Secretaria da Saúde estabelece novas medidas para igrejas e templos religiosos; veja o que muda

A Secretaria da Saúde (Sesa) do Paraná publicou na última sexta-feira (30) as novas orientações sobre o funcionamento de igrejas e templos religiosos. O documento vem sendo atualizado conforme o cenário epidemiológico estadual e os decretos do Governo do Estado.

Com a diminuição no número de casos e ocupação dos leitos hospitalares exclusivos para a Covid-19, a Resolução Sesa nº 705/2021, sobre as igrejas e templos religiosos, aumenta de 35% para 50% a capacidade de público presencial, preservando na íntegra as medidas de distanciamento.

“O que nos baliza sobre a flexibilização das medidas restritivas é o cenário epidemiológico diário de casos da Covid-19 no Paraná. Porém, vale lembrar que os protocolos de prevenção devem permanecer, como distanciamento social, uso de máscaras, lavagem das mãos, uso de álcool gel 70% e a vacinação”, disse o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

O documento mantém a recomendação de prioridade para que as celebrações e cultos aconteçam de forma virtual.

“Enfatizamos que todos os cuidados devem permanecer. Estamos recebendo constantemente do Ministério da Saúde mais doses da vacina contra a Covid-19 e avançando na imunização por idade. Por isso, reforço a necessidade de ficar atento ao chamamento de cada município e a importância em tomar as duas doses da vacina”, disse o secretário.

Na sexta-feira (30) o Governo do Estado também atualizou as medidas restritivas. O novo decreto diminui em uma hora o período de restrição da circulação em espaços e vias públicas, que passa a ser das 24h às 5h – a exceção são as atividades e serviços essenciais. O mesmo vale para a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos.

O texto também permite a realização de algumas categorias de eventos, desde que respeitadas todas as medidas de prevenção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná recebe mais vacinas e anuncia início da aplicação da dose de reforço

Com a ajuda das vacinas contra a Covid-19 que o Paraná recebeu nesta segunda-feira (20), a Secretaria de Estado da Saúde dará início a mais uma etapa da campanha de vacinação com a aplicação das doses de reforço (terceira dose).

Serão utilizadas 450 da Janssen para o reforço de indígenas com mais de 70 anos e imunossuprimidos (pessoas que passaram por um transplante ou pacientes que têm HIV, por exemplo) de 18 a 59 anos, além de 118.170 imunizantes da Pfizer para a aplicação em idosos acima de 70 anos e imunussuprimidos, desde que com o esquema vacinal completo há mais de seis meses.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, acompanhou a chegada das doses, e disse que a terceira dose será importante para aqueles que já tomaram as duas primeiras, dentro dos atuais critérios da campanha de vacinação. “Nós teremos agora um quantitativo para aqueles que têm um sistema imunológico mais suscetível e idosos que tomaram a vacina no início da campanha, seguindo a orientação do Programa Nacional de Imunização (PNI)”, disse.

As demais 164.250 da AstraZeneca/Fiocruz, que também chegaram nesta segunda, ainda aguardam a divulgação do Informe Técnico do Ministério da Saúde para definir o público e a descentralização.

Com a ajuda das vacinas contra a Covid-19 que o Paraná recebeu nesta segunda-feira (20), a Secretaria de Estado da Saúde dará início a mais uma etapa da campanha de vacinação com a aplicação das doses de reforço (terceira dose).. Foto: Américo Antonio/SESA

DISTRIBUIÇÃO – A Secretaria também anunciou a distribuição de 571.670 vacinas às 22 Regionais de Saúde, sendo 327.600 da Pfizer/BioNTech, 168.870 de Coronavac, 450 da Janssen e 74.750 da AstraZeneca/Fiocruz. As remessas serão para a primeira (D1), segunda (D2) e terceira (D3) doses. Elas chegaram ao Paraná nos últimos dias (sábado e domingo). 

As vacinas foram encaminhadas no início da tarde para as Regionais de Saúde (via terrestre e aérea) de Paranaguá, Metropolitana, Ponta Grossa, Irati, Guarapuava, União da Vitória, Pato Branco, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cascavel, Campo Mourão, Umuarama, Cianorte, Paranavaí, Maringá, Apucarana, Londrina, Cornélio Procópio, Jacarezinho, Toledo Telêmaco Borba e Ivaiporã.

ADOLESCENTES – Beto Preto também disse que nesta terça-feira (21), em reunião com o Conselho de Secretários Municipais de Saúde (Cosems), o Paraná vai fechar uma decisão conjunta sobre a vacinação dos adolescentes. Na última quarta-feira (15) o Ministério da Saúde emitiu Nota Técnica recomendando a vacinação apenas para adolescentes entre 12 e 17 anos que tenham deficiência permanente, comorbidades ou estejam privados de liberdade.

“É importante ressaltar que o Paraná continua seguindo o PNI, mas, ao mesmo tempo, dialogamos com o Ministério da Saúde e cobramos que, o quanto antes, se realize a vacinação dos adolescentes, sem comorbidades”, enfatizou. 

VACINAÇÃO – Segundo os dados do Vacinômetro, o Paraná já aplicou 12.412.029 doses (D1), sendo 7.894.999 primeiras doses; 322.484 doses únicas (DU) e 7.894.999 segundas doses (D2). O Estado já atingiu 94,23% da população adulta, estimada em 8.720.953 pessoas com, pelo menos, uma dose.

Confira como ficou a distribuição para as 22 Regionais de Saúde:

Foto: SESA

Fim de semana com balada e bares lotados rendem multas aos comerciantes de Curitiba

Muita aglomeração e ausência de medidas básicas de segurança contra a covid-19, como falta da máscara de proteção, do distanciamento social e outras medidas sanitárias obrigatórias foram contadas neste fim de semana, durante as Ações Integradas de Fiscalização Urbana (Aifu). As equipes, formadas por servidores da Prefeitura de Curitiba e Governo do Estado, vistoriaram 42 estabelecimentos entre a sexta-feira (17/9) e a noite do domingo (19/9).

O resultado foi a paralisação das atividades em 19 estabelecimentos e 21 autos de infração lavrados que somados chegam a R$ 1 milhão em multas.

Os autos de infração são previstos na Lei 15799/2021 e no decreto nº 1210/2021, que considera as medidas sanitárias necessárias na cidade, que está em situação de alerta em relação à disseminação do novo coronavírus (bandeira amarela).

Os números são mais preocupantes quando somados às vistorias realizadas ao longo da semana. Entre a segunda-feira (13/9) e o domingo (19/9) foram vistoriados 98 estabelecimentos dos quais 24 precisaram ser interditados por desrespeito às normas anti-covid-19 e 30 autos de infração foram lavrados.

Divulgação

Medidas sanitárias

Desde 5 de janeiro, quando entrou em vigor a Lei 15799, as Ações Integradas de Fiscalização Urbana (Aifu) vistoriaram 4.309 estabelecimentos, de diferentes áreas do comércio. Destes, mil foram flagrados descumprindo as medidas sanitárias obrigatórias e acabaram interditados e 1.932 autos de infração foram lavrados para pessoas físicas, empresas e comércios.

O valor total dos autos lavrados é de aproximadamente R$ 25 milhões. Todos os cidadãos e empresas autuadas têm direito a se defender em processo administrativo.

Sexta-feira

Na sexta feira (17/9), as equipes paralisaram oito estabelecimentos e aplicaram nove autos de infração ao longo de 17 averiguações. Foram flagradas situações de risco à saúde pelo contágio da covid-19 em uma tabacaria no bairro Cidade Industrial, autuada por permitir o consumo de narguilé no estabelecimento (R$ 50 mil), um bar no São Francisco, por não garantir a permanência das pessoas sentadas (R$ 20 mil), uma distribuidora de bebidas, no bairro Cidade Industrial, por permitir o consumo de narguilé no estabelecimento (R$ 50 mil). No Tatuquara, também foi paralisado e multado um estabelecimento por permitir o consumo de narguilé no local e por não controlar o número de pessoas (R$ 100 mil).

Outros estabelecimentos autuados na sexta-feira foram bares no Novo Mundo, Portão, Centro e Alto da XV, por não controlarem o número de pessoas e permitirem a permanências de pessoas em pé, o que aumenta a possibilidade de transmissão do novo coronavírus. Os autos de infração variaram de R$ 10 mil a R$ 50 mil, conforme a gravidade da situação constatadas pelos fiscais.

Sábado

Sete autos de infração e nove estabelecimentos com atividades paralisadas foi o resultado das 17 vistorias realizadas no sábado (18/9), sendo aglomeração e a permanência das pessoas em pé, as principais infrações.

Foram multados e paralisados um bar e lanchonete no Bom Retiro, por não controlar a vedação de pessoas em pé (R$ 50 mil), um bar no Mercês, por não controlar a vedação de pessoas em pé (R$ 15 mil), bar no Butiatuvinha, por não controlar a lotação de pessoas (R$ 5 mil). Também foram autuados bares no Tingui, Uberaba, Jardim das Américas por permitirem o consumo de narguilé, não controlar o número de pessoas e por descumprir obrigação de uso de máscara. Os autos de infração tiveram valores entre R$ 20 mil e R$ 150 mil, conforme a gravidade do caso.

No bar do Jardim das Américas, reincidente nas infrações, as equipes constataram mais de 250 pessoas em uma área de 150 m2. O auto de infração foi de R$ 150 mil. Também foi considerado de alta gravidade a situação averiguada em uma casa de evento no bairro Augusta, onde mais de 200 pessoas, sem máscaras, descumpriram outros protocolos sanitários. O responsável pelo evento e organizador foram autuados em R$ 100 mil cada um.

Domingo

Domingo (19/9) também foi dia de muito trabalho para Aifu. Foram 8 vistorias, 4 estabelecimentos interditados e 6 autos de infração lavrados mediante ao desrespeito à vida. Foram interditados e autuados duas hamburguerias no bairro Cidade Industrial, por permitirem o consumo de narguilé (R$ 30 mil cada) e a permanência de pessoas em pé nos estabelecimentos (R$ 30 mil cada). A Sociedade Recreativa Boqueirão foi autuada por permitir a permanência de pessoas em pé (R$ 50 mil) e uma lanchonete no Uberaba, pelo mesmo motivo, multada em (R$ 50 mil).

Fiscalização de trânsito

Durante a operação Aifu do fim de semana, agentes de trânsito aplicaram 40 autos de infração: praticamente a totalidade deles por veículos estacionados de forma indevida. Foram registrados casos de veículos estacionados em frente a ponto de ônibus, na esquina (comprometendo a visibilidade), em vagas exclusivas de idoso e de deficiente sem o uso obrigatório da credencial, em local e horário proibidos pela sinalização, em frente a guia rebaixada (local de entrada e saída de veículos), no passeio, em vaga de curta duração e em desacordo com a sinalização. Quatro veículos foram guinchados.

Além da Aifu

Desde o início da vigência da lei municipal 15.799/2021, a Guarda Municipal registrou outras 451 autuações, no valor total de R$ 1.543.102. Desse total foram 78 autuações no valor de R$ 475.300 para pessoas jurídicas e 373 autuações no valor de R$ 1.067.802 para pessoas físicas.

Esse é o resultado da atuação dos guardas municipais fora das Aifus, em atendimento a chamados que chegam da população pelo telefone de emergência 153 e, também, durante o patrulhamento preventivo desenvolvido por toda a cidade.