Pequenos negócios do Paraná já podem se inscrever no projeto Agentes Locais de Inovação

Neste ciclo, o foco será o atendimento de micro e pequenas empresas inovadoras que desejam se tornar mais competitivas e promover melhorias rápidas para crescer

Trinta e cinco Agentes Locais de Inovação (ALI) estão preparados para atender, gratuitamente, micro e pequenos negócios de todo o Paraná que desejam inovar em seus produtos, serviços e processos e aumentar os lucros por meio dos ganhos de performance. Para se inscrever no projeto que, neste ano, integra o programa Brasil Mais, basta acessar o site: www.gov.br/brasilmais.

O Brasil Mais é o novo programa do Governo Federal, Sebrae, Senai e Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que tem como principal objetivo tornar milhares de negócios mais produtivos até 2022. As empresas selecionadas para atendimento do Sebrae receberão acompanhamento por quatro meses dos ALI, que inclui visitas individuais e encontros coletivos, que serão realizados virtualmente.

No Paraná, a expectativa é atender 3.850 empreendimentos das áreas de serviços, indústria e comércio durante os cinco ciclos do projeto. São 35 agentes locais de inovação, capacitados pelo Sebrae/PR para elevar o nível de produtividade e competitividade dos pequenos negócios participantes por meio da promoção de melhorias rápidas e de impacto em um cenário de transformação digital.

A coordenadora do projeto ALI no Paraná, Danubia Milani, explica que a metodologia do projeto foi reformulada. Nos dois próximos anos, a atuação dos ALI será dividida em cinco ciclos de quatro meses cada. Isso significa que a cada quatro meses as empresas atendidas se renovam. Outra novidade, segundo ela, é que serão selecionadas aquelas que já possuem uma cultura de inovação e de transformação digital.

No primeiro ciclo serão atendidos 770 negócios em todo o Paraná. Os empresários interessados em receber o apoio do programa devem fazer a inscrição e um autodiagnóstico no portal do programa Brasil Mais.

“O Sebrae/PR entrará em contato para marcar a primeira visita, checar se a empresa se encaixa no perfil do projeto e começar a trabalhar”, conta Danubia.

Serão seis encontros individuais – em que os agentes irão até a sede da empresa – e três coletivos virtuais, para a troca de experiências entre os participantes. Entre as vantagens de participar do projeto ALI, a consultora cita os ganhos de produtividade, competitividade e também o networking.

“Nos encontros coletivos há muita troca de informações e ideias. As empresas têm a chance de encontrar parceiros, fornecedores e clientes e criar novas oportunidades de negócios”, destaca.

O empresário londrinense Leonardo Rodrigues Benni, diz que apesar de já criar produtos inovadores para a odontologia, a empresa usou a metodologia trazida pelo projeto ALI para ampliar a visão de inovação em processos internos. Para ele, que participou do último ciclo, a experiência foi muito positiva, já que ajudou a indústria a ter uma visão mais estratégica do negócio e do relacionamento com o cliente.

“A inovação é uma jornada, não tem receita. O projeto é importante porque mostra o caminho e as fases dessa jornada e é muito interessante criar essa cultura na empresa”, afirma.

O projeto

O projeto ALI, que existe desde 2008 e possui abrangência nacional, tornou-se uma ação de referência no mercado como um diferencial de estratégia e competitividade para os pequenos negócios. Os novos agentes foram capacitados pelo Sebrae/PR para prospectar, analisar, avaliar e acompanhar pequenas empresas, apresentando soluções para gerar impactos positivos em gestão, na melhoria de produtos e processos e identificação de novos mercados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Governador propõe reajuste de 3% para os servidores públicos em 2022

O governador Carlos Massa Ratinho Junior vai mandar um projeto de lei para a Assembleia Legislativa do Paraná propondo reajuste de 3% aos servidores públicos. A lei revê os termos da programação implementada em 2019 e interrompida em 2020 e 2021 em função da pandemia, como condição para o recebimento de verbas federais para a manutenção dos serviços básicos para a população. O texto tramitará em regime de urgência.

O reajuste leva em consideração o cenário econômico pós-pandemia. A fim de promover o pagamento do valor ainda em débito, fora editado a Lei n° 19.912, de 2019, porém, sobretudo em função da crise econômica, apenas a primeira parcela (2%) foi paga. Na época, o pagamento da reposição salarial, escalonado até 2022, seria de 2% em 2020 e 1,5% 2021 e 2022, com impacto global estimado em R$ 1,8 bilhão.

No entanto, com a pandemia e a lei federal (lei complementar 173/2020) que instituiu os repasses emergenciais aos estados com veto ao aumento da folha até dezembro de 2021, os pagamentos foram interrompidos. Agora, sem essa amarra, o Governo do Estado propõe a retomada dos pagamentos. Se aprovado, o reajuste será implementado em janeiro.

O impacto financeiro é estimado em R$ 786,3 milhões por ano – R$ 459 milhões em ativos e R$ 327 milhões em inativos. O Estado tem cerca de 150 mil servidores ativos e 133 mil inativos (aposentados e pensionistas).

“O Governo tem como meta manter as contas em equilíbrio, o que possibilita atrair investimentos que geram milhares de empregos e fazer investimentos públicos para melhorar a vida nos municípios. Também estamos batalhando para aumentar a arrecadação para sanar o déficit projetado para o Orçamento deste ano, ainda fortemente impactado pela pandemia. Enfrentamos nos últimos anos uma das maiores crises da nossa história e agora começamos a trabalhar com o planejamento de reajuste para os nossos servidores, que tanto se empenharam para manter os serviços públicos nos últimos anos”, afirmou o governador Ratinho Junior.

Segundo o projeto, o pagamento do índice restante de revisão geral anual previsto na Lei n° 18.493, de 24 de junho de 2015, dependerá do desempenho da arrecadação ao longo do exercício de 2022.

Ômicron: Paraná monitora 6 passageiros do mesmo voo de homem que veio da África com Covid

A Secretaria de Estado da Saúde (SESA) monitora seis passageiros que desembarcaram no Paraná e estavam no mesmo voo do brasileiro que veio da África do Sul e testou positivo para Covid-19, podendo estar com a variante ômicron. A informação foi confirmada pela pasta à Banda B.

O Ministério da Saúde está investigando se o homem está contaminado com a variante ômicron, que tem origem no continente africano. O rapaz, de 29 anos, morador de Guarulhos, em São Paulo, está com esquema vacinal completo e apresenta sintomas leves do novo coronavírus.

Segundo a SESA, é feito o monitoramento junto aos municípios dessas pessoas que estavam no voo com o contaminado, além da solicitação de quarentena. Não há motivo para alarde.

Nesta segunda-feira (29), a Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que a nova variante ômicron, reportada na semana passada, representa um “risco muito elevado” para o planeta, pois ainda existem incógnitas sobre essa cepa, entre elas se as vacinas existentes são suficientes para barrar a ômicron.

Na África do Sul, 24% dos habitantes estão totalmente vacinados. Enquanto no Brasil, 60% da população já tomaram as duas doses da vacina ou a dose única.

Informações Banda B