Com melhora em indicadores da pandemia, Curitiba retoma atendimento habitual em 88 unidades de saúde

Com uma pequena melhora nos indicadores referentes à pandemia da covid-19, que aliviaram a pressão sobre o sistema de saúde, todas as unidades básicas que estavam recebendo casos de urgência e emergência voltaram ao atendimento habitual nesta semana. Com isso, Curitiba agora tem 88 unidades básicas abertas -, além de sete UPAs que voltaram à função original recebendo pacientes de urgência emergência de quaisquer doenças.

Das 88 unidades básicas abertas, 73 estão com atendimento normal para todos os públicos de Curitiba (inclusive vacinação de rotina), duas são exclusivas para multivacinação de rotina e uma para multivacinação de rotina e atendimento exclusivo de crianças e gestantes (veja a lista completa e horários aqui). Outras 12 são voltadas à vacinação contra covid-19, somados a outros pontos fixos.

De acordo com a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, as 73 unidades com atendimento normal funcionam com atendimento em “y”, ou seja, contam com um fluxo separado para pacientes sintomáticos respiratórios e para demais pacientes de rotina e que fazem tratamento de doenças crônicas.

“Isso garante a segurança de todos e que o cuidado com os curitibanos não para”, afirma a Márcia. “Ao mesmo tempo que cuidamos dos pacientes de covid-19, não deixamos de lado as demais situações de saúde”, explica.

Apenas 18 unidades estão com atendimento suspenso. Para 12 delas, a previsão é voltar a funcionar até o fim de agosto, a depender da situação sanitária do município. Essas unidades com atendimento suspenso tiveram as equipes redirecionadas para os demais postos de saúde abertos, para reforçar o atendimento de covid-19.

Outras cinco unidades de saúde estão em reforma. São elas US Moradias da Ordem (distrito sanitário do Tatuquara); US Tingui e Fernando de Noronha (distrito sanitário Boa Vista); US Nossa Senhora da Luz (distrito sanitário CIC); e US Pilarzinho (distrito sanitário Santa Felicidade).

Central de Atendimento

Além das UPAs e das unidades de saúde, a Central de Atendimento 3350-9000 atende todos os dias da semana, das 8h às 20h, casos leves de urgência e emergência, seja por suspeita de covid-19 ou outras doenças. Em caso de necessidade, a central direciona para um serviço de saúde.  

Veja a lista com unidades com atendimento normal aqui

UPAs com atendimento para urgências e emergências (24 horas)

• UPA Sítio Cercado: Rua Levi Buquera, 158, Sítio Cercado
• UPA Boa Vista: Avenida Paraná, 3.654, Boa Vista
• UPA Cajuru: Rua Engenheiro Benedito Mário da Silva, 555, Cajuru
• UPA Campo Comprido: Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, 3.495, Campo Comprido
• UPA Tatuquara: Rua Jornalista Emílio Zolá Florenzano, 835, Tatuquara
• UPA CIC: Rua Senador Accioly Filho, 3370, Cidade Industrial
• UPA Pinheirinho: Rua Leon Nicolas, s/n esq. com Winston Churchill, Capão Raso

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Órgão do Ministério Público decide demitir procurador da Lava Jato por outdoor em Curitiba

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) decidiu nesta segunda-feira (18) aplicar pena de demissão ao procurador Diogo Castor de Mattos, membro da antiga força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, pela contratação de um outdoor em homenagem à operação.

Por 6 votos a 5, o plenário do conselho entendeu que o procurador cometeu ato de improbidade administrativa. Segundo o entendimento, a infração impõe a pena de demissão.

O corregedor nacional Rinaldo Reis Lima e o conselheiro Sílvio Amorim Júnior propuseram a conversão da pena em suspensão –o primeiro sugeriu 90 dias e o segundo, 16. Contudo, foram vencidos na discussão sobre a possibilidade de aplicação dessa pena.

Após a decisão, o procurador-geral da República, Augusto Aras, precisa designar um procurador para ajuizar ação de perda de cargo.

A decisão do CNMP ocorre em meio ao debate sobre a PEC (proposta de emenda à Constituição) que altera a composição do órgão.

A propaganda foi colocada na saída do aeroporto de Curitiba no início de 2019.

“Bem-vindo a República de Curitiba. Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a Lei se cumpre”, afirmava o outdoor por ocasião dos cinco anos da investigação.

O procurador disse que teve a iniciativa “em financiar a contratação de uma mídia para elogiar e levantar o moral do grupo, que não viu nenhum problema nessa sua conduta, que pagou com recursos próprios algo em torno de R$ 4.000”.

Embora tenha reconhecido que assumiu os custos da propaganda com recursos próprios, Castor de Mattos alegou que não participou de detalhes da contratação.

O conselheiro Amorim Júnior afirmou que considerava atenuantes o fato de o procurador sofrer, à época dos fatos, de grave quadro depressivo, além de ter confessado o pagamento pelo outdoor.

A conselheira Fernanda Santos, relatora do caso, entendeu, porém, que a norma não permitiria a conversão da pena em casos em que o cometimento de improbidade administrativa foi reconhecido.

“Entendo que o ato foi grave pelos danos ao Ministério Público como um todo”, afirmou ela.

Com chuva, rodízio de água pode ser aliviado no final de novembro em Curitiba e RMC

A sequência de dias chuvosos no mês de outubro aliviou os efeitos da estiagem ao Sistema de Abastecimento de Água Integrado de Curitiba e Região Metropolitana. Em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (18), o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky, afirmou que no final de novembro uma flexibilização do rodízio de abastecimento poderá ser novamente discutida dependendo de como se mantiver o tempo.

Segundo Gonchorosky, o volume de chuvas em outubro está na média histórica e com isso o nível dos reservatórios subiu mais de 7%. Porém, em novembro e dezembro o prognóstico meteorológico é de poucas chuvas.

“Então o que vamos fazer é esperar um pouco a chegada da previsão para o mês de novembro e tendo uma perspectiva de chuvas pelo menos próximas da média histórica a tendência é da gente discutir uma flexibilização para o final do mês. Mas claro, tudo depende das chuvas de novembro, de qualquer maneira, o cenário é mais favorável”, explicou o diretor da Sanepar à Banda B.

Economia

Gonchorosky ainda elogiou a economia de água realizada pela população paranaense e disse que um conjunto de ações será responsável pela estabilidade no nível dos reservatórios.

“Nós desejamos aliviar o modelo de rodizio o mais rápido possível, porque todo esse processo é prejudicial para a Sanepar também. Quando a tendência de chuva é de manter a média ou ficar próximo da média histórica para o mês o cenário é extremamente favorável. A economia da população tem ajudado muito. Mês passado nos aproximamos novamente dos 20% de redução no consumo. Então esse conjunto de ações vão levar a uma estabilidade nos reservatórios e com isso será possível flexibilizar o rodízio”, afirmou ele.

Até o final da noite desta segunda-feira, o nível dos reservatórios estava em 57,50% e o rodízio no esquema de 36h com abastecimento e 36h sem água segue valendo.

Informações Banda B