Vacinar adolescentes torna mais seguro retorno às aulas, diz Fiocruz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) atualizou nesta segunda-feira (23) suas recomendações para prevenir a covid-19 no retorno às aulas presenciais e destacou que a vacinação dos adolescentes deve ser uma das medidas buscadas para aumentar a segurança nas escolas em meio à pandemia.

Elaborado por um grupo de trabalho coordenado pela vice-presidência de Ambiente, Atenção e Promoção da Saúde da Fiocruz, documento divulgado ontem avalia que “a implementação da vacinação para adolescentes pode reduzir significativamente o fechamento prolongado de turmas, escolas e interrupções de aprendizagem e lentamente permitir o relaxamento das medidas de proteção na escola”, diz o texto.

Para os pesquisadores, “não há razão para acreditar que as vacinas não devam ser igualmente protetoras contra a covid-19 em adolescentes como são em adultos e em conjunto com as medidas de distanciamento e uso de máscaras propiciem um retorno às aulas ainda mais seguro”.

A vacinação de adolescentes de 12 a 17 anos já ocorre em algumas cidades do Brasil, conforme é concluída a vacinação da população adulta com a primeira dose. Até o momento, somente a vacina da Pfizer é autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para essa população, já que não há estudos reconhecidos pela agência sobre o uso dos outros imunizantes em menores de idade.

A Fiocruz afirma que é fundamental que a vigilância para faixas etárias mais jovens e nas unidades escolares, como um todo, seja reforçada, já que essa população ainda tem acesso limitado às vacinas.

Outro alerta é em relação à variante Delta, cuja transmissibilidade é maior que a da cepa inicial do SARS-CoV-2. “É importante ressaltar que o aumento da transmissibilidade em todas as faixas etárias foi relatado para as variantes de preocupação (Vocs) do SARS-CoV-2, mais notavelmente para a variante Delta. Em regiões onde uma porcentagem crescente de adultos está totalmente vacinada contra covid-19, mas onde as crianças não são vacinadas, pode-se antecipar que, nos próximos meses, proporções cada vez maiores de casos da doença relatados ocorrerão entre crianças”.

Protocolos

O guia com as recomendações da Fiocruz indica que os principais cuidados são manter ambientes ventilados, usar máscaras de eficácia comprovada, manter distanciamento físico de pelo menos 1,5 metro, definir estratégias para monitoramento de casos e rastreio de contatos e promover uma higienização contínua das mãos. A fundação também defende que a situação vacinal dos trabalhadores da comunidade escolar seja monitorada e que haja número máximo de ocupantes nos ambientes.

O texto sugere protocolos para lidar com o surgimento de casos de covid-19 nas escolas. Quando dois ou mais alunos que convivem em uma mesma sala de aula tiverem casos confirmados simultaneamente, é necessário suspender as aulas da turma por 14 dias. Já quando casos simultâneos forem registrados em turmas diferentes, deve-se suspender as aulas presenciais por 14 dias nos dias da semana em que aquelas turmas têm aula. Além disso, todos os contatos próximos devem ser monitorados.

Pessoas com casos sintomáticos respiratórios não devem frequentar a escola de forma presencial. Tal quadro pode ser descrito com ao menos dois dos seguintes sintomas: febre (mesmo que referida), calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos. Em crianças, além dos itens anteriores, considera-se também obstrução nasal, na ausência de outro diagnóstico específico.

“É importante que haja um monitoramento muito próximo dos casos entre crianças, adolescentes e adultos das comunidades escolares, além de ampla testagem ao longo dos próximos meses de retorno pleno às atividades presenciais nas escolas, sem o qual fica bastante difícil o monitoramento da real dimensão e significado da pandemia nestes ambientes. O momento agora é de se implementar a vigilância epidemiológica escolar em tempo real com a produção de dados para o acompanhamento das experiências locais”.

Segundo a Fiocruz, “a abertura de escolas geralmente não aumenta de forma significativa a transmissão na comunidade, especialmente quando as orientações delineadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) são seguidas”. Além disso, a fundação afirma que “o risco de afastamento dos menores de 18 anos de suas atividades normais como escola e eventos sociais pode se revelar um risco maior do que o da própria SARS-CoV-2 para eles”.

O documento traz dados do Ministério da Saúde que indicavam que, até o início de agosto, as crianças e os adolescentes correspondiam a aproximadamente 1,5% das hospitalizações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) no Brasil (14.011 casos) e a 0,3% dos óbitos por SRAG em que a covid-19 foi confirmada (1.057 óbitos).

Indicadores

O estudo da Fiocruz também elenca os principais indicadores que devem ser observados para que haja um retorno seguro às aulas presenciais. O primeiro deles é a taxa de contágio (R), que deve ser menor do que 1,0. Isso significa que cada caso de covid-19 infecta, em média, mais de uma pessoa. Dessa forma, o ritmo de novos casos não representa um agravamento da pandemia.

Outro dado importante é a ocupação dos leitos de terapia intensiva para covid-19, que são necessários para tratar casos graves da doença. Para o retorno seguro, a Fiocruz recomenda que 25% desses leitos estejam livres.

O terceiro indicador trata dos novos casos registrados em uma localidade. O retorno seguro às aulas presenciais pode ocorrer quando novos diagnósticos não superem a proporção de nove casos para cada 100 mil habitantes nos últimos sete dias.

Por fim, a fundação pede que seja observada a taxa de testes diagnósticos (RT-PCR ou antígeno) positivos, recomendando que esse percentual não seja superior a 5%. Apesar disso, a pesquisa pondera que, no Brasil a média de positividade nos testes diagnósticos gira em torno de 35%. “Isso pode significar que os exames estão sendo realizados em sintomáticos moderados ou graves que procuram os serviços de saúde, mas também um elevado risco de transmissão local.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Outubro Rosa: Mulheres com câncer de mama passam por expressões emocionais semelhantes às do luto

O 10º mês do ano é marcado como Outubro Rosa, campanha de conscientização das mulheres e sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e, mais recentemente, também sobre o câncer de colo do útero. Além das questões médicas, é importante que a atenção esteja voltada também para a saúde mental dessas mulheres. Ao lidarem com as incertezas que um diagnóstico de câncer traz, essas pacientes costumam passar por expressões emocionais similares às do luto, que vão desde a negação até a aceitação.

De acordo com Luciene Bandeira, psicóloga e diretora de saúde mental da Conexa, maior player de saúde digital da América Latina, a principal angústia das mulheres que descobrem um câncer de mama é o risco de morte, vivendo algo como um “luto de si mesma”. “Após o diagnóstico, existe a possibilidade de a pessoa ter sentimentos ou expressões emocionais de negação e não aceitação, com possível omissão da família, quando as mulheres lidam de forma próxima com a possibilidade de morte, com dúvidas sobre a eficácia do tratamento ou o risco de uma recidiva. E é muito difícil lidar com todas essas incertezas sozinha. A psicoterapia é o primeiro ponto de autocuidado que um paciente que descobre um câncer precisa ter com a saúde mental, inclusive é indicada pelos médicos. Durante a consulta é importante expor todos os sentimentos, não só relacionados ao câncer, mas também de outras situações enfrentadas durante a vida como um todo”. 

A autoestima em relação à aparência também é uma preocupação dessas mulheres, devido à queda de cabelo e pelos do corpo e à perda da mama e muitas chegam na psicoterapia se sentindo fisicamente incapazes. “O apoio de um psicólogo ajuda no enfrentamento do problema. São estimuladas atitudes para a prática da autoestima e da autocompaixão. É preciso acolher e mostrar que há opções positivas para enfrentar a doença e seu tratamento”, explica Luciene, que também é responsável técnica pela plataforma Psicologia Viva.

Também é papel do psicólogo estimular para que a paciente realize diferentes tipos de atividades para que não perca a esperança na vida, pois apesar de ser um dos cânceres de maior índice de mortalidade em mulheres, quando diagnosticado e tratado na fase inicial da doença, as chances de cura do câncer de mama chegam a até 95%. “Atividade física é importante para a saúde mental desses pacientes quando a condição de saúde permite, mesmo que seja uma caminhada no quintal. Isso ajuda a amenizar o impacto do diagnóstico de câncer”, finaliza a psicóloga. 

Sobre a Conexa   

Player de saúde digital, fundada em 2017, a empresa atualmente oferece soluções voltadas para a saúde integral, como saúde mental, atenção primária, pronto atendimento virtual e até cuidados crônicos para empresas e planos de saúde. Focada em democratizar a saúde de qualidade, conta com renomado board médico formado por Ben-Hur Ferraz Neto, Roberto Botelho, Romeu Domingues e Otávio Gebara. A Conexa cuida de mais de 23 milhões de pacientes com a parceria de 70 mil profissionais de saúde, em mais de 30 especialidades e cinco países. Desde 2020, após aportes, vem consolidando o mercado através de M&As como a aquisição da IMedicina, desenvolvedora de software de médicos, prontuário eletrônico e líder em atração e fidelização de paciente, e integração com a Psicologia Viva, maior empresa de saúde mental da América Latina, em 2021. Esses movimentos a consolidaram como a maior empresa de saúde digital integral da América Latina.

6 dicas essenciais para cuidar da saúde do seu coração

Segundo um estudo da Sociedade Brasileira de Cardiologia, 14 milhões de brasileiros possuem alguma doença cardíaca e cerca de 400 mil morrem anualmente em decorrência dessas enfermidades, o que corresponde a 30% de todas as mortes no país. Somado a isso está o fato da pandemia da Covid-19 ter colaborado para o aumento dos problemas cardíacos, agravando ainda mais a situação e demonstrando que esse deve ser um assunto de extrema relevância.

“A doença cardíaca é altamente prevenível em até 70% dos casos através do cuidado com os hábitos de vida”, afirma o Dr. Denilton da Silva Guedes Oliveira, Médico Cardiologista parceiro da Docway, empresa pioneira em soluções de saúde digital. Pensando em ampliar os conhecimentos sobre prevenção de doenças cardiovasculares, confira seis dicas essenciais que o médico listou para auxiliar no cuidado com o coração. Confira:

Pratique exercícios físicos

Se manter ativo fisicamente, seja com atividades moderadas ou intensas, contribui para a saúde do corpo como um todo, mas especialmente para o sistema cardiovascular. Os exercícios são capazes de melhorar a vasodilatação, aumentar a performance do coração e ajudar no controle da pressão arterial, da glicemia e do colesterol, reduzindo a incidência de doenças cardíacas.

Cuide da sua alimentação

Nas últimas décadas, a indústria alimentar aperfeiçoou o sabor dos alimentos, oferecendo produtos cada vez mais saborosos. Mas como tudo tem um custo, muitos dos aditivos utilizados se mostraram prejudiciais à saúde, como o excesso de sal, gorduras não saudáveis e carboidratos. Para garantir uma alimentação saudável, é imprescindível optar sempre pelo consumo adequado de frutas, verduras e legumes, e evitar produtos muito industrializados.

Beba bastante água

Em média, 70% do corpo humano é composto por água. Por isso a importância de se manter hidratado. A água regula a temperatura do corpo, protege os órgãos vitais e os ajuda a absorver melhor os nutrientes, ajuda nosso metabolismo e ainda protege e hidrata as articulações e células. Por fim, a maior parte das condições médicas se beneficiam desse consumo.

Tenha boas noites de sono

Muitas pessoas sofrem com jornadas de trabalho elevadas e poucas horas de sono, o que contribui para a piora da saúde fisica e mental, além da descompensação de alguns quadros cardiovasculares, como hipertensão arterial. O recomendado é dormir entre 7 a 8 horas por noite, mas o fundamental é ter um sono reparador.

Cuide da sua saúde mental

Sintomas de ansiedade e depressão podem fazer com que os batimentos cardíacos e a pressão arterial aumentem consideravelmente. Por isso, inclua no seu dia a dia momentos de relaxamento e autocuidado.  

Consulte um médico regularmente

Além de cuidar dos hábitos de saúde, é imprescindível consultar regularmente um médico de confiança, a fim de prevenir doenças e/ou diagnosticar problemas precocemente.