Fies: inscrições para vagas remanescentes são retomadas hoje

As inscrições para vagas remanescentes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), referentes ao segundo semestre de 2020, serão retomadas hoje (26). De acordo com o Ministério da Educação (MEC), há cerca de 50 mil inscrições ainda não preenchidas nas edições de 2020 dos processos seletivos regulares do fundo.

As inscrições serão realizadas exclusivamente na página do Fies na internet. Nessa etapa, poderão se inscrever tanto os candidatos não matriculados em instituição de educação superior, como também os já matriculados, mas que buscam uma oportunidade para financiar a continuidade dos estudos.

Cursos

Segundo o MEC, hoje e amanhã (27) a oferta será exclusivamente para os cursos de áreas do conhecimento prioritárias, como cursos de Saúde, Engenharias, Licenciaturas e Ciência da Computação.

Já as inscrições de candidatos não matriculados em instituição de educação superior poderão ser realizadas até as 23h59 do dia 3 de novembro. “E para quem já está matriculado no curso, turno e instituição para a qual deseja se inscrever para tentar o financiamento, o prazo termina às 23h59 do dia 27 de novembro”, complementa a nota divulgada pelo MEC.

A centenas de pessoas que tentaram se inscrever para as vagas remanescentes acabaram gerando instabilidade no sistema eletrônico usado para a inscrição no Fies. Diante dessa situação, o MEC optou por prorrogar o cronograma do processo de ocupação dessas vagas.

O Fies é o programa do governo federal que facilita o acesso ao crédito para financiamento de cursos de ensino superior oferecidos por instituições privadas. Criado em 1999, ele é ofertado em duas modalidades desde 2018, por meio do Fies e do Programa de Financiamento Estudantil (P-Fies).

O primeiro é operado pelo governo federal, sem incidência de juros, para estudantes que têm renda familiar de até três salários mínimos por pessoa; o percentual máximo do valor do curso financiado é definido de acordo com a renda familiar e os encargos educacionais cobrados pelas instituições de ensino. Já o P-Fies funciona com recursos dos fundos constitucionais e dos bancos privados participantes, o que implica cobrança de juros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Edital do Enem 2021 é divulgado: confira o calendário

Após o ministro da Educação, Milton Ribeiro, ir às redes sociais e antecipar, na segunda-feira (31) que o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) 2021 vai acontecer nos dias 21 e 28 de novembro, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou nesta quarta-feira (2) o edital com o cronograma do exame. As inscrições poderão ser feitas entre os dias 30 de junho e 14 de julho.

Como os processos do exame dependem da divulgação do edital, documento oficial com todas as diretrizes e datas das provas, a realização do Enem 2021 ainda neste ano vinha causando incertezas – normalmente, o edital é divulgado em março e as inscrições começam em maio. Agora, mesmo com atraso em relação a anos anteriores, pessoas interessadas já podem se planejar.

A seguir, confira o calendário e as principais perguntas sobre o exame

Provas

As provas do Enem Impresso e do Enem Digital serão aplicadas no mesmo dia, o que, segundo o Inep, deve otimizar a elaboração dos Cadernos de Questões, já que as duas versões utilizarão os mesmos itens. Além disso, a participação dos “treineiros” – estudantes que ainda estejam cursando ou não tenham concluído o ensino médio – está garantida na versão impressa.

Cronograma

– De 30 de junho a 14 de julho: inscrições.

– Até 19 de julho: pagamento da taxa de inscrição.

– De 30 de junho a 14 de julho: atendimento especializado.

– De 19 de julho a 23 de julho: pedido de tratamento pelo nome social.

– 21 e 28 de novembro: realização das provas.

Qual o horário de realização das provas?

As provas seguem o horário de Brasília.

– Abertura dos portões: 12h.

– Fechamento dos portões: 13h.

– Início das provas: 13h30.

– Término das provas no 1º dia: 19h.

– Término das provas no 2º dia: 18h30.

Como e onde fazer a inscrição?

Todas as pessoas interessadas em fazer o Enem 2021, inclusive aquelas que solicitaram isenção da taxa de inscrição do exame até o dia 28 de junho, devem efetuar a inscrição no site oficial do Inep, na Página do Participante, do dia 30 de junho ao dia 14 de julho de 2021 às 23h59 (horário de Brasília-DF).

Na hora de se inscrever, o participante deve informar os seguintes dados:

– Número do CPF e data de nascimento (o Inep aceita apenas uma inscrição por número de CPF).

– Optar pela participação no Enem 2021 digital ou impresso (após concluir a inscrição, não será possível alterar essa opção).

– Informar endereço de email e número de telefone fixo ou celular válidos.

– Indicar a unidade da federação e o município onde deseja realizar o exame.

– Solicitar, se necessário, atendimento especializado (válido, por exemplo, para pessoas com deficiência).

– Selecionar a língua (inglês ou espanhol) em que realizará a prova de Língua Estrangeira.

– Criar cadastro e senha de acesso para a Página do Participante

Qual o valor da taxa de inscrição?

A taxa de inscrição do Enem 2021 é de R$ 85,00. O valor deverá ser pago até 19 de julho de 2021, respeitando os horários de compensação bancária, sob risco de a inscrição não ser confirmada. O Inep informou que não haverá prorrogação no prazo. O pagamento da taxa de inscrição vale somente para o participante que não solicitou ou não teve aprovada a isenção da taxa de inscrição.

Quantas vagas o Enem Digital oferece?

O Inep informou que o Enem Digital 2021 ofertará 101.100 vagas para os primeiros participantes que optarem por essa modalidade. Aqui, vale lembrar que o Enem não tem limite de inscrições na modalidade impressa, mas, por questões logísticas, a versão digital estabelece um teto para controle e monitoramento dos candidatos.

Neste ano, os participantes que optarem pela versão digital do exame também terão a oferta de atendimentos especializados. Os recursos disponíveis serão prova ampliada, prova superampliada, prova com contraste e locais de prova com acessibilidade para pessoas com deficiência.

O Enem Impresso respeita regras sanitárias?

Para a realização do Enem 2021, o Inep considera o cenário atual da pandemia no Brasil. Atualmente, o instituto e o consórcio aplicador fazem o mapeamento de possíveis locais de realização das provas que garantam o cumprimento das medidas sanitárias de prevenção contra a covid-19, como o distanciamento social. Como na aplicação do Enem 2020, realizada em janeiro de 2021, houve aglomeração e o não cumprimento de todas as diretrizes sanitárias, uma das possibilidades em estudo pelo Inep é o aumento do número de municípios de aplicação.

Governo confirma Copa América sem público em Brasília, Rio, Mato Grosso e Goiás

O presidente Jair Bolsonaro confirmou nesta terça-feira (1º) que o Brasil será sede da Copa América. Ele informou que os governadores do Distrito Federal, Rio de Janeiro, Mato Grosso e Goiás aceitaram receber os jogos da competição.

“Escolhemos as sedes em comum acordo, obviamente, com os governadores. Agora, já tivemos quatro governadores: aqui de Brasília, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Goiás. E mais um agora, que chegou um pouco atrasado, também se prontificando a sediar a Copa América. Então, ao que tudo indica, prezado Queiroga (ministro da Saúde), seguindo os mesmos protocolos, o Brasil sediará a Copa América”, disse Bolsonaro, durante evento no Ministério da Saúde.

Pelas redes sociais o ministro da Casa Civil, Luiz Ramos, após incertezas e ter dito que não havia “nada certo”, endossou o que havia dito o presidente e corrigiu um dos Estados divulgados pelo chefe do Executivo. Uma das sedes será Mato Grosso, onde fica a Arena Pantanal, construída para a Copa do Mundo, e não Mato Grosso do Sul. Brasília, Cuiabá, Goiânia e Rio de Janeiro serão as cidades que vão abrigar o controverso evento.

“Confirmada a Copa América no Brasil. Venceu a coerência! O Brasil que sedia jogos da Libertadores, Sul-Americana, sem falar nos campeonatos estaduais e Brasileiro, não poderia virar as costas para um campeonato tradicional como este. As partidas serão em MT, RJ, DF e GO, sem público”, escreveu Ramos.

Pouco tempo depois do anúncio do presidente, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou que o Estado não receberá jogos do campeonato. A declaração do tucano foi um recuo em relação à defesa que fizera mais cedo dos jogos nesta terça e segunda. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa. Segundo a nota, Doria conversou com membros do Centro de Contingência e os cientistas informaram que receber o evento neste momento não seria adequado do ponto de vista sanitário.

“Comuniquei ao secretário-geral da CBF que SP não deverá sediar a Copa América. Após ampla consulta aos membros do Centro de Contingência sobre os efeitos que a realização da Copa América teria sobre a Pandemia de Covid-19 no Estado de SP, os cientistas apontaram que neste momento a realização do torneio representaria uma má sinalização de arrefecimento no controle da transmissão do coronavírus, prioridade absoluta do Governo do Estado”, argumentou Doria.

A transferência do evento para o país foi anunciada após Colômbia e Argentina desistirem de receber o torneio por conta de protestos populares e o agravamento da pandemia, respectivamente. O Brasil foi escolhido com o argumento de possuir estádios em boas condições de uso, apesar de alguns estarem ociosos após a Copa do Mundo de 2014.

O anúncio gerou críticas por acontecer em meio à pandemia de covid-19. Na segunda, governadores passaram a rejeitar a possibilidade de receber jogos do torneio em seus Estados. Rio Grande do Sul, Pernambuco e Rio Grande do Norte já haviam alegado não ter condições de receber um evento desse porte neste momento. Nas redes sociais, o evento ganhou apelidos como “Corona Cup” e “Cepa América”, além de memes críticos à competição.

Mais cedo, o presidente criticou a cobertura da imprensa sobre a transferência do torneio pelo fato de o evento internacional representar um estímulo a aglomerações em um momento grave da crise do novo coronavírus, que já matou mais de 460 mil pessoas no Brasil.

“O que está havendo aqui? Movimento da Globo contrário porque os direitos de transmissão são do SBT. Não está havendo Libertadores? Não está havendo a Sul-Americana? Não começa agora na sexta-feira a Eliminatória da Copa do Mundo? Ninguém fala nada. Não tem problema nenhum”, disse Bolsonaro.

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, é genro do empresário e apresentador Silvio Santos, dono do SBT, emissora que tem os direitos de transmissão da Copa América.

Quando anunciou o Brasil como sede da Copa América, o presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, fez questão de agradecer nominalmente Bolsonaro. “Quero agradecer muito especialmente ao presidente Jair Bolsonaro e a seu gabinete por receber o torneio de seleções mais antigo do mundo. Igualmente meus agradecimentos vão para o presidente da CBF, Rogério Caboclo, por sua colaboração”, disse o dirigente máximo da Conmebol nas redes sociais.

O vice-presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou um requerimento para que o colegiado convoque o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, para explicar sobre a realização do evento. A iniciativa é apoiada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI, que afirmou ao Estadão que vai se esforçar para que ela seja aprovada e fez um apelo para Neymar, pedindo para que o craque não dispute o torneio.

A Argentina abriu mão do torneio depois de a Conmebol não aceitar as exigências feitas pelas autoridades sanitárias, que inclusive eram muito parecidas com as feitas pelo Brasil. Entre as reivindicações do governo argentino estava a redução do número de integrantes das delegações.

As dez seleções participantes do torneio levariam entre mil e 1,2 mil pessoas ao país vizinho. Também foi pedido que as delegações vacinassem seus membros com ao menos uma dose, além da adoção de rígidos protocolos em meio a um aumento de casos de covid-19 no país. Antes, a possibilidade de a Colômbia receber os jogos foi descartada após o acirramento dos protestos contra o governo local.