O que fazer em Curitiba: cinco ruas descoladas que você precisa visitar

Há ruas, alamedas e avenidas que revelam um lado mais “descolado” de Curitiba. Com bares, brechós, lojas, cafés, coletivos e casas noturnas, esses endereços merecem ser explorados por moradores e turistas por reunirem locais que caíram nas graças de jovens antenados e apaixonados por boa gastronomia, cultura, movimentos colaborativos, moda autoral e bicicletas.

“Curitiba tem se transformado e vem ganhando novos empreendimentos criativos por toda a cidade. Com clima meio Brooklyn, meio Berlim, muitas dessas vias têm um cenário inspirador, inclusive, com criativos grafites adornando muros e prédios”, destaca Tatiana Turra, presidente do Instituto Municipal de Turismo.

 

cinco ruas que representam a Curitiba mais descolada.
-Na imagem, Rua São Francisco no Setor Histórico.
Foto: Cesar Brustolin/SMCS

Cinco endereços descolados de Curitiba

Prudente de Moraes interativa

A Alameda Prudente de Moraes, no Centro, é repleta de charmosos estabelecimentos, como os restaurantes Il Barbuto (número1.227), Campania (1.265) e Veg e Lev (1.218); a sorveteria L’Arte di Gelato (1.281); o Janela Bar (1.295); as lojas de decoração Ôda Design Club (1.239) e Uzzo (1.201); e a menor cafeteria da cidade, The Coffee (1.227), com três metros quadrados de área. Mas a grande novidade é que, desde o ano passado, a via ganhou tecnologias para promover a “conversa” do comércio local com as pessoas que circulam pela rua. Minúsculos dispositivos (beacons) transmitem para smartphones, via Bluetooth, informações sobre serviços existentes na Prudente de Moraes.

São Francisco histórica

A “Sanfra”, como muitos millenials chamam a Rua São Francisco, no Centro Histórico, reúne locais mais tradicionais, como o clássico Bar do Alemão e o restaurante Nonna Giovanna (134); e endereços mais descolados como Jokers (164), Verdant e Bar do Fogo (148). Além disso, de uma ponta a outra da São Francisco, marcos da paisagem urbana mostram as várias faces de Curitiba, como o Relógio das Flores, a Fonte da Memória (a escultura de cavalo), a Praça de Bolso do Ciclista e as Ruínas que levam o nome da via.

Trajano Reis boêmia e revitalizada

Na Rua Trajano Reis, também no Centro Histórico, o vai-e-vem ocorre entre espaços como Senhor Garibaldi (36), Sirène (150), Bar Barateza (722), Vila Bambu (58) e Brooklyn Coffee Shop (389), bem como em brechós; lojas de moda autoral, como a Novo Louvre (36), e achados, como a loja de calçados com numeração “fora do padrão” Aquelino Masiero (80). Em 2017, a via passou por uma grande revitalização da Prefeitura. As antigas calçadas de lousa de granito foram reconstruídas em concreto usinado e ganharam rampas de acessibilidade. O paisagismo da Trajano também foi revitalizado, recebendo canteiros com arborização e bancos de madeira.

Vicente Machado para todos

A cena gastronômica e de badalação da Avenida Vicente Machado é agitada. A via do Batel reúne bares e restaurantes dos mais variados estilos. A maioria dos locais fica entre as ruas Coronel Dulcídio e Desembargador Motta e a Vicente Machado fica lotada, principalmente, de quarta a domingo. Por lá, há opções tanto para quem curte ficar de pé e circular entre os bares como também para quem não dispensa um restaurante com ambiente tradicional. Entre as opções de estabelecimentos, destaque para o Juker Bar (865), +55 (866), Roots (855),Aurora Bar, Pizza (787) e Arad Tailor Bar (664).

Júlia da Costa redescoberta

Suas árvores são um convite para explorá-la mesmo em um dia de muito sol e, à noite, a vegetação cria um cenário de mistério com a luz difusa e o paralelepípedo da via. No trecho da Alameda Júlia da Costa entre os bairros São Francisco e Mercês o que não faltam são coletivos, bares, brechós e restaurantes. Um dos destaques é a Casa 102, coletivo que integra ateliês de estilista e designers curitibanos e faz de Curitiba referência na moda sustentável. O espaço reúne ainda coworking, encontros culturais, bazares, oficinas e empreendedorismo criativo. Outros locais que merecem ser visitados são a pizzaria Central do Abacaxi (474); o restaurante de comida síria Al Sababa (234); os bares Soy Latino (93B), Espaço da Zé (93A) e O Pensador; e a tradicional casa de chá The Kettle.

Fonte: Agência de Notícias Prefeitura de Curitiba

0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Shopping inaugura pista de patinação no gelo em Curitiba

Verão com pista de patinação no gelo em Curitiba! O Jockey Plaza Shopping inaugura o Vikings no Gelo, a maior pista de patinação no gelo já instalada na capital

Os interessados podem escolher entre patins e trenó. O ingressos estão à venda na bilheteria do local a partir de R$ 28 de acordo com a modalidade escolhida.

A pista de patinação é direcionada para todos acima de 5 anos, mas o espaço oferece opções para todas as idades.  Os pequenos de 2 a 5 anos podem aproveitar o passeio de trenó, guiado pelos instrutores que os leva num divertido circuito pela pista de gelo.

Além disso, a partir do dia 5 de fevereiro a pista irá receber shows de patinação toda sexta-feira às 19h com duração de 10 minutos.

O espaço ainda conta com aulas de patinação aos sábados. Os interessados devem fazer a inscrição com antecedência através do e-mail marketing@jockeyplaza.com.br ou WhatsApp (41) 3216-1642.

Serviço:

Endereço:Jockey Plaza Shopping – Rua Konrad Adenauer, 370, no Tarumã

Data: até dia 21 de março – de segunda a sexta, das 11h às 23h; sábados, das 10h às 23h; domingos e feriados, das 11h às 22h.

Ingressos: 30 minutos: R$ 48; 1 hora: R$ 60; Trenó 5 minutos: R$ 28; Tempo adicional: R$ 35, com duração de 30 minutos – válido antes da retirada do kit de segurança.

Vacinação infantil ganha velocidade em Curitiba, cidade com maior número de crianças

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, acompanhou o início simbólico da vacinação de crianças contra a Covid-19 em Curitiba, nesta terça-feira (18). O evento foi na Unidade de Saúde Mãe Curitibana, no bairro São Francisco, e contou com a participação do prefeito Rafael Greca, do vice-prefeito Eduardo Pimentel e da secretária municipal da Saúde interina, Beatriz Battistella Nadas. São 164.821 crianças na Capital.

“É muito importante que a Capital esteja envolvida na mobilização e na missão de levar a informação positiva da necessidade da vacina para os pais e para nossas crianças”, disse Beto Preto, que deu a largada para a vacinação infantil no Paraná no último sábado (15), em Londrina, no Norte. 

O pequeno Miguel, de 10 anos, foi um dos vacinados. A mãe, Márcia Stankiwich, ressaltou a importância de não acreditar em notícias falsas e vacinar as crianças.

“Não devemos acreditar em fake news, notícias de fontes não confiáveis e duvidar das pesquisas feitas para as vacinas. Para mim, para o Miguel e toda a família, essa vacinação é um momento importante e muito esperado, para que tudo volte ao normal, principalmente na questão pedagógica”, disse Márcia.

Neste momento, Curitiba está vacinando crianças de 9 a 11 anos com comorbidades e deficiência permanente. A orientação é que a imunização seja realizada de forma escalonada, iniciando pelos grupos prioritários. A Capital também já imunizou crianças de 5 a 11 anos acamadas, institucionalizadas e indígenas.

“É uma imensa alegria podermos imunizar quase 165 mil crianças. Estamos vencendo a pandemia em um grande esforço para superar também a variante Ômicron”, disse Greca. “Vacina é vida e a vida para as crianças é o patrimônio mais valioso para uma cidade”.

CAMPANHA – A estimativa do Ministério da Saúde é que o Estado tenha 1.075.294 crianças de 5 a 11 anos. Na sexta-feira (14) a Secretaria da Saúde recebeu 65.500 doses no primeiro lote para este público e menos de quatro horas depois, já descentralizou os imunizantes para as 22 Regionais de Saúde.

Nesta segunda-feira (17) mais um lote com o mesmo quantitativo de vacinas foi enviado ao Paraná e deve ser descentralizado na tarde desta terça-feira (18). A expectativa é que a vacinação infantil com a primeira dose se estenda até abril.

Foto: Gilson Abreu/AEN

“Devemos aplicar a primeira dose até começo de abril e em meados de março já iniciar a aplicação da segunda dose”, explicou Beto Preto. “Vamos ter que trabalhar desta maneira, chegando doses, automaticamente já são fracionadas para que os municípios tenham acesso e continuem sua vacinação”.