Projeto Meu, Seu, Nosso Voto lança podcast com temas-chave para as eleições 2022 e inicia rodas de conversa sobre voto responsável com público jovem

Na reta final para as eleições de 2022, o projeto Meu, Seu, Nosso Voto (MSNV) lançou o podcast Nosso Voto, no qual organizações da sociedade civil e ativistas são convidados para conversar sobre o voto responsável na perspectiva de temas-chave do pleito eleitoral deste ano segundo os jovens brasileiros. Os episódios são lançados quinzenalmente e divididos a partir de temas inspirados pelo Atlas das Juventudes 2021 como os mais emergentes para as eleições deste ano: Meio Ambiente e Qualidade de Vida, Educação e Trabalho Decente; Territórios, Moradia e Lazer; Saúde e Segurança Alimentar; e Democracia e Justiça Social. 

Criado em 2020 por mulheres de três organizações, o MSNV fomenta espaços de diálogos entre jovens e produz conteúdos educomunicativos para estimular o voto responsável e fortalecer a democracia. No podcast Nosso Voto, o projeto reúne representantes e lideranças juvenis de organizações da sociedade civil de diferentes regiões do país. Os conteúdos auxiliam na qualificação do debate democrático com uma linguagem simples, lembrando que, embora tenhamos uma importante eleição presidencial, é imprescindível para a manutenção da democracia que façamos um voto responsável também nos outros cargos em disputa eleitoral.

“Fizemos questão de criar um conteúdo que reunisse muitos pontos de vista diferentes sobre o país e seus problemas. Para que, assim, pudéssemos também visualizar múltiplas soluções para resgatar o Brasil dos retrocessos que estamos vivendo e nos fazer avançar em nossos direitos novamente. Todas as vozes que compõem esse podcast são referências em suas áreas de atuação e nos emocionam pela dedicação às suas causas”, diz Michele Bravos, idealizadora do projeto Meu, Seu, Nosso Voto e presidente do Instituto Aurora para Educação em Direitos Humanos.

Participam do podcast: TETO Brasil, Clima de Eleição, Coletivo Cássia, Fome de Entender, Global Shapers Manaus, Instituto Pensamentos e Ações para Defesa da Democracia (IPAD), Fridays for Future, Nossas, Joio e Trigo, Casa 1, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), Articulação Nacional Das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (ANMIGA), Grupo Sabá, Organização Nacional de Cegos do Brasil (ONCB), Eu Voto em Negra e Perifa Sustentável. 

“Tudo isso que a gente desenvolve está relacionado com a Educação em Direitos Humanos e contribui com a compreensão de que o voto responsável é aquele que não deixa ninguém para trás”, complementa Michele.

Primeiros episódios já estão disponíveis

Três episódios do podcast Nosso Voto já estão disponíveis no Spotify. No episódio de estreia, Meio Ambiente e Qualidade de Vida, Beatriz Pagy, cofundadora do Clima de Eleição, e Samela Sateré Mawé, ativista indígena que atua nas instituições Fridays for Future Brasil, APIB e ANMIGA, falam sobre queimadas, crescimento do garimpo ilegal, poluição dos rios e o risco à saúde dos povos originários e diferentes comunidades próximas ou distantes das florestas. 

No episódio 2, Antônio Neto, membro do Global Shapers Manaus e líder do Movimento Mapa Educação; Lucas Melo, codiretor de Atendimento Psicossocial na Casa 1 e Mariana Penteado, psicóloga e especialista em gênero e sexualidade, também na Casa 1, centro de acolhida e cultura a pessoas LGBTQIA+, contam como o voto influencia diretamente a vida das pessoas quando o assunto é educação e trabalho decente.

Já no episódio 3, o podcast aborda o tema “Território, moradia e lazer”, com Nataly Almeida Augusto, gestora da sede Paraná da organização Teto, e Cleber Ribeiro, coordenador-executivo do IPAD Seja Democracia, que conversaram sobre direito à cidade, democracia participativa e representatividade.

“O podcast fala sobre problemas que estamos enfrentando, mas em todo momento volta o olhar para o que nós podemos fazer para gerar mudanças e como as organizações convidadas estão fazendo a diferença nesse cenário. Queremos que as pessoas sintam-se inspiradas ao final de cada episódio”, destaca a jornalista correalizadora do MSNV e representante da Escola da Política, Karina Pizzini. 

Spots sobre falar e fazer política

Todo episódio possui ainda um bloco curto com a participação de um ativista ou representante de uma organização social que conta o que é falar e fazer política. As cinco participações, de cerca de 1 minuto ao final de cada episódio, foram elaboradas de forma independente pensando na aproximação da política e da população e na divulgação gratuita em outros podcasts e programas de rádio. Pessoas e organizações interessadas em usar o material em seus programas podem entrar em contato com a organização do MSNV através do e-mail: contato@institutoaurora.org

Projeto retoma rodas de conversa com jovens e cria espaço de acolhimento para falar sobre política 

Para fomentar espaços de diálogos sobre o voto responsável, o MSNV também realiza rodas de conversa sobre o voto focadas em grupos de jovens. Segundo o IBGE (2015), os jovens correspondem a 23,6% da população brasileira. A participação deles na vida cidadã é um direito e uma oportunidade para o fortalecimento da democracia e para a redução das vulnerabilidades sociais que afetam suas vidas. Com a perspectiva de que o voto é uma ferramenta de transformação social e um ato individual de impacto coletivo, o MSNV realizou 37 rodas de conversa on-line em 2020, com participação de 250 jovens ao todo, e chegou a ser citado pelo Pacto da Democracia como uma das 70 iniciativas destaques na promoção de eleições melhores. 

De acordo com Karina Pizzini, já foram confirmadas a participação de cerca de 700 jovens em rodas de conversa presenciais e virtuais nesta edição do projeto. As rodas começaram na primeira semana de agosto e seguem até final de setembro com organizações sociais que atuam com a juventude. “As rodas seguem uma didática muito preocupada em criar espaços acolhedores para falar sobre política, o que significa falar sobre empatia, escuta ativa e diversidade. É um momento do projeto em que a gente tem contato direto com o jovem e tenta quebrar o estigma de que política se dá em um espaço de conflito”, explica. 

Organizações de todo o país interessadas em receber as rodas de conversa (presenciais ou on-line, a depender da localidade) facilitadas pela equipe do Instituto Aurora de Educação em Direitos Humanos e voluntários do projeto podem entrar em contato por e-mail (contato@institutoaurora.org) e reservar uma das datas que ainda estão disponíveis no cronograma de atividades do projeto. Bom Aluno, Elo Apoio Social e Ambiental e Unilehu são algumas das instituições contempladas na programação de 2022 e o MSNV busca ampliar as parcerias como essas para outras regiões do país.

MSNV disponibiliza guia que ensina a fazer rodas de conversa e lança plataforma de curadoria

Todas as pessoas podem ser multiplicadoras e mobilizadoras para promoção do diálogo sobre o voto responsável. Para ajudar nessa missão, o MSNV vai disponibilizar material de apoio para estimular a realização das rodas de conversa em diferentes espaços, como escolas, empresas e igrejas. O Guia de Diálogos estará em setembro no site da campanha com um passo-a-passo de como realizar uma roda de conversa, com cinco novas sugestões de roteiro para conduzir os diálogos seguindo os três pilares de um voto responsável: somos seres políticos, somos plurais e somos comunicadores.

O MSV também lançou uma plataforma de curadoria de conteúdo especializado para pessoas que buscam ampliar seu conhecimento sobre os temas destacados nos diálogos do podcast Nosso Voto. Acessando padlet.com/nossovoto/MuralNossoVoto, é possível encontrar sugestões de reportagens, vídeos, livros, pesquisas, posts em redes sociais entre outros materiais. “O objetivo é oferecer mais conteúdo para quem quer sair do ‘achismo’ e fomentar diálogos mais qualificados para as eleições deste ano”, conclui Karina. 

Sobre o MSNV

O projeto Meu, Seu, Nosso Voto é um projeto suprapartidário sem fins lucrativos, fruto de um trabalho colaborativo entre mulheres de diferentes organizações: Instituto Aurora para Educação de Direitos Humanos, Nossa Causa e Escola da Política, além do esforço de vários voluntários. Iniciado em 2020, o MSNV busca fomentar espaços de diálogos sobre o voto responsável e oferecer subsídios para diálogos que fortaleçam a democracia, como o Podcast Nosso Voto, Os Guias de Rodas de Conversa e as Rodas de Conversa que realizam, além da plataforma de curadoria de conteúdo especializado com foco nas temáticas de 2022. Saiba mais em: materiais.nossacausa.com/meu-seu-nosso-voto-2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Da arquitetura a uma das franquias que mais cresce no país: os diferentes ramos de atuação (e sucesso) de André Henning

“Construir” é uma palavra diretamente ligada à carreira de André Henning – e não apenas por sua formação acadêmica. O arquiteto e urbanista é também apresentador de um programa de TV, empresário e vem abarcando sociedade em variadas áreas. E cada uma de suas ocupações vem se edificando de forma sólida, estruturando-se criativamente e de maneira muito bem sucedida.

Apesar de hoje administrar variadas atividades, Henning começou com um foco muito preciso. O curitibano, que morou em seis cidades diferentes em seus primeiros 17 anos de vida, resolveu voltar à terra natal para estudar Arquitetura. “Fiz da faculdade a coisa mais importante da minha vida”, revela. A estratégia deu resultado: esteve entre os primeiros alunos da turma e ganhou uma bolsa para o México. Assim conseguiu a dupla formação, pela Universidade Positivo e pela Universidad Marista de Mérida. “Esse estudo no México refletiu muito no meu estilo de arquitetura hoje, menos minimalista, mais colorido”, conta.

De volta ao Brasil, o desafio de encontrar clientes e iniciar a carreira foi enfrentado com criatividade. No início dos anos 2010, enquanto ainda era mais comum um profissional levar seu portfólio físico até escritórios de arquitetura, André montou um site com seus projetos e enviou direto para o e-mail de um dos maiores nomes da arquitetura no Paraná. A forma irreverente de se apresentar garantiu seu primeiro trabalho. Foi quase um ano dedicado à Jayme Bernardo Arquitetura, conceituada agência no ramo. “Foi como uma pós-graduação, de tanto que aprendi”, Henning afirma. Mas a estabilidade profissional ainda estava longe de acontecer.

Em 2015, uma recessão econômica afetou diretamente o setor. O olhar clínico de André, no entanto, viu uma oportunidade em meio à crise. Investindo em projetos pessoais, foi desenvolvendo ainda mais sua visão única e o toque autoral de seus trabalhos. Conquistou destaque no cenário curitibano, em especial com empreendimentos comerciais ligados à gastronomia. Um deles foi o Lolla Bar, premiado por seu espaço.

Gastronomia

A conexão com a gastronomia foi abrindo portas, não só para a arquitetura como para um novo ramo na carreira de André. Em 2017, fez a primeira sociedade com Eloi Ferreira no ramo. Seu olhar para construir e harmonizar foi aliado ao talento gastronômico de Eloi na elaboração de cestas para o Dia dos Namorados. Em uma semana, tinham 200 encomendas. O que começou de forma descontraída para gerar renda extra foi o início de uma parceria de sucesso.

Quando Henning foi contratado para fazer uma consultoria de arquitetura para o salão de cabeleireiros Jean Louis David, no centro de Curitiba, que queria montar um café dentro do ambiente, o timo empresarial do arquiteto o levou a uma proposta arriscada. Queria desenhar uma cafeteria que tivesse também uma saída para a rua, podendo atender clientes do salão e também que estivessem passando pela Rua Vicente Machado – ponto estratégico de muito movimento na capital paranaense.

André se especializa em marketing, enquanto Eloi estuda gastronomia com foco em cafeterias. Para o investimento financeiro, um desafio: o empréstimo. Pedindo apoio ao pai, o arquiteto escuta um alerta e um estímulo: “É todo o dinheiro da família. Abra um café não para ser só mais um, como qualquer outro, mas para ser bom”. Topando o risco, Henning faz todo o desenho da marca. “Foi meu primeiro projeto sem cliente: foi para mim mesmo, a Go Coffee tem a minha essência”, conta.

Por um tempo, dividia seus horários entre administrar a cafeteria – no formato to go – e a arquitetura. Mas uma não se desassocia da outra: a arquitetura da Go Coffee começou a ganhar reconhecimento, o que o destaca no ramo de arquitetura comercial. Em 2019, ambas as profissões estavam a todo vapor. Ampliou o escritório, AH Arquitetura, e agregou Caio Nardes à cafeteria, que ficaria responsável pela expansão.

Sem aporte financeiro, o sistema de franquias foi feito, como André diz, “com muito trabalho e investimento próprio”. Mesmo com a pandemia começando ainda nas primeiras fases de expansão da marca, a Go Coffee conseguiu destaque no mercado, aliando a excelência de produtos ao design especial das lojas. De Macapá a Porto Alegre, são 115 unidades em 70 cidades pelo Brasil, com outras dezenas de lojas já planejadas.

Mesmo com o sucesso da empresa, Henning não parou de apostar na arquitetura, pelo contrário. “Comecei a atender muitos empresários, que se espelhavam na minha carreira”, explica. “Entendo de pay back, de custo mínimo, aprendi a falar para o cliente onde investir dentro do empreendimento, no que vale a pena gastar, indo além da arquitetura”. O resultado: São quase 200 projetos (sem contar os desenvolvidos para a própria Go Coffee) no portfólio da AH, que conta com dez arquitetos atualmente.

Arquitetura de compartilhamento

Desde a época em que montou um site para apresentar seu portfólio, muita coisa mudou, não só na vida de André como no mercado brasileiro. A internet e as redes sociais ganharam proporções maiores do que o esperado, e isso se reflete nos projetos. Uma tendência que Henning tem aproveitado é o que chama de Arquitetura de Compartilhamento. “A arquitetura não é uma foto estática, é um reels”, comenta, sobre como as rede sociais são aproveitadas tanto por usuários quanto por empreendimentos. “Não é estático, é uma experiência. Sei atingir o cliente do meu cliente, que busca essa experiência”.

Esse olhar direcionado à experiência das pessoas foi sendo aprimorado não só pelo tempo de atendimento direto na Go Coffee como também pelo seu programa de TV. No ano passado, começou a comandar o “Repaginando”, na RIC TV, com audiência para Curitiba e Região Metropolitana. No programa, ele visita desde estabelecimentos comerciais até residências, nas quais faz reformas rápidas e significativas, mostrando que o olhar de arquiteto aliado ao toque humano pode trazer grandes transformações. O sucesso, além do reconhecimento do público, veio com a confirmação da terceira temporada e o convite para participar de outro reality, dessa vez ligado à gastronomia, “Você é o Chef” – dois pontos de interesse do arquiteto que acabam se encontrando, mais uma vez.

O contato com a audiência reforça a ideia de um público interessado em arquitetura, e também na elaboração de uma arquitetura mais ligada às pessoas, repensando o aspecto humano de compartilhar um espaço, um momento, um ambiente. O projeto das lojas Go Coffee, por exemplo, é pensado para ser um “refúgio” dentro da cidade – apostando em elementos naturais e tons de verde contrastando com branco e preto. Um dos destaques entre projetos da AH mais recentes foi o Strô, casa de estrogonofe do chef Vitor Bourguignon.

Crescimento ramificado

A projeção nacional da Go Coffee acaba sendo também um chamariz para o escritório de arquitetura e para a visão comercial de Henning. “Empresários veem o crescimento da Go Coffee e querem crescer também”, explica. Esse movimento o levou a uma nova atividade: a aceleração de marcas, expandindo empresas e também fazendo sociedade com algumas. Uma delas é a Casa das Capas, loja especializada em acessórios para celular focada em cidades do interior do Brasil.

Outra novidade será inaugurada na CASACOR Paraná, evento de design e arquitetura para o qual foi convidado a criar não apenas um, mas dois ambientes. Além de repetir o sucesso da edição anterior com um stand da Go Coffee, André lançará o Matiz, bar de drinks pensado em oferecer uma experiência única, altamente instagramável. Desde coquetéis cintilantes até paredes que mudam de cor com iluminação interna, com destaque para uma piscina de bolinhas transparentes que recebem iluminação de diferentes tons, o espaço é uma vivência sensorial exclusiva. O projeto já nasce com a estrutura para virar um pop up bar depois do evento.

Com esses variados empreendimentos, muitas pessoas questionam André se ele deixaria a arquitetura para focar no sucesso de marcas como a Go Coffee. “A arquitetura me move”, explica. “Hoje sou um empresário que também é arquiteto”. E essas carreiras se mesclam, com Henning aliando forças e saberes de cada área para fortalecer os mais diferentes aspectos profissionais. Seja desde o contato com pessoas, na elaboração de projetos ou administração e aceleração de empreendimentos, André não deixa de lado o foco em construir bases sólidas para o sucesso.

Banda da Guarda Mirim do Paraná faz Concerto de Natal no sábado (11)

A Banda Marcial da Guarda Mirim do Paraná – Mudart apresenta neste sábado (11), o seu tradicional especial concerto de Natal. A atração é gratuita e ocorre a partir das 19:30, na sede do Colégio Estadual Guarda Mirim (Avenida Anita Garibaldi, 2395 – Curitiba).

O repertório da apresentação, sob regência do maestro Kevin Moltocaro, contará com músicas variadas de estilo natalino e religioso, além de apresentação do corpo coreográfico. O concerto ocorre após dois anos de pausa devido a pandemia.

Presença em diversos eventos cívicos e competições, a Banda Marcial da Guarda Mirim do Paraná é uma das bandas marciais mais tradicionais do Brasil, já sendo premiada em diversas competições Brasil agora. Em mais de 20 anos de estrada, o grupo já esteve em apresentações em vários estados brasileiros e também no Chile.

A BMGM-Mudart é parte da Guarda Mirim do Paraná, instituição com mais de 50 anos de atuação. Hoje vinculado à Secretaria de Estado da Educação (Seed-PR), o colégio possibilita a jovens de ambos os sexos, com idade entre 14 e 18 anos, residentes em Curitiba e/ou nos municípios que compõem a sua Região Metropolitana, o ingresso formal no mundo do trabalho através da aprendizagem.