PEGADINHA: Menina Abandonada


Cara, se eu vejo isso, saio correndo pra caralho! Teve um ali que cambaleou e quase caiu de boca no chão! HAHAHHAHAHA Muito legal ver o pessoal do Paraná produzindo um conteúdo foda para internet aí! Um grande abraço para o pessoal de Maringá! 😉

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Caso de Covid mais longo do mundo: americana sobreviveu e ficou com a doença por 335 dias

Uma mulher americana, de 47 anos, imunossuprimida após tratar com sucesso um câncer, é o caso de Covid-19 mais longo do mundo. Ela ficou com o vírus no corpo por 335 dias e sobreviveu.

A informação veio de um estudo publicado na plataforma MedRxiv no começo de outubro. A paciente foi infectada pela primeira vez em 2020, e apresentou sintomas leves ou ficou sem sinal da doença por cerca de dez meses.

Ela fez uma série de testes de Covid que sempre voltavam positivos para a doença. Os médicos acreditavam na possibilidade de falsos positivos ou que haviam pedaços pequenos do vírus.

Para ler a matéria completa do Portal Metrópoles clique aqui

Mais de 5 bilhões de pessoas podem ter dificuldades no acesso à água em 2050

Mais de 5 bilhões de pessoas poderão ter dificuldade de acesso à água em 2050, alertou hoje (5) a Organização Mundial de Meteorologia (OMM).

Em 2018, já eram 3,6 bilhões que não tinham acesso suficiente à água por pelo menos um mês, segundo novo relatório da organização. 

A OMM insistiu ainda no fato de, nos últimos 20 anos, o armazenamento de água no solo ter diminuído um centímetro por ano, tendo em conta a superfície, o subsolo, mas também a umidade do solo, neve e o gelo.

As perdas mais significativas ocorrem na Antártica e na Groenlândia, mas “muitas áreas densamente povoadas, localizadas em latitudes mais baixas, estão sofrendo perdas significativas em lugares que geralmente fornecem abastecimento de água”, disse a OMM.

Essas perdas têm “consequências importantes para a segurança hídrica”, destacou a organização, sobretudo porque “a água doce utilizável e disponível representa apenas 0,5% da água presente na Terra”.

Ao mesmo tempo, os riscos relacionados à água aumentaram nas últimas duas décadas.

Desde 2000, o número de desastres relacionados às inundações aumentou em 134%, em comparação com as duas décadas anteriores, mas o número e a duração das secas também aumentaram 29% no mesmo período.

A maioria das mortes e danos econômicos causados pelas inundações ocorre na Ásia e a maioria dos problemas provocados pela seca, na África.

Para a OMM, é essencial investir tanto em sistemas que permitam melhor gestão dos recursos quanto em sistemas de alerta precoce.

“Esses serviços, sistemas e investimentos ainda não são suficientes”, observou a organização.

Cerca de 60% dos serviços meteorológicos e hídricos nacionais – responsáveis pelo fornecimento de informações e alertas às autoridades e ao público em geral – “não dispõem de toda a capacidade necessária para prestar serviços climáticos ao setor das águas”.

A organização afirmou que em cerca de 40% dos países-membros “não há coleta de dados sobre as variáveis hídricas básicas” e em “67% deles não há dados hídricos disponíveis”.

Os sistemas de previsão e de alerta para a seca são inexistentes ou inadequados em pouco mais da metade dos países. Em um terço dos países-membros, os sistemas de previsão e alerta para enchentes de rios também são inexistentes ou inadequados.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com