Últimos dias do 1º Festival do Rum de Curitiba

O Rum ganhou fama mundial ao ser relacionado com as histórias clássicas de piratas, e agora está em alta em todo planeta. Nos últimos meses, especialistas têm apontado a bebida como produto-tendência na coquetelaria mundial. Seca e com gosto que lembra uma cachaça mais rústica, a bebida, com origem na cana-de-açúcar, virou a “queridinha” de mixologistas de todo planeta, sendo utilizada nos mais variados drinks.

De olho neste sucesso mundial, a hamburgueria curitibana O Barba, que surgiu há quase 10 anos apostando na temática pirata, lançou o 1º Festival do Rum de Curitiba. O evento, que acontece até o próximo domingo, dia 08 de dezembro, traz diversos coquetéis exclusivos que têm Rum como grande estrela. Produzido a partir do melaço, diferente da pinga que é feita do suco da cana, o Rum passa por processos de fermentação e destilação, podendo ser amadurecido por anos em barris de carvalho e até receber especiarias. O resultado é uma bebida extremamente versátil e com muita personalidade.

“Nos últimos tempos, notamos que o público consumidor, após a consolidação da coquetelaria no Brasil, estava preparado para novas experiências, que com o Rum vão dos coquetéis clássicos aos complexos com muita versatilidade. Com o 1º Festival do Rum de Curitiba, estamos popularizando, ainda mais, o consumo da bebida que é o grande destaque do momento na coquetelaria mundial”, comenta Rafael Vetter, administrador do O Barba.

O menu do 1º Festival do Rum de Curitiba conta com três faixas de preços: R$ 15, com destaque para os coquetéis Mate n´ Rum e Dark n’ Storm; R$ 18, com drinks como Daiquiri de Morango e Orange Mojito; e R$ 20, com preparos como Mai Tai e Caribean Martini Rum. “O Rum é uma bebida bem peculiar, com características únicas. Os runs brancos ou envelhecidos combinam muito bem com coquetéis tropicais, o que facilita ainda mais seu consumo no Brasil”, completa Vetter.

O 1º Festival do Rum de Curitiba acontece no O Barba (Avenida Vicente Machado, nº 578), até o próximo domingo, dia 08 de dezembro. O empreendimento funciona diariamente, a partir das 18h. Mais informações na página oficial da hamburgueria no Facebook (www.facebook.com/barba.hamburgueria) ou no perfil no Instagram (@o_barba).

Barreado do litoral do Paraná é a 100ª Indicação Geográfica do Brasil

Quem pensar em um prato típico da culinária paranaense, certamente lembrará do barreado. Um dos símbolos da gastronomia do estado, o Barreado do Litoral do Paraná foi reconhecido como a centésima Indicação Geográfica (IG) brasileira, na modalidade Indicação de Procedência (IP), pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), nesta terça-feira (6). O prato, que possui preparo típico e segue tradições de mais de 200 anos, é o 12º produto com IG no Paraná – o terceiro estado em número de Indicações Geográficas, atrás de Minas Gerais (16) e Rio Grande do Sul (13).

A entrega do reconhecimento será realizada durante o V Evento Internacional de Indicações Geográficas e Marcas Coletivas – Origens Brasileiras, que será realizado em Curitiba.  A Indicação Geográfica foi concedida à Associação de Restaurantes e Similares de Morretes e Região, que engloba 11 restaurantes de Morretes, Antonina e Paranaguá. O pedido de registro contou com o apoio do Sebrae/PR e foi protocolado em 24 de abril de 2021.

“A conquista da 12ª IG paranaense é resultado de um trabalho que vem sendo desenvolvido desde 2012, com o Café do Norte Pioneiro, que seguirá para os próximos anos e que está alinhado com a nossa busca pelo crescimento, fortalecimento e desenvolvimento dos pequenos negócios no campo”, celebra o diretor-superintendente do Sebrae/PR, Vitor Roberto Tioqueta.

O reconhecimento do barreado é também um marco para o Brasil por ser a centésima Indicação Geográfica concedida pelo INPI e ocorre 20 anos após o primeiro registro concedido, em 2002, para os vinhos do Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul.

Das 100 IGs, 76 são Indicações de Procedência, onde a região é conhecida por seu produto ou serviço, e 24 são Denominações de Origem, quando o produto ou serviço possui características e qualidades decorrentes de fatores naturais e humanos.

“A IG pertence a uma coletividade, pode ser um instrumento de política agrícola e contribui para o desenvolvimento regional. Tão importante quanto estruturar os pedidos de IG é trabalhar ações no pós-registro. Como benefícios desse ativo de Propriedade Industrial, listam-se os seguintes: aumento do valor do produto no mercado; acesso a mercados especiais; ampliação das estratégias de comercialização, da quantidade produzida e das pessoas no território; geração de empregos; turismo; produção mais sustentável; conservação da memória histórica; inclusão social. O Sebrae tem sido um parceiro muito importante na geração, na proteção e no pós-registro de IGs brasileiras”, explica o diretor de Marcas, Desenhos Industriais e Indicações Geográficas do INPI, Felipe Augusto Melo de Oliveira.

Barreado e sua história

Reconhecido nesta terça-feira (6) como IG, na espécie Indicação de Procedência, o barreado é um produto típico do litoral do Paraná, feito à base de carne bovina cozida exaustivamente em uma panela hermeticamente fechada com goma de farinha de mandioca, de acordo com a tradição originária dos Açores, em Portugal.

Passado um tempo mínimo de oito horas de cozimento após a fervura, produz-se um resultado único, com a carne macia e desmanchando-se, devendo ser servida, usualmente, com farinha de mandioca branca e banana da terra, segundo a documentação apresentada ao INPI.

Embora o barreado seja produzido e degustado há mais de 200 anos em toda a região litorânea do Paraná, as comprovações apresentadas ao INPI demonstram que sua notoriedade se relaciona diretamente aos municípios de Antonina, Morretes e Paranaguá que, devido à sua proximidade, cresceram de forma entrelaçada, gerando o compartilhamento de elementos culturais e tradições.

“Era um prato feito para o dia de festas, em especial para o carnaval. As famílias que viviam em sítios do litoral faziam o alimento de um dia para o outro para ter forças para as festas. As pessoas comiam peixe o ano todo e, nessa época, optavam por um prato diferente. Ele também era relacionado às festas de fandango, dança típica da região. Nessas ocasiões, o prato era reaquecido a cada refeição”, explica Tania Madalozo, presidente da Associação dos Restaurantes e Similares de Morretes e Região e proprietária do restaurante Madalozo, em Morretes.

O tropeirismo é uma dessas tradições, essencial para o desenvolvimento da economia e do povoamento do Paraná como um todo, mas que, na região litorânea, favoreceu ainda a gênese e a afirmação do produto como típico dos três municípios mencionados.

Localmente, o barreado é considerado mais que uma iguaria, sendo um produto resultante da manifestação gastronômica da cultura da região, presente em festividades como casamentos, batizados e aniversários, bem como nas festas comunitárias e religiosas, de acordo com a documentação enviada ao Instituto.

O restaurante é um dos mais tradicionais de Morretes e serve o prato desde os anos 70. A estimativa da Associação é que, hoje, os estabelecimentos do litoral servem entre 2,5 e 3 mil pessoas por final de semana e seguem o modo de preparo típico que marca a cultura litorânea. Segundo Tania Madalozo, a IG possui um significado histórico.

“Esse reconhecimento será muito celebrado e irá nos ajudar a conseguir manter a receita original do barreado, a contar e a unificar essa origem e essa maneira de servir em todos os restaurantes. Vai contribuir para que ele mantenha esse sabor típico, essa história e a divulgar esse prato que é uma marca cultural do nosso litoral. Esperamos que a IG possa nos trazer grandes frutos”, ressalta Tania.

Produtos com IG no Paraná

Com o Barreado do Litoral do Paraná, o Estado possui agora 12 produtos com o registro de IG. Os demais são: a Bala de Banana de Antonina, o Melado de Capanema, a Goiaba de Carlópolis, o Queijo de Witmarsum, as Uvas de Marialva, o Café do Norte Pioneiro, o Mel do Oeste, o Mel de Ortigueira, a Erva-mate São Matheus – do Sul do Paraná, o Morango do Norte Pioneiro e os Vinhos de Bituruna.

Marca paranaense de confeitaria fina inicia projeto de expansão com abertura de lojas em Curitiba

Inspirada na confeitaria alemã, conhecida por ser muito generosa nas porções, na delicadeza das texturas e exigente no sabor, a marca de confeitaria fina Frühling inaugura duas lojas em Curitiba, em dezembro, nos charmosos bairros do Batel e Jardim Schaffer. No menu, a marca paranaense apresenta bolos e tortas sublimes, das receitas mais complexas, com mais camadas e mais ingredientes, que podem ser acompanhados de blends especiais de café ou chás. A loja localizada na Rua Doutor Carlos de Carvalho, 1286, será inaugurada no dia 7 de dezembro, e a loja da Rua Desembargador Hugo Simas, 2010, abrirá as portas para o público no dia 8 de dezembro.
 
Pertencente ao grupo Doce D’ocê, maior indústria de panificação ultracongelada do Paraná, localizada em Chopinzinho, a Frühling dá início ao seu projeto de expansão, com a abertura de duas novas lojas, para aportar em 2023 no mercado de franquias. A primeira loja da marca está em funcionamento no interior do estado, em Pato Branco, no PB Shopping.
 
Com um diferencial exclusivo no segmento de doceria e cafeteria, a Frühling vem trabalhando desde 2019 na adaptação do modelo para franquias e aposta no gosto refinado do curitibano para apresentar o seu conceito de confeitaria fina para o mercado. “Escolhemos a cidade por identificarmos que tem o perfil de público que a Frühling busca atingir, que é exigente e preza pela qualidade. Também, vemos a escolha de Curitiba como forma de prestigiar o Estado e agradecer pelos nossos 30 anos de atuação local”, comenta a fundadora da marca, Noeli Alves Bazanella.
 
Cardápio
 
O cardápio terá como estrela da marca seus bolos e tortas, com opções fixas e sazonais, que poderão ser consumidas na loja ou levadas para casa. No local, também serão comercializados o blend de café, com torrefação artesanal, em torra média e super equilibrado para agradar os mais variados paladares, além da carta de chás especiais, com quatro opções, com propriedades diferentes para consumo quente ou frio, além do lançamento do novo Chá da Primeira Primavera. Ainda, o espaço contará com uma sessão empório com chocolates, doces, louças, caixas e utensílios presenteáveis.
 
Ao visitar as lojas, o público encontrará conforto, elegância, sofisticação, requinte, bom gosto e qualidade, em cada cantinho, desde a estrutura até os produtos e serviços, com valores condizentes aos praticados pelo mercado.
 
 
Inspiração

A Frühling tem como inspiração a confeitaria alemã, que conta com a tecnologia de ponta para fabricação dos produtos, mesclando com a confeitaria clássica artesanal cheia de texturas, cores e sabores. “Aliamos o melhor dos dois mundos para construir uma operação sem concorrentes diretos no mercado brasileiro, e que faça sentido na nossa realidade local. O insight do nome veio em uma das viagens da Noeli para a Alemanha. Frühling é primavera em alemão” comenta a coordenadora do projeto da Frühling, Laura Scarpetta.
 
A identidade visual também está alinhada às inspirações da marca. “Por si, a primavera já norteia toda nossa forma de se colocar no mundo. A comunicação é elegante, leve e alegre. As vitrines são fartas e coloridas. Os produtos delicados e super diversos entre si. Cada bolo tem uma característica única, ingredientes, sabores e texturas. A arquitetura é aconchegante e vibrante. As embalagens são elaboradas com as mais modernas matérias primas, com componentes que chegam a ser 100% vegetais e biodegradáveis, e que respeitam a natureza. A riqueza da primavera está em cada detalhe”, relata Laura.
 
Rede de Franquias

Desde o início do projeto, a Frühling conta com estudos e orientações da Cherto, uma das mais tradicionais consultorias para franquias do Brasil, com mais de 40 anos de atuação. “A proposta é pilotar as três unidades próprias, para realizar os últimos ajustes, para que no primeiro semestre de 2023 a empresa comece a divulgar as novas unidades e a abertura para a franquia nacional, nesta primeira fase, em modelo de expansão orgânica”, ressalta Noeli.
 
Preocupação ambiental
 
O grupo Doce D’ocê adota uma série de medidas em prol do meio ambiente, desde tratamento de efluentes, separação e destino adequado de resíduos, até utilização de energias renováveis e ações com a comunidade local. E, a coordenadora do projeto destaca que a Frühling já nasceu com essa preocupação ambiental alinhada com o ESG. “Nosso nome é uma das estações e representa um ciclo da natureza, a Primavera. Compreendemos a questão ambiental não só como cuidado e respeito pela natureza, mas também com todas as pessoas envolvidas. Nossos talheres e pratos tem tecnologia americana, com utilização de 60% a 100% de bagaço vegetal na composição, sendo biodegradáveis. Os produtos de papel, como copos, sacolas e caixas também possuem certificados e esse cuidado de serem recicláveis ou biodegradáveis. Prezamos por fornecedores locais, zelamos pela logística e eficiência energética, entre outras ações”.
 
 
Sobre o Grupo Doce D’ocê
 
O Grupo Doce D’ocê teve início em 1993, quando Noeli Alves Bazanella e seu esposo Carlos Bazanella, começaram a comercializar pizzas, salgados e bolos feitos em sua casa. Em pouco tempo a Doce D’ocê se transformou na maior indústria de panificação ultracongelada do Paraná, conquistando mercado em 6 estados brasileiros. Atualmente gera mais de 750 empregos, sendo reconhecido como o maior empregador da região de Chopinzinho.
 
A empresa conta hoje com três marcas, Grupo Doce D’ocê para a corporação, Panutti com o mix completo para padaria e a Frühling, operação de varejo em modelo franquia.
 
Serviço: Inauguração Frühling Curitiba
Data: 07 de dezembro – Loja Batel
Data: 08 de dezembro – Loja Jardim Schaffer
 
Horário de funcionamento:
Batel: Al. Doutor Carlos de Carvalho, 1286 – segunda a sábado das 10h – 20h. Domingos e feriados, das 10h – 18h
Jardim Schaffer: Rua Des. Hugo Simas, 2010 – segunda a sexta das 11h – 22h. Domingos e feriados, das 13h – 21h.
 
Informações:
Instagram: @fruhlingbolosetortas