Covid-19: Pfizer entra com pedido na Anvisa para vacinar crianças

O consórcio Pfizer – BioNTech entrou com o pedido de autorização juntamente à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que sua vacina contra a covid-19, a Comirnaty, possa ser aplicada em crianças com idades entre 5 e 11 anos.

A Anvisa terá até 30 dias para analisar a documentação e os estudos entregues pelas farmacêuticas e avaliar aspectos como segurança e eficácia do imunizante no público pretendido.

As farmacêuticas já haviam anunciado no mês passado que entrariam com a solicitação. A ampliação da imunização para esse público foi submetida e aprovada pela autoridade sanitária dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês), em outubro.

Segundo informado pela Anvisa, a dose da vacina para crianças será diferente daquela utilizada para pessoas a partir de 12 anos. Os frascos também terão cores distintas para evitar erros na aplicação.

A vacina da Pfizer-BioNTech já havia obtido a autorização para aplicação em adolescentes, razão pela qual é a marca que vem sendo utilizada nesse público pelas autoridades de saúde no Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Viajantes para o exterior podem antecipar esquema vacinal em Curitiba

Moradores de Curitiba com viagem marcada para o exterior que ainda não completaram o esquema vacinal contra covid-19 podem antecipar a segunda dose ou a dose de reforço, desde que cumpridos os critérios definidos pelo Ministério da Saúde.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) já estava antecipando o esquema vacinal para viagens com fins profissionais ou de estudos, mas agora a antecipação também passa a valer para viagens turísticas.

Com a aproximação das férias e a conclusão de convocação de todos os públicos definidos para receber a primeira dose, a SMS adota essa estratégia para reforçar a imunização, principalmente para aqueles que vão para regiões de menor cobertura vacinal.

“Diante do cenário das variantes que circulam pelo mundo, é importante que os viajantes estejam imunizados para que elas não se espalhem pelo Brasil e para que a população não adoeça”, explica o diretor do Centro de Epidemiologia, Alcides Oliveira.

O viajante deverá comprovar a ida a outro país com a apresentação de passagem em seu nome. A comprovação deverá ser feita diretamente no ponto de vacinação.

Segunda dose

Os vacinados apenas com a primeira dose poderão antecipar a segunda a partir de 21 dias da primeira aplicação para o imunizante da Pfizer e 28 dias para o da AstraZeneca.

Coronavac

As pessoas que receberam as duas doses da Coronavac e irão viajar para países que não reconhecem a eficiência deste imunizante poderão receber uma dose de outra farmacêutica que seja aceita pelo país de destino. Neste caso, deverão ser observadas as normas já estabelecidas para a intercambialidade de vacinas. O intervalo mínimo entre a segunda dose e o reforço de outro imunizante deverá ser de 28 dias.

Além da comprovação da viagem, também deverá ser apresentada a comprovação de que o país de destino não reconhece a Coronavac.

Janssen

Para o imunizante da Janssen, a recomendação do Ministério da Saúde é de que a segunda dose/reforço seja da mesma marca.

Em caso de necessidade de viagem e falta da vacina em estoque, a SMS seguirá a regra da intercambialidade da vacina e fará o reforço com imunizante da Pfizer.

O que fazer para antecipar a vacina

O viajante que se enquadra no intervalo indicado entre 21 e 28 dias a depender do imunizante, deverá procurar um dos pontos de vacinação da cidade das 8h às 17h. Os endereços estão no ImunizaJáCuritiba.

É preciso apresentar documento de identificação com foto, CPF, comprovante de endereço e documentação que comprove a viagem (passagem aérea).

Viagem carro

Aqueles que pretendem viajar para outro país de carro deverão apresentar, além dos documentos exigidos para a vacinação, o comprovante de reserva de hospedagem e um termo autodeclarado de responsabilidade legal pela veracidade das informações apresentadas. O termo está disponível no site da SMS.

Ministro Marcos Pontes diz que Brasil será grande produtor de vacinas

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, afirmou na última sexta-feira (3) durante a abertura da 18ª Semana Nacional da Ciência e Tecnologia (SNCT), em Brasília, que o Brasil passará por uma mudança significativa perante o mundo no desenvolvimento de novas tecnologias.

Segundo o ministro, uma série de novos avanços têm sido fomentados por diversas frentes do ministério – desde pesquisas com células-tronco a desenvolvimento aeroespacial. Marcos Pontes afirmou ainda que acredita que eventos como a SNCT 2021 fomentam a curiosidade e o desejo de aprendizado em áreas complexas.

Em entrevista após o discurso, Marcos Pontes falou sobre os rumos da ciência brasileira e o desenvolvimento de vacinas de maneira autônoma.

Segundo o ministro, o Brasil deixará de ser importador de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para se destacar como produtor e exportador de vacinas para todo o mundo. “Isso já está acontecendo. São projetos em curso em todas as áreas. Tudo isso porque a ciência é transversal.”

18ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia
18ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia – Valter Campanato/Agência Brasil

Pontes afirmou ainda que os planos para tornar o Brasil um polo de exportações de imunizantes não abrangem apenas a covid-19, mas todas as chamadas doenças tropicais negligenciadas, como dengue, febre amarela, zika e chikungunya.

“Esse ministério tem a característica de transformar e trazer para a realidade as coisas práticas, de transformar as inovações em práticas e levar para as pessoas. São muitos desafios”, afirmou.

Durante a cerimônia, Marcos Pontes relembrou a assinatura do Plano Nacional de Tecnologias Assistivas, realizada pela manhã no Palácio do Planalto e que viabiliza uma série de investimentos em iniciativas de acessibilidade, tanto públicos quanto privados.

Pontes celebrou, ainda, o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, que é comemorado hoje e que foi tema de eventos em todo o governo federal.