Polícia interdita 16 pontos comerciais e dispersa 1.200 pessoas em Curitiba no fim de semana

A Ação Integrada de Fiscalização Urbana  (AIFU), coordenada pela Polícia Militar e que atua para que sejam cumpridas as medidas de combate à pandemia, interditou 16 pontos comerciais de sexta-feira (25) até a madrugada desta segunda-feira (28), em Curitiba. A polícia militar fiscalizou 27 estabelecimentos e, no total, órgãos municipais lavraram 54 autuações administrativas por irregularidades. O balanço divulga que 1.205 pessoas foram dispersadas dos locais abordados e seis acabaram encaminhadas a delegacias.

“Trabalhamos para que sejam cumpridas as determinações das autoridades estaduais e municipais para o enfrentamento da Covid-19. Por isso, pedimos que a população continue colaborando, cumprindo o previsto nos decretos estaduais e municipais, evitando a exposição ao vírus e denunciando aqueles que de modo irresponsável insistem em oferecer riscos para a coletividade”, disse o coordenador da Aifu, capitão Ronaldo Carlos Goulart.

As equipes dispersaram duas grandes aglomerações. No primeiro ponto, no bairro Boqueirão, cerca de 300 pessoas sem máscara foram encontradas em um ponto comercial. O responsável pelo local foi autuado em R$ 55 mil pelos agentes municipais. Já no Cajuru, outra aglomeração de 100 pessoas foi dispersada pelas equipes policiais e aplicada multa de R$ 25 mil ao estabelecimento.

Na área do trânsito, os militares estaduais fizeram abordagens e verificaram a documentação de condutores e veículos nas proximidades dos pontos vistoriados. Nos três dias, 119 autuações de infrações de trânsito foram lavradas, além de 11 veículos recolhidos ao pátio por pendências administrativas.

DESACATO – No domingo, no bairro Cristo Rei, os policiais militares encaminharam um homem de 23 anos, que desacatou a equipe e, juntamente com mais três homens, tentou agredir uma policial militar durante uma fiscalização a um estabelecimento comercial. Os envolvidos foram encaminhados para lavratura de Termo Circunstanciado.

CONTRABANDO – Em alguns estabelecimentos comerciais abordados, itens como cigarros e essências de narguilé contrabandeados foram apreendidos. Ao todo, 104 maços de cigarros e 102 essências líquidas foram apreendidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná chega a 99% da população adulta vacinada contra a Covid-19

O Paraná chegou neste sábado à marca de 99,1% da população acima de 18 anos vacinada contra a Covid-19 – são 8.322.493 pessoas que receberam a primeira dose ou dose única. Deste mesmo público, 66,27% já estão com o esquema vacinal completo. Apenas nas últimas 24 horas foram aplicadas 94.195 doses.

Ao todo, foram 14.222.723 doses aplicadas e registradas na base do Programa Nacional de Imunizações (PNI). Para o secretário de saúde, Beto Preto, a reta final da vacinação contra o coronavírus é o resultado de um trabalho conjunto entre os governos federal, estadual e os municípios, além de todos os envolvidos no processo de imunização.

“Estamos quase lá. Cada aumento da cobertura vacinal é motivo de comemoração. Uma pequena minoria de menos de 2% que ainda não se vacinou, deve procurar uma unidade de saúde. O avanço da imunização contra a doença reflete diretamente nos índices de infecção e internamento, que estão cada vez mais baixos”, enfatizou.

No levantamento sobre os imunizantes que chegaram ao Paraná por meio do PNI, e que garantiram 99% de cobertura vacinal, mais de 17 milhões de doses foram entregues no Estado e distribuídas aos 399 municípios.

A população vem sendo contemplada com vacinas da CoronaVac/Instituto Butantan,   AstraZeneca/Oxford, Pfizer/BioNTech e Janssen/Johnson&Johnson, está última que utiliza apenas uma dose de aplicação para imunização contra o vírus.

BRASIL – Nesta sexta-feira (8), o Ministério da Saúde apresentou o planejamento da campanha de vacinação contra a Covid-19 para o próximo ano.

Com tratativas para aquisição de novas doses, o governo federal anunciou mais de 354 milhões de imunizantes em 2022: 120 milhões da AstraZeneca e 100 milhões da Pfizer.

Outras 134 milhões de doses serão de saldo de contratos de 2021. Esse lote seria utilizado para reforçar a imunização dos brasileiros com o esquema vacinal completo neste ano e proteger crianças com menos de 12 anos, caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorize a aplicação de algum imunizante neste grupo.

Além disso, existe a possibilidade de compra de 50 milhões de doses adicionais da vacina norte-americana Pfizer, caso seja necessário, e 60 milhões de doses da AstraZeneca.

Paraná alcança 5,6 milhões de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid-19

Com o avanço da vacinação em todas as regiões do Estado, o Paraná chega à marca de 5,6 milhões de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid-19, com a segunda dose (D2) ou dose única (DU), ultrapassando 64,6% de cobertura em adultos. Com 14 milhões de doses aplicadas desde de 17 de janeiro, 98,6% da população com mais de 18 anos, estimada em 8.720.953 pessoas, tomou ao menos uma dose ou a dose única.

Ao todo, foram aplicadas 8.275.359 D1, 5.314.711 D2 e 324.439 DU. Os dados são da base do Programa Nacional de Imunizações (PNI) na plataforma Localiza SUS, do Ministério da Saúde. Há, ainda, um quantitativo com registro pendente no sistema.

“Cada vacina aplicada é motivo de alegria para todos nós. Estes números representam o trabalho incansável das equipes municipais e de todos os profissionais do Governo do Estado na missão de salvar vidas. Estamos vencendo batalhas, mas ainda não ganhamos a guerra. Precisamos manter os cuidados e continuar vacinando para que em um futuro breve possamos comemorar o fim desta pandemia”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

O Paraná é um dos estados mais avançados na imunização, segundo o consórcio dos veículos de imprensa. Os estados com maior porcentagem da população imunizada (com D2 ou DU) são: São Paulo (59,48%), Mato Grosso do Sul (59,01%), Rio Grande do Sul (51,31%), Paraná (47,25%) e Espírito Santo (46,22%).

MAIS DADOS – O avanço da vacinação contra a doença reflete diretamente nos índices de infecção e internamento em decorrência da contaminação pelo vírus Sars-CoV-2.

No pico da pandemia no Paraná, registrado em março deste ano, 6.385 pessoas morreram em consequência da Covid-19. Desde junho, estes números têm baixado, chegando a 1.155 óbitos em setembro, uma redução de 81% em seis meses.

Já com relação aos casos, o maior número de confirmações durante a pandemia foi em maio, quando o Estado registrou 193.404. Em setembro, 50.088 pessoas foram diagnosticadas com a doença, uma diminuição de 74%.

O número de internações e ocupações de leitos exclusivos para atendimento a pacientes infectados também teve queda. Em 31 de março, o Paraná somava 4.712 leitos exclusivos nas quatro macrorregiões. Destes, 4.060 estavam ocupados. Dentre os 1.816 de UTI, 94% eram utilizados, e dos 2.896 de enfermarias, 81% estavam ocupados. Na época, 735 pessoas ainda aguardavam na fila por um leito exclusivo.

Cenário bem diferente do registrado nesta quarta-feira (6), quando, segundo a Regulação Estadual de Leitos, o Paraná somou 3.211 leitos, com 1.247 pacientes internados. Atualmente, o Estado possui 1.510 UTIs, 50% ocupadas, e 1.701 enfermarias, 29% utilizadas. Há 39 pessoas no Estado aguardando transferência.

Beto Preto reforçou que a queda nos indicadores confirma a eficácia das vacinas. “Não há dúvidas de que os imunizantes protegem contra a infecção pelo vírus e minimizam o agravamento do quadro clínico, o que evita internamentos e mortes. Essa pequena minoria de menos de 2% que ainda não se vacinou deve procurar uma unidade de saúde e garantir sua dose”, disse.

SEGUNDAS DOSES – Somente nos seis primeiros dias de outubro, 235.483 segundas doses ou doses únicas foram aplicadas no Estado, uma média de 32 pessoas por minuto.

Considerando o intervalo entre a D1 e D2 de imunizantes como a AstraZeneca e Pfizer/BioNTech de oito a 12 semanas, respectivamente, nos dois últimos meses o Paraná registrou grande aumento de pessoas imunizadas contra a doença. Entre julho e setembro, a soma de segundas doses aplicadas cresceu 89,6%.

Confira os números: