O Cavaleiro das Trevas e a corrida contra o tempo em Gotham

Antes do primeiro plano aparecer na tela, já é possível ouvir a trilha de Hans Zimmer e James Newton Howard martelando como um temporizador, em seguida o assalto ao banco tem início e com ele a melhor sequência do longa, onde o diretor vai buscar no filme de ação consagrado de Michael Mann, Fogo Contra Fogo (1995), sua maior referência, seja na decupagem da cena como um todo em relação ao espaço público de Gotham ou no método calculista dos bandidos. A grande diferença aqui é que, à medida em que o assalto acontece, os próprios integrantes da quadrilha vão se matando até restar somente um, afinal de contas, não há tempo para atrasos e dessa forma, o Coringa, sendo o único sobrevivente do grupo, deixa o banco em um ônibus escolar exatamente quando uma fila de veículos semelhantes está passando pela rua.

O tic-tac do relógio de Zimmer e Howard volta a aparecer em uma reunião emergencial dos grupos criminosos mais poderosos de Gotham. A questão principal a ser debatida passava mais uma vez pela falta de tempo, já que parte do dinheiro do grupo foi roubado e a polícia já estava se preparando para uma ação simultânea contra todos eles. Nesse sentido, é interessante perceber como, ao invadir a reunião, a câmera de Nolan coloca o Coringa de Heath Ledger em posição privilegiada, tomando quase todo o espaço do quadro. Essa escolha não foi feita apenas pela fama do personagem ou por ser ele o grande antagonista do filme, mas principalmente por ser quem vai trazer à mesa a necessidade urgente de se livrar do Batman antes que seja tarde demais para todos os presentes.

Se o tempo é chave em Cavaleiro das Trevas e a justiça comum, por sua vez, é extremamente morosa, o único personagem capaz de mudar a dinâmica e acelerar esse processo é o Batman. Gosto de como o Nolan reforça essa questão ao colocar o seu protagonista para buscar um criminoso do outro lado do mundo e trazê-lo de volta à tempo da polícia executar sua grande operação conjunta contra o crime organizado. Outra cena marcou bastante nesse sentido tem início logo após a Alfred alertar Bruce Wayne de que “algumas pessoas só querem ver o circo pegar fogo”. Após o diálogo, há um corte do rosto do Coringa para um plano aberto predominantemente azul do herói no topo de um prédio, referenciando uma cena clássica de Neil McCauley, personagem de Robert De Niro em Fogo Contra Fogo (1995) não apenas no aspecto visual mas também porque McCauley é um personagem que precisa calcular seu tempo muito bem. À primeira vista pode até parecer que a cena está tratando de um momento de reflexão do personagem após a conversa que teve com o seu mordomo, entretanto, o movimento de câmera que se fecha rapidamente no protagonista e a trilha emulando uma sirene estabelecem o ar de urgência que paira sobre a cidade de Gotham.

Quando se vive com muita pressa, torna-se inevitável que algumas decisões sejam tomadas baseadas no calor do momento e que as consequências destas fiquem para depois. E apesar de ser conhecido por ser um personagem que planeja muito bem todos os seus passos, em Cavaleiro das Trevas o Batman é colocado constantemente em uma posição desconfortável, onde precisa decidir tudo no baseando-se no tempo de seu antagonista. Até mesmo depois daquela viradinha com o Gordon surpreendendo o Coringa após a cena de perseguição, momento raro de vitória para o lado do bem, não demora muito para  que o Batman volte à posição de desconforto e tenha que escolher entre salvar a vida do promotor que representa uma certa moralidade da cidade ou salvar a vida mulher que ele ama. Em condições normais, o herói, que também é muito conhecido pelo seu lado sagaz de detetive, poderia muito bem ter suspeitado que a localização estava errada e seguido para a direção oposta. Contudo, o momento exigia agir antes de pensar, deixar o emocional tomar o controle e como consequência disso, surge uma nova tragédia da vida do herói.


É interessante pensar como a morte da personagem Rachel gera ramificações aqui e como elas são traduzidas para a tela pelo diretor. Harvey Dent também ‘morre’ com ela e um novo vilão surge, afligido pela perda da única pessoa que ama e com sua bússola moral completamente despedaçada. O Batman aparece em uma cena assustadora em meio aos escombros que remete à uma sensação imediata de luto mas que não dura quase nada, pois não há tempo para se lamentar. Enquanto isso, o Coringa está celebrando sua fuga em um carro da polícia, cena que evidencia o poder do antagonista perante as instituições. São três pontos de vista essencialmente divergentes mas que foram criados a partir dessa escassez do tempo em Gotham.

O que impede Cavaleiro das Trevas de ser um filme excelente não reside apenas nessa busca pelo ultrarrealismo, que mesmo com seus excessos (como escolher filmar Gotham como uma cidade comum) está dentro de uma unidade proposta pelo diretor, mas sim em um senso de auto importância e de diálogos espertinhos que aparecem em dado momento apenas para serem repetidos em outro, como Alfred falando a Bruce que não gostaria de dizer “eu te avisei” caso desse tudo errado. Além disso, existe certo desinteresse em decupar muitas das cenas, mas felizmente, aqui Nolan parece mais consciente de que não conseguiria desenvolver um estilo próprio e delega boa parte do seu filme a uma espécie de ‘piloto automático’, o que enfraquece um pouco o tom de urgência e o peso emocional mas que consegue entregar o mínimo necessário. Em uma das últimas cenas do filme, Duas-Caras está fazendo a família do Comissário Gordon de refém, o monólogo do vilão sobre decência e corrupção, no papel, é ótimo e a situação é tensa por si só, está tudo pronto para um grande encerramento, porém, todo o potencial emocional fica reprimido já que a cena é filmada sem nenhum interesse que não seja o de ilustrar o que estava no roteiro e as atuações acabam sendo as únicas responsáveis por fazer a cena funcionar, com destaque para o desempenho de Aaron Eckhart.


No fim das contas, Cavaleiro das Trevas funciona muito bem quando impõe essa urgência temporal e quando se inspira na ambientação dos filmes policiais de Michael Mann para construir um espaço público onde a ação acontece. Entretanto, nas resoluções dramáticas, o filme acaba não se saindo muito bem justamente pelo desinteresse do diretor em trabalhar as cenas de forma mais criativa. Isso acaba fazendo com que as atuações sejam responsáveis isoladamente por conduzir o espectador. Nesse sentido, Nolan teve a sorte de escalar Heath Ledger como um Coringa que não só captura muito bem a essência anárquica do personagem como é responsável por ditar o ritmo das ações em Gotham. O interrogatório com o Batman reforça muito bem essa ideia, enquanto o herói tem pressa para obter as respostas que deseja, excede o tom de voz e escala a violência física, o palhaço apenas gargalha de tudo aquilo. Seria fácil presumir que essa risada acontece apenas porque o Coringa está se divertindo com a situação, mas não é exatamente isso. Claro, o personagem vive em busca do caos e nele encontra sua razão de ser, mas naquele momento a sua risada está na certeza de que ele tem algo que o homem-morcego não tem: tempo.

Batman: O Cavaleiro das Trevas está disponível em streaming na HBO MAX.


Texto por André Fernandes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Filme “Sistema Bruto” estreia nos cinemas em 29 de setembro

Bota, chapéu e pipoca nas mãos: os fãs de sertanejo podem se preparar para sair dos shows direto para os cinemas. O filme “Sistema Bruto” estreia em todo o Brasil no dia 29 de setembro, com uma temática sertaneja que vai levar o público a cantar muito, sorrir, se surpreender e se divertir com toda a família. Dirigido por Gui Pereira, da Dodô Filmes, o longa é protagonizado por Bruna Viola ao lado da atriz Bruna Altieri.

“Sistema Bruto” é uma comédia de ação que acompanha Bruna, interpretada por Bruna Viola, e Rosa, por Bruna Altieri, duas amigas que, além de frequentarem os mais badalados bares e festas sertanejas do interior, também são apaixonadas por velocidade e adrenalina. Em uma determinada noite, as amigas fazem uma aposta com seus amigos e decidem participar de uma competição de corridas de caminhonetes.

Produzido e gravado durante a pandemia, o filme que teve roteiro escrito especialmente para que pudesse ser protagonizado por Bruna Viola, artista com mais de 18 anos de carreira na música sertaneja raiz, não possui incentivos governamentais. Toda a produção foi possível a partir de patrocinadores, apoiadores e parceiros privados. “Quando conheci a Bruna gostei muito do estilo dela falar, se vestir, se apresentar e vi nela um grande potencial para o cinema. Tivemos parceiros importantes, de diversos segmentos, que investiram nesta ideia e tornaram possível levar uma produção independente aos cinemas de todo o país”, afirma Gui Pereira, diretor e roteirista.

Além de Bruna Viola, a obra reúne um elenco renomado, com Bruna Altieri, Jackson Antunes, Thaís Pacholek, Oscar Magrini, Marisa Orth, Nelson Freitas, Marcus Cirillo, Enrico Lima, Giulia Nassa, Guile Branco, e um time de cantores e duplas sertanejas de tirar o fôlego, entre eles César Menotti e Fabiano, Chitãozinho, Guilherme e Santiago, Lauana Prado, Gian e Giovani, Rionegro e Solimões e Yasmin Santos. A produção ainda trará Felipe Massa, vice-campeão mundial da Fórmula 1 e, o piloto da Copa Truck, Djalma Pivetta e a piloto Thaline Chicoski .

Sinopse

Sistema Bruto é uma comédia de ação que acompanha Bruna e Rosa, duas amigas que, além de frequentarem os mais badalados bares e festas sertanejas do interior, também são apaixonadas por velocidade e adrenalina. Em uma determinada noite, as amigas fazem uma aposta com seus amigos e decidem participar de uma competição de corridas de caminhonetes.

Ficha Técnica

Elenco: Bruna Viola, Bruna Altieri, Giulia Nassa, Marcus Cirillo, Jackson Antunes, César Menotti & Fabiano, Oscar Magrini, Thaís Pacholek, Enrico Lima e Guile Branco.

Participações Especiais: Rionegro & Solimões, Chitãozinho, Felipe Massa, Nelson Freitas, Marisa Orth, Maurício Meirelles, Marcelo Zangrandi, Lauana Prado, Yasmin Santos, Gian & Giovani, Guilherme & Santiago, Djalma Piveta, Carol Valentim e Thaline Chicoski.

Também estrelando: Aline Lima, Natasha Audrey, Lara Longuine, Everton Neguinho, Lucas Mitzakoff, Carlos Miola, Denis Mateo, Artur Rodriguez e Mariara Freitas.

Patrocinadores: Banco Original, PBR (Pabst Blue Ribbon), John Deere, Iveco, Wrangler, Don Alcides, Cimo Cutelaria, FPT Motores, Usual Brinquedos, Biogás, Águas Ourofino, Meritor, Axalta, Autozone, Inducol, Casa Perini, Mari Maria Makeup, Miura Investimentos, Polipox, BF Goodrich.

Apoio: X Rally Team, Pro Tork, Loja Western, Amafil, Nutriex, Sparco, Beta Ferramentas, Chapéus Pralana, Sacudidos, Occitano Hotel, Goyazes, Granero Transportes, Fivelas Pelegrini, Vom Eisen, T7 Motors.

Direção: Gui Pereira

Supervisor de Trilha Sonora: Lucas Lima

Trilha Sonora: Felipe Alexandre

Produção: Vinicius Zanobia, Daniele Longuine, Allison Lima, Luma Borges, Jeancarlo Martins, Stephanie Chaya e Patrícia Kisser

Produção Executiva: Gisa Pereira

Roteiro: Gui Pereira, Allison Lima e Luis Sconza

Direção De Fotografia: Bruno Campos

Assistente De Direção: Luma Borges

Figurino: Daniele Longuine

Direção De Arte: Luis Sconza

Maquiagem: Giulia Kisser

Som Direto e Montagem De Som: Rogério Villanova

Montagem: Wesley Costa

Making Of: Julio Marques

Still: Rafaela Sá

5 filmes bizarros disponíveis em streaming

O que define um filme bizarro? Ele necessariamente precisa ser um filme de terror ou precisa apenas levantar temas chocantes? Para tentar responder a essas perguntas, escolhemos 5 filmes que estão disponíveis em streaming para quem quer se aventurar neste final de semana e assistir a algumas coisas diferentes, pra dizer o mínimo…


5 – Crimes do Futuro (David Cronenberg, 2022) – MUBI

O corpo humano está mudando em Crimes do Futuro e o diretor David Cronenberg retoma o body horror (subgênero focado em transformações do corpo) para evidenciar como a sociedade se organiza na tentativa de responder a essas mudanças e novos estímulos. Acompanhamos a jornada do protagonista Saul Tenser (Viggo Mortensen), um artista performático capaz de produzir novos órgãos e removê-los com a ajuda de sua assistente Caprice (Léa Seydoux) à medida em que novos mistérios são revelados por um grupo que pretende revelar ao mundo a próxima etapa da evolução humana.


4 – Suspiria (Luca Guadagnino, 2018) – Amazon Prime

Neste remake do clássico homônimo do mestre Dario Argento, o diretor Luca Guadagnino lança um olhar autoral e um pouco mais realista ao mesmo tempo em que preserva alguns elementos de cinema fantástico que foram consagrados pela obra original. Susie (Dakota Johnson) é uma jovem bailarina americana que vai para Berlim para integrar a renomada Markos Tanz Company, mas após sua chegada começam a ocorrer uma série de acontecimentos estranhos e Susie começa a suspeitar que as coisas não são exatamente o que aparentam naquele lugar.


3 – Titane (Julia Ducournau, 2021) – MUBI

Vencedor da Palma de Ouro no Festival de Cannes em 2021, Titane é ao mesmo tempo chocante e comovente. Alexia (Agathe Rousselle) sofreu um grave acidente quando criança e como consequencia acabou com uma placa de titânio na cabeça. Anos depois, acompanhamos a jornada dela se cruzar com a do chefe de bombeiros Vincent (Vincent Lindon) cuja perda prematura do filho ainda não foi superada.



2 – À Meia-Noite Levarei Sua Alma (José Mojica Marins, 1964) – Globoplay

Além da importância histórica fundamental para o cinema de gênero brasileiro, À Meia-Noite Levarei Sua Alma continua assustador quase 60 anos após seu lançamento. O primeiro filme de terror brasileiro também é marcado pela primeira aparição do icônico personagem Zé do Caixão, interpretado pelo próprio diretor. No filme, Zé do Caixão está à procura da mulher perfeita para gerar o seu filho e dar continuidade ao seu sangue e será capaz de fazer qualquer coisa para alcançar esse objetivo.



1 – A Mosca (David Cronenberg, 1986) – Star Plus

Em A Mosca, David Cronenberg faz uso de imagens chocantes para trabalhar temas extremamente humanos e sensíveis como o medo da solidão. O cientista Seth Brundle (Jeff Goldblum) desenvolve uma máquina de teletransporte e decide testar a eficácia em si mesmo, no entanto, uma mosca entra no aparelho durante o processo e seu DNA acaba se misturando com o do inseto. É interessante constatar como a história de Seth após o teletransporte se assemelha com a origem de um super-herói da Marvel ou DC, mas não demora muito para o filme de Cronenberg seguir por um caminho bem mais realista e sombrio.

Texto e curadoria de André Fernandes