Câmara aprova socorro financeiro para esportistas durante pandemia

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (22) a proposta que prevê socorro financeiro de até R$ 1,6 bilhão ao setor do esporte em razão da pandemia de Covid-19. Foram aprovadas as emendas do Senado ao Projeto de Lei 2824/20. O texto segue para sanção.

O relator, deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), recomendou a manutenção de todas as alterações feitas pelos senadores no substitutivo aprovado pela Câmara em julho. Naquela ocasião, Frota havia promovido mudanças no texto original do deputado Felipe Carreras (PSB-PE) e de outros 14 parlamentares.

Um dos pontos previstos é a concessão de auxílio emergencial de R$ 600 aos trabalhadores do setor que não tenham recebido esse socorro financeiro por meio da Lei 13.982/20.

Além das exigências de não ter emprego formal, de não receber benefício previdenciário e de renda máxima, o texto exige do interessado atuação na área esportiva nos 24 meses imediatamente anteriores à data de publicação da futura lei e estar inscrito em cadastro do setor esportivo.

O benefício será pago em três parcelas, inclusive para atletas ou paratletas com idade mínima de 14 anos, se vinculados a um clube esportivo ou a uma entidade nacional de administração do desporto (federação ou confederação, por exemplo). Mulheres provedoras de família monoparental receberão duas cotas.

O benefício para os atletas será prorrogado nas mesmas condições do auxílio emergencial normal.

Trabalhadores do esporte

São considerados trabalhadores do esporte os profissionais autônomos da educação física, aqueles vinculados a um clube esportivo ou a entidade nacional de administração do desporto.

O texto especifica algumas especialidades, como os atletas, paratletas, técnicos, preparadores físicos, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos, massagistas, árbitros e auxiliares de arbitragem e os trabalhadores envolvidos na realização das competições.

Neste ponto, o Senado incluiu cronistas, jornalistas e radialistas esportivos, contanto que não tenham vínculos com clubes ou emissoras.

Será exigida inscrição em cadastros estaduais, municipais ou distrital; nos cadastros dos clubes ou de alguma entidade nacional de administração do desporto; ou ainda no cadastro dos conselhos regionais de educação física.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja os dias em que os atletas paranaenses competem em Tóquio

O Programa Geração Olímpica conta com a participação de dez bolsistas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, que terão sua abertura oficial nesta sexta-feira (23), às 8h. No fim da matéria, é possível conferir uma tabela que lista a data, o horário, a modalidade e a rodada dos competidores.

Esse guia será atualizado de acordo com eventuais mudanças e também considerando possíveis classificações dos bolsistas para as próximas fases.

Conheça mais sobre os bolsistas que irão competir nos Jogos Olímpicos de Tóquio:

ÁGATHA BEDNARCZUK – Teve seu início no esporte em Paranaguá, no ano de 1992. Em 2001, decidiu ir para o vôlei de praia, modalidade na qual seguiria uma trajetória vencedora. Participou de edições do Campeonato Mundial nos anos de 2005, 2013 e 2015, sendo campeã na edição de 2015 ao lado de Bárbara Seixas.  E campeã do Circuito Mundial de Voleibol de Praia Feminino em 2015 e 2018. 

Foi eleita a melhor jogadora da competição neste ano. Ainda em 2015, conquistou o bronze no World Tour Finals em Fort Lauderdale e o título da temporada do Circuito Mundial. Em 2016, tornou-se medalhista olímpica. Atualmente, Ágatha faz dupla com Duda Lisboa. 

ANA SÁTILA – Nascida em 13 de março de 1996, Ana Sátila é natural de Itaruma (MG). Começou a remar aos nove anos, em Primavera do Leste (MT), para onde se mudou apenas aos 5 anos de idade.

Com apenas 16 anos, foi a mais jovem integrante da delegação brasileira nos Jogos de Londres 2012, e, aos 20 anos, teve sua segunda experiência olímpica no Rio 2016. Em Jogos Pan-Americanos, Ana Sátila já soma três medalhas de ouro e uma de prata após participações em Toronto 2015 e Lima 2019. No Campeonato Mundial de Canoagem Slalom, Ana conquistou quatro medalhas até o momento. A primeira foi bronze, C1, em 2015 e prata, Extreme K1, em 2017.  A consagração do ouro foi em 2018 no Rio de Janeiro. E repetiu o feito em Tacen, em 2020.

LUCAS CARVALHO – Nascido em 16 de julho de 1993, Lucas Carvalho acredita em uma boa chance de medalha nas Olimpíadas em sua modalidade, o 4x400m. No começo da carreira, participou do Campeonato Mundial de Juvenis (Sub-20), em Barcelona, ainda quando disputava nos 110 m com barreiras. Na transição para o adulto, passou a competir em provas rasas. Como profissional, coleciona alguns feitos: foi campeão do Ibero-Americano dos 400 m em Trujillo, no Peru, em 2018, fez parte do time olímpico no Rio-2016, como reserva do 4×400 m masculino, além de marcar presença no Mundial de Londres-2017, e Doha-2019.

NICOLE PIRCIO – Com apenas 18 anos, Nicole Pircio, atleta da ginástica rítmica, já carrega consigo uma história vitoriosa em Jogos Pan-Americanos. Ela conquistou uma medalha de ouro e duas de bronze em Lima, no Peru. Em sua equipe nas Olimpíadas de Tóquio, Nicole terá como companheiras Beatriz Linhares, Deborah Medrado, Geovanna Santos e Maria Eduarda Arakaki. Na competição, o Brasil tentará alcançar a final olímpica pela terceira vez na modalidade.

TABATA VITORINO – Aos 25 anos, Tábata Vitorino vai para a sua segunda experiência em Olimpíadas. Na primeira, no Rio-2016, a atleta ficou como suplente. Hoje, mais preparada e com melhores resultados, chega para a competição de Tóquio como uma das mais qualificadas do país em sua modalidade, o revezamento 4x100m. Tábata começou a competir com apenas 9 anos de idade e chega ao ponto mais alto de sua carreira até aqui ao competir em Tóquio. 

TATIANE RAQUEL DA SILVA – Competidora dos 3.000m com obstáculos, Tatiane Raquel da Silva, hoje com 30 anos, já obteve vitória em mais de quarenta competições brasileiras. Entre elas, nove no Troféu Brasil de Atletismo. Em 2018, Tatiane ficou em primeiro lugar no Ibero Americano, no Peru. Em 2019, venceu o Sul-Americano Adulto no Peru e conquistou o quarto lugar nos Jogos Pan-Americanos.

VAGNER SOUTA – Aos 30 anos, o canoísta Vagner Souta já carrega medalhas de Pan-Americano no seu currículo, tanto em Toronto (2015), no Canadá, quanto em Lima (2019), no Peru. Está indo, agora, para a sua segunda participação em Olimpíadas. Em abril de 2021, garantiu a vaga no K1 1000m nos Jogos Olímpicos depois de o Pré-Olímpico ser cancelado devido a pandemia. Assim, a Federação Internacional distribuiu as vagas considerando os resultados de 2019.

TREINADORES – Companheiro de Ana Sátila no esporte e na vida, o francês Mathieu Desnos tem como grande desejo estar nas Olimpíadas de Paris (no seu país natal), em 2024, ao lado de Ana. No handebol, Leonardo Bortolini e Giancarlos Ramirez compõem a comissão técnica da seleção brasileira. Ex-jogador, Leonardo atuou pela seleção por dezessete anos. Já Giancarlos construiu uma grande trajetória na equipe londrinense de handebol, comandando-a por quinze anos.

Confira data e horários:

Ginastas de Curitiba brilham no Pan-Americano no Rio de Janeiro

As ginastas Ana Luiza Lima e Júlia Soares, ambas de 16 anos, fizeram bonito nas finais do Campeonato Pan-Americano de Ginástica, disputado no fim de semana na Arena Carioca 1, no Rio de Janeiro. Além de garantirem medalhas no individual por aparelhos, as duas atletas conquistaram a medalha de ouro com a equipe brasileira, que contou ainda com Christal Bezerra, Lorrane Oliveira e Rebeca Andrade.

Ana e Júlia são beneficiárias do Programa Municipal de Incentivo ao Esporte da Prefeitura de Curitiba e treinam em Curitiba no Centro de Excelência de Ginástica do Paraná (Cegin), no Capão da Imbuia. As atletas foram acompanhadas pela treinadora Iryna Ilyashenko e pelo coreógrafo Rhony Ferreira. Os dois são do quadro da Seleção Brasileira de Ginástica Artística Feminina e também são integrantes do quadro técnico do Cegin em Curitiba.

Ana Luiza e Julia Soares. Foto: Divulgação Confederação Brasileira de Ginástica/ CBG

Para conquistar a medalha, Ana Luiza encantou com uma exibição intensa e graciosa. Ao som de um tango de Astor Piazzolla, a jovem atleta conquistou a medalha de ouro no solo, com a nota 12.967. A brasileira Christal Bezerra fez companhia a Ana no pódio, ao faturar o bronze, com 12.767. Entre as duas brasileiras ficou a argentina Martina Dominici (12.800).

Mais um talento em ascensão, Júlia Soares conseguiu a medalha de bronze na trave, logo em sua primeira competição da categoria adulta. Com a nota 12.333, ficou atrás apenas da costa-riquenha Luciana Alvarado, que se classificou para a Olimpíada, e da mexicana Paulina Martinez.

Cegin

O Centro de Excelência de Ginástica do Paraná (Cegin) foi criado em 1999 nas dependências da antiga Universidade do Esporte, atual sede da Secretaria do Esporte e Turismo do Paraná. O Cegin é detentor do Troféu Excelência da Confederação Brasileira de Ginástica, sendo reconhecido como referência nacional e internacional na Ginástica Artística, servindo como base de treinamento para diversas equipes paranaenses e brasileiras, já tendo inclusive recebendo equipes internacionais da Argentina, Uruguai, Chile e Peru.

No centro, são desenvolvidas aulas de iniciação esportiva para crianças a partir de 4 anos, além de treinamento voltado para o alto rendimento, com a formação de equipe permanente em diversas categorias das Ginástica Artística, que disputam torneios e campeonatos nacionais e internacionais. 

A parceria com a Prefeitura de Curitiba, por meio do Programa Municipal de Incentivo ao Esporte, sob a coordenação da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude (Smelj), é fundamental para o desenvolvimento das atividades do centro.

Em contrapartida ao incentivo recebido da Prefeitura de Curitiba, o Cegin oferta gratuitamente vagas para que crianças encaminhadas pelos centros de treinamento da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude possam treinar e usufruir de uma das melhores estruturas técnicas e de equipamentos para o desenvolvimento de habilidades na Ginástica Artística.