Secretaria da Saúde solicita doações de sangue de qualquer tipo

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) está precisando de doações de sangue de qualquer tipo. Desde o início da pandemia da Covid-19, as doações têm diminuído e a demanda por sangue em todo o Estado continua. Nesta segunda-feira (11), todas as 22 unidades da Hemorrede estarão funcionando normalmente. O Hemepar é vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).

“Precisamos do apoio da população para que aqueles que se enquadram nos critérios de doação realizem o agendamento e doem sangue. Mesmo com a pandemia, outras doenças continuam infectando os paranaenses, os traumas continuam acontecendo e muitas transfusões ainda são necessárias”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

O Hemepar é responsável pela coleta, armazenamento, processamento, transfusão e distribuição de sangue para 384 hospitais públicos, privados e filantrópicos que atuam em todas as regiões do Paraná. É uma entidade sem fins lucrativos e atende à demanda de fornecimento de sangue e hemoderivados do Estado graças às doações dos voluntários.

“Não há substituto para o sangue. Precisamos continuar salvando vidas. Este é o momento da população se conscientizar, incentivar amigos, familiares, toda doação pode salvar até quatro pessoas, isso é muito importante”, acrescentou Beto Preto.

PARA DOAR – Para doar é necessário ter entre 16 e 69 anos completos. Menores de idade somente com autorização e presença do responsável legal. Durante a pandemia, doadores acima de 59 anos completos deverão, preferencialmente, permanecer em suas residências.

O doador deve pesar no mínimo 51 quilos, estar descansado, alimentado e hidratado (evitar alimentação gordurosa nas quatro horas que antecedem a doação), apresentar documento oficial com foto (Carteira de Identidade, Carteira do Conselho Profissional, Carteira de Trabalho, Passaporte ou Carteira Nacional de Habilitação).

Pessoas imunizadas contra a Covid-19 podem fazer doações de sangue normalmente, desde que aguardem o período estipulado para cada tipo de vacina: Coranovac/Butantan necessita de prazo de 48 horas após o recebimento e AstraZeneca/Oxford/Fiocruz, Pfizer/BioNTech e Janssen/Johnson & Johnson pedem o intervalo de sete dias após a imunização.

AGENDAMENTO – O agendamento é online e o atendimento feito com oito pessoas a cada meia hora para evitar aglomerações, com utilização de álcool gel e profissionais que atuam no atendimento devidamente protegidos com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

APLICATIVO – O Hemogram é um aplicativo colaborativo desenvolvido pelo Instituto das Cidades Inteligentes com o objetivo de promover e incentivar a doação de sangue. A intenção é fortalecer o laço entre a população e as organizações de saúde que mantêm os bancos de sangue, os postos de coleta e redes de distribuição vinculados ao Hemepar e está disponível nas plataformas do Google.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil ajudará países vizinhos após concluir vacinação, diz Guedes

Dentro de dois meses, o Brasil começará a ajudar países vizinhos a reforçar a imunização após concluir a vacinação da população adulta contra a covid-19, disse hoje (13) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo Guedes, a medida é necessária para reduzir a desigualdade na recuperação econômica no pós-pandemia.

“Temos preocupação com a recuperação desigual entre os países. Em dois meses, teremos nossa população toda vacinada e vamos começar a vacinar nossos vizinhos”, afirmou o ministro em evento da organização Atlantic Council, em Washington.

O ministro destacou que o Brasil já vacinou 93% da população adulta com a primeira dose e 60% com as duas doses ou dose única. De acordo com o ministro, o ritmo da imunização está garantindo “uma volta segura ao trabalho” no país.

Guedes disse que a importância da vacinação em massa foi um dos principais temas discutidos nas reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. Os encontros ocorrem nesta semana na capital norte-americana, com a presença de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais de diversos países.

Recuperação

O ministro disse que o desempenho da economia brasileira está surpreendendo, com o país recuperando-se em ritmo melhor que as economias avançadas em 2021. “Caímos menos e estamos crescendo mais rápido do que as economias avançadas. Vamos crescer 5,3% neste ano”, declarou.

Para Guedes, a ação do governo contribuiu para reduzir a queda da economia em 2020, com a criação do auxílio emergencial e do programa que preservou empregos em troca da redução de jornada ou da suspensão de contratos. “O programa de manutenção de empregos preservou 11 milhões de empregos. Além disso, 3 milhões de postos formais de trabalho foram criados desde a metade do ano passado.”

O ministro destacou que as mudanças climáticas estavam entre os principais tópicos das reuniões do FMI e do Banco Mundial. Segundo ele, todo o planeta está preocupado com a questão, que provoca catástrofes em alguns países e tem impacto sobre o preço da energia em outros lugares.

“Está chovendo muito pouco no Brasil, e preços da energia estão aumentando. Já na China, chove demais e o preço do carvão sobe”, concluiu o ministro.

Brasil ultrapassa 100 milhões de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid-19

O Brasil ultrapassou a marca de 100 milhões de pessoas com o ciclo vacinal contra a covid-19 completo. O termo é usado para designar pessoas que já receberam duas doses de imunizantes oferecidos no Brasil ou a dose única da vacina Janssen.

Apesar da marca, o país ainda não atingiu metade da população totalmente vacinada, e atualmente conta com 47% das pessoas com o ciclo completo.

No total, foram aplicadas 249,7 milhões de doses na população, sendo que 149,7 milhões receberam a primeira dose, e 100 milhões tiveram a aplicação das duas doses ou dose única.

No quadro internacional, o Brasil ocupa a 62ª posição no ranking de países na vacinação contra a covid-19 em relação à população de cada nação, segundo a Universidade Johns Hopkins, com sede nos Estados Unidos.

O país, no entanto, está acima da média mundial, de pouco mais de 35%. Quando considerados os números absolutos, o Brasil fica na quarta posição como país com mais pessoas com o ciclo vacinal completo, atrás dos Estados Unidos (187,7 milhões), da Índia (272,6 milhões) e da China (1,047 bilhão).