Nova tecnologia em ônibus da RMC permite controle do número de passageiros em tempo real

Uma nova tecnologia implementada nos ônibus do transporte coletivo permitirá a contagem de passageiros no interior dos veículos em tempo real. A tecnologia começou a ser testada esta semana em veículos do transporte coletivo da Região Metropolitana de Curitiba.

Segundo o presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), Gilson Santos, os dados coletados permitirão uma análise mais rápida da operação e, consequentemente, uma tomada de decisão mais ágil e assertiva.

“Nos horários de pico temos cerca de 650 ônibus circulando, mas não conseguimos manter um fiscal em cada um deles. A nova tecnologia, ainda em fase de teste, poderá nos oferecer as informações necessárias para a tomada de decisão e em tempo real, garantindo mais agilidade e assertividade nos ajustes da operação”, explicou Santos.

Além da contagem de usuários, o sistema oferece informações para gestão de frota dos veículos, manutenção preventiva, dados de eficiência da linha, paradas de embarque e desembarque mais utilizadas, entre outros dados.

Um dos destaques é a gravação das imagens no interior dos veículos, proporcionando mais segurança aos usuários. “Como a implementação da tecnologia é feita por meio de câmeras, todo o interior do ônibus estará sendo filmado, intimidando e até espantando pessoas mal-intencionadas”, disse o presidente da Comec.

DISTANCIAMENTO SOCIAL –Os testes são patrocinados pela Associação Comercial do Paraná (ACP), visando garantir o distanciamento social dentro dos veículos do transporte coletivo. O Decreto Estadual 4.951, de julho de 2020, exige que os ônibus transitem com lotação máxima de 65% da capacidade.

“É uma tentativa de garantir mais segurança aos usuários, evitando o aumento na transmissão do vírus e, consequentemente, a adoção de medidas mais restritivas para o comércio geral, além de uma forma de educar a população”, destacou o presidente da ACP, Camilo Turmina.

Os testes serão realizados em dois veículos (um comum e um articulado) da empresa TC Araucária, concessionária de transporte coletivo na RMC. O sistema foi desenvolvido pela startup Milênio Bus. Além de controlar a lotação nos ônibus, em tempo real, um sinal vermelho será aceso caso o ônibus ultrapasse o limite de passageiros permitidos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Linhas de ônibus começam a operar no Terminal Tatuquara

O Terminal Tatuquara, que será inaugurado nos próximos dias, começa a receber, a partir deste sábado (29), as sete linhas de ônibus que terão embarque e desembarque no local. O novo terminal deverá atender até 34 mil pessoas por dia – atualmente, por conta da pandemia, o movimento será de aproximadamente 28 mil passageiros por dia dia.

As linhas são: 617-JD Ludovica; 619-Sta Rita/CIC; 650-Sta Rita/Pinheirinho; 681-Dalagassa; 684-Rio Bonito; 685-Rio Bonito-CIC; e 773-Vizinhança/Sta Rita. Elas começam a circular pelo terminal a partir das 4h30 desde sábado.

Algumas delas tiveram o trajeto estendido e ganharam novos pontos até o terminal. A Urbanização de Curitiba (Urbs) disponibilizou cartazes explicativos nos ônibus das linhas com as alterações de itinerário.

Terminal do Tatuquara | Foto: Pedro Ribas/SMCS

Além da melhoria na estrutura viária e arquitetônica – trazendo um novo referencial de modernidade para a região sul da cidade -, o terminal do Tatuquara, com 3,4 mil metros quadrados, vai proporcionar comodidade para os usuários do transporte coletivo dos bairros que compõem a regional (Caximba, Campo do Santana e Tatuquara).

Um dos principais benefícios é integração entre linhas da região, minimizando o tempo de espera, uma vez que o passageiro poderá utilizar mais de uma linha para se dirigir aos terminais Pinheirinho ou CIC.

“Com o novo terminal, é possível trocar de linha de ônibus, o que facilita os deslocamentos. Ou seja, quem tem apenas a opção para o Terminal Pinheirinho e quiser se deslocar até a CIC agora poderá fazer a integração no Tatuquara trocando de linha e vice-versa”, explica Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbs, administradora do transporte coletivo na cidade.

Como se trata de um terminal de passagem, o Tatuquara não contará com linhas metropolitanas circulando e nem linhas troncais ou diretas ao centro de Curitiba.

Melhoria de acesso

O terminal facilita o acesso da população aos serviços da Administração Regional, na Rua da Cidadania do Tatuquara, e da Unidade de Pronto Atendimento de Saúde (UPA), que funcionam perto do novo espaço. Com a inauguração, o número de linhas que atendem esses dois locais passará de quatro para sete.

Integração temporal 

Os passageiros contam ainda com o benefício da integração temporal via cartão transporte da Urbs, entre todas as linhas do terminal com a Rua da Cidadania do Tatuquara, permitindo que os usuários utilizem os serviços da Prefeitura sem pagar nova tarifa. Após validar o cartão no terminal, o usuário terá dez minutos para validar novamente o cartão no validador da Rua da Cidadania e poderá retornar ao terminal no prazo duas horas.

Para facilitar ainda mais o acesso dos moradores da região aos serviços da Rua da Cidadania, as linhas que trafegam pela Rua Delegado Bruno de Almeida e que não passam pelo terminal, como 646-Pompéia/Janaina, 659-Caximba/Olaria. 680-Rurbana, 690-V. Juliana e 772-Tupy/V. Juliana, continuarão com a integração temporal, válida por 60 minutos, com as linhas 617-Jd. Ludovica e 684-Rio Bonito, e vice-versa.

Infraestrutura 

O terminal também conta com infraestrutura de apoio, com duas lanchonetes, bicicletário e em breve terá coleta seletiva de resíduos recicláveis. Como os demais terminais da cidade, o espaço segue o protocolo sanitário de combate à pandemia, com marcação de distanciamento, termômetros e displays de álcool em gel para os usuários.

Ônibus não são focos de covid, aponta estudo da Secretaria Municipal de Saúde

Dos cerca de 300 mil passageiros que diariamente passam pelas catracas do transporte coletivo de Curitiba, 99,9% não têm diagnóstico de covid-19. A informação é do levantamento epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba que analisou o período de março de 2020 a março de 2021.

O estudo foi apresentado nesta quinta-feira (27) durante reunião on-line dos gestores da Secretaria da Saúde com representantes dos setores econômicos da cidade e diretores de serviços hospitalares.

Para o rastreamento, o Centro de Epidemiologia da secretaria cruzou o banco de dados dos testes positivos para covid-19 com os CPFs dos usuários do cartão-transporte da Urbs.

O estudo considerou o intervalo de três dias antes da data de coleta do exame até 14 dias depois, verificando nesse período o uso do cartão nas linhas de ônibus e terminais de transporte.

A partir de março, além do rastreamento, a Prefeitura de Curitiba também começou a bloquear o cartão-transporte dos passageiros com resultado positivo de covid.

“Essa circulação, que já era baixa, caiu mais ainda, reduzindo pela metade”, diz Diego Spinoza, infectologista da Secretaria Municipal da Saúde.