Treze anos depois, acusado de matar Rachel Genofre vai a júri popular nesta quarta-feira

O júri popular do acusado de matar a menina Rachel GenofreCarlos Eduardo dos Santos, está marcado para esta quarta-feira (12), em Curitiba.

A menina Rachel foi encontrada morta em novembro de 2008. O corpo dela foi achado com sinais de violência sexual dentro de uma mala na Rodoferroviária de Curitiba.

O réu será julgado pelos crimes de homicídio triplamente qualificado mediante meio cruel e ocultação do corpo. De acordo com a polícia Carlos Eduardo dos Santos confessou o crime. A caso segue em segredo de justiça.

Menina desapareceu após sair da escola

Rachel desapareceu após sair da escola onde estudava, no Centro de Curitiba, no fim da tarde de 3 de novembro de 2008. A menina tinha nove anos na época.

O acusado pelo crime foi identificado 11 anos depois, em 2019, com a ajuda de exames de DNA. A identificação aconteceu após o cruzamento de dados das polícias do Paraná, São Paulo e Distrito Federal.

O laudo da investigação mostrou que o acusado fez buscas na internet sobre pornografia infantil.
Carlos Eduardo dos Santos já cumpre pena de 25 anos por outros crimes. Ele teria confessado o crime à polícia quando foi preso em Sorocaba, no interior de São Paulo.

Informações Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Profissionais de hospital de Curitiba comemoram primeiro dia sem casos na UTI de Covid-19

O dia 18 de outubro de 2021, segunda-feira, já entrou para a história de um hospital de Curitiba: desde março de 2020, quando iniciou a pandemia, este foi o primeiro dia sem casos de Covid-19 ativos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Marcelino Champagnat.

“Foi um ano e meio muito intenso, de muitas provações para mim e todos os meus colegas, mas a gente conseguiu vencer graças à ajuda da população também”, comemorou a médica intensivista do hospital, Silvia Maria Nascimento Ferreira.

No auge da pandemia, o hospital registrou lotação máxima de 52 pacientes, com ‘fila de espera’ para internamento.

“Tivemos essa grande notícia exatamente no dia do médico, então foi um presente que trouxe uma sensação de alívio e dever cumprido”, explicou Jarbas da Silva Motta Junior, também médico do hospital.

Covid-19

A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba registrou, nesta segunda-feira (18), 96 novos casos de covid-19 e cinco óbitos de moradores da cidade infectados pelo coronavírus. Dois destes óbitos ocorreram nas últimas 48 horas.

As vítimas são dois homens e três mulheres, com idades entre 43 e 82 anos. Duas pessoas tinham menos de 60 anos.

Até o momento, foram contabilizadas 7.685 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, 295.372 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 285.398 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 2.289 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

Leitos do SUS

Nesta segunda-feira (18/10), a taxa de ocupação dos 235 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 42%. Restam 136 leitos livres.

A taxa de ocupação dos 209 leitos de enfermarias SUS covid-19 está em 50%. Há 105 leitos vagos.

A SMS esclarece que os dados da ocupação de leitos em Curitiba são dinâmicos, com alterações ao longo do dia.

Informações Banda B

Athena ou Pandora? População pode escolher nome da nova onça-parda de Curitiba

Os paranaenses podem ajudar a escolher o nome completo da onça-parda encaminhada para o Zoológico de Curitiba na última semana. A iniciativa é da Secretaria estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, por meio do Instituto Água e Terra (IAT), em parceria com a prefeitura da Capital.

A onça-parda passou por quatro meses de tratamento no Cafs UniFil, unidade parceira do IAT no atendimento à fauna silvestre, em Londrina, no Norte do Estado. Encontrada na PR-151, próximo a Ribeirão Claro, no Norte Pioneiro, a suspeita é que ela tenha sido vítima de atropelamento.

No Centro de Atendimento à Fauna Silvestre, ela foi tratada pelo nome de Mali. O objetivo agora, como parte da Política Estadual de Educação Ambiental do IAT, é que a população escolha um segundo nome para ela, de forma a despertar o cuidado para a fauna silvestre.

Para a escolha do nome da onça-parda, é possível votar em duas opções, uma sugerida pelos funcionários do Zoológico de Curitiba, local de residência definitiva do animal, e outra escolhida pelos funcionários da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, em votação interna.

As sugestões são Mali Athena e Mali Pandora.

Inicialmente em quarentena, a onça será encaminhada para visitação pública no Zoológico e poderá ser vista por todos que visitarem o local.

“Manter o nome que ela já vinha sendo chamada durante os quatro meses de tratamento no CAFS é importante para a recuperação da onça e continuidade do seu tratamento. Mas a campanha é importante para que toda a comunidade se sinta parte dessa história”, disse a chefe do setor de Fauna do IAT, Paula Vidolin.

CAMPANHA  Mali passou por um tratamento com células-tronco no Cafs UniFil e ainda apresenta pequenos sinais de problemas neurológicos. Além disso, o fato de ela ser encontrada sem a mãe, muito nova, faz com que não consiga mais desenvolver o instinto de caça, necessário para sobreviver no seu habitat.

COMO PARTICIPAR – A população pode realizar a votação até a próxima quinta-feira (21) no site www.sedest.pr.gov.br/Formulario/Vamos-dar-um-sobrenome-oncinha-Mali. O questionário foi desenvolvido pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) e pode ser acessada por qualquer dispositivo.