Veja quais são os sintomas do coronavírus e como se prevenir

Os sintomas podem parecer como o de uma gripe ou resfriado comum, o que dificulta o diagnóstico, por isso, é importante que quem esteve em viagem recente para a região de início de circulação do vírus, a China, comunique aos profissionais de saúde. 

“Informar a possibilidade de exposição ao vírus é fundamental para a avaliação do caso, uma vez que são sintomas semelhantes a outras doenças respiratórias”, explica Oliveira.

Os sinais comuns da infecção incluem sintomas respiratórios, febre, tosse e dificuldade para respirar. Nos casos mais severos, a infecção pode evoluir para pneumonia, síndrome respiratória aguda grave e até óbito.

Segundo autoridades chinesas, muitos dos pacientes diagnosticados inicialmente tiveram alguma ligação com um grande mercado de frutos do mar e animais vivos, sugerindo disseminação de animais para pessoas.

Mas com a crescente confirmação de casos, conclui-se que a transmissão agora é de pessoa para pessoa. O coronavírus pode ser transmitido de forma semelhante à influenza ou outros vírus respiratórios, pelas gotículas respiratórias, por tosses e espirros em curta distância, ou contato com objetos contaminados pelo vírus, confira dicas de prevenção: 

  • Lavar as mãos com frequência, ou utilizar álcool 70%, principalmente antes de consumir algum alimento.
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal.
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir.
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, higienizar as mãos após tossir ou espirrar.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • Manter ambientes bem ventilados, evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença. 
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.
  • Pessoas com sintomas de infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta respiratória (cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar, preferencialmente com lenços descartáveis e após lavar as mãos).

Tratamento

Não há tratamento antiviral específico recomendado para a infecção 2019-nCoV. As pessoas infectadas com 2019-nCoV devem receber cuidados de suporte para ajudar a aliviar os sintomas.

Via: Prefeitura de Curitiba

Assembleia aprova projeto que regulamenta testes de covid-19 em farmácias

Os deputados estaduais aprovaram nesta terça-feira (15), em primeira votação, o projeto de lei que regulamenta a oferta de testes rápidos de covid-19 em farmácias do Paraná. De acordo com a proposta do deputado Michele Caputo (PSDB), os exames deverão ser realizados preferencialmente no modalidade drive-thru, em área externa, garantindo a segurança dos demais usuários.

Além disso, o texto adianta as recomendações da Anvisa sobre o papel do farmacêutico na execução dos testes. A oferta deste novo serviço não deve prejudicar a rotina de assistência farmacêutica, com presença permanente de farmacêuticos no balcão da farmácia, na dispensação de medicamentos.

“Os testes rápidos em farmácia facilitaram o acesso das pessoas aos exames de sorologia, que identificam anticorpos da doença. Contudo, é preciso regramento para que a população não fique exposta ao vírus e tenha a clareza de para que serve este tipo de teste”, explica o deputado Michele Caputo, que é farmacêutico.

Saúde – O projeto também teve parecer favorável da Secretaria Estadual da Saúde, que destacou a importância de medidas para “diminuir a probabilidade de contágio em ambientes fechados”.  Ainda segundo a pasta, a iniciativa inova ao ressaltar a necessidade de que os resultados dos testes sejam interpretados por profissionais de saúde capacitados, não deixando dúvidas aos pacientes.

Diferente dos exames RT-PCR, que detectam a doença na fase aguda, os testes rápidos são indicados para no mínimo sete dias após o início dos sintomas. É utilizado apenas uma gota de sangue coletada do dedo do indivíduo. O resultado sai, em média, em 15 a 30 minutos.

No início da pandemia, esse teste estava restrito principalmente aos profissionais de saúde, segurança e que estavam na linha de frente do combate ao coronavírus. Ele era recomendado para identificar se alguém já teve contato com o vírus. “Agora com a oferta em farmácias, ele acabou ficando à disposição de toda a população e por isso precisamos ter muito cuidado com a interpretação dos resultados”, comenta o deputado Caputo.

Em caso de resultado positivo, o farmacêutico prestará todas as informações necessárias para que o paciente busque atendimento médico e fique em isolamento social. 
O projeto ainda deve passar por mais duas votações até a próxima semana e depois segue para sanção  do governador Ratinho Júnior.

Campo Largo tem redução no número de infectados pela covid-19, mas número ainda é considerado alto

O período mais crítico da pandemia em Campo Largo até o momento foi no mês de julho

O Comitê de Prevenção ao Coronavírus da Prefeitura Municipal de Campo Largo informa que o número de novos casos confirmados de moradores do município com COVID-19 vem reduzindo nas últimas semanas, mas o número ainda é considerado alto e todas as medidas de prevenção precisam ser mantidas. A partir de amanhã (15) os dados referentes a novos casos e óbitos por semana epidemiológica serão incluídos no boletim.

O período mais crítico da pandemia em Campo Largo até o momento foi no mês de julho. Entre os dias 12 e 18/07 foram confirmados 340 novos casos e entre os dias 19 e 25/07 ocorreram 10 óbitos – recordes de confirmações e óbitos por período. O município acumula 2900 moradores com resultado positivo para a COVID-19 e 71 óbitos.


Os números de novos casos e óbitos por semana são alguns dos indicadores epidemiológicos utilizados para definir o grau de risco da pandemia no município. Campo Largo permanece na bandeira laranja – grau de risco considerado médio.

O isolamento social é a medida com eficiência cientificamente comprovada para combater a pandemia, assim como a higienização de mãos e protocolo respiratório. A participação de toda a sociedade é essencial no combate à pandemia.

Informações Banda B.