Paraná começa a vacinação contra covid-19 em trabalhadores do transporte aéreo

O Paraná iniciou nesta terça-feira (1º) a vacinação contra a Covid-19 em trabalhadores do transporte aéreo. O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, esteve presente no ginásio Ney Braga, em São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba, para acompanhar a imunização dos profissionais vinculados ao Aeroporto Internacional Afonso Pena.

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, esteve presente no ginásio Ney Braga, em São José dos Pinhais, para acompanhar a imunização dos profissionais vinculados ao aeroporto internacional Afonso Pena. – Foto: Américo Antonio/SESA

“A Sesa segue cumprindo o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra o Coronavírus e é com grande satisfação que acompanhamos este momento, pois a Infraero tem sido uma grande parceira na execução da tarefa de transportar as vacinas, fazendo com que as doses cheguem com segurança ao nosso Estado e também aos municípios”, afirmou o secretário.

“O Afonso Pena é um dos maiores do País, tem toda uma rede logística que cerca o município de São José dos Pinhais e integra a vida da população da região”, acrescentou.

O município recebeu na semana passada 1.565 doses para vacinação dos profissionais do transporte aéreo e aeroportuário. A cidade e a equipe do aeroporto definiram que todos os trabalhadores credenciados ao Afonso Pena serão imunizados, independente da função.

O Paraná iniciou nesta terça-feira (1º) a vacinação contra a Covid-19 em trabalhadores do transporte aéreo – Foto: Américo Antonio/SESA

O superintendente da Infraero no Afonso Pena, Antônio Pallu, que também tomou a 1ª dose da vacina, disse que a data é muito especial para todos os profissionais da área. “É como concretizar a esperança dos trabalhadores do setor. Nós da Infraero apoiamos e acompanhamos toda a movimentação da chegada e distribuição das vacinas, e agora chegou nosso momento de também recebermos a dose”, disse.

“A imunização dos profissionais do setor é importante para que tenhamos mais confiabilidade no exercício das nossas funções, que envolvem milhares de pessoas diariamente, e também para a segurança dos próprios passageiros que transitam pelos aeroportos”, acrescentou o superintendente.

A Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Pinhais dividiu a imunização dos trabalhadores destes grupos em três etapas, conforme faixa etária. Inicialmente estão sendo vacinados pessoas de 40 anos ou mais.

Foto: Américo Antonio/SESA

A prefeita Nina Singer agradeceu o empenho do Governo do Estado para que as vacinas cheguem aos municípios. “A Sesa tem enviado rapidamente as vacinas aos municípios. Nossa cidade, que é sede do Aeroporto Internacional, vem testemunhando este trabalho e o esforço realizado para a distribuição das doses”, ressaltou.

Além de São José dos Pinhais, os municípios de Ponta Grossa, Foz do Iguaçu, Cascavel, Curitiba, Maringá e Londrina também receberam doses direcionadas a trabalhadores do transporte aéreo, somando 1.135 unidades. A estimativa do Ministério da Saúde é de que essas doses alcancem 78% dos profissionais desta área no Estado. Os imunizantes da AstraZeneca/Fiocruz são destinados para primeira dose.

PROFISSIONAIS 

Para a vacinação é necessária a comprovação do vínculo como trabalhador aeroportuário. A agente de proteção Eliete Michette tomou a dose da vacina no dia do aniversário e disse que foi o melhor presente de todos os tempos. “Foi um presentão”, disse. “A vacina é muito importante para todos nós que trabalhamos com o público e pessoas que vêm de todos os lugares do mundo”.

A supervisora de linha área Eliane Trevisan contou que já participou da preparação de planos de ação para a contenção da pandemia junto à companhia que trabalha e que considera fundamental a vacinação. “É uma grande alegria estar aqui sabendo que meus colegas de profissão também serão imunizados”, disse.

Marcio Stefani, motorista abastecedor no aeroporto, disse que receber a primeira dose representa para uma grande conquista. “A vacinação era muito esperada por todos nós, me sinto gratificado”, arrematou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Brasil registra menor média móvel de mortes desde o início da pandemia

Em 19 de abril de 2021 o Brasil registrou a maior média móvel de morte em decorrência da covid-19: cerca de 3 mil óbitos diários. Hoje (19), exatos seis meses após o ápice, o Ministério da Saúde informa que a vacinação em massa contra a doença surtiu efeito. Segundo a pasta, a queda no número de óbitos foi de quase 90% – tendência que se acumula desde junho.

O boletim divulgado na noite de ontem (18) mostra que a média móvel de mortes está em 379,5, acompanhada pela queda expressiva também no número de novos casos da doença, que está em 12,3 mil ao dia.

“Nós temos um Sistema Único de Saúde (SUS) forte, com mais de 38 mil salas de vacinação, capaz de vacinar mais de 2 milhões de brasileiros e um governo extremamente preocupado com a vida. Por isso, adquiriu mais de 550 milhões de doses de vacinas [contra a] covid-19, investiu bilhões com habilitação de leitos de unidades de terapia intensiva (UTIs) e vacinou mais de 90% da população brasileira com a primeira dose. Vacina é a saída para acabar com o caráter pandêmico da doença. Só assim vamos retornar para o nosso normal”, afirmou em nota o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Segundo Queiroga, o sucesso da ampla campanha de vacinação deve se estender para 2022 com a compra antecipada de 354 milhões de doses de vacinas aprovadas no país. O plano de vacinação para 2022 foi apresentado no início do mês de outubro.

“Nós já temos asseguradas mais de 300 milhões de doses para vacinar a nossa população. É uma vacinação um pouco diferente do que aconteceu em 2021, porque não é uma vacinação primária. Mas, o mais importante é: teremos doses de vacinas para todos”, declarou Queiroga.

O painel de vacinação do Ministério da Saúde mostra que mais de 108 milhões de brasileiros já cumpriram integralmente o esquema vacinal. Essa população corresponde a 68% do público-alvo da campanha do Programa Nacional de Imunização (PNI). A ferramenta informa, ainda, que 3,6 milhões de pessoas já tomaram a dose de reforço, recomendada para pessoas acima de 60 anos, imunossuprimidos (aqueles cujos mecanismos normais de defesa contra infecção estão comprometidos) e profissionais de saúde.

Após 484 dias, Curitiba registra menos de cem novos casos de covid-19

Neste domingo (17/10), Curitiba voltou a registrar menos de cem novos casos de covid-19 por dia: foram 98 novos casos contabilizados pela Secretaria Municipal da Saúde (SMS). A última vez que a cidade teve menos de uma centena de novos casos da doença foi há 484 dias, em 28 de junho de 2020 (com 86 novos casos naquela data).

Neste domingo, foram registrados cinco óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus, todos nas últimas 48 horas. As vítimas são quatro homens e uma mulher, com idades entre 39 e 82 anos. Três pessoas tinham menos de 60 anos.

Até o momento foram contabilizadas 7.680 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, 295.276 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 285.221 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 2.375 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

Leitos do SUS

Neste domingo (17/10), a taxa de ocupação dos 235 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 esteve em 38%. Restavam 145 leitos livres.

A taxa de ocupação dos 209 leitos de enfermarias SUS covid-19 esteve em 48%. Haviam 109 leitos vagos.

Neste domingo foram desativados cinco leitos de UTI Covid do Hospital Municipal do Idoso. Estes leitos serão direcionados para outras linhas de cuidado.

A SMS esclarece que os dados da ocupação de leitos em Curitiba são dinâmicos, com alterações ao longo do dia.

Números da covid-19 em 17 de outubro

98 novos casos confirmados
5 novos óbitos (5 nas últimas 48h)

Números totais

Confirmados – 295.276 
Casos ativos – 2.375
Recuperados – 285.221
Óbitos – 7.680