Variante ômicron frustrou planos da Prefeitura de Curitiba de liberar uso da máscara

A descoberta da variante ômicron da Covid-19, no último mês de novembro, frustrou os planos da Prefeitura de Curitiba de liberar o uso da máscara em ambientes externos. Em entrevista à Banda B, nesta quarta-feira (8), a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, afirmou que a expectativa era ter flexibilizado a utilização do equipamento de proteção agora em dezembro.

“A gente tinha uma pretensão, mas o vírus tem nos desafiado. A gente tinha uma pretensão, talvez se não tivesse a variante ômicron, de liberar o uso da máscara em ambientes externos agora em dezembro. Mas, com a chegada da ômicron, tudo ficou em stand-by. Até tem uma recomendação da Secretaria de Estado da Saúde da manutenção e a gente está alinhado da mesma forma”, disse Huçulak.

Nesta semana, Curitiba registrou menos de mil casos ativos de Covid-19, que correspondem ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus. A última vez que a cidade teve um índice menor que mil foi em junho do ano passado.

De acordo com os dados do Painel Covid-19, da Secretaria Municipal da Saúde, o número de casos ativos diminuiu 92% em um ano. Em 8 de dezembro de 2020, exatamente um ano atrás, a cidade possuía 14.112 casos ativos.

“A gente repercute isso como uma excelente notícia neste momento, porque se a gente voltar um ano atrás nessa data nós estávamos no olho do furacão, com mais de 14 mil casos ativos. Se a gente pegar 8 de dezembro de 2020, veremos um número absurdo, foi aquela onda do final do ano em dezembro que assustou todo mundo, foi um Natal triste para família e todos os profissionais de saúde. Então, a gente comemora esse dado de hoje, mas com a cautela de muita gente que não tomou a vacina”, avaliou a secretária.

Huçulak atribui a redução de casos ao índice de vacinação. Curitiba chegou nesta quarta-feira a 80,6% da população vacinada, ao menos, com uma dose. Em relação à população completamente imunizada (com duas doses ou dose única), a cobertura chega a 72,8%.

“Não basta eu estar imunizado, eu preciso que a pessoa que eu convivo também esteja. Quanto mais pessoas vacinadas, maior será a proteção da sociedade como um todo. Essa baixa de números de casos ativos, de positividade, de casos novos, de internação, é por causa da vacina. A gente tem um dado que 83% dos óbitos são em pessoas não imunizadas. Então, a vacina é proteção, é necessária. É importante que, se a pessoa não quer acreditar na vacina, a sociedade voltou ao normal, todo mundo voltou a conviver, só isso já é um argumento suficiente”, reforçou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Oficina de pedrarias e Papo de Artesão estão na agenda da semana

Oficinas e Papo de Artesão na agenda da semana.

O Liceu de Ofícios Criativos oferece duas oficinas presenciais gratuitas e um bate-papo on-line com artesãs na próxima semana. As inscrições podem ser feitas clicando aqui.

Como a sede do Liceu de Ofícios Criativos, no São Francisco, está em reforma, as aulas presenciais são feitas no Liceu de Ofícios Curitiba (Rua Monsenhor Celso, 35, Centro), até a conclusão dos reparos.

Instagram que vende

Na terça-feira (9/8), a social media Emilie Nascimento (@emilie.nascimento) mostra como vender mais usando o Instagram em uma oficina presencial. Entre os temas abordados estarão: Por que escolher o Instagram?; Para quem você fala?; Raio-x de um perfil que vende (foto de perfil, nome de usuário, biografia, link, destaques, identidade visual, conteúdo); e Ferramentas que vão te ajudar.

Papo de Artesão

Na quarta-feira (10/8), o encontro virtual é com as artesãs Adriana Metzger, Mônica Mota e Pricila Almeida, no Papo de Artesão (@papodeartesao). Elas mostram que é possível superar medos e perder a timidez com o tema: Superação Digital.

“Um dia vamos olhar para trás e ver o quanto evoluímos e quanto tivemos que nos superar para chegar onde estamos. Durante a pandemia muitas crenças limitantes tiveram que ser removidas e isso é apenas o começo”, declara Adriana.

O encontro acontece a partir das 15 horas no canal do Liceu de Ofícios Criativos pelo Youtube.

Decoração em pedraria

Na quinta-feira (11/8), a artesã Ana Nilcen (@brilho_daestrela) ensina a técnica de nós em fio de nylon e tramado de pedras que pode ser usada em vários itens de decoração.

Para participar não é necessário levar nenhum material. A artesã vai explicar como usar a técnica em enfeite de guardanapo, pingente de cortina e móbile.

Para receber por WhatsApp os informativos sobre cursos, novidades e outros conteúdos relacionados, salve o número (41) 3250-7710 no celular e envie a mensagem “EUQUERO”.

Novo endereço

Os cursos acontecem no Liceu de Ofícios Curitiba (Rua Monsenhor Celso, 35, Centro). O espaço oferece convênio com o Estacionamento da Ordem (Rua Treze de Maio, 635), para o período de quatro horas por R$ 10.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Projeto Bússola retoma as aulas para meninas do Tatuquara

Projeto Bússola retoma as aulas para meninas do Tatuquara

Meninas do Tatuquara terão a oportunidade de aprender conteúdos de português e matemática brincando. Neste sábado (6/8), serão retomadas as atividades do Projeto Bússola, uma iniciativa da ONG Asec (Associação de Promoção Social Educação e Cultura), que desenvolve atividades de promoção social em trabalhos voluntários para comunidades carentes.

As aulas são desenvolvidas e ministradas por 20 universitárias voluntárias, cursando ou formadas em pedagogia, letras e matemática.

Só para meninas

A atividade é exclusivamente para meninas na faixa etária de 6 a 12 anos e acontecem no Clube da Gente Tatuquara, sempre aos sábados, das 9h às 11h. Há vagas para o segundo semestre. Interessados podem obter informações pelo WhatsApp (41) 99660-5868.

Durante as aulas, são aplicados jogos didáticos, oficinas pedagógicas e artísticas, teatro, música, dança, desenho. O objetivo é ampliar o universo cultural das meninas.

São duas oficinas de 50 minutos, simultâneas, onde as meninas são divididas em dois grupos conforme as idades. Até agora, já passaram pelo Projeto Bússola 60 crianças e atualmente estão inscritas 33 meninas.

Sequelas da pandemia

De acordo com a coordenadora do projeto, Ana Júlia Pereira Kloster, 20 anos, a ideia surgiu durante a pandemia, quando o isolamento aumentou de forma substancial o descompasso entre ensino público e privado.

“O projeto foi pensado com intuito de suprir essa necessidade. Nós já tínhamos feito uma ação no Tatuquara e temos conhecimento que outra ONG tem um trabalho parecido com meninos, então resolvemos fazer este trabalho com as meninas”, explicou Ana Júlia.

Durante o intervalo de 20 minutos entre as oficinas é oferecido um lanche. Durante esse período ocorrem as tutorias, em que as voluntárias ajudam as meninas a estabelecerem metas pessoais e acadêmicas.

Interesse pelos estudos

“Nós percebemos muitos problemas de autoestima, crianças dispersas e como consequência elas enfrentam dificuldades no aprendizado. Procuramos suprir essas lacunas com aulas estimulantes para cativar a atenção e desenvolver o aprendizado”, disse Ana Júlia.

“Mesmo nesse curto período que passamos juntas vemos como faz diferença na vida dessas crianças. A gente recebe relatos de mães que observam o aumento de interesse das crianças pelos estudos. Isso é muito gratificante”, disse.

Transformação das voluntárias

Ana Júlia explicou também que além de ajudar as crianças, a atividade também causa impactos positivos nas voluntárias, porque muitas começam a atividade, mas poucas persistem, por causa da distância, do lanche que tem que ser providenciado, além do preparo do material que demanda tempo.

“Quem persiste acaba tendo uma transformação interior porque está se dedicando aos outros e para isso precisa sair da sua ‘bolha’ e doar um pouco do seu tempo no final de semana”, comentou.

Serviço: Projeto Bússola

Local: Clube da Gente Tatuquara (Rua Evelázio Augusto Bley, 151 – Tatuquara)

Data e hora: aos sábados, das 9h às 11h

Informações: WhatsApp (41) 99660-5868

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba