Arábia suspende compra de carne de ave de 11 frigoríficos do Brasil

O governo brasileiro foi surpreendido com a informação de que a Arábia Saudita decidiu suspender a importação de carne de aves de 11 estabelecimentos brasileiros. Uma nota conjunta, assinada pelo Itamaraty e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, afirma que a notícia foi recebida “com surpresa e consternação”, sem que qualquer contato prévio tenha sido feito pelas autoridades sauditas.

Ainda segundo as autoridades brasileiras, nenhuma justificativa ou motivação para a suspensão foi apresentada. “A informação consta apenas em nova lista de plantas brasileiras autorizadas a exportar, publicada hoje pela Saudi Food and Drug Authority (SFDA), que exclui os referidos estabelecimentos, previamente permitidos”, informa a nota divulgada no início da noite de ontem (6).

Ainda segundo a nota, “apenas o Brasil foi objeto de atualização de lista de exportadores de carne de aves”. Diante da situação, o governo brasileiro informou que já está contatando as autoridades sauditas, bem como a embaixada em Brasília, na tentativa de esclarecer o ocorrido.

“O Brasil reitera os elevados padrões de qualidade e sanidade seguidos por toda nossa cadeia de produtos de origem animal, assegurados por rigorosas inspeções do serviço veterinário oficial. Há confiança de que todos os requisitos sanitários estabelecidos por mercados de destino são integralmente cumpridos”, informa o governo brasileiro.

A nota acrescenta que “todas as vias bilaterais e multilaterais serão empregadas com vistas à pronta resolução da questão”, e que, caso se comprove a interposição de barreira indevida ao comércio, o Brasil poderá levar o caso à Organização Mundial do Comércio (OMC).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Grandes eventos no primeiro semestre movimentam a economia e turismo em Curitiba

Grandes eventos no primeiro semestre movimentam a economia e turismo na cidade

Oficina de Música, Smart City Expo, Coldplay, Anitta, Backstreet Boys e Joss Stone. Curitiba voltou a ser palco de grandes eventos e shows presenciais nacionais e internacionais e 2023 promete muitas emoções e movimentação da economia criativa local. Com apoio da Prefeitura de Curitiba, que reduziu o Imposto Sobre Serviços (ISS) para eventos em 2017, o destino se consolidou no roteiro de grandes apresentações artísticas, congressos e feiras, beneficiando o setor de turismo e a economia da cidade.

Oficina de Música

Um dos destaques da movimentada agenda de 2023 é a Oficina de Música, que abre as comemorações dos 330 anos de Curitiba. De 25 de janeiro a 5 de fevereiro, a cidade passa a respirar música com a 40ª edição do evento que promove palestras e minicursos gratuitos.

Na programação dos shows, Bnegão, Vanessa da Mata, Gilsons, Edu Lobo, o pianista Arnaldo Cohen e outros grandes nomes da música popular brasileira e da música erudita são alguns dos destaques que estarão no palco desta edição. A programação especial celebra também o marco histórico dos 50 anos da Fundação Cultural de Curitiba.

As datas, locais de apresentação e a programação geral da Oficina de Música, podem ser conferidas no site www.oficinademusica.org.br.

Agenda internacional

O grande nome internacional que aterriza em Curitiba em 2023 é a banda britânica Coldplay. Fundada em 1996 na Inglaterra pelo vocalista e pianista Chris Martin e o guitarrista Jonny Buckland no University College London, o Coldplay conquistou uma legião de fãs brasileiros. A banda se apresenta nos dias 21 e 22 de março no Estádio Couto Pereira com shows de abertura da banda CHVRCHES e o duo Clara X Sofia.

Seguindo a agenda internacional, os Backstreet Boys, uma das bandas de maior vendagem de todos os tempos, se apresentam no dia 25 de janeiro na Pedreira Paulo Leminski. A apresentação faz parte da turnê DNA World Tour. O grupo se apresentou pela última vez para plateias esgotadas na América Latina em 2019.

Joss Stone, cantora e compositora inglesa de soul e R&B e atriz, vencedora de dois BRIT Awards e de um Grammy Award, se apresenta em abril no Teatro Positivo.

A banda de rock americana, The Calling, formada em Los Angeles, Califórnia, entre 2001 e 2004, atingiu sucesso com dois álbuns que venderam milhões de cópias. A banda terminou em 2005, e teve seu retorno oficial em 2013 e se apresenta em maio também no palco do Teatro Positivo.

Nacionais de peso

Na programação nacional, destacam-se apresentações icônicas como a reunião da banda de rock Titãs, que fazem um show em junho na Pedreira Paulo Leminski e a despedida do Skank. A banda mineira está percorrendo o país com a “Turnê da Despedida”, que celebrou a história da banda. A despedida dos palcos curitibanos acontece no dia 04 de março, na White Hall Jockey Eventos.

E muitos outros nomes consagrados da música brasileira vão passar pela cidade ao longo de 2023, Anitta, Alcione, Ana Carolina, Fafá de Belém, Fábio Júnior, fazem parte da lista.

Smart City Expo Curitiba

A versão brasileira do maior evento mundial de cidades inteligentes acontece nos dias 22, 23 e 24 de março de 2023 e ganhará um dia a mais em relação as edições anteriores.

Curitiba voltará pelo quarto ano a ser a capital mundial da inovação, reunindo especialistas, governos, empresas e profissionais de todo o mundo, que debaterão e buscarão soluções para o desenvolvimento sustentável das cidades, agora com foco na conectividade global.

Um mundo de cidades, novas realidades urbanas, novas tecnologias, novos modelos de negócios. Criada em parceria com a Fira Barcelona, organizadora do principal Smart City Expo World Congress, a Smart City Expo Curitiba reúne especialistas de todo o mundo para compartilhar ideias sobre como criar um futuro melhor e mais sustentável para as cidades e seus cidadãos.

Clique aqui para conferir a agenda completa de eventos previstos para o primeiro semestre.

Incentivos e aceleração econômica

Desde 2018, produtores de eventos se beneficiam da redução da alíquota do ISS de 5% para 2% para feiras, exposições, congressos, shows. A Lei Complementar nº 107 foi aprovada pela Câmara Municipal de Curitiba e sancionada pelo prefeito Rafael Greca no final de 2017.

Em setembro de 2020, a cidade recebeu R$ 11,9 milhões da União, dos quais R$ 9,2 milhões foram direcionados a projetos culturais selecionados pela Fundação Cultural de Curitiba (FCC).

Em agosto de 2021, a Câmara Municipal aprovou dois projetos de apoio da Prefeitura de Curitiba aos setores cultural e de eventos para compensar as perdas com a pandemia de covid-19.

A Câmara também aprovou o projeto de lei de iniciativa do Executivo sobre a moratória de débitos tributários e não tributários inscritos ou não em Dívida Ativa de empresas de eventos culturais, beneficiando 12 atividades econômicas: gestão de espaços artísticos; produção de espetáculos circenses, de dança, de música, de teatro e de eventos esportivos; serviços de música ao vivo e mecânica; organização de feiras e congressos; exibição cinematográfica; drive-ins; e casas de festas e eventos.

Em 2022, o município prorrogou o pagamento do Imposto sobre Propriedade Territorial Urbano (IPTU) e a Taxa de Coleta de Lixo para bares, eventos, restaurantes, lanchonetes, hotéis e academias. A medida beneficiou 3,6 mil estabelecimentos e possibilitou a postergação do pagamento de R$ 179 milhões em IPTU até dezembro.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Empresas de tecnologia investem no recrutamento de novos talentos para abastecer mercado carente de profissionais

O cenário é histórico e só vem se agravando: ao mesmo tempo que o Brasil está entre os dez mais importantes mercados de tecnologia do mundo, também enfrenta o maior déficit de profissionais de TI. Enquanto serão necessários 797 mil especialistas nessa área até 2025, a expectativa é que as universidades formem apenas 265 mil. Os dados da Brasscom mostram que as contas não fecham, já que faltam mais de 106 mil profissionais anualmente. Nesse contexto, cresce a demanda pelo papel do tech recruiter, profissional especializado em recrutar candidatos do setor de tecnologia com base, principalmente, em habilidades técnicas.

E a lacuna é tão grande que os grupos que até então tinham como foco oferecer soluções tecnológicas agora passam a mirar também na lapidação de profissionais e times inteiros para suprirem vazios do mercado. São novas estratégias traçadas para a seleção de colaboradores. É o que acontece no Grupo LUME, empresa de tecnologia de Curitiba (PR), que lança mão do recrutamento de talentos para agregar em projetos específicos e equipes de outras corporações. “A dificuldade de empresas brasileiras em recrutar profissionais de tecnologia de alto nível só aumenta. Por isso, montamos uma operação dedicada para ir além de recrutar e levar profissionais qualificados ao mercado, oferecendo também inteligência e expertise na escolha do melhor perfil para ocupar cadeiras de tecnologia e fazer parte de squads multidisciplinares e especializados”, explica a fundadora e CEO do grupo, Márcia Munaro.

A iniciativa da LUME vem para suprir a demanda por meio de processos seletivos certeiros e rápidos, que muitas vezes tomavam tempo precioso dos times de RH e gestores internos das empresas. De acordo com um levantamento da Robert Half, 63% dos diretores de TI têm dificuldade em encontrar profissionais de alto nível e 49% estão muito preocupados com a capacidade da empresa em reter profissionais de TI. Os números são reflexos do leque de oportunidades disponíveis para esses especialistas, que têm a possibilidade de trabalho remoto e salários em dólar. Para vencer a disputa, quanto mais atualizado com as práticas e ofertas do mercado o recrutador estiver, mais vai dispor de vagas competitivas para os talentos da área.

Especialistas em segurança da informação, arquiteto de soluções, desenvolvedor e gerente de TI são algumas das ocupações mais demandadas. Mas esses profissionais apenas farão a inscrição em uma vaga de emprego após analisarem o salário, os benefícios e, inclusive, a possibilidade de adquirir novos conhecimentos. “Buscamos no mercado profissionais que possam apoiar outras empresas, dar celeridade em projetos e tangibilizar soluções sistêmicas. Hoje, com um ano e meio de atuação, a LUME Talentos já representa 15% da receita do grupo”, complementa Márcia.

Tecnologia no DNA

Com mais de 5 mil empresas no portfólio que já foram impulsionadas a inovar por meio da tecnologia, o Grupo LUME oferece soluções de infraestrutura de TI, conectividade, segurança da informação, desenvolvimento de softwares, consultoria e sustentação SAP. Também, aloca profissionais de TI na composição de squads especializados, unidade que já representam mais de 18% do quadro de talentos do grupo. Com planos arrojados, a empresa tem o objetivo de fechar o ano com aumento de 30% no faturamento em relação a 2021. A porcentagem segue os bons resultados alcançados durante a pandemia, quando a empresa registrou crescimento de 77% no rendimento ao comparar 2019 e 2021. 

Inovar, solucionar problemas e despertar talentos. Desde 1986, esse movimento pela tecnologia faz parte do DNA da empresa. “O que entregamos é o poder do conhecimento e novas oportunidades de parcerias, para tomar decisões assertivas e multiplicar as perspectivas de crescimento”, avalia a CEO. A especialista acredita que a TI deixou de ser vista apenas como uma área operacional e, agora, assumiu um papel mais importante dentro das organizações, tornando-se um fator de redução de custos e de crescimento de lucros.

Liderança feminina

Nenhum obstáculo foi capaz de parar ­Márcia Munaro, fundadora e CEO do Grupo LUME. Foi datilografando em Videira, interior de Santa Catarina, que ela começou a se apaixonar pelo mundo da tecnologia. Na época, tinha 14 anos e trabalhava como menor aprendiz para a empresa Perdigão. Conforme os anos passavam, as experiências profissionais traziam a confirmação de que estava no caminho certo. Não demorou para Márcia fundar sua própria empresa para levar soluções de TI ao mercado. “Iniciei minha atividade profissional longe de pensar que um dia estaria numa cadeira mais estratégica, como empresária”, declara.

Administradora e gestora hands-on, Márcia faz parte dos 11% de mulheres que ocupam cargos de liderança em tecnologia no mundo. A pesquisa CIO Survey 2020, feita pela KPMG e Harvey Nash, aponta que o percentual é um pouco melhor na América Latina, onde 16% das lideranças de TI estão nas mãos de mulheres. Elas ainda são minoria na tecnologia, ganham 20,5% menos do que homens e convivem com preconceitos distorcidos quando direcionam a carreira para áreas conhecidas por serem “mais masculinas”. 

Muitos estudos mostram a força da presença feminina nas empresas. Uma pesquisa da consultoria McKinsey aponta que companhias com mulheres no time executivo têm 50% mais probabilidade de alcançar melhor desempenho financeiro. Em países latinos, por exemplo, atingir a equidade de gênero poderia gerar um impacto de 1,1 trilhão de dólares no PIB até 2025. Mas há um longo caminho a percorrer até que as oportunidades sejam, de fato, iguais.

“Fazer a diferença como mulher, líder e TI são os primeiros passos para um mundo melhor. E acreditar no próprio potencial é um importante ingrediente para o sucesso.” Para Márcia Munaro, a capacidade profissional não está no gênero, mas na possibilidade de cada pessoa em se capacitar, se desenvolver e se aprimorar. “Mas, mais do que criar soluções e fazer acontecer, é importante compartilhar o conhecimento para preparar novos e futuros profissionais de TI. Afinal, tecnologia é um pilar indispensável para qualquer negócio”, conclui.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com