Pesquisadores identificam regiões com mais mortes e casos de Covid-19 em Curitiba; Pinheirinho lidera

Pesquisadores identificaram que a região do Pinheirinho, na zona sul de Curitiba, é a mais afetada pela pandemia de Covid-19 tanto na incidência de casos, quanto na taxa de mortalidade. A constatação foi feita por integrantes da Rede Cooperativa de Pesquisa em Modelagem da Epidemia de Covid-19 e Intervenções não Farmacológicas (Modinterv) a partir de uma análise baseada em dados do Portal Modinterv Paraná Covid-19, novo projeto da equipe que será lançado nesta quinta-feira (10) e disponibiliza, ao público em geral, informações da curva epidemiológica da pandemia em diversas localidades do estado do Paraná.

O modelo matemático compila dados publicados pelas secretarias municipal e estadual de saúde e pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O projeto foi desenvolvido, em conjunto, por estudiosos da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e das universidades federais de Pernambuco (UFPE) e de Sergipe (UFS).

A ferramenta aponta que, a cada cem mil habitantes, quase 13 mil foram infectados com o novo coronavírus no distrito sanitário do Pinheirinho, que engloba esse e outros bairros próximos. A segunda maior incidência de casos ocorre no distrito sanitário da Cidade Industrial, com quase 12 mil contaminados. Os menores índices foram encontrados nas regiões do Cajuru e de Santa Felicidade, com nove e oito mil contaminados a cada cem mil habitantes, respectivamente.

Gráfico mostra incidência de casos nos distritos sanitários de Curitiba a cada cem mil habitantes

Com relação à taxa de mortalidade por Covid-19, a região do Pinheirinho também lidera com cerca de 365 mortes a cada cem mil habitantes. Em segundo lugar nesse aspecto está o distrito sanitário do Boqueirão, com 306 falecimentos. Santa Felicidade permanece no último lugar, com 205 registros a cada cem mil pessoas. Os dados utilizados nessas projeções são de 1º de junho.

O fato de o bairro Pinheirinho e seus arredores serem os mais afetados pela pandemia está atrelado ao número de pessoas que circulam diariamente por essa região. Para Maria Carolina Maziviero, professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPR, o terminal do Pinheirinho, responsável pela integração com municípios da região metropolitana como Fazenda Rio Grande e Araucária, pode ser um dos principais focos de disseminação do vírus.

Gráfico mostra taxa de mortalidade nos distritos sanitários de Curitiba a cada cem mil habitantes

“É um terminal por onde circula uma grande quantidade de pessoas, gerando maior risco de disseminação do coronavírus. Esses dados apontam a necessidade de pensar ações emergenciais em escala regional, que extrapolem o perímetro dos municípios. Também é fundamental prever intervenções rápidas e baratas nos terminais para mitigar a transmissão do coronavírus, além de ser imprescindível a revisão da gestão e do financiamento do transporte coletivo de modo a evitar as superlotações”, revela Maria Carolina, que também integra o grupo interdisciplinar Ação Covid-19  e é uma das idealizadoras da iniciativa Paraná Contra a Covid-19 – projeto com o intuito de estudar os impactos da pandemia nos diversos segmentos sociais e apontar a omissão das políticas públicas e seus reflexos sobre a vida das pessoas.

Casos no Paraná

Ao analisar os dados do Paraná com base nas regionais distribuídas pelo estado, os pesquisadores concluíram que a regional de Foz do Iguaçu é a principal acometida pela pandemia em incidência de casos e em taxa de mortalidade. A cada cem mil pessoas, aproximadamente 14 mil se contaminaram com o coronavírus e 292 faleceram em decorrência da doença na região.

A regional de Foz do Iguaçu é a que apresenta a maior incidência de Covid-19, seguida pela regional de Telêmaco Borba

Seguindo Foz de Iguaçu de perto na taxa de mortalidade está a regional de Paranaguá. De acordo com os registros, a cada cem mil habitantes da região, cerca de 11.500 se infectaram e 286 morreram. Já em incidência de casos, é a regional de Telêmaco Borba que ocupa a segunda posição, com mais de 12 mil ocorrências a cada cem mil pessoas. Contudo, o número de óbitos é menor, 259, fazendo com que o local fique atrás das regionais de Apucarana e Cornélio Procópio, além de Paranaguá e Foz do Iguaçu.

As regionais de Foz do Iguaçu e de Paranaguá são as que apresentam as maiores taxas de mortalidade por Covid-19 entre as 22 regionais do Paraná

Para a arquiteta e urbanista, o motivo que leva essas cidades e seu entorno a se tornarem as mais impactadas pela pandemia é o mesmo observado nos distritos sanitários de Curitiba: grande circulação de pessoas. Foz do Iguaçu é a cidade com maior população de fronteira do Brasil, de acordo com o Censo do IBGE de 2010, e faz divisa com Argentina e Paraguai. Enquanto Paranaguá abriga o maior porto exportador de produtos agrícolas do Brasil e um dos maiores da América Latina. Segundo a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), mesmo com a pandemia, o Porto de Paranaguá bateu recorde de movimentações em 2020, manipulando mais de 57 milhões de toneladas, número 8% maior do que o registrado em 2019.

“À medida que a doença se tornou global, a circulação de pessoas e mercadorias se tornou também vetor da circulação do vírus pelo mundo. Deve-se levar em conta que pré-sintomáticos, pessoas com sintomas leves e, sobretudo, os assintomáticos têm papel significativo na disseminação do vírus, porque podem ser transmissores anônimos”, destaca Maria Carolina.

Recentemente, pesquisadores brasileiros do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) publicaram um estudo na revista The Lancet que demonstrou como a desigualdade social tem papel decisivo em mortes e em casos de Covid-19 no Brasil. Segundo o documento, grupos que estão em situação de vulnerabilidade e que sofrem, historicamente, violações de direitos básicos, como direito à moradia e ao saneamento universal, são os mais afetados.

“É fundamental, portanto, pensar em ações emergenciais de forma integrada, incluindo moradia – como conter despejos e apoiar a população desabrigada –, saúde, assistência social, dificuldades econômicas, educação, saneamento universal, entre outras questões. O que vimos durante a pandemia no Brasil são planos de emergência centrados no sistema de saúde, sem levar em conta outros assuntos inter-relacionados, como habitação”, considera a professora.

Vacinação

A vacinação nas cidades é outro cenário possível de ser analisado no Portal Modinterv Paraná Covid-19. Com base em dados disponibilizados pelo SUS, os pesquisadores constataram que, até 1º de junho, 35% da população adulta de Curitiba foi vacinada com a primeira dose, cerca de 512 mil pessoas. Menos da metade disso recebeu o reforço do imunizante, apenas 225 mil (15%).

Gráfico aponta que a taxa média de vacinação em Curitiba é de cerca de cinco mil vacinas ao dia

Segundo dados do IBGE de 2020, a capital paranaense possui uma população de quase dois milhões de pessoas (1.948.626). Desse montante, 75% (1.455.818) têm mais de 20 anos de idade. Levando em conta essas informações, Giovani Vasconcelos – professor do Departamento de Física da UFPR e coordenador da rede Modinterv – avalia que Curitiba só terá vacinado, com as duas doses, 75% da sua população adulta no início de outubro de 2021. “Considerando que a taxa média de vacinação é de, aproximadamente, cinco mil vacinas ao dia, ainda faltam quase quatro meses para imunizar as pessoas que não foram contempladas”.

Nesse ritmo, ele calcula que a data provável para finalizar a vacinação de 95% da população curitibana adulta, com as duas doses, será início de janeiro de 2022. Isso porque, para atingir esse número, ainda é necessário imunizar cerca de 870 mil pessoas.

O modelo matemático mostra que há um atraso de mais ou menos 47 dias entre a primeira e a segunda dose em Curitiba. “Quando se atinge um certo número de vacinados com a primeira dose, por exemplo duzentos mil, esse mesmo número de pessoas com a segunda dose será alcançado em média 47 dias depois”. Vasconcelos destaca que o ritmo de vacinação é variável e pode aumentar ou diminuir. Caso isso aconteça, os percentuais serão alcançados antes ou depois das datas estimadas.

Média de vacinação atual e atraso entre primeira e segunda dose

O mesmo cálculo pode ser feito para qualquer cidade do Paraná no Portal Modinterv. Em breve também será possível correlacionar os números de vacinação com a taxa de mortalidade pela Covid-19.

Lançamento em seminário

O lançamento oficial do Portal Modinterv Paraná Covid-19 será feito nesta quinta-feira (10), às 16 horas, em um seminário promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Física da UFPR.

Na primeira parte do evento, Vasconcelos e sua equipe apresentarão um modelo matemático que permite entender a evolução temporal de uma curva epidêmica e seus sucessivos estágios de crescimento. A partir do modelo, pode-se fazer projeções de curto prazo sobre a evolução da epidemia em uma determinada localidade. “Diante da complexa dinâmica de propagação do vírus, torna-se indispensável analisar os dados da pandemia nos seus diversos níveis: desde o local, como bairros de uma cidade, até o nível estadual e nacional”, explica o professor.

Na segunda metade do seminário, será apresentado o Portal Modinterv Paraná, em desenvolvimento pela Rede Modinterv Covid-19, que em 2020 lançou um aplicativo capaz de realizar projeções da curva de contágio ou de óbito de diversas localidades do mundo. A nova ferramenta se propõe a agregar e a disponibilizar um conjunto bastante completo de informações sobre a pandemia no estado.

Ao acessar o Portal, qualquer pessoa poderá acompanhar o número de casos confirmados de Covid-19, número de óbitos decorrentes da doença e a quantidade de pessoas vacinadas por regionais e municípios paranaenses, além de distritos sanitários da cidade de Curitiba. O modelo também deve mostrar a evolução da idade média dos óbitos e como ela se correlaciona com o aumento da cobertura vacinal, por exemplo, além de apresentar gráficos baseados em informações demográficas e indicadores socioeconômicos.

Por meio da metodologia, é possível observar em quais locais a pandemia tem sido mais ou menos acentuada. “Discutiremos brevemente as razões para essa distribuição heterogênea da epidemia e, por fim, mostraremos como os dados atuais de vacinação permitem estimar quando a maioria da população adulta de uma determinada cidade terá sido imunizada, se mantido o atual ritmo de vacinação. Os dados mostram que é preciso aumentar urgentemente o ritmo de vacinação para que a imunidade coletiva seja atingida em um curto horizonte de tempo”, finaliza o coordenador da pesquisa.

O evento será transmitido ao vivo e pode ser acompanhado pelo YouTube.

Situação da Covid-19 em Curitiba, Região Metropolitana e demais Regionais do estado: Análise espaço-temporal via Portal Modinterv Paraná

Data: 10 de junho de 2021

Horário: 16h

Local: https://youtu.be/JkgFxiQZC-U

Veja outras notícias e projeções feitas pela à Rede Modinterv

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba suspende parte da repescagem da vacinação contra a covid-19

A partir desta quarta-feira (20/10), Curitiba suspende parte da repescagem da vacinação contra a covid-19 no município. Não haverá aplicação da primeira dose para adolescentes e da dose reforço para idosos, profissionais de saúde e imunossuprimidos anteriormente convocados.

O município aguarda novas remessas de doses para retomar a vacinação e avançar no grupo de adolescentes. Há expectativa que uma nova remessa de vacinas Pfizer, destinada aos adolescentes, chegue nos próximos dias e que a vacinação deste grupo seja retomada ainda nesta semana, inclusive com a ampliação de faixas etárias anteriormente convocadas.

Já para a retomada da aplicação das doses de reforço para idosos, profissionais de saúde e imunossuprimidos, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba aguarda o envio de vacinas com esta destinação.   

Vacinação que segue

Os 31 pontos de vacinação anticovid de Curitiba permanecem vacinando a partir desta quarta-feira (20/10): repescagem de primeira dose de pessoas com 18 anos ou mais; repescagem de segunda dose de pessoas já convocadas; e aplicação de segundas doses agendadas (referente a vacinados com a primeira dose de Astrazeneca entre 7 e 25 de agosto).

O que levar

Pessoas com 18 anos ou mais que ainda precisem fazer a primeira dose devem fazer o cadastro na plataforma Saúde Já no site www.saudeja.curitiba.pr.gov.br ou pelo aplicativo do celular. O cadastro agiliza o processo da vacinação. Além disso, é preciso levar um comprovante de residência de Curitiba e apresentar um documento de identificação com foto e CPF. 

Para receber a segunda dose da vacina, basta procurar um dos pontos de vacinação da cidade, das 8h às 17h, levar um documento de identificação com foto e CPF.

Como consultar o dia da segunda dose

Pelo aplicativo Saúde Já:

1 – Abrir o aplicativo no celular;

2 – Clicar em “Carteira de Vacinação”;

3 – Visualizar a data que aparece em Próximas Vacinas;

4 – Procurar um dos pontos de vacinação da cidade que estejam abertos nesse dia.

Pelo site:

1 – Abrir www.saudeja.curitiba.pr.gov.br;

2 – Clicar em “Vacinação”;

3 – Visualizar a data que aparece em Próximas Vacinas;

4 – Procurar um dos pontos de vacinação da cidade que estejam abertos nesse dia.

Locais de vacinação

Das 8h às 17h

1 – US Ouvidor Pardinho
Rua 24 de Maio, 807 – Praça Ouvidor Pardinho

2 – Centro de Referência, esportes e atividade física
Rua Augusto de Mari, 2.150 – Guaíra

3 – US Salvador Allende
Rua Celeste Tortato Gabardo, 1.712 – Sítio Cercado

4 – US Parigot de Souza
Rua João Eloy de Souza, 111 – Sítio Cercado

5 – US Vila Diana
Rua René Descartes, 537 – Abranches

6 – Centro de Esporte e Lazer Avelino Vieira
Rua Guilherme Ihlenfeldt, 233 – Bacacheri

7 – US Bairro Alto
Rua Jornalista Alceu Chichorro, 314 – Bairro Alto

8 – US Santa Efigênia
Rua Voltaire, 139  – Barreirinha

9 – US Atuba
Rua Rio Pelotas, 820 – Bairro Alto

10 – US Tarumã
Rua José Veríssimo, 1352 – Bairro Alto

11 – US Abranches
Rua Aldo Pinheiro, 60 – Abranches

12 – US Jardim Paranaense
Rua Pedro Nabosne, 57 – Alto Boqueirão

13 – US Visitação
Rua Dr. Bley Zornig, 3136 – Boqueirão

14 – US Camargo
Rua Pedro Violani, 364 – Cajuru

15 – US Uberaba
Rua Cap. Leônidas Marques, 1392 – Uberaba

16 – Clube da Gente CIC
Rua Hilda Cadilhe de Oliveira, nº 700

17 – US Oswaldo Cruz
Rua Pedro Gusso, 3749 – Cidade Industrial

18 – US Vila Feliz
Rua Pedro Gusso, 866 – Novo Mundo

19 – US Aurora
Rua Theofhilo Mansur, 500 – Novo Mundo

20 – Rua da Cidadania do Fazendinha
Rua Carlos Klemtz, 1.700

21 – US Santa Quitéria 2
Rua Bocaíuva, 310 – Santa Quitéria

22 – US Pinheiros
Rua Joanna Emma Dalpozzo Zardo, 370 – Santa Felicidade

23 – US Orleans
Av. Ver. Toaldo Túlio, 4.577 – Orleans

24 – US Campina do Siqueira
Rua General Mário Tourinho, 1684 – Campina do Siqueira

25 – US Butiatuvinha
Avenida Manoel Ribas, 8640 – Butiatuvinha

26 – US São Braz
Rua Antonio Escorsin, 1960 – São Braz

27  – US Vista Alegre
Rua Miguel de Lazari, 85 –  Pilarzinho

28 – US Bom Pastor
Rua José Casagrande, 220 – Vista Alegre

29 – US Palmeiras

R. João Batista Burbelo, 12 – Tatuquara

30 – US Caximba

Rua Delegado Bruno de Almeida, 7881 – Caximba

31 – Rua da Cidadania do Tatuquara

Rua Olivardo Konoroski Bueno, s/n

Saúde espera vacinar 56,4 mil moradores com segunda dose nesta semana

Nesta semana, cerca de 56,4 mil moradores de Curitiba que receberam a primeira dose da vacina anticovid devem retornar aos pontos de vacinação para completar o ciclo de imunização com a segunda dose.

Parte desse grupo, cerca de 26,3 mil, são pessoas vacinadas com a primeira dose da Astrazeneca e terão a segunda aplicação antecipada. Na próxima semana Curitiba deverá concluir o ciclo vacinal das pessoas que receberam o imunizante da Astrazeneca e que se enquadram no novo intervalo.

A vacinação será realizada em 28 pontos da cidade com funcionamento das 8h às 17h (lista abaixo).

Antecipação da Astrazeneca

A SMS seguirá a recomendação do Ministério da Saúde e fará antecipação da segunda dose da vacina contra covid-19 da Astrazeneca. A nova recomendação é que o intervalo passe a ser de oito semanas.

É importante que os vacinados com a primeira dose da Astrazeneca que ainda não receberam a segunda fiquem atentos à alteração da data, disponível no aplicativo Saúde Já. 

Não haverá envio de mensagem avisando da antecipação das vacinas. A data da segunda dose da Astrazeneca alterada estará no aplicativo no campo próximas vacinas, onde deve ser feita a consulta (veja abaixo como consultar).

Quem não puder comparecer na data de aplicação da segunda dose marcada no aplicativo poderá procurar um dos pontos de vacinação para completarem o ciclo de imunização durante a repescagem contínua.

Repescagem contínua

Ao longo da semana também segue a repescagem contínua para a primeira e a segunda dose e da dose de reforço para os que já receberam a convocação.

Para a dose de reforço  a SMS está enviando mensagem pela plataforma Saúde Já, avisando sobre o direito da vacina. Estão recebendo a convocação pessoas com mais de 70 anos que já completaram 180 dias ou mais da aplicação da segunda dose. 

Também estão sendo convocados para a dose de reforço pessoas imunossuprimidas de qualquer idade que já atingiram 28 dias da segunda aplicação. 

Como consultar o dia da segunda dose

Pelo aplicativo Saúde Já:
1 – Abrir o aplicativo no celular;
2 – Clicar em “Carteira de Vacinação”;
3 – Visualizar a data que aparece em Próximas Vacinas;
4 – Procurar um dos pontos de vacinação da cidade que estejam abertos nesse dia.
Pelo site:
1 – Abrir www.saudeja.curitiba.pr.gov.br;
2 – Clicar em “Vacinação”;
3 – Visualizar a data que aparece em Próximas Vacinas;
4 – Procurar um dos pontos de vacinação da cidade que estejam abertos nesse dia.

O que levar para receber a segunda dose

Para receber a segunda dose da vacina, basta procurar um dos pontos de vacinação da cidade, das 8h às 17h, levar um documento de identificação com foto e CPF. 

Cronograma da semana para segunda dose

Segunda dose de Pfizer

– 18 de outubro – Não há agendamentos;
– 19 de outubro -Vacinados com a primeira em 23, 24, 25, 26 e 27 de agosto;
– 20 de outubro – Não há agendamentos;
– 21 de outubro – Não há agendamentos
– 22 de outubro – Não há agendamentos

Segunda dose de AstraZeneca

– 18 de outubro – Vacinados com a primeira em 23 de julho;
– 19 de outubro – Vacinados com a primeira de 23 de julho até 6 de agosto;
– 20 de outubro – Vacinados com a primeira entre  de 7 a 25 de agosto;
– 21 de outubro – Não há agendamentos;
– 22 de outubro – Não há agendamentos.

Segunda dose de Coronavac

– 18 de outubro – Vacinados com a primeira em 21, 22 e 23 de setembro;
– 19 de outubro – Vacinados com a primeira em 24 de setembro;
– 20 de outubro – Não há agendamentos
– 21 de outubro – Não há agendamentos;
– 22 de outubro – Não há agendamentos.

Locais de vacinação

Das 8h às 17h

1 – US Ouvidor Pardinho 
Rua 24 de Maio, 807 – Praça Ouvidor Pardinho
 
2 – Centro de Referência, esportes e atividade física 
Rua Augusto de Mari, 2.150 – Guaíra
 
3 – US Salvador Allende 
Rua Celeste Tortato Gabardo, 1.712 – Sítio Cercado
 
4 – US Parigot de Souza 
Rua João Eloy de Souza, 111 – Sítio Cercado
 
5 – US Vila Diana 
Rua René Descartes, 537 – Abranches
 
6 – Centro de Esporte e Lazer Avelino Vieira 
Rua Guilherme Ihlenfeldt, 233 – Bacacheri
 
7 – US Bairro Alto 
Rua Jornalista Alceu Chichorro, 314 – Bairro Alto
 
8 – US Santa Efigênia 
Rua Voltaire, 139  – Barreirinha
 
9 – US Atuba 
Rua Rio Pelotas, 820 – Bairro Alto
 
10 – US Tarumã 
Rua José Veríssimo, 1352 – Bairro Alto
 
11 – US Abranches 
Rua Aldo Pinheiro, 60 – Abranches
 
12 – US Jardim Paranaense 
Rua Pedro Nabosne, 57 – Alto Boqueirão
 
13 – US Visitação 
Rua Dr. Bley Zornig, 3136 – Boqueirão
 
14 – US Camargo 
Rua Pedro Violani, 364 – Cajuru
 
15 – US Uberaba 
Rua Cap. Leônidas Marques, 1392 – Uberaba
 
16 – Clube da Gente CIC 
Rua Hilda Cadilhe de Oliveira, nº 700
 
17 – US Oswaldo Cruz 
Rua Pedro Gusso, 3749 – Cidade Industrial
 
18 – US Vila Feliz 
Rua Pedro Gusso, 866 – Novo Mundo
 
19 – US Aurora 
Rua Theofhilo Mansur, 500 – Novo Mundo
 
20 – US Pinheiros 
Rua Joanna Emma Dalpozzo Zardo, 370 – Santa Felicidade
 
21 – US Orleans 
Av. Ver. Toaldo Túlio, 4.577 – Orleans
 
22 – US Campina do Siqueira 
Rua General Mário Tourinho, 1684 – Campina do Siqueira
 
23 – US Butiatuvinha
Avenida Manoel Ribas, 8640 – Butiatuvinha
 
24 – US São Braz
Rua Antonio Escorsin, 1960 – São Braz
 
25 – Rua da Cidadania do Tatuquara 
Rua Olivardo Konoroski Bueno, s/n
 
26 – Rua da Cidadania do Fazendinha 
Rua Carlos Klemtz, 1.700