Carro com R$ 46 mil em débitos é recolhido pela Guarda Municipal em Curitiba

Abordado para fiscalização de trânsito no bairro Bigorrilho, em Curitiba, um automóvel Renault Logan ano 2012/2013 foi guinchado pela Guarda Municipal na manhã desta quinta-feira (29/4). O veículo estava sem licenciamento obrigatório e tem R$ 46,1 mil em débitos diversos, sendo R$ 42,8 mil em multas recebidas em anos anteriores.

A situação do veículo guinchado evidencia um comportamento de parte dos donos de veículos registrados em nome de pessoa jurídica que, ao receber uma multa de trânsito, não faz a indicação do motorista infrator.

“Essa conduta não exime o proprietário de sanções previstas em legislação federal. As multas se acumulam e geram uma bola de neve que pode ser evitada”, explica a superintendente de Trânsito, Rosangela Battistella. 

Entenda como funcionam as chamadas NIC

O total de multas do veículo guinchado pela Guarda Municipal alcançou um valor tão expressivo – o mais alto entre todos os removidos em fiscalização de trânsito neste ano, pelo município – pelas multas de não identificação de condutor, conhecidas como NIC, que geram novas autuações.  

Essas penalidades não são definidas pelo município, e sim pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e, portanto, se aplicam a todo o território nacional. A multa por não identificação do condutor infrator imposta à pessoa jurídica consta no artigo 257 do CTB. 

O documento esclarece que, quando não for imediata a identificação do infrator, o principal condutor ou o proprietário do veículo terá o prazo de 30 dias, contado da notificação da autuação, para apresentá-lo. Caso não o faça, será considerado responsável pela infração o principal condutor ou, em sua ausência, o proprietário do veículo.

“Não havendo identificação do infrator e sendo o veículo de propriedade de pessoa jurídica, será lavrada nova multa ao proprietário do veículo, mantida a originada pela infração, cujo valor é o da multa multiplicada pelo número de infrações iguais cometidas no período de 12 meses”, determina o CTB.

Para evitar esse tipo de situação, pessoas físicas e jurídicas podem regularizar as pendências com a Superintendência de Trânsito com apresentação on-line de processos relativos a multas de trânsito (indicação de condutor, defesa de autuação e apresentação de recursos) ou, ainda, agendando atendimento presencial. Mais informações disponíveis no site da Setran.

Para a retirada do veículo do pátio da Setran é necessário que seja feito o pagamento de todos os débitos pendentes, além das taxas obrigatórias relativas à remoção e diárias. Saiba mais aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Conheça dez roteiros gastronômicos de Curitiba

O nome da capital paranaense faz referência à comida: Curitiba quer dizer “muito pinhão”. Porém, o cardápio curitibano não se resume ao pinhão. Fruto das várias etnias que colonizaram a cidade, aqui temos o pierogi dos poloneses, o eisbein e a carne de onça dos alemães, as massas dos italianos e a baixa gastronomia curitibana, distribuídos em dez polos gastronômicos:

São Francisco

Por seus arredores espalham-se restaurantes e pessoas de todas as faces, jeitos e nacionalidades. Na Rua Claudino dos Santos, há restaurantes com cardápios que passam pela culinária alemã e polonesa, pelas porções de quitutes, os sanduíches ou um típico filé brasileiro. Na Rua Trajano Reis, concentram-se espaços que servem petiscos simples e reúnem um público jovem e variado. A Rua São Francisco abriga alguns dos restaurantes mais tradicionais da cidade.

Santa Felicidade

Na Avenida Manoel Ribas são encontrados vários tipos de restaurantes, mas sua grande marca são os rodízios italianos regados à polenta frita, escarola com bacon, frango prensado e à passarinho, risotos, lasanhas, macarronadas e nhoques.

Batel

A Avenida do Batel e as ruas nos arredores reúnem bares, restaurantes e três shopping centers. É um local para quem quer se encontrar com o charme e o requinte em Curitiba. No Bigorrilho, bairro vizinho, a Praça da Espanha é cercada por restaurantes.

Rua Itupava

A Rua Itupava e arredores são pontos de grande concentração de restaurantes, que chamam a atenção pela decoração criativa e descontraída, boa música e comida. É uma excelente opção para quem está à procura de um happy hour com boa conversa.

Cabral

Sua grande característica é a diversidade. Fast foods, restaurantes japoneses, chineses, contemporâneos, italianos, pizzarias, cafés e padarias são opções que podem ser encontradas e saboreadas nesta rota.

Reprodução

Avenida Iguaçu

Localização de lugares com cardápios para todos os gostos e paladares, reunindo bares e restaurantes que servem carnes, massas, sushis, sashimis e rodízio de sopas.

Reprodução

Rua Chile e Avenida Água Verde

As ruas da região do Água Verde são conhecidas pela variedade de restaurantes, com culinária portuguesa, frutos do mar, pizzarias, petiscos, rodízios de carnes.

Rua Mateus Leme

Destaque pela quantidade de restaurantes especializados em servir frutos do mar. Também se destacam antigos estabelecimentos que servem um típico filé de alcatra curitibano, acompanhado de saladas e outros petiscos.

Reprodução

Avenida Comendador Franco

Por ser o caminho de acesso ao aeroporto é uma boa dica para quem quer conhecer ou se despedir dos sabores de Curitiba. Na avenida há churrascarias e restaurantes de frutos do mar, quase todos servindo no sistema de rodízio.

Mercado Municipal

É uma referência para quem busca os sabores de Curitiba ou de outras partes do planeta. Em seus boxes e lojas de delicatessens são comercializados bebidas, queijos, vinhos, ervas medicinais, temperos, especiarias, conservas, pescados, embutidos, carnes exóticas e muitos outros produtos que fazem dele um mercado universal.

Reprodução

Localização: Avenida Sete de Setembro, 1.865, Centro

Telefones: (41) 3264-6026 e 3264-1692

Se tempo ajudar, curitibanos poderão observar uma das melhores chuvas de meteoros do ano

Dependendo do tempo, os curitibanos poderão observar a partir da madrugada desta quarta-feira (05) até quinta-feira (06) o pico da chuva de meteoros Eta Aquáridas. De acordo com o Parque da Ciência Newton Freire, não é necessário nenhum equipamento para assistir ao fenômeno, apenas ter paciência e torcer para que o céu esteja aberto.

Formada pelos detritos do cometa Halley, essa é uma das chuvas de meteoros mais significativas para o hemisfério Sul. A taxa estimada é de 50 meteoros por hora entrando na atmosfera a mais de 200.000 km/h, ainda segundo informações do Parque da Ciência Newton Freire.

A recomendação dos especialistas é que a observação seja feita a partir das 2h da madrugada, olhando para a região à esquerda da lua.

Eta Aquáridas

A chuva de meteoros Eta Aquáridas atinge seu esplendor máximo nos primeiros dias de maio de cada ano, quando Terra passa pela trilha de resquícios do cometa Halley,

Para ver uma chuva de meteoros, é preferível estar localizado em um ponto em que toda a extensão do céu possa ser vista, pois é comum que a Eta Aquáridas seja avistada em áreas próximas ao horizonte.

Os maiores avistamentos geralmente ocorrem nas horas que antecedem o amanhecer. Mas a partir da meia-noite já começam a ser visíveis.

No caso da América Latina, nos países da América do Sul existem melhores possibilidades de avistamento (dois terços a mais do que no vizinho do norte) devido à posição da constelação de onde eles vêm.

“A constelação de Aquário, lar dos radiantes (ponto no céu de onde os meteoros parecem originar) da Eta Aquáridas, é mais alta no céu no hemisfério sul do que no hemisfério norte”, explica a Nasa.

No entanto, com boas condições, essa chuva de meteoros pode ser vista tanto do norte e do sul.

Qual é a sua origem?

Eta Aquáridas são originários do cometa Halley, que orbita o Sol aproximadamente a cada 76 anos e atualmente está nas profundezas do sistema solar. Sua próxima aparição na Terra será no ano de 2061.

“Quando os cometas se aproximam do Sol, deixam um rastro empoeirado para trás. Todos os anos, a Terra passa por essas trilhas de detritos, permitindo que as peças colidam com a nossa atmosfera, onde se desintegram para criar rastros coloridos e brilhantes no céu”, diz a Nasa.

As partículas que compõem essa chuva de meteoros não são da última vez que o cometa de Halley passou pelos arredores da Terra (1986), mas partículas que se separaram do cometa centenas de anos atrás.

Atualmente, eles vêm de uma área próxima à estrela brilhante Eta Aquarii, por isso são chamados Eta Aquáridas.

O período da Eta Aquáridas vai de 21 de abril a 20 de maio de cada ano. As informações são da BBC Brasil.

Informações Band B