Universidades estaduais do Paraná aparecem entre as melhores da América Latina

As universidades estaduais de Maringá (UEM), Londrina (UEL), Ponta Grossa (UEPG) e do Oeste do Paraná (Unioeste) estão entre as 100 melhores da América Latina, segundo o “Latin America University Rankings 2021” da revista inglesa Times Higher Education (THE). Os dados refletem o ano de 2019 e foram divulgados nesta terça-feira (13), em evento sediado na Universidade de São Paulo (USP) e transmitido remotamente.

A revista, fundada em 2004, é responsável por ranquear a lista das melhores universidades do mundo. O ranking avaliou 177 universidades de 13 países da América Latina. Os critérios adotados são os mesmos aplicados no ranking mundial da THE. São considerados indicadores de desempenho em cinco áreas: ensino, pesquisa, citações, perspectiva internacional e renda da indústria – que avalia a transferência de conhecimento entre a iniciativa pública e privada.

Para o coordenador de Ciência e Tecnologia da Superintendência Geral da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Marcos Pelegrina, é possível notar uma evolução no desempenho das universidades na classificação ao longo dos anos.

“Nossas instituições de ensino conquistam a cada ano melhores posições nas avaliações internacionais. Isso é reflexo do empenho e dedicação dos professores, agentes universitários e alunos somados aos investimentos estratégicos realizados pelo Governo do Estado. A cada ano as universidades estaduais avançam rumo à excelência no ensino, pesquisa e nas atividades extensão”, afirma.

AVALIAÇÃO

A UEM saltou 33 colocações e agora alcança a posição 48º do ranking. A universidade evoluiu nas avaliações de ensino e pesquisa, internacionalização e recursos externos.

Nos critérios de análise, a UEM apresenta melhora significativa em ensino e em pesquisa, além de ligeira ascendência em internacionalização e em captação de recursos externos. “Ensino apresentou a melhor avaliação, a nota passou de 52,9 para 69,1. Pesquisa apresentou o maior aumento, pulou de 34,4 para 64,3”, destaca Bruno Montanari Razza, chefe da Divisão de Planos e Informações da Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional da UEM.

O professor explica que esse ranking usa os mesmos dados enviados para o THE Wur, ranking mundial de universidades, mas são reanalisados e utilizada uma metodologia diferente para a classificação.

A UEL também ganhou três posições e agora está entre as 47 melhores universidades da América Latina. É, também, a 28ª entre as instituições de ensino superior brasileiras. A instituição manteve o bom desempenho nos quesitos de ensino, pesquisa e renda da indústria.

De acordo com a diretora de Avaliação e Informação Institucional da Pró-reitoria de Planejamento da UEL, professora Elisa Emi Tanaka Carloto, o item melhor avaliado este ano foi renda da indústria, com nota superior a 84.

Segundo a professora, o resultado representa o esforço da instituição no trabalho de transferência do conhecimento, desenvolvimento de novas patentes, geração de royalties e demais aspectos ligados à cadeia produtiva nas mais diversas áreas. Neste quesito a UEL pulou de 35,3 no ano passado para 84,2 na mais recente pesquisa.

“Foi um aumento de mais de 100%, que reflete a política de inovação da UEL considerando o ensino, a pós-graduação e o relacionamento que mantemos com o setor produtivo, uma mudança de mentalidade que começa a aparecer e a gerar novos frutos”, avaliou a diretora.

A Unioeste também subiu colocações na classificação, comparada à classificação de 2020. A universidade foi da faixa 100-125 para a posição 74º. A UEPG se manteve entre as 90 melhores, ocupando a 86ª posição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ratinho confirma investimento de R$ 82 milhões para melhorar infraestrutura das escolas

Além do programa Robótica Paraná, que vai habilitar o curso de programação nas escolas da rede pública de ensino do Estado, o governador Carlos Massa Ratinho Junior confirmou nesta segunda-feira (30), durante evento no Palácio Iguaçu, o investimento de R$ 82 milhões em tecnologia para melhorar a infraestrutura dos colégios.

“Educação é prioridade do Estado. E, com esse aporte tecnológico, passaremos por uma transformação no setor. Ofereceremos preparação e atualização para um ensino moderno, que realmente prepare os jovens paranaenses para o futuro”, destacou o governador.

O montante é dividido em três ações, todas previstas já para esse semestre. A partir de outubro serão instalados 7,9 mil novos computadores nos laboratórios de informática em cerca de 400 escolas da rede, perfazendo um investimento de R$ 30 milhões.

Haverá um upgrade de velocidade da internet fibra, que passará dos atuais 25 ou 40 megabit por segundo (mbps) para 100 mbps em 1.628 escolas, todas localizadas em áreas em que a tecnologia está liberada. Por ano, o custo será de R$ 20 milhões.

Além disso, destacou Ratinho Junior, na segunda quinzena de outubro começam a ser entregues para o Núcleos Regionais de Educação (NREs) novos equipamentos de wi-fi (internet sem fio) para todas as salas de aula da rede estadual, em um investimento de R$ 31,9 milhões.

Ao todo serão distribuídos 23,5 mil access points (dispositivos de rede que permitem aos dispositivos sem fio se conectarem a uma rede cabeada), 2.150 switchs (dispositivo que conecta todos os aparelhos de uma mesma rede) e uma solução de gerenciamento centralizado para a Secretaria de Estado da Educação. 

“Estamos avançando e vamos avançar ainda mais. A tecnologia será aliada dos alunos, professores e pais em uma evolução sem precedentes”, disse Ratinho Junior.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior lançou nesta segunda-feira (30), no Palácio Iguaçu, o Programa Robótica Paraná. Mais de 2,5 mil kits de robótica serão entregues nas próximas semanas para 257 colégios da rede estadual do Paraná. – Foto Gilson Abreu/AEN

APLICATIVO  Aos suportes anunciados nesta segunda soma-se a recente atualização do aplicativo Escola Paraná para alunos da rede estadual e pais ou responsáveis. Lançado em 2017, o app é gratuito e permite o acompanhamento do dia a dia da escola. É possível consultar, por exemplo, a grade com horários de aulas, professores do dia, notas parciais e consolidadas, tela de avisos e agenda com datas de avaliações e entrega de trabalhos.

Agora, após passar por uma grande atualização, a ferramenta está com nova interface, mais intuitiva e fácil de navegar, e com novas funcionalidades para a comunidade escolar. Uma delas é o acesso, que antes era pelo código de matrícula mais o token enviado por SMS e, agora, pode ser feito pelo @escola, login pelo qual os estudantes já acessam demais plataformas educacionais em uso, como o Google Classroom.

Outra novidade é o controle de frequência, que mostra já na tela inicial o percentual de faltas do aluno – anteriormente havia apenas o número das ausências e era necessário fazer cálculos para ter essa informação. Estudantes e pais também podem agora ter acesso ao conteúdo planejado das aulas futuras, para saber o que provavelmente será abordado em determinado dia/disciplina. Após a aula, é possível confirmar o que foi realizado, conforme informado pelo professor. Além disso, foi criado um canal direto de atendimento, o “Fale com a escola”, para envio de solicitações, sugestões e dúvidas para a administração do colégio.

“Uma ferramenta aperfeiçoada, que vem para melhorar a relação entre aluno, escola e pais. Um novo passo que o Paraná dá para passar um ensino realmente de primeiro mundo para os estudantes”, comentou o secretário de Estado da Educação e do Esporte, Renato Feder.

Também está mais fácil, nessa versão 2.0, ter acesso ao histórico de notas de trimestres anteriores e foi inserido um espaço com as notícias do portal da Secretaria. Até três pessoas podem ter acesso ao mesmo usuário – o próprio estudante e mais duas: pai e mãe e/ou responsáveis. O desenvolvimento foi feito em conjunto pela Celepar com a Diretoria de Tecnologia e Inovação (DTI) da Secretaria da Educação.

Universidades estaduais ganham destaque em ranking internacional

As universidades estaduais de Maringá (UEM), Londrina (UEL), Ponta Grossa (UEPG), do Oeste do Paraná (Unioeste) e do Centro-Oeste (Unicentro) estão bem posicionadas entre as universidades da América Latina e, também, entre as melhores instituições de ensino superior do Brasil, segundo o QS Latin America University Rankings 2022, da consultoria britânica Quacquarelli Symonds, divulgado nesta quarta-feira (25).

O ranking avaliou 416 instituições da América Latina com base em critérios como reputação acadêmica, reputação entre empregadores, proporção docente/estudante, quantidade de professores doutores, rede de pesquisa internacional, citações de artigos científicos, publicações de docentes e impacto online.

Na classificação geral, a UEM se mantém em 96ª e a UEL ocupa a posição 104ª entre as universidades da América Latina. A UEM também conquistou a posição de segunda melhor universidade paranaense, seguida pela UEL, em terceiro. A avaliação posicionou a UEPG na 131ª posição, a Unioeste na faixa de 171ª a 180ª e a Unicentro na faixa de 201ª a 250ª.

BRASIL – O QS Latin America University Rankings 2021 representa uma das comparações independentes mais amplas do ensino superior. No total foram avaliadas 95 universidades brasileiras. Na classificação nacional, a UEM e a UEL ficaram entre as 30 melhores instituições, ocupando a 23ª e 27ª colocação, respectivamente. A UEPG está entre as 40 melhores, seguida pela Unioeste em 53ª e a Unicentro em 67ª posição.

Entre os critérios de classificação, as universidades estaduais se destacaram nos indicadores de proporção de professor por estudante, professores com doutorado, quantidade de artigos por professor, citações de artigos científicos, rede internacional de pesquisa e alcance na internet.

FOMENTO – O superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Nelson Bona, destaca a importância do fomento ao ensino e à pesquisa, realizado pelo governo estadual. “Esses resultados demonstram o trabalho de excelência das instituições conciliado ao apoio e investimentos do Governo em áreas estratégicas e na estrutura universitária estadual”, afirmou.

Para o vice-reitor da UEM, Ricardo Dias Silva, os investimentos nas universidades estimulam o desenvolvimento do Paraná. “Os números e conquistas nas últimas avaliações demonstram que estamos no caminho correto, mantendo a qualidade de ensino e pesquisa no âmbito nacional e internacional. Com isso, ajudamos o Estado a ser cada vez mais desenvolvido.”