Secretário diz que 100 mil alunos retornam para as aulas presenciais a partir de segunda-feira no Paraná

Cerca de 100 mil alunos devem retornar às aulas presenciais a partir da próxima segunda-feira (10) no Paraná. O número foi confirmado pelo secretário estadual da Educação, Renato Feder, durante entrevista coletiva concedida na manhã desta quinta-feira (6), no Palácio Iguaçu. Ao todo, a rede estadual de ensino conta com mais de um milhão de estudantes.

De acordo com Feder, a rede está bastante animada com o retorno. “A adesão de pais é bem alta para retorno híbrido. Dos 120 mil alunos possíveis para retorno neste momento, 110 mil se manifestaram a favor de retornar. Estamos bastante animados, com diretores e professores prontos”, disse.

As atividades presenciais estão suspensas desde março do ano passado no Paraná. Segundo o Governo do Estado, a retomada vai ocorrer paralelamente à vacinação dos profissionais da Educação, programada para começar nos próximos dias.

Inicialmente, o retorno vai acontecer em cerca 200 escolas, em diferentes regiões do Paraná. O quantitativo corresponde a aproximadamente 10% das unidades pertencentes à Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed).

Modelo híbrido

Com o retorno, as escolas vão adotar o modelo híbrido, para garantir o distanciamento social. Segundo a Seed, parte dos alunos assistirá aulas presencialmente, em sala de aula, enquanto a outra parte acompanhará remotamente – os conteúdos serão transmitidos ao vivo. Para isso, as salas de aula estão equipadas com computadores e internet, possibilitando que os professores interajam com todos os estudantes.

Informações Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

95% da população adulta já recebeu ao menos uma dose contra a Covid-19 no Paraná

Mais de 8,3 milhões de paranaenses já começaram sua imunização contra a Covid-19, o equivalente a 95,28% da população adulta imunizada com ao menos uma dose (D1 ou dose única). O marco foi ultrapassado nesta sexta-feira (24), mostrando a alta adesão do Estado à campanha de vacinação. Foram alvo da campanha 8.308.620 pessoas acima de 18 anos, de um total estimado em 8.720.953 no Estado.

Ao todo, foram 12.828.782 doses aplicadas no Paraná. Destas, 7.985.790 primeiras doses, 4.499.937 segundas doses, 322.830 doses únicas e 20.225 doses de reforço – as quais começaram a ser aplicadas nessa semana em idosos e pessoas imunossuprimidas.

Além disso, quase 5 milhões de paranaenses já estão completamente imunizados, seja com a segunda dose ou dose única. O número é de 4.822.767 pessoas protegidas das formas mais graves da doença, o que corresponde a 55,3% dos maiores de 18 anos.

O secretário estadual de Saúde, Beto Preto, comemorou o avanço da vacinação dentro do prazo previsto pelo calendário estadual. “Nossa meta era vacinar 80% dos adultos paranaenses até o final de agosto, o que concluímos com duas semanas de antecedência, e chegar aos 100% em setembro. É com grande alegria que estamos nos aproximando desse objetivo. Grande parte dos municípios já concluíram a chamada por idade e, agora, estão realizando uma busca ativa pelos adultos que ainda não começaram a imunização”, informa o secretário.

D1 E DOSES ÚNICAS – Dos 8,3 milhões de imunizados, a maior parte (42,1%) recebeu primeira dose da Covishield, vacina produzida pela Fiocruz/AstraZeneca/Oxford. Outros 29,8% receberam doses da Comirnaty, da Pfizer/BioNTech, e 24,2% da CoronaVac, do Instituto Butantan/Sinovac. Os demais 3,9% receberam doses únicas da vacina da Janssen, produzida pela Johnson & Johnson.

MUNICÍPIOS – Em números absolutos, o município que mais possui cidadãos vacinados com D1 ou DU é Curitiba, com 1.422.252 doses aplicadas. A Capital é seguida por Londrina (628.380), Maringá (586.375), Cascavel (373.545), Ponta Grossa (345.564), São José dos Pinhais (318.312), Foz do Iguaçu (300.242), Colombo (246.334), Paranaguá (185.434) e Guarapuava (176.650).

ADOLESCENTES – Com o avanço da vacinação nos adultos, o Paraná deu início nesta semana na imunização de adolescentes de 12 a 17 anos com comorbidades com a reserva técnica. As primeiras doses do governo federal começam a chegar nesta sexta-feira, o que deve imprimir mais velocidade também nessa faixa etária.

Nova resolução determina retorno das aulas presenciais na rede estadual do Paraná

A Secretaria de Estado da Saúde publicou nesta quinta-feira (23) a resolução nº 860/2021, que dispõe sobre novas medidas de prevenção, monitoramento e controle da Covid-19 nas instituições de ensino públicas e privadas do Estado do Paraná.

A nova resolução altera a anterior que regulava a questão (nº 0735/2021) e prioriza o retorno presencial às atividades de ensino. A garantia da oferta da modalidade online (remota) fica mantida para os estudantes que estiverem em isolamento ou quarentena para Covid-19, bem como para aqueles com comorbidade, ou a critério médico, sem prejuízo do seu aprendizado.

A capacidade máxima dos espaços segue com a necessidade de respeitar o distanciamento físico de um metro entre as pessoas.

A adoção e o cumprimento das medidas de prevenção e controle para Covid-19 são de responsabilidade das instituições de ensino, alunos, pais, colaboradores e todos aqueles que frequentam estes locais.

A alteração ocorre na semana em que o Paraná anunciou o início da imunização em adolescentes. Nesta quinta, o Ministério da Saúde garantiu o envio de 99.450 doses da Pfizer/Comirnaty ao Paraná para a vacinação de adolescentes com comorbidades e deficiência permanente. Os imunizantes chegarão em dois voos no final da tarde desta sexta-feira (24).

O cenário da pandemia também é outro, com ocupação estável de leitos de UTI e enfermaria e queda na média móvel de casos (55%) e óbitos (45%).

REDE ESTADUAL – Com a nova resolução, a Rede Estadual de Ensino irá atender os estudantes essencialmente de forma presencial, encerrando as aulas online (por Meet), que só serão mantidas para os casos elencados na Resolução: alunos com comorbidade, a critério médico ou que estejam em isolamento.

Outra exceção que está mantida para a modalidade remota são turmas em colégios onde existe o revezamento pela necessidade do distanciamento. Ou seja, optar pelo ensino remoto não será mais uma opção dos responsáveis pelas crianças e adolescentes.

De acordo com a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, as escolas da rede pública vão ter uma semana para se adaptarem à nova determinação e informarem aos pais e responsáveis que ainda estão com os filhos em casa. Atualmente, mais da metade da rede de pouco mais de um milhão de alunos já frequenta presencialmente as aulas.

As demais medidas essenciais do protocolo de biossegurança continuam válidas para toda a rede, como vem acontecendo desde o retorno presencial gradual, em maio: obrigatoriedade do uso de máscaras; adoção do distanciamento físico entre pessoas; não compartilhamento de objetos e utensílios pessoais; a limpeza e desinfecção do ambiente e superfícies, entre outros.