Para acelerar retomada do turismo, Ministério inclui Foz no projeto Destino Turístico Inteligente

Anúncio foi feito pelo ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, neste sábado (10), durante visita à cidade, incluída no projeto após análise do potencial turístico. Foz já tem retomado a visitação e deve ser um dos principais destinos brasileiros pós-pandemia

O ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, anunciou neste sábado (10), na Itaipu, a inclusão de Foz do Iguaçu (PR) na lista de municípios do projeto “Destino Turístico Inteligente”, que impulsionará destinos ofertantes de produtos e experiências inovadoras e de qualidade. A medida deve impulsionar ainda mais a retomada do turismo da região, no pós-pandemia, com ações como ampliação da conectividade à internet nos atrativos e a capacitação de funcionários do setor com inglês instrumental, para melhor atendimento de estrangeiros.

A confirmação ocorreu durante visita da autoridade à cidade, um dos destinos mais importantes do País, na fronteira mais movimentada do Brasil, com o Paraguai e a Argentina. O turismo é a principal atividade econômica local, ancorado por atrativos como as Cataratas do Iguaçu e a Itaipu Binacional, entre outros. Foz é a 11ª cidade do País anunciada no projeto e a segunda sem o status de capital. No Sul, apenas Florianópolis (SC) e Curitiba (PR) já tinham sido selecionadas.

“Foz é um dos principais destinos turísticos da América Latina e receberá muitas ações do Ministério do Turismo, como a busca de turistas internacionais, graças à ampliação da pista do aeroporto [obra custeada pela Itaipu], o que permitirá a operação de jatos de grande porte”, disse Machado Neto, durante entrevista concedida na usina de Itaipu. “Vamos trazer os ministérios de Ciência e Tecnologia para otimizar a conectividade aqui. Turismo inteligente é colocar tudo na palma da mão, celular e conectividade, porque sabemos que o maior motor de um case turístico é a rede social”, completou.

Foto: Rubens Fraulini/Itaipu Binacional

Outra ação anunciada pelo ministro é a oferta de inglês instrumental para operadores do setor turístico. A ideia é capacitar profissionais da área com um vocabulário de 300 a 400 palavras na língua inglesa, de forma a permitir melhor atendimento aos estrangeiros na rede hoteleira. A iniciativa teve sucesso em Manaus, segundo o ministério, e deve contar com o apoio do governo do Paraná, Prefeitura e Itaipu. “Brevemente a questão sanitária estará superada nos países das Américas e vamos fazer de Foz do Iguaçu um polo internacional de turismo”, concluiu.

Em Foz, a agenda do ministro começou pela usina, onde ele foi recepcionado pelo diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira. A usina é a que mais gerou energia no mundo, com 2,8 bilhões de megawatts-hora (MWh) produzidos desde o início de sua operação, em 1984, e importante atrativo turístico regional.

Depois da hidrelétrica, a autoridade e sua comitiva seguiram para o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), também dentro da área da usina. À tarde, o grupo seguiu por outros atrativos, incluindo o Parque Nacional do Iguaçu (PNI), o Parque das Aves e o Marco das Três Fronteiras.

Itaipu preparada

“Estamos trabalhando muito para que o turismo seja retomado da melhor forma possível em Foz do Iguaçu”, disse o diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira. “Aproveitamos esse período de menor visitação em função da pandemia para melhorar a infraestrutura de atendimento, com uma série de obras que vão trazer ainda mais conforto e praticidade aos nossos visitantes”, explicou o general. Entre elas, estão as reformas dos mirantes Central e do Vertedouro, duas paradas dos visitantes da usina.

Com as melhorias, o diretor-geral projeta que Itaipu deva se aproximar, cada vez mais, dos números do Parque Nacional do Iguaçu, principal atrativo de Foz. “Além disso, em parceria com diversas entidades e a Prefeitura, estamos desenvolvendo uma série de ações que vão ajudar a impulsionar o setor turístico, como a ampliação do Programa Capacita Foz, que beneficiará diversos trabalhadores, e a campanha Vem pra Foz, de divulgação do destino”, completou general Ferreira. “Juntos ajudaremos o turismo de Foz a se reerguer a patamares até mesmo superiores ao período pré-pandemia.”

Segundo o diretor superintendente do PTI, general Eduardo Garrido, o período de baixa visitação também tem sido aproveitado para melhorar a capacitação do pessoal do Complexo Turístico Itaipu (CTI), além das obras nos mirantes feitas em parceria com Itaipu. “Sabemos que, passado esse período da pandemia, o turismo de natureza terá muito mais procura. E não só pelos turistas do Brasil, mas do mundo todo”, afirmou Garrido. “Acreditamos que, por isso, Itaipu e seus atrativos, como o Refúgio Biológico e Visita Panorâmica, terão maior procura.”

Garrido lembrou, ainda, que o Programa Vila A Inteligente, que está transformando a Vila A no primeiro bairro inteligente do País, colabora para que Foz entre no projeto do Ministério do Turismo.

“A Organização Mundial do Turismo, órgão da ONU, acabou de nos incluir no Conselho Executivo, pelo fato de estarmos conduzindo muito bem a questão da vacina. Em breve estará superada a questão sanitária nos países das Américas. E nós vamos fazer de Foz do Iguaçu um polo internacional de turismo”, concluiu Machado Neto.

Vantagens

O pedido de inclusão de Foz na lista de Destinos Turísticos Inteligentes e o convite para a visita foram feitos pelo prefeito Chico Brasileiro e o secretário municipal de Turismo e Projetos Estratégicos, Paulo Angeli, na última terça-feira (6). Na ocasião, eles apresentaram a adoção de ações alinhadas às cidades inteligentes. Entre elas, o projeto Vila A Inteligente, uma parceria entre a Itaipu Binacional, o PTI, o Centro Municipal de Inovação e a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI).

“Essa visita é muito importante. O ministro traz para Foz essa parceria do Ministério para que possamos avançar tanto na parte de tecnologia, no turismo de eventos e quanto na estratégia para retomar o turismo internacional para Foz do Iguaçu”, disse o prefeito Chico Brasileiro. “A articulação da Prefeitura e da Secretaria Estadual de Turismo, com apoio da Itaipu, é muito importante para voltarmos a ser um grande destino de estrangeiros”.

O Destino Turístico Inteligente deve estar amparado em cinco pilares – governança, inovação, tecnologia, sustentabilidade e acessibilidade –, além de ofertar produtos, experiências inovadoras e de qualidade.
Segundo o Ministério do Turismo, as cidades envolvidas nas iniciativas desenvolverão uma metodologia brasileira, a partir de experiências da Espanha e Argentina. Estão previstos diagnósticos da situação de cada destino selecionado para implantação de estratégias que considerem as especificidades regionais.

As outras dez cidades que vão participar do projeto para implantação de Destinos Turísticos Inteligentes no país são: Rio Branco (AC) e Palmas (TO) representando a Região Norte; Recife (PE) e Salvador (BA) que integram o Nordeste; Campo Grande (MS) e Brasília (DF), pertencentes ao Centro-Oeste; Florianópolis (SC) e Curitiba (PR), localizadas na Região Sul; e o Rio de Janeiro (RJ) e Angra dos Reis (RJ), na Região Sudeste.

Itaipu e o turismo

O turismo é um dos pilares da missão da Itaipu Binacional. A usina recebeu mais de 24 milhões de visitantes de todo o mundo. O recorde de visitação ocorreu antes da pandemia, em 2019, quando 1.028.225 turistas passaram pelos atrativos da binacional.

Além de o próprio Complexo Turístico Itaipu (CTI) ser um importante atrativo, a empresa também atua na promoção da atividade turística como forma de estimular o desenvolvimento da região de fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina.

A Itaipu também lidera diversas ações para o fortalecimento do setor turístico e a preparação da retomada econômica pós-pandemia. O aporte da empresa em infraestrutura regional, na ordem de R$ 2,5 bilhões, em diversas frentes, tem atraído investimentos e gerado emprego, renda e ampliação da arrecadação municipal.
Entre eles, estão a construção da Ponte da Integração, entre Brasil e Paraguai, a ampliação do aeroporto e a duplicação da Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz – entre várias outras obras. Na próxima semana, a empresa também anunciará a nova edição da campanha Vem pra Foz, para a atração de turistas à cidade, e em breve fará a ampliação do Programa Capacita Foz, voltado a trabalhadores do turismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Bolsonaro visita Foz nesta quarta-feira, para entrega da pista de aeroporto e posse de novo diretor da Itaipu

Cerimônias acontecem à tarde, no aeroporto e depois no Cineteatro dos Barrageiros, na usina. Silva e Luna vai para a Petrobras e no seu lugar assume general João Francisco Ferreira

O presidente Jair Bolsonaro volta a Foz do Iguaçu, nesta quarta-feira (7), para a solenidade de término da obra civil de ampliação da pista do Aeroporto Internacional e a transmissão de cargo do diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, Joaquim Silva e Luna, para o novo comandante da margem brasileira da empresa, general João Francisco Ferreira. Os eventos acontecerão no período da tarde, em horário a ser confirmado ainda nesta segunda-feira (5), no saguão de embarque do aeroporto e, na sequência, no Cineteatro dos Barrageiros, na usina.

A última visita de Bolsonaro a Foz ocorreu há pouco mais de um mês, para o lançamento do projeto de revitalização do sistema de Corrente Contínua de Alta Tensão de Furnas, que teve o aporte de R$ 1 bilhão da margem brasileira de Itaipu. Esta será a sexta passagem de Bolsonaro a Foz do Iguaçu e a nona ao Paraná no exercício de seu mandato. Nenhum outro presidente prestigiou tanto o Paraná como o atual. Em parceria com o Estado, por meio de Itaipu, foram investidos na gestão Silva e Luna R$ 2,5 bilhões em obras estruturantes, com geração de mais de 2,5 mil empregos diretos e indiretos.

Em 28 de fevereiro de 2020, Itaipu, governo federal e governo do Paraná anunciaram oficialmente o início das obras de ampliação do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu – que integram o rol de investimentos estratégicos da Itaipu na infraestrutura da região.

Acima, imagem de 28 de fevereiro de 2020, quando a ampliação da pista do Aeroporto de Foz do Iguaçu foi anunciada, e o mesmo ponto mostrado durante visita do governador Carlos Massa Ratinho Junior, em 16 de fevereiro de 2021. Fotos: Sara Cheida/Itaipu Binacional.

As melhorias no aeroporto com a participação da Itaipu foram além da ampliação da pista de pouso e decolagem. Elas incluem outras duas frentes: a construção de ciclovia e a duplicação da via de acesso, entre a BR-469 (Rodovia das Cataratas) e o terminal, e a ampliação do pátio de manobras das aeronaves. Ambas também avançaram rapidamente e já estão praticamente prontas, faltando apenas acabamento e a homologação junto à Infraero. As obras, com custos de R$ 69,4 milhões, receberam 80% de recursos da Itaipu e o restante da Infraero.

Todas essas melhorias vão ajudar a tornar o Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu um hub na América do Sul, com conexão direta aos países sul-americanos, europeus e norte-americanos. Pela localização geográfica privilegiada, o destino terá condições de se tornar uma das principais portas de entrada de turistas estrangeiros no Brasil e uma das maiores na América do Sul.

Em relação à transmissão de cargo, os governos do Brasil e do Paraguai têm a atribuição de nomear a Diretoria Executiva da Itaipu Binacional, por meio de indicação da Eletrobras e da Administración Nacional de Electricidad (ANDE). Para cada cargo reservado a um país, há um posto equivalente destinado à outra margem da usina.

Novo diretor

O nome do general Ferreira deve oficialmente confirmado em Diário Oficial da União nesta semana, mas a indicação já havia sido anunciada pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 19 de fevereiro, mesma data em que o presidente anunciou Silva e Luna para o comando da Petrobras, que deverá ser confirmada na assembleia da estatal, marcada para o próximo dia 12.

General João Francisco Ferreira será o substituto do general Joaquim Silva e Luna. Foto: Sara Cheida/Itaipu Binacional.

O general João Francisco Ferreira substitui o general Joaquim Silva e Luna depois de dois anos e um mês frente à Itaipu. Ferreira será o 14º diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional.

Imagem da solenidade de posse do general Joaquim Silva e Luna na Itaipu, em fevereiro de 2019. Foto: Alexandre Marchetti/Itaipu Binacional.

A Itaipu

Com 20 unidades geradoras e 14 mil MW de potência instalada, a Itaipu Binacional é líder mundial na geração de energia limpa e renovável, tendo produzido, desde 1984, 2,7 bilhões de MWh. A hidrelétrica é responsável pelo abastecimento de aproximadamente 15% de toda a energia consumida pelo Brasil e de 90% do Paraguai.

Parque Nacional divulga fotos inéditas das Cataratas feitas à noite com o céu estrelado; confira

Ver as galáxias, as estrelas e a poeira cósmica numa das maravilhas mundiais da natureza: as Cataratas do Iguaçu,  no Parque Nacional do Iguaçu, na fronteira do Brasil com a Argentina. Foi o que fez uma equipe comandada pelo fotógrafo Victor Lima, autorizada entrar no local à noite para fazer fotos incríveis.

Apaixonado pela astrofotografia, ele fez uma primeira visita ao Parque Nacional do Iguaçu com a família há cerca de dois anos. Em sua segunda visita, em março de 2021, veio ao parque com as imagens e sonhos na cabeça, fotografias memorizadas, e organizou, junto com a administração da unidade, a liberação especial para realizar uma expedição fotográfica à noite, fora do horário de atendimento ao público.

É preciso ler as fotografias com calma para identificar os astros do Universo, do mesmo modo que Victor precisou aguardar o momento certo, ter paciência, olhar concentrado, para conseguir identificá-los e registrá-los no céu das Cataratas.

Via Láctea

Foto: Victor Lima e equipe

Nesta fotografia temos o braço da Via Láctea (galáxia espiral da qual o sistema solar faz parte) no lado esquerdo da imagem. É possível identificar na parte superior a Cruzeiro do Sul (menor de todas as constelações e considerada a mais importante) e a nebulosa Eta Carinae (magenta), que é uma das maiores estrelas e a mais luminosa da nossa galáxia; não é visível a olho nu. Já à direita, observa-se a grande e a pequena Nuvens de Magalhães, duas galáxias-satélites anãs irregulares da nossa galáxia. As duas podem ser vistas a olho nu no Hemisfério Sul.

Foto: Victor Lima e equipe

A Via Láctea surge na diagonal sobre o elevador das Cataratas do Iguaçu. Nesta fotografia podem ser vistas as nebulosas de emissão (nuvem de gás ionizado que emite luz de várias cores), nuvens brilhantes de poeira (poeira que existe no espaço sideral) e gás interestelar, como a Nebulosa da Águia (M16), a Nebulosa Ômega (M17), a Nebulosa da Lagoa (M8) e a NGC 6357, entre outras. Acima do núcleo da Via Láctea observa-se Antares (estrela supergigante vermelha na constelação de Scorpius).

Foto: Victor Lima e equipe

Como fez?

Registros incríveis, não é mesmo? Para captar essas cenas, Victor Lima utilizou uma câmera Canon 6D full-frame e fez uso da técnica de longa exposição, quando o sensor precisa de mais tempo para captar a imagem, e geralmente isso é feito em ambientes com pouca luminosidade. O profissional apoiou a câmera em um tripé e utilizou lente convencional. Usou e abusou da paciência e da pesquisa no local previamente para atingir os resultados divulgados. As cenas foram registradas durante três noites, das 22 horas às 04 horas da manhã.

Foto: Victor Lima e equipe

Quem é Victor Lima?

É engenheiro civil formado pela Universidade Federal de Viçosa (MG) no ano de 1997. Dos elementos utilizados nos projetos de engenharia, como os cálculos, as leituras de mapas, projetos e comportamento da luz, Victor adaptou as técnicas para as suas expedições fotográficas e conseguiu, com um tempo razoavelmente curto de trabalho – se comparado com o tempo de carreira de profissionais da fotografia –, produzir emblemáticos registros focados na astrofotografia de paisagem, a arte de fotografar o céu noturno com cenários.

A carreira de fotógrafo teve início no ano de 2014, quando ele comprou sua primeira câmera, uma Canon T5i, um equipamento considerado de entrada pelos fotógrafos profissionais. O objetivo era registrar a viagem que faria com a esposa à Espanha. Já na Europa, com as ideias na cabeça e a câmera na mão, conseguiu fazer fotos satisfatórias. Mas Victor acreditava que poderia obter registros com melhores composições.

Na foto o fotografo Victor Lima

De volta para casa, passou a estudar a fundo e com muito perfeccionismo os conceitos básicos da fotografia. De maneira didática, testou e buscou utilizar todas as possibilidades do seu equipamento na época, fazendo saídas para testar o aprendizado. Cada vez mais instigado pelas descobertas a cada novo registro, ampliou os estudos para seis horas por dia.

O engenheiro Victor, que se dividia entre o trabalho na engenharia e o estudo da fotografia, aumentou suas leituras e estudos fotográficos no ano de 2015, quando decidiu participar e teve o êxito de ganhar o concurso da revista Traveler, da National Geographic, que reuniu 34 mil participantes no mundo. A foto do Victor, registrada em Salto Corumbá, no estado de Goiás, foi a primeira a ser publicada na capa da revista por um leitor.

“O prêmio me motivou bastante. Naquele momento estava com uma fotografia publicada em uma revista com visibilidade mundial. Senti que aquele era o início de uma carreira e eu poderia me dedicar à fotografia. De 2015 até 2019, eu estudava e praticava as técnicas que aprendia, paralelo à minha carreira como engenheiro”, informou.

Atualmente Victor Lima dedica-se integralmente ao mundo da fotografia, com expedições fotográficas pelo Brasil e pelo mundo. Uma de suas fortes atuações se dá em cursos de astrofotografia de paisagens para grupos de pessoas que queiram aprimorar técnicas e conhecimento.