Curitiba é a segunda cidade do Brasil com maior saldo empregos em 2019

Curitiba manteve a trajetória de recuperação no mercado de trabalho em julho e fechou os primeiros sete meses de 2019 com um saldo de 15.632 novos empregos com carteira assinada. O número é quase o dobro do saldo registrado no mesmo período do ano passado (7.880 vagas).

Foto: Ricardo Marajó/FAS

Com o resultado, Curitiba foi a segunda cidade do País com maior saldo de emprego no período, atrás somente de São Paulo (50.251). Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram divulgados nesta sexta-feira (23/8) pelo Ministério da Economia.

O número da capital paranaense é o melhor dos últimos cinco anos. Em sete meses, Curitiba já superou o total de empregos criados em todo ano passado, de 13.681 vagas. O saldo de vagas do Caged é medido pela diferença entre contratações e demissões no período.

Curitiba respondeu, sozinha, por 38% do saldo de vagas no Paraná de janeiro a julho, de 40.537 vagas

O economista e superintendente do trabalho da Fundação de Ação Social (FAS), Fabiano Vilaruel, destaca que o ambiente mais favorável a investimentos dos empresários na capital é fundamental para o destaque obtido por Curitiba no âmbito nacional.

Segundo ele, a postura do governo municipal de romper com velhos hábitos da gestão pública faz a diferença, bem como adotar políticas que favorecem a abertura de empresas, investir na qualificação dos trabalhadores e na infraestrutura da cidade e valorizar o cidadão.

“Curitiba trouxe de volta a segurança que os empregadores precisavam para querer investir na cidade e abrir novos postos de trabalho formal”, diz Fabiano Vilaruel.

Projetos de incentivo municipal a empresas inovadoras –  dentro do programa Vale do Pinhão –, inauguração de novos empreendimentos comerciais na cidade e programas de capacitação de mão de obra e de apoio ao empreendedorismo são fatores que estão ajudando a melhorar o mercado de trabalho na cidade.

Setores em alta

A rápida recuperação da geração de empregos formais na cidade se concentrou principalmente no setor de serviços – principal atividade econômica do município – responsável pela criação de 11.764 vagas em sete meses, seguido pela construção civil, com 2,3 mil vagas, o comércio, com 1.105 vagas, e a indústria da transformação, com 393.

A expectativa, na opinião de Vilaruel, é de manutenção na criação de vagas até o final do ano. “Devemos manter as melhores taxas de geração de vagas entre todas as capitais. Com variação entre ser a segunda e terceira cidade do país até o final do ano”, prevê.

Via: Prefeitura de Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fazenda Urbana vence prêmio nacional de design em inovação e bem-estar

Curitiba já integra a rede Cidade Criativa do Design da Unesco e, na noite de terça-feira (30/11), conquistou com a Fazenda Urbana o Design for a Better World Award (DFBW Award), premiação inédita lançada pelo Centro Brasil Design (CBD). O prêmio valoriza iniciativas que impactam de forma positiva a sociedade em busca de um mundo melhor e que são direcionadas para o bem-estar da população indo além do universo usual do design.

Inaugurada em junho de 2020, a Fazenda Urbana da Prefeitura é um inédito espaço no Brasil dedicado à educação para prática agrícola sustentável nas cidades. O local é administrado pela Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (SMSAN).

O Vale do Pinhão, ecossistema de inovação da capital, também foi finalista do DFBW Award pela contribuição com iniciativas relacionadas ao design e à criatividade que impactam o maior número de pessoas.  

O prêmio teve inscritos de todo o país e, entre os finalistas, 15 foram contemplados com troféus em áreas como design, comunicação, arquitetura e construção, cidades e maker kids. Os vencedores foram anunciados em cerimônia transmitida pela internet. 

“A conquista do DFBW Award reforça minha convicção de que cidades inteligentes precisam resgatar o contato do homem com a terra, como fazemos na Fazenda Urbana e no apoio às mais de 100 hortas cultivadas pela comunidade. Nestes espaços, estamos proporcionando aos curitibanos uma experiência vivencial nas principais etapas do ciclo alimentar, desde o plantio da mudinha ao preparo do alimento para o consumo consciente e sustentável”, afirmou o prefeito Rafael Greca, ao comemorar o prêmio.

O prefeito ainda destacou o reconhecimento do Vale do Pinhão como finalista da premiação. “A Prefeitura e os demais atores do ecossistema de inovação têm trabalhado em conjunto para o fomento de novos produtos e serviços, transferência de tecnologia e incentivo ao setor produtivo e formação de novos designers com foco na inovação e na sustentabilidade, além da valorização dos produtos locais”, disse Greca.

Um mundo melhor

Letícia Castro, diretora superintendente do Centro Brasil Design, lembrou que, desde 2018, o hub é signatário do Pacto Global da ONU e vem compartilhando os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). “Criamos uma iniciativa chamada Design for a Better World que vinha debatendo o papel do design por um mundo melhor e percebemos que havia uma oportunidade para lançar o prêmio que tem como objetivo dar visibilidade para essas iniciativas e soluções”, acrescentou ela.

O DFBW Award é direcionado a pessoas, negócios, startups, organizações e iniciativas como a Fazenda Urbana e o Vale do Pinhão que contribuem com soluções para transformar o mundo, nas diversas áreas e nos mais variados usos e aplicações.

O juri avaliou questões como economia circular, inclusão física e cultural, eficiência energética, redução de resíduos, redução do uso de água, redução da poluição, redução do consumo, materiais menos impactantes, melhoria do meio ambiente ou melhoria do bem-estar das pessoas, maior reciclabilidade, reutilização, reaproveitamento, viabilidade econômica, obsolescência, intercambialidade, design universal, manutenção mais fácil e durabilidade estendida em produtos, processos, serviços e projetos.

Pilares 

Segundo Luiz Gusi, secretário municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, design, inovação e sustentabilidade são pilares da estrutura da Fazenda Urbana de Curitiba. Os canteiros das hortas serão sustentados com troncos de madeira, canos de PVC ou garrafas PET. Também há hortas suspensas para que cadeirantes possam vivenciar o local plenamente e “jardins comestíveis”, que integram em uma mesma área o cultivo de plantas paisagísticas, hortaliças e frutas, além do uso de materiais reciclados. Já parte da energia para o funcionamento da estrutura vem de fontes renováveis, como a solar, instaladas de forma harmônica no complexo. Os cursos ofertados, por outro lado, orientam a população sobre aproveitamento integral de alimentos e até reaproveitamento da água das chuvas, aspecto importante para o desenvolvimento das plantas”, exemplifica.

A Fazenda Urbana recebeu ainda o projeto Jardins de Mel, de criação de abelhas nativas sem ferrão. Os insetos ganharam cinco caixinhas, espalhadas pelo complexo, que vão ajudar, por meio da polinização, a aumentar a qualidade e a produção das hortaliças.

Na cerimônia de premiação, a Prefeitura foi representada pelo superintendente da SMSAN, Edson Rivelino Pereira.  

Troféu “curitibano” 

O troféu do DFBW Award já vem com DNA curitibano, pois foi criado pelo premiado escritório Furf Design Studio, com sede na capital e que tem como fundadores Maurício Noronha e Rodrigo Brenner. A dupla é responsável por criaçõs como a Confete TT, uma capa em várias cores para próteses de perna hoje produzida em massa e que vem resgatando a autoestima de quem teve amputação abaixo do joelho (transtibial).

O troféu tem como maior inspiração o curupira, a entidade protetora das florestas na cultura tupiniquim. “Pés que apontam para o lado contrário servem também de convite para olhar para o passado para caminhar para o futuro. Reconhecer sabedorias ancestrais para desenhar um mundo melhor”, contou Noronha.

Selo Unesco 

Curitiba integra a rede Cidade Criativa do Design da Unesco ao lado de cidades como Buenos Aires (Argentina), Nagoya (Japão), Shenzhen (China), Shangai (China), Bilbao (Espanha) e Graz (Áustria). Por integrar a rede, a capital tem o direito de usar o selo Curitiba Cidade do Design da Unesco.

Curitiba está entre as cinco cidades que mais geram empregos no Brasil

Curitiba está entre as cinco cidades que mais geram empregos com carteira assinada no País. No acumulado de janeiro a outubro, o mercado de trabalho da capital criou 42.320 novas vagas, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta terça-feira (30/11) pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

A capital paranaense ficou atrás apenas de São Paulo (329.872), Rio de Janeiro (63.995), Belo Horizonte (56.923) e Brasília (51.077).

Curitiba segue em ritmo de retomada e bateu mais um recorde quando comparada com a série histórica, que começou em 2003. Segundo o Ministério, no entanto, a comparação não é recomendada, porque foram implantadas mudanças na metodologia do Caged a partir do início de 2020.

No mesmo período do ano passado (já com a nova metodolgia), a cidade havia amargado um saldo negativo de 6.037 vagas. O saldo do Caged é medido pela diferença entre admissões e demissões. Assim, quando o saldo é positivo, significa que houve mais contratações do que demissões e vice-versa. Nos dez meses acumulados de 2021, foram 371.881 contratações e 329.561 demissões na capital.

Recuperação

O número consolida o movimento de recuperação, após o impacto da pandemia de covid-19 encolher o mercado de trabalho em todo país, comemora o prefeitro Rafael Greca.

“Os números comprovam que a nossa economia aqui de Curitiba virou a chave da pandemia. Ainda temos desafios, mas vamos em frente com a esperança de dias melhores”, afirmou o prefeito.

O resultado de janeiro a outubro foi puxado principalmente pelos setores de Serviços, com 22.328 novas vagas, Comércio, 6.290, Construção Civil, 8.096, e Indústria, com 5.557.

Com o resultado, Curitiba também liderou a geração de empregos no Paraná no período. Foi responsável por 23% das vagas criadas no Estado, que totalizaram 176.570 no período. Somente no mês de setembro foram 3.645 vagas geradas em Curitiba.

Apoio do município

A Prefeitura de Curitiba mantém programas e ações para dar sustentação à retomada da atividade econômica tanto para trabalhadores quanto para empreendedores. Na reta final do ano, o município antecipou o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro salário e do salário de dezembro dos servidores, o que deve movimentar pelo menos R$ 276 milhões na economia da cidade.

O pagamento se soma a outras medidas para reduzir o impacto da pandemia sobre a economia. Entre elas, a criação de um fundo de aval, de R$ 10 milhões, com potencial para alavancar até R$ 100 milhões em investimentos por parte das empresas curitibanas.

Para reduzir a burocracia na abertura de negócios, o número de atividades incluídas na lei de liberdade econômica foi ampliado. A lei prevê a dispensa de alguns alvarás para atividades de baixo risco, facilitando o processo. No ano passado, o número de atividades abrangidas pela lei passou de 242 para 545 na capital.

O município também prorrogou o prazo de pagamento de impostos e promoveu um programa de refinanciamento, o Refic-Covid-19, que permitiu o parcelamento de débitos em até 36 meses.

A Prefeitura também vem dando apoio ao setor de eventos, com a utilização de R$ 2,7 milhões para projetos desse segmento e moratória de dívidas, até o fim do ano.

Capacitação

A Prefeitura investe ainda em capacitação para trabalhadores e empreendedores.

Os Liceus de Ofício, da Fundação de Ação Social (FAS), promovem cursos e preparam para o mercado de trabalho quem está em busca de qualificação. Além disso, os Espaços do Empreendedor da Agência Curitiba dão suporte a microempresários e microempreendedores individuais. E o Programa 1ºEmpregotech 2021, lançado no ano passado, oferece qualificação na área de tecnologia com aulas e oficinas.

O Fab Lab Cajuru, laboratório de fabricação por prototipagem, por sua vez, gera novas oportunidades para estudantes, empresas e comunidade, que podem compartilhar conhecimentos e colocar em prática ideias inovadoras.