Setor de self storages cresce a dois dígitos no Brasil e Curitiba se destaca no cenário nacional

Levantamento encomendado pela Associação Brasileira de Self Storage (ASBRASS) à Brain Inteligência Estratégica mostrou que o aumento no número de pequenas e médias empresas, que passaram a vender pela internet durante a pandemia, foi um dos principais propulsores da expansão do setor de self storages no Brasil em 2021.

De acordo com a pesquisa, o setor já soma 108.537 boxes distribuídos em 191 empresas – número que vem crescendo a passos largos. O “novo normal” aumentou a procura por espaços fora de casa, ampliando os ambientes internos e otimizando a utilização dos cômodos. Uma das soluções encontradas foi a utilização dos self storages, sistema criado na década de 1960 nos Estados Unidos, que consiste no aluguel de boxes ou containers para armazenamento de itens, como móveis, eletrodomésticos e objetos de uso pessoal e profissional. A proposta se expandiu para outros países e hoje tornou-se alternativa para quem precisa de mais espaço, correspondendo à extensão da própria casa.

O engenheiro civil Alexandre Gonçalves é exemplo disso. Cliente da Espaço A+ Self Storage há mais de um ano, ele conta que saiu do antigo imóvel e precisava de um lugar para guardar seus pertences até que a reforma do novo apartamento estivesse concluída. “Tive a ideia de alugar um espaço para guardar temporariamente esses objetos e, em meio a diversas opções que pesquisei, escolhi a Espaço A+ pela distância, pelo zelo observado naquele ambiente, pelo bom atendimento desde o primeiro contato”, argumenta. 

Segundo Alexandre, mesmo após a reforma, ele deve manter a locação do box. “Vou tirar os objetos maiores, como a geladeira, mas em razão da área do apartamento ser pequena, entendo que vale a pena ter um espaço extra, mesmo que seja menor que este atual, para guardar aquilo que não é usado no dia a dia, como um conjunto de louças, um ventilador ou aquecedor de piso, cadeiras adicionais para atender convidados, caixas com documentos, bicicletas. Enfim, o box tem diversas utilidades que o tornam uma extensão da minha casa”, finaliza.

Para a gerente de operações da Espaço A+ Self Storage, que tem unidades em Curitiba, Rousy Mary Rojas, os boxes passaram a ser um recurso essencial para otimizar o ambiente doméstico. “Os clientes percebem a vantagem de armazenar bens pouco usados e aproveitar melhor o espaço de suas casas e empresas. É muito mais econômico alugar um box para guardar objetos do que manter o aluguel de um imóvel maior ou exclusivo para esse fim. Sem contar que um espaço como a despensa ou o ‘quartinho da bagunça’ pode ser reaproveitado de várias outras formas”, ressalta.

Com o fortalecimento do setor, a Espaço A+ vai inaugurar ainda este ano um novo prédio na unidade Rebouças, localizada na Rua 24 de maio, quase esquina com a  Silva Jardim. Serão 200 novos boxes e, com isso, 3 unidades disponíveis. Além desse endereço, a marca conta com a unidade Aeroporto, próxima ao Afonso Pena, em São José dos Pinhais, onde tem 290 boxes entre 1m² e 100 m². Em 2023, será inaugurada a unidade centro, na Rua Presidente Faria, próximo ao Passeio Público, com uma infraestrutura de 290 boxes entre 1 e 30 m².  “Essas novas unidades chegam para acompanhar o crescimento da demanda que tivemos nos últimos dois anos, quando crescemos 50% no volume de boxes alugados”, conclui Rousy.

 Sobre a Espaço A+

A Espaço A+ Self Storage é uma rede de self storages, com unidades em pontos estratégicos de Curitiba (PR) e São José dos Pinhais (PR), que disponibiliza boxes para locação de pessoa física ou jurídica. Além da fachada moderna, os espaços possuem sala de reuniões e uma infraestrutura com corredores claros em tons de laranja e azul, sistema de controle de acesso e monitoramento 24 horas. Mais informações: www.espacoamaisself.com.br.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Incorporadora constrói praça para comunidade do Novo Mundo

A AGL anunciou a construção de uma praça de uso público ao lado do novo empreendimento da incorporadora, New Urban, em construção no bairro Novo Mundo, em Curitiba (PR). Com a iniciativa, o primeiro edifício residencial em sua categoria  no Paraná, em processo de certificação GBC Condomínio, deve impactar a vida não apenas dos futuros moradores, mas de toda a vizinhança.

Com projeto assinado pela Bloco Base e a parceria da CWB Outdoor, a Praça do New Urban será um espaço coletivo que tem como objetivo fomentar a convivência e ocupação urbana inteligente. A praça terá paisagismo regenerativo, com jardim de espécies nativas da Mata Atlântica, horta comunitária, espaço pet, além de área de eventos, com mini arquibancada e portões de acesso.

A ideia foi inspirada por iniciativas de requalificação de espaços ociosos pelo mundo e a tendência de um novo modelo de ocupação dos espaços urbanos com foco no conceito de cidades inteligentes. “O terreno é de propriedade da CWB Outdoor, que cedeu o espaço em parceira, somando esforços para criarmos algo para as pessoas, que valorize o bairro, melhore a qualidade de vida da vizinhança, incentive a convivência no entorno do New Urban, a integração da comunidade e o lazer ao ar livre. É uma contribuição que a gente pode e quer dar para que a cidade seja um lugar melhor para todos”, define o engenheiro civil e sócio da AGL, Luiz Antoniutti. 

A mesma visão é compartilhada pelo sócio da CWB Outdoor, Rafael Barth, proprietário da área de quase 300 m2. “Todo aquele espaço apenas para um painel não cumpria a função social do imóvel e, por isso, a parceria com a AGL para a construção da praça aberta ao público surgiu para nós como uma oportunidade. Esperamos que a ação sirva de inspiração para outros proprietários de lotes vagos em Curitiba, criando espaços de convivência convidativos e úteis para as pessoas”, diz. 

Com o propósito de oferecer um espaço sustentável e que contribua para a recuperação do equilíbrio natural no ambiente urbano, a AGL buscou a parceria de empresa especializada em paisagismo regenerativo. Responsável pelo projeto, o consultor de sustentabilidade e fundador da Bloco Base, Iago de Oliveira, conta que priorizou a oferta de equipamentos úteis para a comunidade, um ambiente seguro e atrativo para a vizinhança e a seleção de vegetação endêmica e espécies em risco de extinção. “A gente buscou criar um ambiente convidativo, para estimular a ocupação do espaço. A presença das pessoas, além de favorecer a comunidade do ponto de vista da convivência e lazer, resulta em maior segurança para a própria região, atraindo a comunidade para ocupar a praça. Incluímos elementos úteis para a população e idealizamos o uso do espaço também para eventos que possam ser catalisadores do movimento na praça”, descreve. 

O projeto da praça teve como referências o Waller Park de São Francisco, na Califórnia (escritório MSLA), o projeto de paisagismo do parlamento de Victoria, na Austrália (escritório TCL), além do Portal Dona Irena, em Porto Alegre, concebido pela KS Arquitetos. 

Paisagismo regenerativo

O jardim da Praça New Urban será um dos destaques do projeto. Com viés de regeneração ambiental, o projeto será feito exclusivamente com espécies nativas. “A seleção considera o bioma de origem, que é Mata Atlântica, e o serviço ecossistêmico, que é a floresta ombrófila mista ou mata com araucária. Assim, as plantas são espécies adaptadas às condições de clima e solo locais. Além de ser um jardim auto gerível, que não precisa de um jardineiro fazendo poda e manutenção a cada 15 dias, o paisagismo regenerativo tem maior durabilidade e uma relação ecossistêmica mais fomentada, que considera a microfauna da região, com seus pássaros, roedores e outros animais” detalha Oliveira. 

Entre as espécies vegetais que farão parte do jardim estão a citronela, falsa íris, samambaia paulista, banana de macaco, taioba, palmeira de sara e ipê rosa, em estado de extinção. O posicionamento e número de mudas devem seguir as indicações do estudo de incidência solar feito no espaço para garantir exposição adequada das plantas ao sol e também bom sombreamento nas áreas de estar, que serão equipadas com bancos de praça. O estudo foi feito com simulação computacional, que permite calcular até mesmo o número diário de horas de exposição ao sol em cada área de paisagismo da praça. 

O projeto de revitalização e ocupação da área onde será construída a Praça do New Urban vai além do terreno. A intervenção inclui também a requalificação das calçadas, que estão degradadas, criando um espaço convidativo para incentivar a caminhada pelo bairro. Para proteger os pedestres da via rápida, o projeto terá maciços vegetais e um espaço generoso e seguro para os pedestres. 

Além do jardim, a Praça New Urban terá uma horta comunitária equipada com pia, que deve cumprir o papel de conectar a comunidade e envolver a vizinhança no cultivo de hortaliças e temperos. “Antes de entregar o espaço para a comunidade, faremos o plantio de mudas de baixa manutenção, que podem ser substituídas de acordo com a vontade dos futuros frequentadores. Os canteiros serão permeáveis, para a água chegar ao solo, fazendo uma drenagem natural e a evapotranspiração para conservar o solo úmido”, explica o consultor. O espaço servirá de berçário para algumas espécies a serem usadas no paisagismo do empreendimento New Urban, que tem entrega prevista para junho de 2024. 

Outro equipamento de utilidade pública será o espaço pet, que foi planejado para proporcionar uma vivência coletiva da vizinhança com seus animais de estimação. A área, delimitada para que os frequentadores deixem os pets soltos com proteção, terá bancos, lixeira e bebedouro para os bichinhos. Projetada para ser um ambiente flexível, a praça terá duas entradas com portões removíveis para o acesso de veículos  e área com bancos de arquibancada, um espaço para eventos gastronômicos. 

As obras da Praça New Urban estão em andamento e a inauguração está prevista para segunda quinzena de dezembro. “É um empreendimento privado que beneficia as pessoas ao redor, principalmente através da conexão social. Encontramos, na AGL, a oportunidade de desenvolver algo que impacta a sociedade do muro para fora. Isso é possível em função de três fatores: a boa intenção do empreendedor, a disposição do mesmo de fazer esse pacto com a comunidade e a equipe de projeto capacitada e engajada para fazer algo que represente a diferença para a cidade”, resume Oliveira. 

De acordo com o sócio da AGL, o sucesso no uso do espaço pelos futuros moradores e pela vizinhança será o sinal de que o objetivo do projeto foi alcançado. “O que a gente quer é que a comunidade se aproprie da praça, aproveite o espaço e cuide dele. Queremos ver as pessoas tomando sol em um jardim bonito, mexendo na terra, e vivendo numa cidade mais acolhedora. A praça combina com o propósito do próprio empreendimento”, conclui Antoniutti. 

Sobre o New Urban

Com 84 unidades, de dois e três quartos, o New Urban é o sexto empreendimento da AGL em Curitiba. Com projetos fotovoltaico, de reuso de água, eficiência energética, conforto térmico e acústico, o residencial é o primeiro de sua categoria em processo de certificação GBC Condomínio (Green Building Council) no Paraná.

O empreendimento terá painéis de captação de energia solar instalados no topo do edifício, que vão abastecer parte do consumo de energia nas áreas comuns do condomínio. O projeto luminotécnico inclui sistema de sensores de presença em todas as áreas comuns, opção pelas lâmpadas de LED e projeto arquitetônico que otimiza o aproveitamento da luz natural nas unidades e espaços de uso compartilhado. 

O New Urban também adota tecnologias para conforto térmico e acústico, que incluem esquadrias que reduzem a troca de calor e os ruídos, além de manta acústica nos pisos. Além disso, foram executados estudos lumínicos para o empreendimento, visando o melhor aproveitamento da incidência solar em todas as unidades. 

 Para a economia de água, o edifício conta com sistema de aproveitamento da água da chuva e águas cinzas para reuso nas descargas dos vasos sanitários, irrigação e limpeza das áreas comuns. O projeto também prevê a instalação de central de coleta multi seletiva, para separação aprimorada dos resíduos orgânicos e recicláveis em vidros, metais, papéis, plásticos e lixo eletrônico. 

O projeto do New Urban segue os preceitos da gestão construtiva responsável e prevê subsolo único, para remoção de menor quantidade de terra (preservação do solo) e também o uso de materiais construtivos de procedência certificada, que não contêm produtos químicos que possam ser prejudiciais à saúde dos moradores. Além disso, a logística das obras prevê a redução do impacto ambiental com a geração de resíduos da construção civil e a destinação correta dos mesmos.  O New Urban está em construção na rua João Bonat, 93, no bairro Novo Mundo, entre a Antônio Gasparin e a avenida República Argentina. A entrega da obra está prevista para junho de 2024.

Dealersites adquire Performay com meta de chegar a R$ 14 milhões de faturamento

A Dealersites, startup que atua na digitalização do mercado automotivo, anunciou a aquisição da Performay, ferramenta de criação de sites, portais e landing pages, desenvolvida para apoiar as concessionárias em sua missão de conquistar espaço no mercado on-line. Com o investimento, a expectativa é ampliar o número de clientes atendidos e melhorar a experiência do usuário no segmento automotivo. Isto acontece após a startup registrar crescimento de 93% durante a pandemia, com previsão de encerrar 2022 com R$ 14 milhões de faturamento, número 133% superior ao do ano passado. 

Com soluções inovadoras voltadas para digitalizar concessionárias e facilitar a venda on-line, a aquisição acompanha a busca da Dealersites em se manter líder no segmento de plataformas digitais e sites para o setor automotivo. Segundo o CEO da startup, Cesar Cantarella, o olhar está voltado para continuar a impulsionar a transformação digital e fortalecer os vínculos comerciais. “Somos a principal escolha das concessionárias de automóveis no Brasil. E, aquilo que já fazemos com muita propriedade na venda de carros zero quilômetro está se consolidando também para motos, veículos seminovos e caminhões. Mais uma prova da autoridade no segmento automotivo, construída ao longo de todos esses anos”, pontua. 

Para que a expansão seja possível, a startup paranaense firma uma parceria estratégica com a Followize, empresa criadora da funcionalidade Performay. Com a soma de experiências sobre o mercado automotivo, a integração permite que a ferramenta leve ainda mais competitividade e inovação, reforçando atributos como liberdade, agilidade e indexação de SEO. “O investimento permite colocar a digitalização das concessionárias um passo à frente e focar em ajudar o nosso consumidor final. Unidos vamos conseguir ter uma oferta mais completa ao setor, que é gigantesco”, explica o head comercial da Dealersites, Marcos Pavesi. 

A Followize conta com mais de 1,2 mil concessionárias na carteira de clientes e auxilia na organização e padronização do processo de vendas online, além de acompanhar os resultados por meio de relatórios detalhados. Segundo o CPO da empresa, Anderson Gil, a promessa é que, a partir dessa parceria, os clientes tenham ganho em performance e otimização na jornada de compra. “Acreditamos muito no sucesso dessa integração, que vai permitir uma evolução na experiência de usuário e concessionária. No final, quem ganha são os nossos clientes”, reforça.

Novo momento

Até o fim deste ano, o número de concessionárias atendidas deve chegar a 1,6 mil. Os planos da Dealersites são arrojados, mas vêm na esteira de uma sequência de bons resultados. A cada mês, as soluções da startup geram em média 2 milhões de visitantes e mais de 200 mil leads aos clientes. Isso representa um movimento inverso de demanda, uma vez que, nos meios digitais, o cliente final é quem encontra as concessionárias. “Além do bom uso dos recursos tecnológicos, há preocupação com a performance de vendas e o ranqueamento do site, bem como com a análise e integração de dados, que ajudam nas estratégias e tomadas de decisão de cada cliente”, avalia o head comercial.

E o investimento segue um planejamento cuidadoso, visando ampliar a base de clientes e digitalizar cada vez mais o mercado automotivo. Afinal, as compras on-line viveram um crescimento significativo no setor automotivo nos últimos anos, principalmente durante a pandemia. É o que aponta o Índice de Transformação Digital do Setor Automotivo (ICTd), feito pelo CESAR, centro de inovação sediado em Recife (PE), em parceria com a Automotive Business. Apenas em 2021, o segmento apresentou 66,15% de maturidade em sua digitalização, um resultado oito pontos percentuais maior na comparação com 2019. “A jornada do cliente está caminhando para se tornar 100% digital, o que vai trazer facilidades e incremento à experiência do comprador”, finaliza Pavesi.

Sobre a Dealersites

A Dealersites é uma startup paranaense que atua na digitalização do mercado automotivo. Criada em 2015, a startup tem mais de mil clientes em todo o país. O foco da empresa é atuar na experiência do consumidor, investindo em estratégias de marketing digital para gerar maior conversão para as concessionárias. Para isso, desenvolve plataformas digitais 100% voltadas ao setor automotivo, à performance de vendas e a análises e integração de dados, além de realizar um trabalho de SEO para manter os clientes bem ranqueados nos mecanismos de busca e oferecer indicadores de marketing digital – como métricas de analytics – que ajudam nas estratégias e tomadas de decisões.