Uninter promove maior feira de empregos e profissões do país e oferece mais de 3.500 vagas de trabalho

O Brasil tem quase 28 milhões de desempregados segundo pesquisa divulgada em maio deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somente no Paraná, estado com maior índice de desocupação da região Sul, há 495 mil pessoas sem emprego. Para contribuir com a mudança nesse cenário, o Centro Universitário Internacional Uninter promove a segunda edição da Feira de Empregos e Profissões, considerada atualmente, o maior evento do país no segmento com oferta de mais de 3.500 vagas de trabalho em apenas um dia.

O evento tem entrada gratuita e acontece no dia 21 de julho, das 9h às 19h, no Expo Renault Parque Barigui. Haverá oportunidade para todos os níveis de qualificação e idades, de aprendizes a cargos de mestres e doutores. Também serão ofertadas vagas para pessoas com deficiência, revendedores e profissionais que queiram trabalhar como autônomos e operacionais.  Os salários vão de R$1.200,00 a R$12.000,00. Mais de 40 empresas de Recursos Humanos e outras grandes contratantes estarão presentes, realizando triagens e agendando entrevistas.  A organização orienta que o interessado já leve vários currículos impressos.

“No ano passado contabilizamos mais de 67 mil atendimentos, passaram pela feira mais de 14 mil pessoas e preenchemos todas as vagas oferecidas. Certamente, muitos candidatos que deixaram seus currículos ainda estão colhendo os frutos dos contatos feitos no evento”, conta Jorge Bernardi, vice-reitor da Uninter e organizador da feira.

Quem estiver no local poderá participar dos talk-shows e palestras realizados durante todo o dia. Após cada bate-papo serão emitidos certificados de extensão e horas complementares.

As inscrições são gratuitas e realizadas no local.

Profissões

A Uninter é considerada o maior e melhor centro universitário do país, segundo o Enade/MEC, e há sete anos consecutivos é a mais lembrada no Prêmio Top Educação. Além disso, possui mais de 650 polos de EAD que levam educação de qualidade para todo o país. Somente em 2018 foram lançados 17 novos cursos, entre eles, três que são inéditos no Brasil: Tecnólogo em Investigação Profissional – Habilitação para Detetive Particular, Educador Social e Bacharelado em Psicopedagogia.  Com essa feira, a instituição alia a oferta de empregos com oportunidades para quem quer iniciar ou voltar a estudar.

O público vai encontrar mais de 40 estandes de cursos de graduação, pós-graduação e mestrado, onde os professores estarão presentes explicando cada curso e tirando dúvidas dos futuros estudantes. Os materiais de apoio utilizados nas aulas e os kits de engenharia elétrica, jornalismo, investigador profissional e robótica estarão expostos no local.

Os interessados já poderão realizar o vestibular para mais de 99 cursos superiores, gratuitamente durante a feira, sem a obrigatoriedade de inscrição prévia. E quem fizer a matrícula na hora vai ganhar um curso de inglês on-line.

O Grupo Uninter desenvolveu  um programa de orientação profissional para estudantes do ensino médio, o Link no Futuro. O serviço é totalmente gratuito e estará à disposição dos visitantes da feira: basta realizar inscrição no site www.linknofuturo.com e dar início ao teste.

Nesta edição, a Uninter conta com o apoio do Ministério do Trabalho, Governo do Estado Paraná, Fenascon, Sineepres e Sindeprestem-PR. Mais informações podem ser obtidas pelo site http://www.uninter.com/feira ou pelo 0800 702 0500.

Serviço

2ª Feira de Empregos e Profissões Uninter

Data: 21 de julho, das 9h às 19h.

Local: Expo Renault Barigui, Rua Batista Ganz, 430, Santo Inácio, Curitiba (PR).

Inscrições: gratuitas e podem ser feitas na hora e local do evento.

Mais informações: http://www.uninter.com/feira ou 0800 702 0500

Imagem: Rodrigo Leal. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

92% dos municípios do Paraná têm saldo positivo na geração de empregos em 2021

Os números positivos do Paraná na abertura de novos postos de trabalho formais, aqueles com carteira assinada, vão além do recorde alcançado em julho, quando o saldo de 14.492 vagas representou o melhor desempenho para o mês desde 2010. As planilhas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), vinculado ao Ministério do Trabalho e Previdência, revelam que 367 dos 399 municípios paranaenses (92%) fecharam o sétimo mês do ano, dado mais recente disponibilizado, com um número maior de admissões do que demissões – foram 132.328 empregos criados ao longo do ano no período.

Das 32 cidades restantes, 15 encerraram até 10 vagas (47%) e 23 até 20 vagas (72%). Ou seja, desempenho que pode ser facilmente revertido entre agosto e dezembro, período em que há um aquecimento natural da economia com as festas de fim de ano, férias e pagamento do 13º salário. Além disso, com o avanço da vacinação, os diferentes setores econômicos caminham, gradativamente, para a volta à normalidade.

“Uma das prioridades da gestão é avançar da criação de empregos para a população. O Governo do Estado está focado em buscar soluções que aumentem as ocupações e, por consequência, a renda dos paranaenses. Isso ficou claro diante deste cenário tão difícil de pandemia. Mesmo com as atenções voltadas para o combate ao vírus, o Paraná teve saldo positivo em todos os meses de 2021”, destacou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

As 132.328 novas vagas, quarto melhor resultado do País no ano, refletem o somatório dos meses de janeiro (25.105), fevereiro (41.453), março (10.600), abril (9.773), maio (15.527), junho (15.858) e julho (14.492). Por setores, o desempenho nos 7 meses ficou dividido em indústria (38.165); serviços como informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (28.285); comércio (26.700): construção (16.145); e administração pública (11.891).

“O Estado está investindo em diferentes obras de infraestrutura, em todas as regiões, também como forma de colaborar com a contratação de mão de obra. Os números reforçam a evolução na geração de empregos e apontam para uma evolução contínua nos próximos meses”, comentou Ratinho Junior.

MUNICÍPIOS – Ainda de acordo com o Caged, os municípios com melhor saldo positivo até julho de 2021 foram Curitiba (30.244 vagas), Cascavel (6.690), Maringá (6.316), Londrina (5.411), São José dos Pinhais (4.325), Toledo (3.506), Araucária (3.335), Apucarana (2.263), Ponta Grossa (2.165), Pato Branco (2.033), Umuarama (1.989) e Cambé (1.908).

JULHO – Na quinta-feira (26), o Caged divulgou que o Paraná teve um saldo positivo de 14.492 vagas com carteira assinada em julho, o melhor resultado para este mês desde 2010 – quando o saldo entre admissões e dispensas foi de 12.723. O resultado foi 64% superior ao mesmo mês de 2020, quando foi registrado saldo de 8.833 novas vagas.

O indicador que mais reflete a recuperação de setores atingidos pela crise sanitária é o de comércio e serviços, que foi o responsável pela criação de 10.749 novas vagas em julho, ficando à frente da indústria em geral, que abriu 2.844 postos de trabalho. O setor da construção também obteve um resultado importante, com um saldo positivo de 834 empregos de carteira assinada.

A criação de vagas em julho ocorreu em ritmo mais acelerado nos centros urbanos do Estado, uma vez que os empregos tiveram maior escala no comércio e setor de serviços. Curitiba foi a cidade que mais se destacou, com 4.440 novos empregos; seguida de Maringá com 1.009; Londrina, 859; Cascavel, 720; São José dos Pinhais, 584; Umuarama, 276; Toledo, 201; Apucarana, 148; Campo Largo, 144, e Ponta Grossa, 132.

Curitiba gera recorde de 30 mil empregos formais de janeiro a julho

Curitiba gerou o recorde de 30.244 novos empregos com carteira assinada nos primeiros sete meses do ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira (26/8). É a maior geração de vagas para o período desde 2003, início da série histórica.

No mesmo período do ano passado, no auge da pandemia de covid-19, o saldo havia sido negativo em 21.032 vagas.

“A cada mês estamos gerando mais empregos, com saldos positivos, que vêm recuperando aos poucos as perdas geradas pela pandemia. Curitiba é mais forte que as dificuldades”, disse o prefeito Rafael Greca.

O saldo do emprego formal é medido pela diferença entre admitidos e demitidos. Nos primeiros sete meses do ano, foram 247.933 contratações e 217.689 demissões. Curitiba liderou a geração de empregos no Paraná nos primeiros sete meses e foi responsável por 23% das vagas criadas no Estado, que totalizaram 132.328 no período.

O emprego em Curitiba foi puxado pelos setores de serviços, com saldo de 16.561 vagas, e construção civil, com 5.759. Mas os demais setores também tiveram desempenho positivo. O comércio gerou 3.703 vagas e a indústria, 4.163 novos empregos.

Julho

No mês de julho o saldo ficou em 4.440 novos empregos, colocando a capital entre as oito cidades do País que mais geraram vagas, consolidando a tendência de recuperação do mercado de trabalho. Foram 35.813 contratações e 31.373 demissões no mês passado.

Em julho, os destaques foram os serviços (3.416 vagas), comércio (700) e indústria (506).

Apoio do município

A Prefeitura de Curitiba mantém programas e ações para dar suporte à retomada do emprego, com apoio tanto para trabalhadores quanto para empreendedores. Os Liceus de Ofício, da Fundação de Ação Social (FAS), promovem cursos e preparam para o mercado de trabalho quem está em busca de qualificação. Além disso, os Espaços do Empreendedor da Agência Curitiba dão suporte a microempresários e microempreendedores individuais.

A Prefeitura também vem adotando medidas para reduzir o impacto da pandemia sobre a economia do município. Entre elas, a criação de um fundo de aval, de R$ 10 milhões, com potencial para alavancar até R$ 100 milhões em investimentos por parte das empresas curitibanas.

O número de atividades incluídas na lei de liberdade econômica foi ampliado. A lei prevê a dispensa de alguns alvarás para atividades de baixo risco, facilitando o processo de abertura de empresas e reduzindo a burocracia. No ano passado, o número de atividades abrangidas pela lei passou de 242 para 545 na capital.

O município também prorrogou o prazo de pagamento de impostos e promoveu um programa de refinanciamento, o Refic-Covid-19, que permitiu o parcelamento de débitos em até 36 meses. A Prefeitura também tem aprovou nessa semana na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) dois projetos que voltados para o setor de eventos culturais. O primeiro prevê a utilização de R$ 2,7 milhões para projetos desse segmento. O segundo prevê a moratória de dívidas, até o fim do ano, para acesso às certidões negativas que as instituições financeiras exigem para a concessão de empréstimos.