Os signos curitibanos

Confira os signos curitibanos e suas características:

SIGNO DE ÁRIES CURITIBANO

Quem é de Áries Curitibano não pensa duas vezes em sair tomar uma béra no Shopping Hauer, não tem medo de andar sozinho(a) às 2 horas da manhã por Colombo e tem uma energia de correr 10 vezes em volta do Parque Barigui.

SIGNO DE TOURO CURITIBANO

Quem é de Touro Curitibano pensa muito em comprar aquele apê TOP no Ecoville e deixar de andar de Inter 2 o mais rápido possível. Curte ir no MON para ver exposições e não curte ir em rolê por obrigação.

SIGNO DE GÊMEOS CURITIBANO

Gêmeos Curitibano possui um sotaque curitibano altamente carregado, daquele tipo de pessoa que fala “LEITE QUENTE”. Normalmente é a pessoa que mais marca rolê com a galera. Na vida profissional é do estilo “Nerd do Cefet”, com seu conhecimento infinito.

SIGNO DE CÂNCER CURITIBANO

Quem é de Câncer Curitibano normalmente tem aquele sentimento de “Boqueirão é meu país” ou “Sítio Loko”, que defendo o bairro acima de tudo. É a pessoa mais divertida do rolê e mais amorosa, contrariando a nossa fama de “fechados”.

SIGNO DE LEÃO CURITIBANO

Os Leoninos Curitibanos são o tipo de pessoa que compra bala do pessoal no sinaleiro. Têm uma auto estima maior que a insistência dos vendedores de Alfajor do Calçadão da XV de Novembro e ostentam demais na balada.

SIGNO DE VIRGEM CURITIBANO

O Virgem Curitibano é simples, passageiro de Inter 2 em horário de pico e muito trabalhador. Os virginianos curitibanos têm mania de limpeza, então já sabe, chove pra caramba aqui em Curitiba, odeiam o clima da cidade porque as roupas não secam.

SIGNO DE LIBRA CURITIBANO

Libriano Curitibano nasceu para vender, pode vender tudo, inclusive guarda-chuva nas iminências de toró, brisadeiro na Trajano Reis e exame de visão no Centro. São as pessoas mais susses e curtem rolê de calçada, tipo Shopping Hauer, Vicente e Itupava.

SIGNO DE ESCORPIÃO CURITIBANO

O Escorpiano Curitibano é o tipo de pessoa que curte ir pra Vicente Machado e tomar uma béra sozinho. Defendem Curitiba com unhas e dentes, aquele típico curitibano bairrista.

SIGNO DE SAGITÁRIO CURITIBANO

Quem é de Sagitário Curitibano incentiva demais os amigos, principalmente quando estão mal e precisam afogar as mágoas com um submarino no Bar do Alemão ou, em épocas de crise, uma tradicional Fontana no Largo da Ordem. O sagitariano curitibano pode fazer rolê no Batel ou na Trajano Reis, que sempre se relacionará bem com todos.

SIGNO DE CAPRICÓRNIO CURITIBANO

Os Capricornianos Curitibano são os que levam a fama de “curitibano antissocial”, pois não costumam ser muito expressivos, não falam muito. Gostam muito de desafios, tipo de andar sozinhos meia-noite em uma rua de Colombo.

SIGNO DE AQUÁRIO CURITIBANO

Quem é de Aquário Curitibano tem tendência de ser blogueirinha de eventos de Curitiba, sempre inventando moda e contrariando a todos falando que é “salsicha” ao invés de “vina”.

SIGNO DE PEIXES CURITIBANO

Quem é de Peixes Curitibano costuma quebrar galho para a galera, geralmente é a pessoa que tem carro e dá carona para os amigos no rolê. Contrariando tudo que é dito sobre os curitibanos, porque dá “Bom dia” para as pessoas no elevador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Municípios paranaenses são premiados pela melhoria no ambiente de negócios

O Sebrae/PR reconheceu 93 municípios paranaenses com o Prêmio Cidade Empreendedora, nas categorias Ouro, Prata e Bronze, por apresentarem melhorias no ambiente de negócios. A premiação foi realizada durante o Encontro Estadual dos Comitês dos Pequenos Negócios, em Foz do Iguaçu, na terça-feira (8) e nesta quarta-feira (9).

A classificação para o prêmio é realizada conforme a evolução no Índice de Desenvolvimento de Ambiente de Negócios Municipal (IDAN-M), que contempla os critérios: políticas públicas; acesso a mercados; acesso a crédito; simplificação e desburocratização; liderança e governança; associativismo; e inovação.

Ao todo, 135 municípios participantes do programa Cidade Empreendedora no Paraná foram avaliados para a premiação: 30 conquistaram a pontuação Ouro, 44 obtiveram Prata e 19 conseguiram Bronze. Foz do Iguaçu ganhou Ouro ao atingir a melhor avaliação entre todos os reconhecidos, com 96,1 pontos.

A secretária da Fazenda de Foz do Iguaçu, Salete Horst, destaca que, desde 2009, existe na cidade um trabalho em favor do ambiente de negócios, com o Comitê Gestor de Desenvolvimento Municipal. Ela ressalta, no entanto que, a partir de 2017, com a adesão ao programa Cidade Empreendedora, realizado pelo Sebrae/PR com os municípios e outros parceiros, as ações se intensificaram.

“Trabalhamos políticas públicas voltadas ao desenvolvimento e melhoria do ambiente para pequenos negócios. Nos dividimos em grupos de trabalhos que atuam em diversas frentes. Um deles é o de simplificação e desburocratização. A partir de 10 de novembro, o município estará totalmente integrado à Junta Comercial. Teremos 688 atividades consideradas de baixo risco, que terão liberação imediata para funcionar”, anunciou.

O prêmio tem como objetivo reconhecer o trabalho dos municípios que aderem ao Cidade Empreendedora e que apresentam melhoria no ambiente de negócios.

“A premiação é um reconhecimento pelas ações que os municípios implementam para fortalecer todo um ecossistema empreendedor, que impacta nas economias locais e refletem nas regiões e no estado”, pontou Julio Cezar Agostini, diretor de Operações do Sebrae/PR.

Para a secretária técnica do Fopeme, Ozélia Rodrigues, o Prêmio Cidade Empreendedora valoriza e reconhece os profissionais que estão comprometidos com o desenvolvimento das cidades.

“Os agentes realizam um trabalho árduo e que impacta na vida das pessoas e o Fopeme é parceiro na ação por acreditar que as realidades locais podem ser transformadas”, frisa.

A premiação visa, ainda, a ampliar a participação no programa, que tem como objetivo implementar políticas públicas de apoio às micro e pequenas empresas e potencializar a implementação e institucionalização da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.

Grupo que obteve Prata. Foto: Idalgo Gomes

Representantes que receberam Bronze. Foto: Idalgo Gomes

Ouro

Cafelândia – 81,9

Cascavel – 89

Castro – 81,62

Chopinzinho – 86,08

Cianorte – 85,07

Coronel Vivida – 83,87

Curitiba – 92,9

Dois Vizinhos – 80,97

Foz do Iguaçu – 96,1

Francisco Beltrão – 91,9

Guarapuava – 90,4

Irati – 80,4

Laranjeiras do Sul – 88,3

Londrina – 80,17

Mangueirinha – 85,98

Marechal Cândido Rondon – 87,48

Marialva – 80,9

Maringá – 82

Nova Aurora – 87,65

Nova Esperança – 80,3

Palmas – 81,22

Palotina – 85,97

Pinhão – 80,77

Ponta Grossa – 93,4

Pranchita – 83,87

Quedas do Iguaçu – 80,55

Realeza – 82,1

Roncador – 80,93

Sarandi – 85,88

Toledo – 87,9

Prata

Apucarana – 75,72

Assis Chateaubriand – 77,65

Astorga – 78,67

Bandeirantes – 72,35

Barbosa Ferraz – 72,75

Bituruna – 78,83

Campo Mourão          – 72,5

Candói – 71,4

Capanema – 79,73

Capitão Leônidas Marques – 74,8

Colorado – 77,87

Cruz Machado – 77,13

Cruzeiro do Oeste – 76,93

Entre Rios do Oeste – 79,03

General Carneiro – 76,7

Goioerê – 70,1

Guaíra – 70,2

Ibiporã – 70,48

Itaipulândia – 72,88

Ivaiporã – 73,78

Jacarezinho – 70,48

Lindoeste – 72,22

Mandaguari – 77,88

Matelândia – 78,58

Mercedes – 72,48

Nova Londrina – 79,42

Nova Santa Rosa – 75,12

Paranavaí – 71,83

Pato Bragado – 74,67

Pato Branco – 70,48

Planalto – 71,58

Prudentópolis – 77,12

Reserva do Iguaçu – 78,5

Rolândia – 72,95

Santa Helena – 75,43

Santo Antônio da Platina – 73,78

São João – 73,05

São Mateus do Sul – 71,63

Telêmaco Borba – 72,05

Terra Roxa – 72,47

Tupässi – 72,67

Ubirata – 71,7

Umuarama – 72,18

União da Vitória – 78,1

Bronze

Alvorada do Sul – 62,88

Andirá – 63,83

Arapoti – 69,68

Barracão – 65,65

Bom Jesus do Sul – 65,15

Bom Sucesso do Sul – 61,18

Cambará – 69,78

Carlópolis – 65,45

Faxinal – 66,78

Ibaiti – 60,45

Icaraíma – 66,2

Loanda – 63,17

Mariópolis – 65,23

Missal – 65,75

Pérola – 67,22

Reserva – 60,2

Santo Antônio do Sudoeste – 68,77

Siqueira Campos – 63,15

Wenceslau Braz – 66,72

Gatos com FIV ou FeLV podem ter uma boa qualidade de vida?

Ter um felino como animal de estimação é garantia de muitos momentos de diversão. No entanto, alguns receios quanto à saúde também preocupam os tutores, em especial com relação à imunodeficiência felina (FIV), também conhecida como “AIDS felina”, e à leucemia felina (FeLV), doenças virais que acometem somente os gatos.

A FIV compromete o sistema imunológico do gato, de forma muito semelhante ao HIV para os humanos, baixando a imunidade e causando anemia, o que favorece o comprometimento de outras doenças. A FeLV também compromete o sistema imune, além de favorecer o surgimento de tumores.

Embora ainda sem cura, é possível conviver com as enfermidades. “O importante é entender que o diagnóstico dessas doenças não é uma sentença de morte. Os felinos podem ter qualidade e expectativa de vida significativas, desde que sejam tomados os cuidados necessários e tenham acompanhamento periódico”, revela a médica veterinária e consultora da rede de farmácias de manipulação veterinária DrogaVET, Farah de Andrade.

Como saber se o gato tem FIV ou FeLV?

Sempre que se adota um novo felino ou quando há suspeita de contágio, é possível fazer um teste rápido para as duas doenças utilizando apenas uma pequena amostra de sangue. No entanto, como esse tipo de teste detecta o antígeno, ou seja, um fragmento da partícula viral e não os anticorpos, pode gerar um resultado falso negativo. Para maior segurança é aconselhável realizar um novo teste entre 30 e 60 dias, prazo entre o contágio e a infecção. Se o exame utilizado for o PCR, a janela pode ser menor, porém é o médico veterinário que irá determinar a melhor opção de exame e período, conforme o histórico do animal.

Os principais sinais clínicos da FIV são letargia, anemia, perda de peso, gengivites crônicas, febre e infecções respiratórias. O surgimento dos sinais irá demorar mais tempo, se o sistema imunológico do animal estiver fortalecido. A FeLV pode causar os mesmos sinais que a FIV, além de diarreia, fraqueza, pelagem sem brilho e tumores.

Como prevenir?

Ao contrário do que se imagina, a transmissão da FIV não ocorre pelo ato sexual. Ela é transmitida por meio de arranhões, placenta, durante a amamentação e principalmente por mordeduras, quando há introdução direta da saliva do gato contaminado na corrente sanguínea do outro animal. Por isso, gatos machos que lutam e de vida semidomiciliada são os mais suscetíveis a contrair a doença. Já o contágio da FeLV se dá pelo simples contato com a saliva de um animal contaminado, ou seja, pode ser transmitida por lambeduras e uso de potes de água ou comida compartilhados, além de fezes, urina, placenta ou amamentação. Filhotes de gatas portadoras do vírus da FeLV têm apenas cerca de 20% de chance de sobreviver.

Não existe ainda vacina para a FIV, por isso é fundamental castrar os felinos e mantê-los apenas dentro de casa, desta forma evitando brigas com animais infectados. Devido à sua forma de contágio, o risco de um gato com FIV transmitir a doença para outros felinos sadios, em um ambiente controlado, é menor, desde que não haja brigas entre eles.

Para a FeLV existe vacina (quíntupla), que não garante ainda 100% de proteção, mas é fundamental na prevenção e controle da disseminação da doença. Para vacinar um gato contra a FeLV é preciso que o mesmo seja testado antecipadamente, pois somente gatos negativados podem ser vacinados. A imunização deve ser repetida regularmente, conforme orientação médica. Gatos contaminados com FeLV não devem viver no mesmo ambiente que outros animais saudáveis, visto as variadas formas de contágio da doença.

Tratamento e qualidade de vida

“Alguns antirretrovirais, como a zidovudina, também usada em humanos no tratamento da AIDS, têm apresentado bons resultados no controle das doenças, porém somente um médico veterinário poderá indicar o tratamento mais adequado para cada caso e orientar sobre os cuidados diários”, lembra Farah. Embora não possa curar ou alterar de forma significativa o curso natural das doenças, a zidovudina é capaz de reduzir a carga viral em gatos infectados pela FIV ou FeLV, colaborando com a melhora dos sinais clínicos.

Outro ponto importante é o fortalecimento do sistema imunológico dos animais, desta forma dificultando o surgimento de outras doenças. “Nutracêuticos como as betaglucanas, a spirulina e a curcumina são grandes aliados do tratamento, pois fortalecem a imunidade, estimulam a produção e a manutenção das hemácias e reduzem a chance de desenvolvimento de linfoma”, comenta Farah.

A veterinária ainda lembra que o tratamento pode ser facilitado por meio da manipulação de medicamentos em formas farmacêuticas flavorizadas, que facilitam a administração: “Para a maioria dos gatos, ingerir um remédio é desagradável. Um medicamento em forma de pasta, filme oral, calda ou molho com um sabor que o pet gosta vai tornar tudo mais agradável e evitar estresse, fator que também faz baixar a imunidade”. Além disso, oferecer alimentação de qualidade, proporcionar um ambiente tranquilo e protegido, evitar saídas de casa e banhos em pet shops, irão contribuir para o bem-estar e a expectativa de vida do felino.

Sobre a DrogaVET

A DrogaVET está sempre em busca de soluções no segmento de manipulação veterinária, respeitando integralmente todos os princípios éticos que regem a produção de medicamentos e a sua aplicabilidade em animais. Pioneira no segmento de farmácias de manipulação, a rede, que surgiu em 2004, já conta com mais de 100 unidades no Brasil, unindo tecnologia, inovação e o conhecimento de uma equipe altamente especializada de farmacêuticos e veterinários.

Mais informações estão disponíveis no site: www.amoranimalcaramelo.com.br

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com