Polícia prende envolvido em grupo que deu prejuízo de R$ 1 milhão em golpes na internet

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu um homem envolvido em uma associação criminosa responsável por aplicar golpes na internet. Estima-se que pelo menos 700 pessoas foram vítimas em diversos estados brasileiros e que o prejuízo gerado seja superior a R$ 1 milhão. A captura aconteceu nesta quinta-feira (10), em Curitiba. 

A PCPR ainda cumpriu sete mandados de busca e apreensão, simultaneamente na Capital paranaense, em Araucária e São João do Ivaí. Cumpriu também o bloqueio de sete contas bancárias.

Foto: Divulgação

Durante as buscas foram apreendidas diversas máquinas de procedimentos estéticos avaliadas em R$ 500 mil.  

CRIME

Os indivíduos ofereciam produtos eletrônicos em um site de e-commerce, resultando em vítimas no país todo. Após realizarem as compras, os clientes não recebiam os itens adquiridos.  

A empresa responsável pelo site ressarciu as vítimas, gerando um prejuízo de R$ 1 milhão para a instituição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

​Polícia Civil apreende adolescente que estaria planejando e orientando ataques a escolas

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) apreendeu um adolescente suspeito de estar planejando e orientando ataques a escolas.  A captura ocorreu na quarta-feira (2), em Palmas, na região Sudoeste do Paraná.  

A PCPR chegou até o jovem após receber um relatório da Homeland Security Investigations, da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, no início da semana, informando que o usuário da internet estaria praticando os atos. 

Durante a ação, os policiais cumpriram buscas na residência do indivíduo, onde foi apreendido computador, celular e equipamentos de armazenamento. O jovem foi apreendido e encaminhado à delegacia da PCPR. 

INVESTIGAÇÕES

A PCPR verificou que o adolescente estaria dando orientações sobre ataques em escolas. Em uma das conversas, ainda foi apurado que o jovem estaria dando instruções a outro adolescente sobre como matar a própria mãe.  

Durante o depoimento à PCPR, o adolescente informou ainda que seria um líder e que as pessoas o procuravam para que ele desse as instruções.  

O menino ainda tinha fotos impressas do autor do massacre de Suzano, em São Paulo, ocorrido em uma escola no dia 13 de março de 2019. Na ocasião, nove pessoas foram mortas.

Canal para denúncias de baladas clandestinas já recebeu 434 registros

O canal online para denúncias de baladas clandestinas criado pela Secretaria da Justiça, Família e Trabalho já recebeu 434 registros de festas ilegais, 112 deles apenas no último final de semana, referentes a eventos com aglomeração.

“O canal continua recebendo todas as denúncias para ajudar a polícia a combater as baladas clandestinas, que estão em total desrespeito à lei e às normas de saúde pública, causando imensos danos à população que está se cuidando durante a pandemia”, disse o secretário da Justiça, Ney Leprevost. “E mais, essas pessoas podem colocar a vida de seus pais e demais familiares em risco”, alertou.

Em funcionamento desde o final do mês de março e sob a responsabilidade do Departamento de Justiça da pasta, o canal abrange todo o Estado. As denúncias são encaminhadas para a Ação Integrada de Fiscalização Urbana (AIFU).

“Nesse tempo difícil de pandemia a ação do Estado se faz ainda mais necessária para garantir que todos os protocolos sanitários sejam cumpridos e, assim, evitar a proliferação do vírus e novas mortes”, comentou o chefe do Departamento de Justiça, Silvio Jardim.

O canal criado pela secretaria estadual serve de apoio aos já existentes da segurança, principalmente para receber denúncias de aglomerações que já ocorreram ou que ainda vão acontecer.

Canal Online para denúncias de baladas clandestinas da Secretaria de Justiça recebeu 112 registros no último final de semana . FOTO: SEJUF

O Departamento de Justiça da secretaria faz uma triagem das denúncias recebidas e auxilia a polícia na responsabilização dos envolvidos. Todas as informações são repassadas para as autoridades policiais. Desta maneira, os canais da Secretaria de Estado da Segurança Pública ou da Guarda Municipal, por exemplo, focam apenas nas denúncias de festas ou reuniões que estejam acontecendo em tempo real.

RECOMENDAÇÕES 

As denúncias podem ser feitas pela internet (www.justica.pr.gov.br/denunciacovid). Ao denunciar, a orientação é anexar os prints de convites e conversas em grupos sobre as baladas clandestinas; fotos e vídeos dos eventos irregulares que já aconteceram ou qualquer informação extra que materialize a denúncia.

Se alguém constatar uma balada clandestina no momento em ela está acontecendo, o alerta é para ligar imediatamente para o telefone 190 ou para a guarda de seu município e relatar a ocorrência.