Paraná fecha período epidemiológico com 27.889 casos de dengue e 32 óbitos

A Secretaria de Estado da Saúde publicou nesta terça-feira (3) o informe da dengue número 43, que encerra o período epidemiológico 2020/2021, totalizando 27.889 casos confirmados e 32 óbitos no Paraná. Os dados foram contabilizados desde o dia 1º de agosto do ano passado.

No Paraná, 288 municípios registraram casos de dengue nas 22 Regionais de Saúde. O informe apresenta 93.329 notificações para a doença, também em municípios das 22 Regionais, e aponta 2.359 ainda em investigação quanto à classificação final.

Os 32 óbitos aconteceram nos municípios de Morretes (1), Paranaguá (4), Foz do Iguaçu (3), Matelândia (1), Medianeira (1), Roncador (1),Campo Mourão (1), Paraíso do Norte (1), Santo Antônio do Caiuá (1), Marialva (1), Maringá (2), Apucarana (1), Alvorada do Sul (1), Assaí (1), Cambé (2), Ibiporã (1) e Londrina (9).

O número de casos teve uma redução de 87,7% em relação ao período anterior. Em 2019/2020 foram 227.724 confirmações. Houve também queda de 81,9% no total de óbitos – no período epidemiógico anterior foram 177.

“A dengue segue como uma das principais preocupações do Governo do Estado. A redução neste momento não é motivo para baixarmos a guarda em relação ao combate contra o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

“Segundo avaliação dos técnicos da Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde e da Sesa, a diminuição pode estar relacionada com a pandemia da Covid-19 e o receio da população em procurar atendimento nas unidades de saúde, bem como uma possível subnotificação ou atraso nas notificações em consequência das equipes estarem envolvidas no enfrentamento da pandemia”, destacou o secretário.

A Secretaria da Saúde enfatiza a importância do controle e eliminação dos criadouros do Aedes aegypti, com a organização dos serviços de saúde para que isso aconteça mas, principalmente, com a participação da população. “O último levantamento entomológico, realizado entre abril e junho deste ano, comprovou que os focos do mosquito estão nas residências, em pontos que acumulam água. São estes criadouros que precisam ser eliminados”, alertou o secretário.

De acordo com o levantamento, 80,8% dos criadouros foram encontrados em pontos passíveis de remoção e elimináveis, como lixo, entulhos de construção, pneus, vasos de plantas com pratos, recipientes de degelo, entre outros.

OUTRAS DOENÇAS 

Em relação à chikungunya, o informe registrou 94 casos confirmados no período, além de 2 casos de zika vírus. As doenças também são transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti.

Os dados apresentados no boletim desta terça-feira são preliminares. Os municípios e Regionais de Saúde terão até o mês de outubro para concluir as investigações relacionadas ao período.

Na próxima terça-feira, dia 10, a Sesa publicará o primeiro boletim relativo ao período 2021/2022.

AÇÕES 

A Secretaria da Saúde realizou no período epidemiológico 2020/2021 diversas atividades para o enfrentamento de arboviroses. Foram promovidas capacitações online via YouTube para orientar os técnicos sobre o manejo clínico da dengue e a importância do trabalho integrado entre os Agentes de Combate a Endemias (ACE) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS).

Houve também parceria com Escola de Saúde Pública para o curso online de Aperfeiçoamento de Vigilância em Saúde, com ênfase em Vigilância Ambiental nas Ações de Controle de Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses, com 340 participantes.

Em março de 2020 foi estabelecido, por meio de resolução (126/2020), o Centro de Operações de Emergência (COE), com reuniões periódicas e online, com participações das Regionais de Saúde, representantes do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Paraná, Ministério Público do Paraná, Conselho Regional de Medicina e Sesc/PR, entre outros.

“Destacamos ainda que foram criadas 60 Unidades Sentinelas distribuídas nas 22 Regionais de Saúde para realizar monitoramento oportuno do início da circulação viral da dengue, zika e chikungunya”, disse a diretora de Atenção e Vigilância em Saúde, Maria Goretti David Lopes.

Por meio de uma destas unidades sentinelas, acrescentou a diretora, foi identificado o surto de febre chikungunya no município de Apucarana, em abril deste ano, possibilitando uma rápida intervenção.

“Além disso, a Sesa elaborou seis notas orientativas para apoiar os municípios no enfrentamento às arboviroses, desde o controle vetorial até o trabalho das equipes de vigilância e atenção à saúde, principalmente nesse momento de cocirculação viral entre dengue e Covid-19”, ressaltou Maria Goretti.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Gravidez após os 40 é sempre de risco?

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2020 mostram que houve um aumento no número de mulheres que deram à luz após os 40 anos de idade no Brasil. De acordo com a pesquisa, a alta de partos foi de 57% para gestantes entre os 40 e 44 anos, de 27,2% dos 45 aos 49 e de 55% para aquelas com mais de 50 anos.

Embora esse cenário esteja sendo cada vez mais comum no Brasil, especialistas da área da ginecologia e obstetrícia alertam que uma gestação tardia pode oferecer algumas atribulações para o desenvolvimento do embrião. Segundo o guia “Gestação de alto risco” desenvolvido pelo Ministério da Saúde, uma das causas que podem fazer com que uma mulher tenha uma gravidez de risco é a idade maior que os 35 anos. 

Por esse motivo, um acompanhamento médico especializado torna-se indispensável para direcionar a mãe aos cuidados necessários para minimizar as chances de problemas para o bebê.

O que torna a gravidez aos 40 anos de risco 

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, um dos motivos que fazem com que mulheres com mais de 40 anos estejam na classificação de risco é a diminuição dos óvulos, o que por sua vez pode aumentar a chance de abortos espontâneos ou problemas no nascimento. 

Além disso, a fundação também pontua que conforme a mulher vai envelhecendo, crescem as chances para condições como obesidade, pressão alta, tireoide e diabete, por exemplo, todas potenciais complicadoras de gestação. 

Quais são os riscos de uma gravidez tardia

As enfermidades que acometem as mulheres a partir dos 40 anos de idade podem causar impactos à saúde da mãe e ao desenvolvimento do bebê. 

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, há chances de ocorrer um parto prematuro, anomalias placentárias, Síndrome de Down, crescimento intra-uterino restrito, gestações múltiplas, aborto espontâneo e natimortalidade. 

Já em relação à saúde da mãe, é possível haver diabete gestacional, hipertensão e ainda complicações no trabalho de parto devido à falta de contrações e dilatações. 

Cuidados evitam complicações

As recomendações do Ministério da Saúde, da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e da Fundação Oswaldo Cruz acerca das gestações após os 40 anos são as mesmas e trazem o alerta da importância do acompanhamento médico durante todo o processo. 

O planejamento da gravidez é essencial, pois, segundo as entidades, antes mesmo de iniciar as tentativas, deve-se buscar por orientações profissionais para verificar a existência de possíveis fatores de risco. A partir da análise, é possível ter uma noção da necessidade de medicamentos e da realização de testes durante toda a gestação. 

O pré-natal é indispensável para as mães aos 40 anos ou mais. Conforme salienta o guia elaborado pelo Ministério da Saúde, o acompanhamento regular ajuda a prevenir e diminuir os riscos para as gestantes e para os bebês. Durante o processo, a mulher recebe atualizações sobre o andamento da gestação e as atitudes que deve tomar para obter mais qualidade de vida para si própria e para o feto.  Segundo a Febrasgo, manter uma rotina saudável, livre de doenças sexualmente transmissíveis, sem oscilação de peso e uso abusivo de álcool é essencial para minimizar a presença de mais riscos durante a gestação.

Adultos também precisam de diversas vacinas

Vacina não é um cuidado para se ter apenas com crianças e idosos. É fundamental que adultos também mantenham o calendário vacinal em dia para o controle de doenças endêmicas (que podem voltar de tempos em tempos), como os casos recentes de sarampo e febre-amarela. 

A recomendação do Ministério da Saúde é que adultos não deixem de atualizar sua carteira de vacinação, compareçam ao posto de saúde mais próximo e se certifiquem de que estão com as imunizações em dia. Em caso de dúvida, o indicado é conversar com um médico sobre o assunto.

Um indivíduo está suscetível a infecções por bactérias ou vírus em todas as fases da vida. Esses agentes infecciosos, quando não combatidos e prevenidos por meio de campanhas de vacinação, podem causar inúmeros problemas. 

Conforme dito à imprensa pelo infectologista Paulo Olzon, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), as vacinas contra bactérias são desenvolvidas para controlar surtos epidemiológicos. Já as contra vírus costumam ser aplicadas durante a vida toda, com algumas doses de reforço para garantir que a doença não retorne. 

Postos de saúde contam com imunizantes direcionados a cada grupo. Para adultos, o Ministério da Saúde orienta doses contra hepatite B, difteria e tétano, tríplice viral e febre-amarela. Já para idosos, a recomendação inclui hepatite B, difteria e tétano, pneumocócica 23-valente e influenza. Existem, ainda, os disponíveis em clínicas particulares fora da faixa etária oferecida pelo serviço público, como a vacina contra o HPV. 

Hepatite B

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina contra a hepatite B é ministrada em três doses para pessoas que não foram imunizadas ao longo da infância ou que nunca tiveram a doença. É preciso tomar a segunda dose um mês depois  da primeira, e a terceira seis meses após a segunda.

Tríplice bacteriana: difteria, tétano e coqueluche

A vacina tríplice bacteriana, que atua contra difteria, tétano e coqueluche, é administrada durante a infância. Na adolescência e na vida adulta, é necessário receber o reforço com a vacina dupla (atuante contra difteria e tétano) a cada 10 anos.

Tríplice bacteriana na gestação

A vacina também é indicada para gestantes no último semestre da gravidez. A imunização deve ser feita em cada gestação, já que o intuito é proteger tanto a mãe quanto o bebê — que apenas completa sua imunização individual contra as doenças da tríplice depois dos seis meses de vida, quando toma a terceira dose da vacina DPT.

Tríplice viral: sarampo, caxumba e rubéola

A vacina tríplice viral, que age contra sarampo, caxumba e rubéola, também integra o caderno de vacinação infantil. Todavia, para aqueles que não a tomaram quando criança, é indicado receber a dose quando adulto.

O esquema vacinal funciona da seguinte forma: para pessoas de 20 a 29 anos, são indicadas duas doses com intervalo de 30 dias entre elas. Já para adultos de 30 a 59 anos, a recomendação é uma dose.

Gripe

A vacina contra o vírus influenza, causador da gripe, é disponibilizada para a população anualmente. É recomendado que todos sejam imunizados, exceto bebês com menos de 180 dias e indivíduos que tiveram alergia grave em relação às doses dos anos anteriores.

Covid-19

Atualmente, é indicado tomar três doses da vacina contra o coronavírus para completar o esquema vacinal. A aplicação da quarta dose tem acontecido gradualmente conforme a faixa etária. 

HPV

A imunização contra o HPV ou papilomavírus humano é disponibilizada para meninas e meninos de 9 a 14 anos e para pessoas de 9 até 26 anos, incluindo pessoas imunossuprimidas.

Em clínicas particulares, a vacina quadrivalente está disponível para meninas e mulheres de 9 a 45 anos e para meninos e homens de 9 a 26 anos. 

O esquema vacinal é composto por três doses. A segunda delas deve ser aplicada dois meses depois da primeira, e a terceira, seis meses após a primeira aplicação.

Herpes-zóster

A vacina contra herpes-zóster (popularmente conhecida como cobreiro) é licenciada em uma dose para indivíduos a partir dos 50 anos. O imunizante está disponível somente em serviços privados de vacinação.

Febre-amarela

A vacina contra a febre-amarela pode ser tomada em qualquer fase da vida adulta. Quem vai viajar para áreas onde existam muitos casos da doença deve se imunizar dez dias antes do embarque. 

A princípio, a vacina é aplicada em dose única. Pelo risco de falha vacinal, contudo, uma segunda dose pode ser recomendada dez anos depois da primeira.

Esse imunizante é contraindicado para gestantes e para quem estiver amamentando.