UFPR divulga hoje resultado do vestibular

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) anuncia nessa quinta-feira (12) os selecionados no Vestibular 2016-2017. O resultado será divulgado no site do Núcleo de Concursos da instituição, na página da UFPR do Facebook e no aplicativo + UFPR. O concurso ofereceu 5.944 vagas em 120 opções de cursos.

(Foto: Leonardo Betinelli / Divulgação UFPR)

Confira a matéria completa no Massa News: https://goo.gl/vmYbWn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UFPR define calendário de 2021 com 1º semestre encerrando em dezembro

O 2º semestre de 2021 começa em 31 de janeiro de 2022, com aulas até 7 de maio de 2022

A Universidade Federal do Paraná aprovou nesta segunda feira (16) o plano de adequação do calendário acadêmico – afetado pela pandemia da Covid 19 – ao calendário civil. A resolução foi votada em sessão remota do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe). Pelo novo calendário, o primeiro semestre letivo de 2021 será de 20 de setembro a 18 de dezembro, ainda de forma virtual.

A professora Maria Josele Bucco Coelho, pró-reitora de Graduação e Educação Profissional (Prograd), explica que a comunidade universitária convergiu para a aprovação de um calendário único.

“Foi um processo de diálogo muito intenso, com forte preocupação de acolher os anseios da comunidade acadêmica e também proporcionar qualidade de ensino para todos os cursos”. Além da adequação do calendário, os debates consideraram as entradas de calouros, períodos de exames finais, lançamento de notas e matrículas.

O período de recesso será em janeiro de 2022. O segundo semestre de 2021 começa em 31 de janeiro de 2022, com término em 07 de maio de 2022. Segundo a pró-reitora, as datas contemplam os anseios de de estudantes e do fórum de coordenadores de curso, em relação ao número de semanas necessárias para integralização dos dois semestres.

Já o curso de Medicina, que sempre teve um calendário especial dentro da Instituição, continuará com uma programação de 18 semanas. Tanto no campus de Curitiba, quanto em Toledo, o primeiro semestre de 2021 de Medicina será de 20 de setembro de 2021 a 05 de fevereiro de 2022. O segundo semestre de 2021 será de 28 de fevereiro a 02 de julho de 2022. Para cursos com muitas disciplinas práticas represadas, a Prograd abriu a possibilidade de adesão ao calendário de 18 semanas, com proposição e aprovação dentro de cada setor.

Em breve, a Prograd publicará as instruções normativas com as especificações de outras datas do calendário acadêmico.

Em julho, a universidade informou que poderia levar até quatro anos para que o calendário letivo se readequasse ao calendário civil

Informações Banda B

Bolsonaro diz que vetará ‘Fundão’ na íntegra se for impedido de cortar ‘excesso’

 O presidente Jair Bolsonaro afirmou que vai vetar o fundo eleitoral, o “Fundão”, na íntegra caso seja impedido de cortar o que exceder a lei de 2017 de reajuste ao projeto. De acordo com o chefe do Executivo, a ordem dada por ele foi vetar tudo o que extrapolar aquilo previsto em 2017, uma vez que não quer gerar atritos com a Câmara dos Deputados ou o Senado. “Mas vamos supor que não seja possível porque está em um artigo só, então vete tudo”, declarou Bolsonaro à Rádio Capital Notícia – Cuiabá/MT, na manhã desta terça-feira (17)

O chefe do Executivo voltou a declarar que “temos que cumprir a lei” e, não pode vetar ou sancionar “qualquer coisa sem responsabilidade”. “Se eu sancionar o que não devo ou vetar o que não posso, estou em curso em crime de responsabilidade”, afirmou.

Apesar da justificativa utilizada por Bolsonaro, não há obrigação por parte da Presidência da República de reajuste mínimo do chamado “Fundão” pela inflação. Se o presidente confirmar o veto à regra aprovada na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), o valor ficará em aberto.

Segundo determina e legislação, o governo e os parlamentares deverão estabelecer o gasto com as campanhas no ano que vem de acordo com o seguinte cálculo: usar o valor dos impostos arrecadados com o fim da propaganda partidária, calculado em R$ 803 milhões no ano que vem, mais um porcentual não definido da reserva destinada às emendas parlamentares de bancada, cuja somatória deve chegar a R$ 8 bilhões no próximo ano.