Quatro ônibus e oito banheiros de terminal foram vandalizados em Atletiba

O primeiro “Atletiba” do ano deixou um saldo de avarias em quatro ônibus do transporte coletivo e em todos os oito banheiros do Terminal Pinheirinho. O levantamento prévio foi feito pela Urbs (Urbanização de Curitiba S/A) nesta quinta-feira (31/1).

O quebra-quebra dos “torcedores” ocorreu entre 21h e 22h30 desta quarta-feira (30/1), dia do jogo entre os clubes Athletico Paranaense e Coritiba.

Nos banheiros do terminal foram 40 itens danificados – vasos sanitários, torneiras, válvulas de descargas. No mesmo terminal os vândalos quebraram uma catraca de embarque de passageiros.

Os ônibus danificados são das linhas Santa Cândida/Capão Raso, Inter 2, Interbairros III e Fazendinha. Os veículos tiveram janelas e vidros quebrados, mangueiras de portas arrancadas e elevador de acessibilidade danificado.

“Além dos danos ao patrimônio público, esses grupos causaram uma grande sensação de insegurança aos passageiros. Vamos registrar Boletim de Ocorrência para tentar identificar envolvidos e acionar a justiça, sejam os clubes ou as torcidas organizadas”, disse o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

 

Via: Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba

Leia+:

Urbs acionará na Justiça torcidas e clubes por danos ao transporte público

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Em Brasília, Ratinho Junior defende modelo de pedágio baseado na menor tarifa

[ad_1]

O governador Carlos Massa Ratinho Junior defendeu nesta semana, em reuniões com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a necessidade da implementação de um modelo de pedágio que respeite o anseio da sociedade paranaense pela menor tarifa, sem outorga. 

O Ministério de Infraestrutura estudará as mudanças sugeridas pelo Paraná e apresentará um novo modelo. A ideia é que o novo projeto seja justo com o desejo dos paranaenses.

A intenção, ressaltou o governador, é nortear a concessão dos 3.327 quilômetros de rodovias que cortam o Paraná em torno de duas diretrizes: maior número de obras e menor valor de tarifa cobrada do usuário. Os atuais contratos de pedágio terminam em novembro deste ano.

“O governo federal deve fazer mudanças e apresentar uma nova proposta ao Paraná. Reforçamos o desejo de todos os paranaenses por uma tarifa mais baixa, com a execução de obras e que o leilão ocorra na Bola de Valores de São Paulo, com a maior transparência possível. Esse é o nosso compromisso com a infraestrutura do Paraná”, destacou Ratinho Junior.

As propostas apresentadas pelo governador estão alinhadas ao modelo proposto pelo G7, grupo das principais entidades do setor produtivo paranaense, que entregou ao Ministério da Infraestrutura documento solicitando alterações no modelo de pedágio proposto para o Paraná.

Os empresários pedem que a licitação da concessão seja pela menor tarifa, sem limite de desconto; garantia de execução das obras por meio de depósito caução; adequação no degrau tarifário das pistas duplicadas; a desoneração do PIS/Cofins que incide sobre as tarifas de pedágio; e a transparência total no processo.

“Junto com o setor produtivo e lideranças locais, o Governo do Paraná defende um modelo que contemple o que a população nos exige: o menor valor na tarifa de pedágio”, afirmou o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Os novos traçados, segundo demanda do Governo do Estado, estão divididos em seis lotes, mas com desenhos diferentes do atual, já que incluem rodovias que não estavam contempladas até então, como a PR-323, no Noroeste, a PR-280, no Sudoeste, e a PR-092, no Norte Pioneiro. O conjunto de rodovias em projeto é formado por estaduais (35%) e federais (65%).

Sandro Alex reforçou o pedido para que as obras sejam executadas em sua grande maioria nos primeiros anos do contrato. O pacote atual, lembrou ele, prevê a duplicação de 1.783 quilômetros (90% até o sétimo ano do acordo), a construção de 10 contornos urbanos, 253 quilômetros de faixa adicional nas rodovias já duplicadas e de 104 quilômetros de terceira faixa para apoio ao trânsito.

A proposta contempla ainda sinal de wi-fi em todos os trechos de estradas, câmeras de monitoramento e iluminação em LED.

Escola municipal da RMC amanhece vandalizada e polícia procura por suspeitos

Uma escola municipal de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, foi depredada por vândalos durante a madrugada desta segunda-feira (3). A Escola Municipal John Kennedy fica localizada na Vila Guaraci e imagens de câmeras de segurança podem ajudar a Polícia Civil a identificar os suspeitos.

Segundo a Prefeitura de Colombo, os profissionais da educação fariam um serviço de entrega de materiais a familiares dos alunos, quando encontraram a instituição completamente vandalizada.

“Além da tentativa de incêndio no local, foram destruídos os espaços da direção, Secretaria, coordenação, sala dos professores, salas de aulas e o pátio. Livros foram espalhados pelo chão e houve a destruição de eletrônicos, dentre eles, computadores e televisores. Também fizeram arrombamentos nas portas, pixação de espelhos e em fotos de profissionais da instituição. Todos os extintores foram esvaziados durante a ação criminosa”, informa nota da administração municipal.

Foto: Divulgação Prefeitura de Colombo

O boletim de ocorrência foi elaborado pela equipe técnica da Secretaria Municipal da Educação.

Revolta

O vice-prefeito e secretário Municipal de Educação, Professor Alcione, relatou com tristeza as perdas por ação de vandalismo. “Estamos perplexos com essa situação. Já atravessamos um momento delicado pela perda de vidas para a Covid-19 e chegar aqui e ver tudo isso é muito triste. Tomaremos as medidas para solucionar essa situação e com as imagens das câmeras de segurança vamos tentar identificar quem cometeu esse crime. Contamos também com apoio da população para informações que levem até os culpados”.

Foto: Divulgação Prefeitura de Colombo

De acordo com a diretora Maria Tereza, ainda não é possível mensurar os prejuízos neste momento. “Estamos em choque, chegamos para trabalhar e nos deparamos com uma cena de horror. Além da invasão destruíram os livros e materiais dos nossos alunos”, disse.

Informações Banda B