Paraná tem a primeira igreja católica para surdos do mundo

A Igreja Nossa Senhora do Silêncio, em Londrina, é a primeira igreja no mundo projetada especialmente para a pessoa surda.

A Congregação Pequena Missão para Surdos existe há mais de 160 anos. Ela teve início na Itália quando seu fundador, padre José Gualandi, teve o primeiro contato com a realidade dos surdos.

Aprofundando-se na vida das pessoas surdas, padre José descobriu que viviam abandonadas nas cidades vizinhas ou eram escondidas dentro de casa, devido a falta de escolas para surdos na época.

Com uma pequena casa de acolhimento e dois surdos foi fundada a Pequena Missão, que ainda hoje, tem como objetivo desenvolver trabalhos com a pessoa surda, a fim de integrá-la na sociedade.

O apostolado da Congregação, desde o seu início, esteve ligado à Nossa Senhora do Silêncio. A devoção começou quando o pai de Gualandi presenteou a Missão com um quadro que leva a imagem de Nossa Senhora com os braços no peito, em formato de cruz. Assim, consagrou todos os trabalhos do filho à intercessão e cuidado da Mãe do Silêncio.

Os surdos logo se afeiçoaram à imagem e até hoje, em todas as casas, igrejas e seminários da congregação há uma réplica do quadro.

Em 1985, os padres da Pequena Missão para Surdos chegaram ao Brasil, especificamente em Londrina-PR, para trabalhar e desenvolver projetos com as pessoas surdas.

O Seminário da Congregação foi fundado e as celebrações das missas para surdos começaram a ser realizadas. Esse projeto durou 35 anos, porém sem uma grande estrutura: as missas eram celebradas na garagem do Seminário e não ofereciam todas as condições necessárias para o público.

Em 2012 surgiu a iniciativa de desenvolver uma estrutura para os surdos, pensada com eles e para eles e que tivesse todas as condições necessárias.

A primeira construção foi um oratório dedicado à Nossa Senhora do Silêncio, uma igrejinha de pedra onde os surdos vão para fazer suas orações pessoais.

Padre Heriberto, gualadiano, conta que a construção do oratório foi de extrema importância para os fiéis surdos, visto que eles possuem uma grande dificuldade de concentração quando se trata da oração pessoal.

“Os surdos gostam muito de dinâmicas, atividades em grupo, mas a realização de algo pessoal é um pouco difícil, então o oratório mudou bastante esta realidade. O surdo hoje, quando chega pra Missa, vai antes ao oratório fazer a sua oração pessoal.”, explicou o padre.

Posteriormente, houve a construção da primeira Igreja para surdos do Mundo, a Igreja Nossa Senhora do Silêncio. Assim, os surdos encontraram um lugar que lhes oferece todo o conforto para bem viverem a Santa Missa.

A Igreja e futuro Santuário do Silêncio é administrada pela Pequena Missão para Surdos. Ela possui diversos diferenciais adequados à pessoa surda, como iluminação especial para que o foco esteja nos locais de atenção dos surdos (altar, ambão, sacrário, cruz e Nossa Senhora) e chão vibratório, que permite que o surdo perceba o ritmo da música através da vibração e o leva a desenvolver sensibilidade para a música.

‘’Com essa igreja projetada especialmente para os surdos, eles puderam ser incluídos na comunidade. Em outras paróquias encontramos um projeto feito para ouvintes com a presença dos surdos; aqui a Missa é pensada para o surdo com a presença dos ouvintes.”, dividiu padre Heriberto.

O padre gualandiano ressalta ainda que essa inclusão do surdo no seio da Igreja, tem como consequência a participação efetiva deles, o protagonismo da pessoa surda na paróquia. No futuro santuário há surdos acólitos, ministros da eucaristia, responsáveis pela liturgia e eles estão sempre envolvidos nos conselhos e nas decisões, porque tudo é pensado de acordo com sua realidade.

A Igreja para surdos não trouxe apenas transformações para a vida destes, mas para os ouvintes que fazem parte da comunidade: a pessoa surda testemunha a importância do silêncio, de sair do barulho do Mundo e encontrar espaço para a vida interior. 

Via: Vatican News

Após reunião, prefeitos da RMC decidem manter aulas suspensas

O encontro contou com a presença de representantes das escolas particulares e técnicos da Saúde que trouxeram os números atualizados da pandemia

Prefeitos da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Curitiba (Assomec) decidiram por unanimidade, na tarde de ontem (21), manter suspensas as aulas da rede municipal de ensino. A decisão aconteceu após reunião do Fórum Metropolitano de Saúde.

O encontro contou com a presença de representantes das escolas particulares e técnicos da Saúde que trouxeram os números atualizados da pandemia na região metropolitana. O presidente da Assomec, Márcio Wozniack, que também é prefeito de Fazenda Rio Grande, afirmou que após a apresentação dos dados todos os gestores municipais entenderam que o momento ainda não é propício para o retorno das aulas.

A maioria dos pais também seria contra o retorno das atividades escolares. “Pesquisas apresentadas pelos municípios na reunião mostraram que em torno de 80% dos pais dizem que não querem que seus filhos retornem para as atividades escolares municipais agora”, revelou o presidente da Assomec.

Wozniack explicou ainda que a volta das aulas na rede privada e estadual é de responsabilidade do governo estadual. “Decreto do dia 18 regrou que a decisão de volta das atividades escolares estaduais e particulares é de responsabilidade do Governo do Estado. O documento diz que é necessário pelo menos três semanas de estabilidade nos números da pandemia para que possa ser iniciado um protocolo de volta de algumas atividades escolares”, esclareceu ele.

Informações Banda B.

São José dos Pinhais vai ganhar a primeira loja da Mais1 – Café

Curitiba é hoje considerada a capital nacional dos cafés especiais, abrigando os melhores baristas e as mais deliciosas receitas do país. Mas não é apenas na capital paranaense que se encontram os amantes de cafés especiais. Pensando nisso, a partir desta sexta-feira, dia 25 de setembro, São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, vai receber a 1ª loja da Mais1 – Café, rede curitibana consolidada como a maior franquia de cafés “to go” do Brasil, com mais de 100 unidades espalhadas pelas cinco regiões do país.

“A Mais1 – Café encanta pela tendência de praticidade que nossas bebidas oferecem, todas desenvolvidas com matérias-primas de excelência e preços acessíveis”, conta Vinicius Delatorre, sócio fundador e diretor operacional da Mais1 – Café. “Estamos crescendo de forma bastante audaciosa pelo território nacional, com diversas inaugurações previstas para os próximos meses, incluindo outras cidades da Região Metropolitana de Curitiba”, complementa ele.

Foto: Divulgação

Seguindo modelos internacionais, a Mais1 – Café aposta em uma operação enxuta e descolada, sem garçons, e com toda a praticidade do estilo “to go”, que se torna ainda mais importante neste momento em que o isolamento social se faz tão necessário, disponibilizando copos especiais para que os clientes consumam a bebida na rua ou levem para qualquer lugar. No cardápio, o cliente poderá encontrar cinco opções de drinks frios com café, três de drinks quentes, duas bebidas quentes sem café e três cafés quentes, além de uma pequena variedade de salgados, doces e cafés moídos.

Nos próximos meses, a Mais1 – Café abrirá as portas, também, em outras importantes cidades do país, entre elas São Paulo (SP), Belo Horizonto (MG), Rio de Janeiro (RJ), Fortaleza (CE), Teresina (PI), Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC).

Foto: Divulgação

A unidade da Mais1 em São José dos Pinhais vai funcionar na Rua Quinze de Novembro (nº 2214 – loja 03), no Centro da cidade. O empreendimento será inaugurado na próxima sexta-feira, dia 25 de setembro. Mais informações no site www.mais1cafe.com ou no perfil oficial da rede no Instagram (@mais1.cafe).