Com tecnologia própria, modelo de negócio de startup promove redução de desperdício e consegue doar mais de 71 toneladas de alimentos em 2022

O problema do desperdício de alimentos no Brasil é grave. De acordo com levantamento da ONU <https://g1.globo.com/tudo-sobre/onu/> , divulgado em fevereiro de 2022, são desperdiçados por ano cerca de 27 milhões de toneladas de alimentos em todo território nacional. Paralelo a isso, entre 2020 e 2022 o total de brasileiros que passam fome subiu de 9% para 15,5% da população. São mais 14 milhões de pessoas que entraram em situação de insegurança alimentar grave, enquanto 17% dos alimentos disponíveis aos consumidores vão parar no lixo.

Estima-se que 80% desse desperdício acontece no manuseio, transporte e centrais de abastecimento. Dentro desse contexto, algumas startups tem em seus negócios modelos que contribuem para reduzir esse quadro alarmante. Um exemplo delas é a Frubana, que é uma plataforma de e-commerce completa para restaurantes da América Latina. Por meio de tecnologia própria e inteligência de dados, a empresa consegue reduzir, nas cidades onde atua, para menos de 1% o desperdício na sua operação.

Essa redução é possível porque a Frubana utiliza dados de diferentes fontes para prever o comportamento do estabelecimento e construir uma solução confiável e com baixo índice de perda da cadeia de suprimentos alimentícios. Além disso,  é possível identificar pelo perfil do restaurante cadastrado o que ele mais pede e as quantidades, isso colabora para que o estabelecimento não compre mais insumos do que é necessário.

Com foco no desenvolvimento de pequenos restaurantes, a startup oferece a possibilidade do empresário do segmento conseguir concentrar seus pedidos em uma só plataforma, gerir melhor seu estoque, receber seus pedidos mais frescos e com mais rapidez, além de proporcionar economia de tempo em todo o processo de compra do restaurante, desde o pedido até o recebimento dos produtos.

Frubana e Mesa Brasil

Com a tecnologia como aliada também no processo de redução de desperdício, o resultado disso tem ajudado ainda milhares de pessoas no combate à fome. De janeiro a maio de 2022, a Frubana doou mais de 71 toneladas de alimentos próprios para o consumo, o que beneficiou mais de 100 mil pessoas no Brasil. Essa contribuição conta, entre outros, com a parceria do Mesa Brasil Mesa Brasil, uma Rede Nacional de Bancos de Alimentos que atua contra a fome e o desperdício, formada por mais de 3.000 parceiros doadores.

“O desperdício de alimentos é um problema mundial. No Brasil temos milhões de brasileiros que estão passando fome enquanto toneladas de alimentos são jogados no lixo. Queremos fazer nossa parte para de alguma forma tentar minimizar esse cenário e ajudar quem precisa. E acreditamos que a tecnologia é uma aliada nesse processo” da Frubana.

Transformação no mercado brasileiro

Há quase dois anos no mercado nacional, o modelo de negócio da Frubana vem se desenvolvendo bem. A startup passou de 3 mil clientes atendidos, em maio de 2021, para mais 40 mil no mesmo período deste ano, além de aumentar em mais de 20x o faturamento mensal.

Já presente na Colômbia e México, a empresa vem transformando o mercado brasileiro, oferecendo a empreendedores de micro, pequeno, médio e grande porte o benefício de poder comprar tudo o que precisam pela mesma plataforma, garantindo a qualidade dos produtos, agilidade e bons preços no mesmo canal digital. A startup possui galpões estrategicamente localizados nas cidades onde está presente, compra mercadorias de produtores locais e de grandes fornecedores e consegue negociar preços melhores. Por terem tudo em estoque e tecnologia própria de roteirização, conseguem entregar as mercadorias mais rápido para o restaurante parceiro, tudo em uma única entrega.

Sobre a Frubana

Frubana <https://www.frubana.com/>  é uma plataforma de e-commerce completa para restaurantes da América Latina. A empresa conecta produtores e fornecedores com donos de restaurantes e serve como um canal único e completo de produtos e suprimentos para o segmento. Fundada em 2018, a Frubana está presente no México, Colômbia e Brasil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Happy Tech espera gerar mais conexão entre as empresas de TI do Paraná

Novos negócios, sinergia e, claro, novas amizades. Tudo isso, ao som de boa música e em tons descontraídos, é o que promete a primeira edição do Happy Tech, evento organizado pelo Ecossistema de Inovação do Estado do Paraná e que conta com o apoio de alguns segmentos do setor. A primeira ação está marcada para o dia 16 de agosto e a expectativa dos organizadores é de que ela entre para o calendário, se tornando uma agenda mensal de encontro entre os empresários.

“O objetivo é, primeiro, conhecer as empresas, fazer networking, conhecer futuros parceiros e colaboradores que tenham objetivos semelhantes e, claro, fazer negócios. Tudo isso em um clima descontraído e leve”, sintetiza Paulo Raymundi, um dos organizadores do evento. Para o Happy Tech, estão sendo convidadas todas as empresas do setor de tecnologia da informação (TI) do Paraná.

Quem participar do evento, também será convidado a ingressar na Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-PR), para, a partir disso, estreitar o relacionamento e ter acesso a toda oferta de ações que a entidade defende e promove. “Como entidade, somos mais forte e crescemos juntos. Já somos grandes, mas podemos ficar maiores ainda. O ingresso de novos associados é sempre muito bem-vindo. Além disso, quem entra, ajuda a oxigenar ideias e fortalece a categoria”, comenta o presidente da entidade, Lucas Ribeiro.

O Happy Tech espera reunir até 300 convidados. Para participar, é preciso inscrever-se em um link. O investimento é de R$ 30 e dá direito a dois chopps, uma noite agradável e bem-humorada: o evento terá um convidado especial, o apresentador e humorista Zico Lamour, que fará um show de stand-up e imitações. 

Tecnologia no Paraná

Apenas na produção de software, o Estado é o quarto em quantidade de empresas de tecnologia em desenvolvimento do País, mas o sétimo em receita. “Temos um desafio muito grande em gerar negócios e, trabalhando em conjunto, isso fica muito mais fácil”, defende Lucas Ribeiro.

No quesito inovação, o Paraná também é destaque. O Mapeamento das Startups Paranaenses 2022, realizado pelo Sebrae-PR (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná), divulgado em março, mostra que o Estado tem 522 startups a mais que no último levantamento, totalizando 1.956 empresas inovadoras em atividade em 108 municípios. Vale lembrar os dados do País: nacionalmente, são pelo menos 11 empresas do gênero com valuation de 1 bilhão de dólares e reconhecidas, portanto, como unicórnios.

SERVIÇO

O que

Happy Tech

Quando

Dia 16/08

Local e horário

Armazém Garagem Bar – Rodovia Curitiba/Ponta Grossa BR-277, 2630 – Santo Inácio, a partir das 18 horas

Como participar

Inscrição pelo link: https://www.sympla.com.br/happy-tech__1641402 [vagas limitadas]

Investimento

R$ 30

Gosta de cachorros? Saiba como trabalhar com os animais sem precisar abrir um negócio

O universo canino ganha mais admiradores a cada dia e isso aumentou a demanda por profissionais para atuar nesta área. De acordo com o Instituto Pet Brasil (IPB), o setor gerou mais de 2,83 milhões de empregos diretos e indiretos em 2021, um crescimento de 6,2% em relação ao ano anterior. Com mercado aquecido, serviços como dog walker, um passeador de cachorros, e pet sitter, cuidador de animais, se popularizaram na rotina dos tutores.

Segundo Thiago Calixto, sócio-fundador e diretor de expansão da Doggi, o crescimento pela procura dessas atividades é a oportunidade de começar uma nova função na área. “Depois da pandemia, muitas pessoas precisaram de ajuda para cuidar dos seus dogs e ter alguém perto de casa que possa levá-los para um passeio ou cuidar enquanto o tutor faz uma viagem rápida já ajuda na rotina”, conta. 

Com essas oportunidades, é possível investir para trabalhar com o bem-estar animal gastando pouco e sem a necessidade de abrir uma empresa. Calixto afirma que para trabalhar como cuidador de cachorros para o dia a dia ou até mesmo receber os animais por um tempo em casa (como em um hotel), é preciso realizar algumas adaptações no espaço. “Alguns cuidados são essenciais para se tornar um hotel ou uma creche caseira para cachorros, como oferecer padrões mínimos de segurança, com proteções nas janelas e sem rotas de fugas, higiene local adequada, além de gostar muito dos companheiros de quatro patas”. 

Já para quem não tem a disponibilidade de receber os animais em casa, existe a possibilidade de se tornar um passeador de cães. Para isso, além do tempo, é importante ter um treinamento adequado com um adestrador profissional para realizar a atividade. “Mesmo que seja uma ação simples, cada cachorro tem um comportamento diferente, por isso, o treinamento se torna uma grande ferramenta para o passeador, que além de dar garantia ao tutor sobre seu cuidado e conhecimento, também torna esse momento mais prazeroso para o cachorro”, explica Calixto. 

Para incentivar esses trabalhadores autônomos, a Doggi disponibiliza no seu site o cadastro de novos profissionais. A proposta da plataforma é unir quem oferece este tipo de serviço o mais próximo possível da casa dos tutores. A candidatura para essas funções acontece no próprio site da rede. “Esse trabalho pode ser uma renda extra ou se tornar a principal fonte do trabalhador, um passeador, por exemplo, pode faturar até R$ 5 mil ao mês”, finaliza o executivo.  

Sobre a Doggi

Fundada pelos empresários Rodolfo Calvo e Thiago Calixto em 2021, na cidade de Ribeirão Preto, interior do estado de São Paulo, a empresa nasce como uma startup e passa a adotar o modelo de parcerias para expansão. No app da Doggi, após breve cadastro para o agendamento de banho, tosa ou vacina, o usuário também consegue participar do Clube Doggi, mediante assinatura, que oferece 10% de desconto em todos os serviços disponíveis no app. Saiba mais aqui.