Turismo é reaberto de forma controlada em Morretes, com autorização da prefeitura e do MP

A reabertura de forma controlada do turismo em Morretes, no litoral do Paraná, foi autorizada pela prefeitura e pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR).

Até quinta-feira (6), só era a permitida a entrada de moradores ou então de quem fosse até a cidade a trabalho.

Agora, a partir desta sexta-feira (7), restaurantes e pousadas voltam a atender turistas, mas com restrições. Para entrar no município, é preciso se cadastrar pela internet.

O cadastro é uma maneira de diminuir o número de pessoas e evitar aglomerações. Ele deve ser apresentado pelo turista na barreira sanitária.

3.770 pessoas podem visitar a cidade por dia, sendo que o acesso é limitado a sextas, sábados e domingos.

Leia mais no G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mutirão recolhe 190 quilos de resíduos na Ilha do Mel

Cerca de 190 quilos de resíduos sólidos foram retirados da Ilha do Mel nesta terça e quarta-feira (12 e 13). A iniciativa foi uma parceria entre o Instituto Água e Terra (IAT), a ONG Eco Local Brasil e a população nativa da Ilha. Ao todo, 46 voluntários participaram do mutirão, ação que faz parte do movimento Somos da Ilha do Mel, organizado pela população local.

O material coletado foi transportado para o continente pelo IAT com auxílio de um barco e destinado pela Eco Local Brasil.

De acordo com o coordenador das atividades da ONG, Filipe Oliveira, a ação não busca somente a limpeza do ambiente, mas também transformar esses resíduos em produtos. “Coletamos estes detritos e os transformamos em tijolos, mesas e brinquedos, por exemplo. Eles são, depois, destinados para o uso da própria população”, explica Oliveira.

Dentro da Ilha do Mel, a escola municipal da praia de Encantadas possui um canteiro de hortaliças e uma mesa para jogo de damas, ambos foram construídos com materiais provenientes das ações de coletas de resíduos nas praias.

PARTICIPAÇÃO –A coleta e a destinação correta de resíduos sólidos são de responsabilidade da administração municipal. No entanto, durante os períodos de alta temporada, o Governo do Estado colabora com repasse de recursos para auxiliar na gestão de resíduos.

“A população flutuante aumenta muito no Litoral durante o período de verão. E é justamente para garantir uma melhor gestão destes detritos que o IAT oferece apoio para que as prefeituras realizem essas ações”, afirma Fernando Bunn, coordenador de Resíduos Sólidos do IAT.

Informações AEN.

No Paraná, 95% das escolas já receberam materiais para prevenção da Covid-19

A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte investiu R$ 5,9 milhões na compra de materiais de proteção para os mais de 2 mil colégios da rede estadual que se preparam para iniciar o ano letivo com segurança. Até esta quarta-feira (13) cerca de 95% das escolas do Estado já tinham recebido os itens.

Foto: AEN PR

Entre os materiais adquiridos estão 21,8 mil galões de 5 litros de álcool em gel, 25,1 mil galões de 5 litros de álcool líquido 70%, 6,9 mil termômetros, 31,7 mil dispensers e 16,3 mil macacões para equipes de limpeza. Além disso, 2,1 milhões de máscaras de tecido serão entregues aos estudantes (duas para cada). 

Foto: AEN PR

Outros itens — como produtos de limpeza, luvas e botas para profissionais de limpeza e fitas adesivas para orientar o distanciamento em salas de aula e espaços comuns — estão sendo adquiridos pelas próprias escolas. Os recursos para essas compras são do fundo rotativo, verba liberada mensalmente para as escolas, destinada à aquisição de materiais e à execução de pequenos reparos.

Foto: AEN PR

Os diretores de cada escola têm liberdade para implementar medidas adicionais de segurança e ampliar os cuidados para prevenção da Covid-19. É o caso de José Marcos de Paula, diretor do Colégio Estadual Pedro Macedo, em Curitiba. Ele comprou totens para álcool em gel e está construindo 15 novos lavatórios em áreas externas para que os estudantes possam higienizar as mãos com água e sabão em ambientes abertos.

“Já estamos preparados para receber nossos alunos com toda a segurança. Eles, assim como os professores, sentem muita falta do cotidiano na escola”, afirma José Carlos. “Os alunos estão conscientes de todo o cuidado que precisam ter e sabem que não é só na escola. Precisam se prevenir onde quer que eles forem e também levar essa conscientização para dentro de casa”.

ANO LETIVO 2021 – Com início previsto para 18 de fevereiro, o ano letivo nos colégios estaduais terá formato híbrido, com parte dos alunos assistindo às aulas de forma presencial nas escolas, enquanto o restante dos estudantes acompanha a mesma aula de maneira remota, simultaneamente.

A intenção é que haja um revezamento semanal entre os estudantes (uma semana em aula remota e uma semana em aula presencial). Aqueles que não têm acesso à internet ou a aparelhos eletrônicos, e que tiveram que buscar atividades impressas nas escolas ao longo de 2020, têm preferência para a aula presencial. Os demais participarão do revezamento, desde que haja autorização dos pais ou responsáveis legais.

Ao chegar à escola, todos os alunos terão suas temperaturas verificadas. O uso de máscara é obrigatório, assim como a disponibilização de álcool em gel e o distanciamento mínimo de 1,5 metro dentro das salas. A capacidade de cada sala de aula será limitada ao máximo de 50% de ocupação (o percentual vai depender do tamanho da sala).

EDUCAR PARA PREVENIR – O ano letivo de 2021 contará com o programa Educar para Prevenir. Parceria entre as secretarias da Educação e da Saúde, o projeto vai levar orientações sobre doenças, como prevenção e cuidados, para dentro da grade escolar dos alunos. De acordo com o planejamento, entre 10% e 15% do conteúdo de Ciências para alunos do Ensino Fundamental nos anos finais e de Biologia no Ensino Médio abordarão o tema.

A ação se dará uma vez por semana, com objetivo de tornar a escola um agente de disseminação de informação sobre prevenção de doenças, inicialmente com foco na pandemia do novo coronavírus e depois expandindo para outras doenças endêmicas e doenças crônicas não degenerativas.

Leia mais sobre o ano letivo AQUI.

Informações AEN.