiocruz/Oxford que aterrissaram no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em São José dos Pinhais, nesta terça-feira (20). Elas se somam às 141 mil que chegaram à Capital nesta segunda (19). Dentro do quantitativo estimado pelo Ministério da Saúde, há ainda as vacinas da Pfizer que chegam às 00h20 desta quarta-feira (21) e outras 32.175 doses da AstraZeneca, produzidas pela Fiocruz, que serão entregues nos próximos dias para completar o lote.

Todas elas passam por conferência detalhada no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar). Segundo a Secretaria de Saúde, devem receber por via terrestre as Regionais de Paranaguá, Metropolitana, Ponta Grossa, Irati, Guarapuava, União da Vitória, Pato Branco, Francisco Beltrão e Telêmaco Borba. Já as Regionais de Cascavel, Foz do Iguaçu, Campo Mourão, Umuarama, Cianorte, Paranavaí, Londrina, Apucarana, Maringá, Cornélio Procópio, Jacarezinho, Toledo e Ivaiporã terão seus quantitativos após transporte aéreo.

DIVISÃO – As 377.505 doses iniciais desse lote estão divididas entre D1 e D2 e em cinco esquemas: 32.760 Pfizer, 36.270 Pfizer, 44.100 CoronaVac, 52.800 Covax/AstraZeneca e 211.575 AstraZeneca/Fiocruz.

Da CoronaVac, das 88.200 vacinas recebidas, 44.100 D1 serão distribuídas aos municípios, enquanto a outra metade, destinada a D2, ficará armazenada no Cemepar até a data correta para sua aplicação (21 dias). As doses são destinadas à população em geral.

As da Pfizer também atendem D1 e D2. São 36.270 direcionadas à primeira dose da população em geral e outras 32.760 exclusivamente para Curitiba, atendendo à segunda dose das pessoas vacinadas com o primeiro lote da Pfizer que chegou ao Paraná e foi distribuído apenas na Capital, em maio. As D2 são para pessoas de 60 a 64 anos, gestantes e puérperas, pessoas com deficiência permanente e comorbidades.

Já as doses da Covishield são subdivididas entre diferentes grupos. As 52.800 vacinas importadas pelo consórcio Covax Facility são exclusivamente para D1 da população em geral.

As demais 211.575 da AstraZeneca/Fiocruz são: 135.010 D1 para população em geral; 57.940 D2 de pessoas com comorbidades; e 18.625 D2 de pessoas com deficiência permanente.

Segundo a Secretaria da Saúde, as outras 32.175 doses da AstraZeneca produzidas pela Fiocruz (para completar as 296.550 anunciadas) vão para D2 de trabalhadores da educação básica.

VACINÔMETRO – Dois dias após completar seis meses de vacinação, o Paraná ultrapassou a marca de 7 milhões de doses aplicadas. Até a tarde desta terça-feira (20), foram 7.102.872 aplicações: 5.239.114 primeiras doses (73,8% do total aplicado), 1.583.454 segundas doses (22,3%) e 280.304 doses únicas (3,9%).

Da população adulta paranaense, 63,28% já receberam ao menos uma dose. Já o percentual da população completamente imunizada, que já recebeu a segunda dose ou dose única, está em 21,37%. Os dados são do Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), vinculado ao Ministério da Saúde.

Confira a quantidade de doses que cada Regional de Saúde recebe nesta remessa:

1ª RS – Paranaguá – 7.671 doses

2ª RS – Metropolitana – 140.887 doses

3ª RS – Ponta Grossa – 19.624 doses

4ª RS – Irati – 6.461 doses

5ª RS – Guarapuava – 14.894 doses

6ª RS – União da Vitória – 5.726 doses

7ª RS – Pato Branco – 8.915 doses

8ª RS – Francisco Beltrão – 11.403 doses

9ª RS – Foz do Iguaçu – 6.259 doses

10ª RS – Cascavel – 15.461 doses

11ª RS – Campo Mourão – 11.248 doses

12ª RS – Umuarama – 8.844 doses

13ª RS – Cianorte – 5.456 doses

14ª RS – Paranavaí – 8.837 doses

15ª RS – Maringá – 24.645 doses

16ª RS – Apucarana – 12.017 doses

17ª RS – Londrina – 30.378 doses

18ª RS – Cornélio Procópio – 6.738 doses

19ª RS – Jacarezinho – 9.119 doses

20ª RS – Toledo – 12.222 doses

21ª RS – Telêmaco Borba – 6.534 doses

22ª RS – Ivaiporã – 4.166 doses

TOTAL – 377.505 doses

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Variante ômicron frustrou planos da Prefeitura de Curitiba de liberar uso da máscara

A descoberta da variante ômicron da Covid-19, no último mês de novembro, frustrou os planos da Prefeitura de Curitiba de liberar o uso da máscara em ambientes externos. Em entrevista à Banda B, nesta quarta-feira (8), a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, afirmou que a expectativa era ter flexibilizado a utilização do equipamento de proteção agora em dezembro.

“A gente tinha uma pretensão, mas o vírus tem nos desafiado. A gente tinha uma pretensão, talvez se não tivesse a variante ômicron, de liberar o uso da máscara em ambientes externos agora em dezembro. Mas, com a chegada da ômicron, tudo ficou em stand-by. Até tem uma recomendação da Secretaria de Estado da Saúde da manutenção e a gente está alinhado da mesma forma”, disse Huçulak.

Nesta semana, Curitiba registrou menos de mil casos ativos de Covid-19, que correspondem ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus. A última vez que a cidade teve um índice menor que mil foi em junho do ano passado.

De acordo com os dados do Painel Covid-19, da Secretaria Municipal da Saúde, o número de casos ativos diminuiu 92% em um ano. Em 8 de dezembro de 2020, exatamente um ano atrás, a cidade possuía 14.112 casos ativos.

“A gente repercute isso como uma excelente notícia neste momento, porque se a gente voltar um ano atrás nessa data nós estávamos no olho do furacão, com mais de 14 mil casos ativos. Se a gente pegar 8 de dezembro de 2020, veremos um número absurdo, foi aquela onda do final do ano em dezembro que assustou todo mundo, foi um Natal triste para família e todos os profissionais de saúde. Então, a gente comemora esse dado de hoje, mas com a cautela de muita gente que não tomou a vacina”, avaliou a secretária.

Huçulak atribui a redução de casos ao índice de vacinação. Curitiba chegou nesta quarta-feira a 80,6% da população vacinada, ao menos, com uma dose. Em relação à população completamente imunizada (com duas doses ou dose única), a cobertura chega a 72,8%.

“Não basta eu estar imunizado, eu preciso que a pessoa que eu convivo também esteja. Quanto mais pessoas vacinadas, maior será a proteção da sociedade como um todo. Essa baixa de números de casos ativos, de positividade, de casos novos, de internação, é por causa da vacina. A gente tem um dado que 83% dos óbitos são em pessoas não imunizadas. Então, a vacina é proteção, é necessária. É importante que, se a pessoa não quer acreditar na vacina, a sociedade voltou ao normal, todo mundo voltou a conviver, só isso já é um argumento suficiente”, reforçou.

Vacinas são eficazes contra a Ômicron, diz OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou, nessa terça-feira (7), que as vacinas são eficazes contra a nova variante Ômicron do coronavírus, detetcada na África do Sul, ao proteger os infectados que desenvolvem doença grave.

“Não há razão para duvidar” de que as vacinas atuais protegem os doentes infectados com Ômicron contra formas graves de covid-19, afirmou o responsável pela resposta de emergência em saúde pública da OMS, Michael Ryan, em entrevista. 

“Temos vacinas muito eficazes que se mostram potentes contra todas as variantes até agora, em termos de gravidade da doença e hospitalização, e não há razão para acreditar que não seja o caso” com a Ômicron, disse Ryan, acrescentando que estão no início estudos da variante, detectada apenas em 24 de novembro e que já foi registrada em cerca de 40 países.