Relatório da OCDE reconhece Curitiba como cidade inteligente e inovadora

A estratégia inovadora de Curitiba revelada por importantes programas municipais está entre os destaques do relatório divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), organização internacional que fomenta as ações públicas voltadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e ao atendimento da Agenda 2030 da ONU.

Intitulado “Uma Abordagem Territorial para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Paraná”, o documento de 80 páginas expõe indicadores do Paraná e de três municípios paranaenses. Curitiba é um deles.

“A cidade está promovendo um movimento de cidade inteligente para construir um ecossistema de inovação para abrigar soluções alinhadas com as implementações dos ODS. Entre outras coisas, ela foi selecionada como uma das cidades mais conectadas e inteligentes do Brasil pelo Ranking das Cidades Inteligentes Conectadas de 2018”, diz o documento.

O relatório cita ainda o Bairro Novo da Caximba. “Um exemplo das atividades de Curitiba é a restauração de toda uma comunidade na Caximba, no sul da cidade, que é o maior projeto socioambiental do município”, registra.

Projeto do Bairro Novo da Caximba. Ilustração: IPPUC

No bairro Caximba, uma das regiões mais carentes da cidade, a Prefeitura fará a maior intervenção socioambiental da história recente da cidade com a implantação do Projeto Gestão de Risco Climático Bairro Novo do Caximba. O projeto prevê a construção de 1.147 novas moradias para a população carente, obras de contenção de cheias e urbanização, regularização fundiária e um parque linear.

O relatório da OCDE também cita o uso dos painéis solares e a rede Wi-fi Curitiba, programa que oferece acesso público e gratuito à internet. Existem 81 locais com esta opção. Os FabLabs, a Fazenda Urbana, os aplicativos que ajudam os cidadãos a navegar pela cidade, o Vale do Pinhão e o Bom Negócio também são citados.

WI-Fi gratuito no Terminal de ônibus do Pinheirinho. – Foto: Daniel Castellano / SMCS

Além de Curitiba, Araucária, na Região Metropolitana da capital, e Ubiratã, localizada na região centro-oeste do Estado, aparecem no documento.

Parceria

A pesquisa é resultado do trabalho desenvolvido em parceria pela organização internacional formada por 38 países, o Governo do Estado, através do Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico e Social do Paraná (Cedes), e as três prefeituras.

Curitiba participou de aproximadamente dez reuniões nos últimos dois anos. Para a análise dos dados, a Assessoria de Relações Internacionais (Arin), o Instituto Municipal de Administração Pública (Imap), o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), as secretarias da Educação, do Meio Ambiente e de Segurança Alimentar e Nutricional, a Cohab, dentre outras pastas, subsidiaram os especialistas com as informações técnicas necessárias.

“Curitiba faz um trabalho de ponta na implantação da agenda global pelo desenvolvimento sustentável. A cidade teve a oportunidade de participar do estudo porque Curitiba pode servir de exemplo para outras cidades do Brasil e do mundo. A cooperação internacional é um dos nossos esforços para que possamos contribuir na construção de um mundo sustentável”, declarou o assessor de Relações Internacionais da Prefeitura de Curitiba, Rodolpho Zannin Feijó.

Ele lembrou que a cidade aderiu formalmente aos ODS em 2017, primeiro ano do segundo mandato do prefeito Rafael Greca.

Existem importantes convergências entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e o plano de governo da atual gestão. O Imap e o Ippuc usam um conjunto de 123 indicadores, divididos em 3 eixos (solidariedade, sustentabilidade e responsabilidade) para monitorar mobilidade, meio ambiente, energia, tecnologia, inovação, economia, educação, saúde, segurança e governança.

O Imap capacitou servidores de todas as áreas para que as pastas pudessem internalizar os ODS e eles pudessem ser aplicados às diretrizes das políticas públicas. Também acompanha a divulgação de resultados através dos indicadores das cidades sustentáveis e trabalha na organização de um novo rol de ações desenvolvidas pelo município, conforme as diretrizes de desenvolvimento sustentável estabelecidas pela ONU.

Os objetivos para o desenvolvimento sustentável compreendem 17 metas estipuladas pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o futuro da humanidade. Entre elas estão educação inclusiva, acesso sustentável e acessível à energia, combate à mudança do clima e aos seus impactos, proteção e uso sustentável dos ecossistemas e desenvolvimento sustentável – algumas das áreas em que Curitiba já adota práticas sustentáveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Órgão do Ministério Público decide demitir procurador da Lava Jato por outdoor em Curitiba

O CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) decidiu nesta segunda-feira (18) aplicar pena de demissão ao procurador Diogo Castor de Mattos, membro da antiga força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, pela contratação de um outdoor em homenagem à operação.

Por 6 votos a 5, o plenário do conselho entendeu que o procurador cometeu ato de improbidade administrativa. Segundo o entendimento, a infração impõe a pena de demissão.

O corregedor nacional Rinaldo Reis Lima e o conselheiro Sílvio Amorim Júnior propuseram a conversão da pena em suspensão –o primeiro sugeriu 90 dias e o segundo, 16. Contudo, foram vencidos na discussão sobre a possibilidade de aplicação dessa pena.

Após a decisão, o procurador-geral da República, Augusto Aras, precisa designar um procurador para ajuizar ação de perda de cargo.

A decisão do CNMP ocorre em meio ao debate sobre a PEC (proposta de emenda à Constituição) que altera a composição do órgão.

A propaganda foi colocada na saída do aeroporto de Curitiba no início de 2019.

“Bem-vindo a República de Curitiba. Terra da Operação Lava Jato, a investigação que mudou o país. Aqui a Lei se cumpre”, afirmava o outdoor por ocasião dos cinco anos da investigação.

O procurador disse que teve a iniciativa “em financiar a contratação de uma mídia para elogiar e levantar o moral do grupo, que não viu nenhum problema nessa sua conduta, que pagou com recursos próprios algo em torno de R$ 4.000”.

Embora tenha reconhecido que assumiu os custos da propaganda com recursos próprios, Castor de Mattos alegou que não participou de detalhes da contratação.

O conselheiro Amorim Júnior afirmou que considerava atenuantes o fato de o procurador sofrer, à época dos fatos, de grave quadro depressivo, além de ter confessado o pagamento pelo outdoor.

A conselheira Fernanda Santos, relatora do caso, entendeu, porém, que a norma não permitiria a conversão da pena em casos em que o cometimento de improbidade administrativa foi reconhecido.

“Entendo que o ato foi grave pelos danos ao Ministério Público como um todo”, afirmou ela.

Com chuva, rodízio de água pode ser aliviado no final de novembro em Curitiba e RMC

A sequência de dias chuvosos no mês de outubro aliviou os efeitos da estiagem ao Sistema de Abastecimento de Água Integrado de Curitiba e Região Metropolitana. Em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (18), o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky, afirmou que no final de novembro uma flexibilização do rodízio de abastecimento poderá ser novamente discutida dependendo de como se mantiver o tempo.

Segundo Gonchorosky, o volume de chuvas em outubro está na média histórica e com isso o nível dos reservatórios subiu mais de 7%. Porém, em novembro e dezembro o prognóstico meteorológico é de poucas chuvas.

“Então o que vamos fazer é esperar um pouco a chegada da previsão para o mês de novembro e tendo uma perspectiva de chuvas pelo menos próximas da média histórica a tendência é da gente discutir uma flexibilização para o final do mês. Mas claro, tudo depende das chuvas de novembro, de qualquer maneira, o cenário é mais favorável”, explicou o diretor da Sanepar à Banda B.

Economia

Gonchorosky ainda elogiou a economia de água realizada pela população paranaense e disse que um conjunto de ações será responsável pela estabilidade no nível dos reservatórios.

“Nós desejamos aliviar o modelo de rodizio o mais rápido possível, porque todo esse processo é prejudicial para a Sanepar também. Quando a tendência de chuva é de manter a média ou ficar próximo da média histórica para o mês o cenário é extremamente favorável. A economia da população tem ajudado muito. Mês passado nos aproximamos novamente dos 20% de redução no consumo. Então esse conjunto de ações vão levar a uma estabilidade nos reservatórios e com isso será possível flexibilizar o rodízio”, afirmou ele.

Até o final da noite desta segunda-feira, o nível dos reservatórios estava em 57,50% e o rodízio no esquema de 36h com abastecimento e 36h sem água segue valendo.

Informações Banda B