Todos os municípios do Paraná já estão vacinando a população em geral

A vacinação contra a Covid-19 no Paraná avançou para além dos grupos considerados prioritários. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou nesta terça-feira (8) que todos os 399 municípios paranaenses já estão em processo de imunização da população adulta em geral, parcela da sociedade formada por pessoas com idade variando entre 18 e 59 anos e que não se enquadram entre as prioridades estabelecidas pelo Plano Nacional de Imunização (PNI).

A expansão do cronograma de vacinação foi possibilitada pela iniciativa do Governo do Estado de reservar parte da 22ª pauta de distribuição do governo federal para dar início ao escalonamento etário abaixo dos 60 anos. A remessa enviada aos municípios na semana passada separou 137.353 (38%) das 360.250 doses para o novo público. Os imunizantes são da Covishield, desenvolvido em parceria pela Fiocruz/AstraZeneca/Oxford.

“As vacinas estão chegando e não podemos ficar parados. A ordem é ir ampliando o público que será imunizado conforme a idade, chegando até aqueles mais novos que estão fora das prioridades. O objetivo do Governo do Estado é no fim do ano ter todas as pessoas acima de 18 anos vacinadas contra a Covid”, ressaltou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

O protocolo estabelecido pela Sesa determina que a aplicação neste novo público-alvo seja escalonada de forma sucessiva e decrescente, iniciando na faixa etária de 59 e 58 anos.

EXEMPLOS 

Além do avanço natural, algumas cidades, contudo, estão com o calendário ainda mais adiantado. Paranavaí, no Noroeste, já começou a vacinar o público de 57 anos. Campo Mourão, no Centro-Oeste, trabalha para fechar a semana com todos os acima de 56 anos imunizados. E em Cornélio Procópio, no Norte Pioneiro, e em Foz do Iguaçu, no Oeste, a faixa etária alcançou os 53 anos.

Mesmo público que Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, espera atingir até sábado (12) – atualmente está em 55 anos. E, gradativamente, ir diminuindo a idade até alcançar o pessoal de 45 anos até o fim de junho.

Paranaguá, Antonina e Guaraqueçaba, todas no Litoral, também projetam imunizar o grupo a partir de 45 anos neste mês. “Nossa expectativa é que, até o final desta semana, a população de até 39 anos receba a primeira dose da vacina”, disse o prefeito de Paranaguá, Marcelo Roque.

Paranaguá e Antonina, no Litoral, avançam na vacinação e imunizam a população na faixa dos 40 anos. Foto: Prefeitura de Paranaguá

Ele explica que mobilizou um grande efetivo da prefeitura para tornar a logística mais ágil. “Não escolhemos dia para começar a vacinar. A vacina chega e nós começamos imediatamente o processo. Temos uma equipe de 130 pessoas da prefeitura dedicada a isso”, explicou.

Durante o feriado de Corpus Christi, a prefeitura imunizou 7,5 mil pessoas na quinta e na sexta – nesse último caso, até as 2h30 de sábado.

A cidade tem 105 mil pessoas com mais de 18 anos aptas a serem vacinadas. Até segunda (7), 47 mil parnanguaras já haviam recebido a primeira dose da vacina contra a Covid-19, cerca de 45% da população. 

Bem perto de Paranaguá, outro município que se destaca na aplicação das vacinas é Antonina. Com cerca de 13 mil pessoas computadas para receber o imunizante com 18 anos ou mais, Antonina já vacinou cerca de 8,3 mil habitantes.

MAIS POPULOSAS 

Entre as cidades mais populosas, Curitiba estima terminar a semana com as pessoas de 56 anos protegidas contra o vírus. Londrina e Maringá pretendem chegar na sexta-feira (11) com as pessoas de 55 anos imunizadas. Cascavel também reservou a sexta-feira, mas para proteger quem tem a partir de 58 anos. Ponta Grossa, por sua vez, dá início nesta quarta-feira (09) à vacinação de quem já completou 58 e 59 anos.

“Estamos nos organizando para avançar cada vez mais. As vacinas estão chegando com um ritmo melhor ao Estado, o que nos permite programar a ampliação das pessoas imunizadas. Contamos com a parceria dos municípios para que as doses cheguem o mais rapidamente possível ao braço dos paranaenses”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “É com vacina e rapidez na aplicação que vamos vencer a pandemia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná recebe 451,7 mil doses da vacina AstraZeneca

O Paraná recebeu na tarde desta segunda-feira (21) mais 451.750 doses da vacina contra a Covid-19. Os imunizantes, produzidos em parceria pela AstraZeneca, Universidade de Oxford e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), integram o 26º lote encaminhado pelo Ministério da Saúde.

O material já está no Centro de Medicamentos do Paraná (Cemepar), em Curitiba, para averiguação, validação e posterior divisão. A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde é começar a distribuição para as 22 regionais que formam o sistema público de saúde do Estado ainda nesta terça-feira (22). 

De acordo com a pauta de distribuição, todas as doses são destinadas à conclusão do ciclo de imunização de grupos prioritários. São 404.242 doses para as pessoas de 60 a 64 anos (o equivalente a 71% do total) e 2.277 doses para trabalhadores das forças de segurança e salvamento e das Forças Armadas (6% do grupo). As demais doses vão para reserva técnica.

“Vamos acelerar a distribuição para fazer com que mais pessoas completem o ciclo de vacinação, garantindo a completa imunização contra o vírus, por isso vale reforçar a importância das pessoas tomarem a segunda dose”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Queremos continuar fazendo a vacina chegar no braço dos paranaenses na maior velocidade possível”, reforçou ele.

VACINÔMETRO 

O Paraná administrou até a tarde desta segunda-feira 5.032.954 doses da vacina anticovid. Dessas, 3.749.010 foram aplicações de primeiras doses e 1.283.944 segundas doses. Os dados são do Vacinômetro (https://localizasus.saude.gov.br/) do Sistema Único de Saúde (SUS), painel do Ministério da Saúde alimentado diretamente pelos municípios.

Das vacinas aplicadas, 49,1% foram vacinas da AstraZeneca, 45,6% da Coronavac (Instituto Butantan/Sinovac) e 5,3% da Pfizer/BioNTech.

Em números absolutos, as cidades que mais vacinaram são Curitiba (889.741 doses), Maringá (287.645 doses), Londrina (268.166 doses), Cascavel (149.343 doses) e São José dos Pinhais (141.024 doses).

Curitiba vacinou 695.294 pessoas contra a covid-19

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba imunizou, até domingo (20), 695.294 pessoas com a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus. Até esta data foram vacinados: 302.048 idosos, 93.514 profissionais dos serviços de saúde da cidade (incluindo as equipes de vacinação), 6.859 moradores, funcionários e cuidadores de instituições de longa permanência, 14.704 trabalhadores das forças de segurança, 80 indígenas, 8.908 gestantes e puérperas, 7.623 pessoas com deficiência, 111.855 pessoas com comorbidades, 35.320 educadores (entre professores e trabalhadores da Educação Básica) e 114.483 pessoas do grupo sem comorbidades (convocadas por idade).

Segunda dose

Em Curitiba, 234.901 pessoas receberam a segunda dose da vacina até domingo (20). A vacinação com a segunda dose está sendo feita nas instituições de longa permanência, em profissionais de saúde e idosos.

Cronograma

Nesta segunda-feira (21), Curitiba vacina a população com 50 anos ou mais. A orientação é que os nascidos no primeiro semestre (1º de janeiro a 30 de junho) busquem um dos pontos de vacinação das 8h às 12h. Já os nascidos no segundo semestre (1º de julho a 31 de dezembro) devem buscar a imunização entre 13h e 17h

Também estão sendo atendidas com a primeira dose pessoas com comorbidades entre 18 e 59 anos, pessoas com deficiência permanente acima de 18 anos, gestantes e puérperas, trabalhadores de drogarias e farmácias de manipulação, funcionários da Fundação de Ação Social (FAS), idosos com 60 anos ou mais que ainda não tenham recebido a vacina e profissionais de Saúde com registro em conselho de classe de 14 áreas.

Doses recebidas

Até o momento, Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 1.038.672 doses de vacinas, sendo 740.972 para primeira dose e 297.700 para segunda dose. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, como por exemplo, quebra acidental de frascos.

Além da reserva técnica, a SMS precisa manter um estoque de vacinas para garantir a imunização de remanescentes dos grupos já contemplados – pessoas que por algum motivo não fizeram a imunização nas datas estipuladas. Por exemplo, quem estava em processo de confirmação de comorbidade ou não comparecido no dia programado para sua imunização. Essas pessoas têm o direito e serão vacinadas quando comparecerem aos postos de vacinação.