Beto Preto diz que Paraná quer vacinar toda a população do estado até outubro

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, disse nesta quarta-feira (9) que o Paraná quer vacinar toda a população adulta contra a Covid-19 até o mês de outubro. A previsão tem como base a chegada cada vez mais recorrente de imunizantes e vai de encontro com datas estimadas por outros estados, como São Paulo e Rio Grande do Sul.

Segundo Beto Preto, é importante avançar cada vez mais rápido com as aplicações. “Agora, mais do que nunca, temos que baixar a idade de imunização da população geral. O Ministério da Saúde coloca meta para dezembro para a primeira dose. Estamos colocando como meta final de outubro, sendo bastante ortodoxo e econômico para não criar falsas expectativas e incentivando que todos tomem a vacina”, disse.

A fala aconteceu durante a prestação de contas referente ao primeiro quadrimestre na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Vacinação

Segundo a Sesa, o Paraná já ultrapassou a imunização completa (duas doses) de 10,7% da população geral, estimada em 11,5 milhões. Segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira, 4.107.914 imunizantes foram aplicados no Paraná desde 18 de janeiro, sendo quase 3 milhões de pessoas imunizadas com a primeira dose e 1,2 milhão com as duas.

Janssen

Também nesta quarta, o Governo do Estado anunciou que vai usar as vacinas da Janssen, fabricada pelo braço farmacêutico da Johnson & Johnson, para avançar na imunização contra a Covid-19 do quadro prioritário. Serão contemplados profissionais do transporte coletivo rodoviário de passageiros; do transporte ferroviário; do transporte aquaviários; e caminhoneiros. De acordo com o Plano Estadual de Vacinação, esse grupo é formado por 178,6 mil pessoas.

Informações Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba tem menor número de casos ativos de covid-19 em 538 dias

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba registrou, nesta terça-feira (7/12), 996 casos ativos de covid-19, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus. A última vez que a cidade registrou índice menor foi em 18 de junho de 2020, há 538 dias atrás. 

A SMS também confirmou 44 novos casos da doença e o óbito de um homem de 65 anos, que aconteceu nas últimas 48 horas.

Até o momento foram contabilizadas 7.803 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, 298.774 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 289.975 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

Leitos do SUS

Nesta terça-feira (7/12), a taxa de ocupação dos 120 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 28%. Restam 87 leitos livres.

A taxa de ocupação dos 114 leitos de enfermarias SUS covid-19 está em 25%. Há 86 leitos vagos. 

A SMS esclarece que os dados da ocupação de leitos em Curitiba são dinâmicos, com alterações ao longo do dia.

Números da covid-19 em 7 de dezembro

44 novos casos confirmados
1 novo óbito nas últimas 48h

Números totais

Confirmados – 298.774
Casos ativos – 996
Recuperados – 289.975
Óbitos – 7.803

Barroso pede manifestação do governo sobre passaporte da vacina

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Barroso concedeu nesta segunda-feira (6) prazo de 48 horas para que o governo federal se manifeste sobre uma ação judicial que pede a obrigatoriedade de quarentena e comprovação de vacinação contra a covid-19 para quem entra no país.

A ação, protocolada pela Rede Sustentabilidade, chegou ao Supremo no dia 26 de novembro e foi distribuída para o ministro, que é o relator do caso. A legenda pretende tornar obrigatória a adoção de recomendações feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Determino a oitiva das autoridades das quais emanou a Portaria nº 658/2021, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, tendo em vista a aproximação do recesso. Transcorrido o prazo, os autos devem retornar à conclusão, para apreciação das cautelares”, despachou Barroso.

De acordo com a Anvisa, a política brasileira para fronteiras deveria ser revista, com o estabelecimento da cobrança de prova de vacinação para turistas e outros viajantes que desejam entrar no país de avião ou por via terrestre, em combinação com protocolos de testagem.