Nova concessão de pedágio no PR será por menor tarifa, anuncia Ratinho Junior

A nova concessão das rodovias que cortam o Paraná será baseada em torno da menor tarifa oferecida ao usuário, sem limite de desconto na disputa na Bolsa de Valores, arrumando a modelagem de acordo com o anseio da população. A alteração na proposta original foi anunciada pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (21), no Palácio Iguaçu, em Curitiba, e é resultado das seguidas reuniões em Brasília (DF) do início desta semana.

O formato está alinhado ao documento proposto e encaminhado pelo G7, grupo das principais entidades do setor produtivo paranaense. Entre os pontos mais relevantes estão licitação da concessão pela menor tarifa, sem limite de desconto, além da garantia de execução das obras por meio de um depósito caução e adequação no degrau tarifário das pistas duplicadas.

O modelo é diferente do que está sendo adotado em todo o País e será personalizado para atender a demanda entregue pelo Governo do Estado. Ao encampar a proposta defendida pelo Paraná, o Ministério deixou de lado o chamado modelo híbrido, organizado em torno da menor tarifa de pedágio com limite de desconto, seguido de maior valor de outorga. 

“Hoje é um dia histórico e extremamente importante para o Paraná. Vencemos uma etapa importante no maior tema do Estado nos últimos 20 anos: o pedágio. Em 1997, o Paraná fez uma concessão com um modelo até hoje muito questionado devido à sua modelagem. Nossa missão era construir uma solução que corrigisse o erro do passado e criasse um futuro promissor e justo para a população, colaborando para o desenvolvimento social e econômico do Estado. Nós convencemos o Ministério da Infraestrutura que o Paraná merecia que nosso projeto fosse modificado”, afirmou Ratinho Junior.

Foto: AEN PR

O governador ressaltou que a união entre os diferentes atores da sociedade foi fundamental para dar a força que o projeto necessitava, unindo autoridades da Assembleia Legislativa do Paraná, da bancada federal, e da sociedade civil organizada e da iniciativa popular. 

“Há muitas décadas não havia uma união tão grande entre as autoridades do Paraná, em que todos demonstraram a potência da união política do Estado com a sociedade civil organizada e da população, que confiou na gente para resolver uma demanda histórica de todos os paranaenses”, afirmou Ratinho Junior.

“Nós fomos muito sacrificados pelo modelo atual. Por isso, precisávamos de um modelo que garantisse muitas obras para o Estado, junto do equilíbrio com a tarifa e com empresas que tivessem o compromisso de entregar um bom serviço à população. Teremos a concessão mais moderna do País”, acrescentou o governador. “É a solução de um grande problema. Foi batalhado, lutado, sofremos aguentando 24 anos de pedágio caro. É uma honra liderar esse processo sem demagogia e com transparência”.

A modelagem segue com mais de 3,3 mil quilômetros de rodovias concedidas, entre estaduais e federais, e 1,8 mil quilômetros de duplicações. O projeto prevê R$ 42 bilhões em investimentos nos próximos 30 anos, o que equivale a 120 anos do orçamento federal para rodovias aplicado apenas no Paraná.

É o maior pacote da América Latina e fará do Paraná um hub logístico do Cone Sul, segundo Ratinho Junior. Os atuais contratos de pedágio terminam em novembro.

BRASÍLIA 

A mudança na modelagem aconteceu após uma agenda intensa do governador Ratinho Junior em Brasília. Ele se encontrou na capital federal com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, reforçando a necessidade da implementação de um modelo de pedágio que respeite o anseio da sociedade paranaense pela menor valor, sem outorga.

INVESTIMENTOS

Os novos traçados da concessão rodoviária, segundo demanda do Governo do Estado, estão divididos em seis lotes que totalizam 3.327 quilômetros. Os desenhos, porém, são diferentes do atual, já que incluem rodovias que não estavam contempladas até então, como a PR-323, no Noroeste, a PR-280, no Sudoeste, e a PR-092, no Norte Pioneiro, um incremento de 834 quilômetros no atual traçado. O conjunto é formado por estradas estaduais (35%) e federais (65%).

O projeto prevê investimentos de R$ 42 bilhões, com a duplicação de 1.783 quilômetros (90% até o sétimo ano do acordo), a construção de 10 contornos urbanos, 253 quilômetros de faixa adicional nas rodovias já duplicadas e 104 quilômetros de terceira faixa para apoio ao trânsito. A proposta contempla, ainda, sinal de wi-fi em todos os trechos de estradas, câmeras de monitoramento e iluminação em LED. As novas concessões têm validade de 30 anos.

“É uma oportunidade histórica. Vamos realizar a redução do custo logístico e de acidentes, e aumentar a competitividade dos nossos produtos. Vamos virar a página em favor do desenvolvimento do Paraná. O modelo proposto pretende chegar a quase 100% da malha viária concedida com pista dupla. Atualmente, está em 36%. Além disso, teremos 1.000 obras de arte (passarelas, trincheiras), 11 áreas de descanso para os caminhoneiros, cobertura de câmeras para detecção automática de incidentes, mas, acima de tudo, obras imediatas entregues no menor tempo com tarifas menores”, afirmou o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Ele reforçou que o processo será pautado pela transparência, com licitação na B3, em São Paulo. “Vai vencer a empresa que der o maior desconto junto da garantia dessas obras. A partir da próxima segunda-feira, os técnicos do Governo do Paraná e do Ministério da Infraestrutura vão trabalhar juntos para finalizar a modelagem de concessão para os primeiros lotes”, acrescentou Sandro Alex.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Campanha “Vacina UFPR” chega a mais de mil doações individuais; saiba como contribuir

A campanha “Vacina UFPR” mobiliza a sociedade para a captação de recursos e o financiamento de uma vacina 100% nacional e de baixo custo contra a Covid-19 e outras doenças. 

Em 20 dias, já foram arrecadados R$ 83.323,48 em 1005 doações individuais. No mesmo período, o site vacina.ufpr.br já teve mais de 8 mil acessos e os posts nas redes sociais da UFPR já alcançaram quase 400 mil pessoas, com 3600 compartilhamentos. 

A divulgação da campanha estimulou outros tipos de engajamento. Por sugestão de uma amiga, a fotógrafa e influenciadora digital Patrícia Miguez compartilhou um vídeo para incentivar as doações. Apenas nas redes da UFPR, o material já foi visto por mais de 132 mil pessoas.

Ela aceitou o desafio por entender que a vacina pode servir para outras doenças e ajudar pessoas no Brasil e em outras partes do mundo, no futuro.  “É uma questão de ajudar a comunidade científica e o nosso país como um todo. A vacina é uma arma muito importante. Caso você não possa ajudar, marque as pessoas nas suas redes e espalhe. Quanto mais gente tiver essa informação, mais gente pode doar e ajudar a UFPR a desenvolver a vacina. Vai ser uma bênção ter uma opção barata, nacional e com multipropósito”, relata Patrícia.  

As contribuições para a campanha “Vacina UFPR” permitirão aos pesquisadores avançar com as fases de testes em animais até o final do ano, o que credenciará o pedido à Anvisa para os testes em humanos. 

Com as doações, será possível também aprimorar a infraestrutura física e laboratorial, buscar a transferência de tecnologia para produção em escala industrial e o desenvolvimento de imunizantes.

Sobre a capacidade de produção 100% nacional, o reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca, destaca: “É muito importante para a soberania do país que tenhamos uma vacina sem a dependência de importação de insumos. Esta luta por uma vacina nacional reforça a importância da ciência e da universidade pública, que se mostraram imprescindíveis durante essa pandemia”. 

O superintendente de parcerias e inovação da UFPR, Helton José Alves, ressalta a economia para os cofres públicos que o imunizante da UFPR poderá trazer. “Para cada real economizado por dose da vacina, estamos falando de milhões de reais, o que torna mais interessante essa plataforma, para a Covid-19 e outras patologias”, revelou Alves em entrevista ao programa “Volume UFPR”, da Rádio UniFM. 

O professor Emanuel Maltempi de Souza, um dos pesquisadores responsáveis pelo desenvolvimento da Vacina UFPR, em reportagem da Agência Escola de Comunicação Pública da UFPR, explica que o projeto foi concebido pensando no retorno à sociedade dos conhecimentos produzidos na universidade. “Se continuarmos tendo sucesso no desenvolvimento e testagem da Vacina UFPR, estou convencido que o país terá condições de produzir as doses necessárias para todos os brasileiros”. 

Para alcançar esses objetivos, os custos estão estimados em R$ 76 milhões de reais. Por isso, a campanha aceita doações de qualquer valor, por depósito, transferência bancária para a conta da campanha ou usando chave Pix. 

No site vacina.ufpr.brestão disponíveis os relatórios de acompanhamento dos recursos captados para o desenvolvimento da vacina e notícias sobre o avanço das pesquisas. 

A conta bancária para as doações é exclusiva do Programa de Imunizantes da UFPR, gerida pela Fundação da Universidade Federal do Paraná – FUNPAR. Todas as doações de pessoas físicas e/ou jurídicas são destinadas exclusivamente à continuidade da pesquisa e desenvolvimento da vacina  e não são dedutíveis do Imposto de Renda. 

Os valores captados pela campanha se somam aos financiamentos já obtidos via Rede Vírus, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), a recursos próprios da UFPR e aos do Governo do Estado do Paraná, que chegam a R$ 1,3 milhão.  

Além disso, o Tribunal de Contas do Estado transferiu R$ 18 milhões ao Governo do Estado, que serão destinados à estrutura de laboratórios para a Vacina UFPR. O poder executivo deve repassar esse valor à universidade por meio de um acordo que será celebrado em breve. 

Iniciativa da Itaipu e Polo Iguaçu vai beneficiar 2.250 profissionais do turismo

Itaipu investirá 4,7 milhões no projeto, que irá garantir bolsas de R$ 550 durante os três meses da capacitação

A Itaipu Binacional e o Instituto Polo Iguassu lançaram, nesta quinta-feira (22), o Capacita Foz, uma iniciativa de educação on-line, com atividades ao vivo e gravadas, e que deverá beneficiar 2.250 profissionais do turismo de Foz do Iguaçu, em áreas do trade turístico e afins. O projeto, com duração de dois anos e investimentos de R$ 4,7 milhões por parte da Itaipu, também fornecerá uma bolsa de R$ 550 reais por três meses a esses profissionais que foram impactados pelas limitações impostas pela pandemia de covid-19.

O Capacita Foz aprofunda as atividades de capacitação promovidas em duas edições do Capacita Guias pelo Instituto Polo Iguassu, com apoio da Itaipu. Juntamente com o lançamento, ocorreu a entrega de certificados da segunda turma, que formou mais 66 profissionais (além dos 147 da primeira). Eles foram capacitados sobre novas formas de apresentar os atrativos de Foz, além dos cuidados para promover uma experiência segura para os turistas.

Agora, com o Capacita Foz, a ideia é levar conhecimento para outras áreas que se beneficiam da atividade turística. Por meio de uma plataforma de ensino a distância, os participantes terão acesso a diversos conteúdos. Na primeira fase, que se inicia em agosto, será a capacitação em si, com atividades para recepcionistas, mensageiros, camareiras, garçons, motoristas de aplicativos, artesãos, produtores rurais, entre outros. Uma avaliação do perfil socioeconômico irá selecionar participantes para receber a bolsa de R$ 550 por três meses.

“Este é um projeto perfeitamente alinhado com a vocação de Foz do Iguaçu para o turismo e Itaipu, que tem como missão investir no desenvolvimento regional sustentável, não poderia ficar de fora de uma iniciativa como essa”, afirmou o diretor-geral brasileiro, general João Francisco Ferreira. “A gente se sente feliz em investir em algo assim porque são recursos bem empregados e que trarão retorno. Creio que Foz do Iguaçu vai sair dessa dificuldade da pandemia para voos muito mais altos.”

De acordo com a diretora executiva do Polo Iguassu, Fernanda Fedrigo, após a capacitação, os profissionais passarão por uma atividade de gamificação: os participantes ganham selos e pontuações que qualificam o profissional dentro da plataforma. Dessa forma, a plataforma funcionará, também, como vitrine de vendas e banco de talentos. “A educação está no DNA do Polo Iguassu e a educação é libertadora. Por meio dela, podemos oferecer condições para superar essa situação em que o setor foi impactado pela pandemia”, afirmou.

O lançamento ocorreu no Centro Executivo da Itaipu. E, além do diretor-geral brasileiro da Itaipu e da diretora executiva do Polo Iguassu, contou com a participação da diretora de Promoção, Marketing e Eventos da Secretaria Municipal de Turismo, Cristiane Santos, do presidente do Conselho Municipal de Turismo e gerente-geral do Complexo Turístico Itaipu, Yuri Benites, e da representante do Sebrae-Paraná, Camila Giacomeli.

A abertura das inscrições para o Capacita Foz será divulga nas redes sociais do Polo Iguassu (@poloiguassu) nas próximas semanas.

Formandos

Dos 66 formandos do Capacita Guias, cinco foram convidados a representar a turma na cerimônia de entrega dos certificados. Natural de Itabuna, Ana Maria Ferreira de Souza (46) falou em nome dos colegas. “Agradeço muito pelo curso, por essa oportunidade de estar aprendendo. Daqui para frente, é com os profissionais, o guia que cada um se tornará”, afirmou a guia, que trabalhou por 14 anos como gerente de operações na Loumar Turismo e atua como guia há seis anos, atendendo turistas que falam português, espanhol e inglês.

Arlete Fritzen tem 58 anos e é natural de Foz. Ela trabalha como guia há 22 anos, é formada em hotelaria e atua principalmente com turistas que falam inglês, especialmente da Austrália, Grã-Bretanha e Estados Unidos. “Antes, eu trabalhava só com whatsapp e achava que estava bem. O Capacita Guias veio para mostrar a importância de trabalhar em conjunto com as empresas de turismo para potencializar a imagem do Destino Iguaçu nas redes sociais, mostrando os passeios para quem está do outro lado do mundo. Então, aprendi a tirar fotografias e usar outros meios de comunicação. Foi maravilhoso”, afirmou.

Já Keiko Edna Kimura Kanno, 54 anos, atua principalmente com turistas de língua japonesa. “A gente acha que sabe de tudo, mas todo dia é dia de aprender. E esse curso trouxe muito conhecimento. Todo aprendizado vai me ajudar muito e já quero fazer o Capacita Foz também”, disse Keiko, que atua como guia desde 2007.