Brasil pode doar pele de tilápia para tratar queimaduras no Líbano

Um grupo de pesquisadores do Projeto Pele de Tilápia da Universidade Federal do Ceará (UFC) quer doar um estoque de de 40 mil centímetros quadrados de pele de tilápia.

O material seria enviado para ajudar no tratamento de queimados das vítimas da explosão no porto de Beirute, capital do Líbano.

A iniciativa é resultado do trabalho de cientistas do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM), vinculado à UFC.

O curativo comum exige que se aplique uma pomada no local machucado e a troca do curativo. O material do peixe evita esse processo porque o colágeno facilita a cicatrização com a aderência à queimadura.

Caso a doação aconteça, entre 50 e 100 pessoas poderiam ser beneficiadas, destaca a revista Veja.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cartunista argentino e criador da Mafalda, Quino morre aos 88 anos

O humorista gráfico sofreu um acidente vascular cerebral

O humorista gráfico e cartunista argentino Quino, criador da personagem Mafalda, a garota inteligente que transcendeu fronteiras, morreu aos 88 anos, informou seu editor nesta quarta-feira.

“Quino morreu. Todas as pessoas boas do país e do mundo ficarão de luto por ele”, disse seu editor, Daniel Divinsky, no Twitter.

Joaquín Salvador Lavado, mais conhecido como Quino, sofreu um acidente vascular cerebral nos últimos dias e, apesar de os médicos terem conseguido estabilizá-lo, seu estado era complicado, informou a mídia local.

Informações Agência Brasil.

China diz que OMS aprovou uso emergencial de vacina contra coronavírus

País lançou programa emergencial em julho

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse à China que apoia e compreende que o país inicie a administração de vacinas contra coronavírus experimentais enquanto os testes clínicos ainda estão em andamento, disse uma autoridade de saúde chinesa nesta sexta-feira (25).

A China fez contato com a OMS no final de junho e lançou seu programa emergencial em julho, de acordo com Zheng Zhongwei, autoridade da Comissão Nacional de Saúde do país.

Centenas de milhares de trabalhadores essenciais e outros grupos limitados de pessoas que se consideram correrem risco alto de infecção receberam a vacina, embora sua eficácia e segurança ainda não tenham sido plenamente estabelecidas, já que os testes clínicos de estágio avançado estão incompletos.

“No final de junho, o Conselho de Estado da China aprovou o plano de um programa de uso emergencial de vacina contra coronavírus”, disse Zheng em uma coletiva de imprensa.

“Após a aprovação, em 29 de junho, fizemos contato com os representantes relevantes do escritório da OMS na China e obtivemos apoio e compreensão da OMS”, disse.

O representante da OMS na China não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

A cientista-chefe da agência, Soumya Swaminathan, disse em Genebra neste mês que autoridades reguladoras nacionais podem aprovar o uso de produtos médicos em suas próprias jurisdições na situação atual de emergência, mas descreveu a medida como uma “solução temporária”.

A solução de longo prazo está na conclusão dos testes de estágio avançado, disse a autoridade da OMS.

Informações Agência Brasil.