Paraná descentraliza vacinas da Pfizer e 21 municípios recebem as doses na próxima semana

As 37.440 doses da vacina contra a Covid-19 da Pfizer/BioNTech recebidas nesta semana serão descentralizadas para 21 municípios do Paraná na próxima segunda-feira (31). O quantitativo faz parte da 21ª pauta do Ministério da Saúde.

Os municípios contemplados são Araucária, Campo Largo, Curitiba, Ponta Grossa, Guarapuava, União da Vitória, Pato Branco, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cascavel, Campo Mourão, Umuarama, Paranavaí, Maringá, Apucarana, Londrina, Bandeirantes, Jacarezinho, Santo Antônio da Platina, Toledo e Telêmaco Borba. Destes, 12 municípios ainda não haviam recebido doses da farmacêutica norte-americana.

“A orientação inicial do Ministério da Saúde era distribuir as doses da Pfizer somente para as capitais, mas graças à estrutura organizada e robusta do Paraná, temos conseguido descentralizar cada vez mais doses para diferentes municípios do Estado”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.  

DISTRIBUIÇÃO 

A distribuição das doses foi definida pela Secretaria de Estado da Saúde considerando a capacidade de armazenamento e aplicação da vacina, que possui orientações específicas distintas dos demais imunizantes utilizados no Paraná.

A vacina possui validade de até seis meses quando conservado em -80ºC a -60ºC. Se a vacina for mantida na temperatura -25ºC a -15ºC, a validade é de 14 dias. Quando “descongelada”, de 2ºC a 8ºC, a durabilidade é menor, o que exige aplicação instantânea.

O quantitativo por município considera a estimativa populacional dos grupos atendidos. Nesta remessa, o Ministério da Saúde orienta que as doses sejam destinadas para primeiras aplicações (D1). Os grupos atendidos serão pessoas com comorbidades e pessoas com deficiência permanente.

DADOS 

Segundo o vacinômetro nacional, o Paraná aplicou 3.532.642 doses de vacina contra a Covid-19 até essa quinta-feira (27). Ao todo o Estado já recebeu 5.295.190 doses de vacina contra a Covid-19. Destas, 177.840 são da Pfizer.

“Ainda estamos recebendo essas doses em volumes bem abaixo das demais. Tão logo tenhamos mais disponibilidade destas vacinas, iremos descentralizar as doses para todo o Estado”, afirmou Beto Preto. 

Confira a distribuição das doses por município

Araucária – 1.170 doses

Campo Largo – 1.170 doses

Curitiba – 7.020 doses

Ponta Grossa – 3.510 doses

Guarapuava – 1.170 doses

União da Vitória – 1.170 doses

Pato Branco – 1.170 doses

Francisco Beltrão – 1.170 doses

Foz do Iguaçu – 1.170 doses

Cascavel – 1.170 doses

Campo Mourão – 1.170 doses

Umuarama – 1.170 doses

Paranavaí – 1.170 doses

Maringá – 3.510 doses

Apucarana – 1.170 doses

Londrina – 3.510 doses

Bandeirantes – 1.170 doses

Jacarezinho – 1.170 doses

Santo Antônio da Platina – 1.170 doses

Toledo – 1.170 doses

Telêmaco Borba – 1.170 doses

Total: 37.440 doses

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

87% dos municípios do Paraná já iniciaram a vacinação de adolescentes sem comorbidades

Um levantamento realizado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) nesta quinta-feira (14) apontou que 347 municípios do Paraná já iniciaram a vacinação contra a Covid-19 em adolescentes sem comorbidades. As informações foram repassadas pelas equipes municipais para as Regionais de Saúde. O número representa 87% das 399 cidades do Estado.

A imunização destes jovens foi iniciada com a utilização do remanescente da reserva técnica, enviada aos municípios em todas as remessas, conforme pactuação entre a Sesa, Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Paraná (Cosems/PR) e a Associação dos Municípios do Paraná (AMP).

Segundo os dados do Vacinômetro, o Estado já registrou 218.470 doses aplicadas em adolescentes (com e sem comorbidades). Somente nos primeiros 12 dias de outubro, 112.027 vacinas foram registradas na base nacional.

“Precisamos parabenizar esses profissionais de saúde e todas as equipes municipais que fazem a vacinação acontecer de domingo a domingo. Mesmo sem doses direcionadas para esse público sem comorbidades, o Estado tem avançado na faixa etária e estamos trabalhando para conseguir mais doses do governo federal e assim atingir todas as cidades do Paraná nesta campanha”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

DETALHAMENTO – De acordo com o levantamento, todos os municípios já iniciaram a vacinação de adolescentes com condições pré-existentes, sendo que 66 cidades consideram a imunização deste público prioritário como concluída ou sem procura.

Com relação ao balanço da imunização geral, sem comorbidades, 52 municípios aguardam o envio de doses para início; 34 vacinam a faixa de 12 anos ou mais; cinco estão vacinando 13 anos ou mais; 19 municípios abriram 14 anos ou mais; 59 estão atendendo 15 anos ou mais; 92 cidades, 16 anos; e 138 vacinam acima dos 17 anos.

“Não há competição entre os municípios porque essa guerra é de todos. Aqueles que possuem doses sobrando estão avançando na imunização por faixa etária, e as cidades que já esgotaram a reserva técnica, devem aguardar o envio de novas doses por parte do Ministério da Saúde, o que deve ocorrer nos próximos dias”, completou o secretário.

DOSES – Até agora, o Paraná recebeu duas remessas de imunizantes para a população de 12 a 17 anos dentro dos grupos prioritários. A primeira foi entregue no dia 24 de setembro e fazia parte da 53ª pauta de distribuição do Ministério da Saúde. O Estado foi contemplado com 99.450 imunizantes da Pfizer/BioNTech destinados a jovens com comorbidades e deficiência permanente. As vacinas foram distribuídas para as 22 Regionais de Saúde no sábado (25).

Três semanas depois, o Paraná recebeu a segunda remessa para adolescentes, com 3.082 doses, referentes à 58ª pauta. As vacinas foram entregues nesta segunda-feira (11) e distribuídas para as Regionais na quarta-feira (13). Nesta remessa as doses foram direcionadas para adolescentes indígenas.

A Sesa tem atuado na requisição de mais doses para o avanço da vacinação em adolescentes no Paraná. No mês passado, uma comitiva foi até Brasília para uma reunião com o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz. Além disso, diariamente as equipes do Programa Estadual de Imunização dialogam com o governo federal na busca por mais imunizantes.

“A responsabilidade pela compra e distribuição das doses é do Ministério da Saúde. O Governo do Estado tem feito sua parte em solicitar constantemente o envio de mais vacinas para o Paraná. Vamos continuar com essa postura e, assim que chegarem, serão descentralizadas para as Regionais”, explicou Beto Preto.

HISTÓRICO – A ampliação da faixa etária para 12 anos ou mais foi solicitada pela farmacêutica norte-americana Pfizer/BioNTech para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 13 de maio. O órgão autorizou a indicação da vacina contra a Covid-19 neste público no dia 11 de junho.

Quase 50 dias depois, o Ministério da Saúde anunciou a inclusão de adolescentes no Plano Nacional de Imunizações (PNI), em nota conjunta com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), divulgada em 27 de julho.

No dia 15 de setembro, o Ministério da Saúde divulgou a Nota Técnica nº 40/2021 da Secretaria Extraordinária de Enfrentamento da Covid-19 (SECOVID) formalizando a inclusão de adolescentes com comorbidades, deficiência permanente, privados de liberdade, gestantes, puérperas e lactantes, no PNI.

Na ocasião, o governo federal decidiu vacinar somente pessoas que se encaixassem nestes grupos prioritários. Após insistência por parte dos estados e municípios, a SECOVID divulgou no dia 22 de setembro a Nota Técnica nº 45/2021, revogando a anterior e recomendando também a imunização de adolescentes de 12 a 17 anos sem comorbidades.

Confira o levantamento detalhado da Secretaria de Saúde AQUI.

Brasil ajudará países vizinhos após concluir vacinação, diz Guedes

Dentro de dois meses, o Brasil começará a ajudar países vizinhos a reforçar a imunização após concluir a vacinação da população adulta contra a covid-19, disse hoje (13) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo Guedes, a medida é necessária para reduzir a desigualdade na recuperação econômica no pós-pandemia.

“Temos preocupação com a recuperação desigual entre os países. Em dois meses, teremos nossa população toda vacinada e vamos começar a vacinar nossos vizinhos”, afirmou o ministro em evento da organização Atlantic Council, em Washington.

O ministro destacou que o Brasil já vacinou 93% da população adulta com a primeira dose e 60% com as duas doses ou dose única. De acordo com o ministro, o ritmo da imunização está garantindo “uma volta segura ao trabalho” no país.

Guedes disse que a importância da vacinação em massa foi um dos principais temas discutidos nas reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial. Os encontros ocorrem nesta semana na capital norte-americana, com a presença de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais de diversos países.

Recuperação

O ministro disse que o desempenho da economia brasileira está surpreendendo, com o país recuperando-se em ritmo melhor que as economias avançadas em 2021. “Caímos menos e estamos crescendo mais rápido do que as economias avançadas. Vamos crescer 5,3% neste ano”, declarou.

Para Guedes, a ação do governo contribuiu para reduzir a queda da economia em 2020, com a criação do auxílio emergencial e do programa que preservou empregos em troca da redução de jornada ou da suspensão de contratos. “O programa de manutenção de empregos preservou 11 milhões de empregos. Além disso, 3 milhões de postos formais de trabalho foram criados desde a metade do ano passado.”

O ministro destacou que as mudanças climáticas estavam entre os principais tópicos das reuniões do FMI e do Banco Mundial. Segundo ele, todo o planeta está preocupado com a questão, que provoca catástrofes em alguns países e tem impacto sobre o preço da energia em outros lugares.

“Está chovendo muito pouco no Brasil, e preços da energia estão aumentando. Já na China, chove demais e o preço do carvão sobe”, concluiu o ministro.