No Memorial, a exposição Tomie Ohtake em Curitiba celebra os 110 anos da Imigração Japonesa no Brasil

Em comemoração aos 110 anos da imigração japonesa no Brasil, nesta quarta-feira (18/07), às 19h, o Memorial de Curitiba recebe a exposição Tomie Ohtake em Curitiba – Vultos, fissuras e clareiras. Ao todo, serão 29 obras entre pinturas, gravuras e esculturas. Os trabalhos abrangem o período dos anos de 1970 a 2014 da artista que é considerada a “dama das artes plásticas brasileira”. As obras ficarão expostas no Salão Paranaguá, no primeiro andar, até o dia 30 de setembro. A mostra tem entrada franca e classificação livre.

O prefeito Rafael Greca destaca a ligação da artista com Curitiba e recorda com apreço a relação que teve com a artista. “A ligação sentimental de Tomie, mestra de arte e de vida, com a nossa cidade, enraizou profunda amizade em nossos corações, de Margarita e meu. Ao celebrarmos a Imigração Japonesa no Brasil, temos a alegria de receber este tributo a Tomie Ohtake, mostra da atualidade de sua arte imortal, neste nosso Memorial”.

Para a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, a mostra é um presente que a cidade recebe no ano em que se celebra os 110 anos da imigração japonesa. “É um privilégio receber a exposição de uma artista renomada como Tomie Ohtake. Sua obra teve papel fundamental na projeção internacional da arte brasileira. Esta mostra homenageia e também fortalece ainda mais os laços que a nossa cidade tem com a cultura nipônica”, afirma a presidente.

O presidente do Instituto Tomie Ohtake e filho da artista, Ricardo Ohtake, destaca o carinho que a mãe tinha pela cidade e pelo prefeito. “Tenho certeza de que esta exposição deixaria a Tomie muito feliz por sua história com a cidade. Agora, o Prefeito Rafael Greca inaugura esta mostra no Memorial. Desde que era diretor do IPPUC e de sua primeira gestão na Prefeitura, Greca foi muito querido por ela”.

Com curadoria de Paulo Miyada e Carolina de Angelis, a exposição atravessa décadas de produção de uma das mais longevas e complexas artistas abstratas brasileiras. Tomie foi uma criadora que, tendo imigrado do Japão no princípio de sua vida adulta, perseguiu o ofício artístico como um campo de descobertas sucessivas, em que a persistência de problemas visuais nunca foram motivo para impedimentos criativos.

Relação com Curitiba

Na capital paranaense, em 1999, Tomie Ohtake participou da mostra “Três Artistas Japoneses no Brasil”, no Museu Metropolitano de Arte (MuMA), ao lado dos também importantes Manabu Mabe e Wakabayashi. Em 1996, a artista deixou sua marca definitiva em Curitiba, com uma escultura de 11 metros de altura, em concreto armado pintado, que foi inaugurada pelo prefeito Rafael Greca, na sua primeira gestão. A obra, com formato de coração, emoldura o portal do MuMa. Instalada junto ao bosque, a peça revela um intenso diálogo entre a tradição e a contemporaneidade nipo-brasileiras e destaca-se como uma das mais importantes obras do acervo da instituição.

Trajetória de Tomie Ohtake

Nascida no dia 2 de novembro de 1913, em Kyoto, no Japão, Tomie Ohtake chegou ao Brasil em 1936 para visitar seus cinco irmãos. Impedida de voltar, devido ao início da Guerra do Pacífico, acabou ficando no país. Casou-se, criou seus dois filhos, e com quase 40 anos começou a pintar incentivada pelo artista japonês Keiya Sugano.

A carreira da artista ganhou destaque a partir dos seus 50 anos, quando realizou mostras individuais e conquistou prêmios na maioria dos salões brasileiros. Tomie participou de 20 Bienais Internacionais (seis de São Paulo, tendo recebido em uma delas, o Prêmio Itamaraty; Bienais de Veneza, Tóquio, Havana, Cuenca, entre outras). Seu currículo soma mais de 120 exposições individuais (em São Paulo e mais vinte capitais brasileiras, Nova York, Washington DC, Miami, Tóquio, Roma, Milão, etc) e quase quatro centenas de coletivas, entre Brasil e exterior, além de 28 prêmios.

A obra da artista destaca-se tanto na pintura e na gravura quanto na escultura. Marcam ainda sua produção as mais de 30 obras públicas desenhadas na paisagem de várias cidades brasileiras como São Paulo, Belo Horizonte, Curitiba, Brasília, Araxá e Ipatinga, feito raro para um artista no Brasil. Entre 2009 e 2010, suas esculturas alcançaram também os jardins do Museu de Arte Contemporânea de Tóquio e a província de Okinawa, no Japão. Em 2012, foi convidada a produzir obra pública no Jardim do edifício do Mori Museum, em Tóquio.

Em 2013 Tomie chegou aos 100 anos, comemorados com 17 exposições pelo Brasil, com destaque para as do Instituto que leva o seu nome: Gesto e Razão Geométrica, com curadoria de Paulo Herkenhoff no mês em que completou cem anos (novembro), Tomie Ohtake Correspondências e Influxo das Formas, ambas com curadoria de Agnaldo Farias e Paulo Miyada, realizadas respectivamente em fevereiro e agosto.

Dos 100 aos 101 anos concebeu cerca de 30 pinturas.  Até a sua morte em fevereiro de 2015, aos 101 anos, seguiu trabalhando.

Serviço:
Exposição Tomie Ohtake em Curitiba – Vultos, fissuras e clareiras

Abertura: 18 de julho, às 19h
Local: Memorial de Curitiba – Salão Paranaguá (1º andar) – Rua Claudino dos Santos, 79
Visitação: 9h às 12h e 13h às 18h (3ª a 6ª feira) e 9h às 15h (sábadodomingo e feriados)
Em cartaz até 30 de setembro
Entrada Franca

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba prorroga bandeira amarela por mais 15 dias e mantém obrigatoriedade da máscara

Em bandeira amarela há 147 dias, Curitiba mantém medidas restritivas de combate à pandemia de covid-19 na cidade e prorroga as regras atualmente vigentes por mais 15 dias.

O Decreto 1.970/2021, que prorroga as medidas do decreto 1.850/2021, será publicado nesta quinta-feira (2) e começa a valer a partir da publicação. As medidas terão vigência até 16 de dezembro.

O uso da máscara continua obrigatório em espaços de uso público ou de uso coletivo. Também foi mantida a regra que proíbe o consumo de bebidas alcóolicas em vias públicas, salvo em feiras livres e de artesanato.

Indicadores

A decisão de prorrogar as medidas foi tomada pelo Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba, na terça-feira (30/11). Segundo a avaliação técnica, embora o cenário da avaliação da pandemia no município seja positivo nos últimos 14 dias, é necessário manter cuidado por conta da descoberta da nova variante ômicron.

A média móvel do número diário de casos novos apresentou queda de 22,5% nos últimos 14 dias. A média móvel do número de mortes por data de divulgação também apresentou redução de 10% no mesmo período. Também teve queda de 11,5% a média móvel do número de casos ativos, no mesmo período.

A análise dos dados epidemiológicos da última semana (de 23 a 26 de novembro), porém, mostrou ligeira alta na pontuação geral da bandeira, ficando em 1,39. No período de publicação de decreto anterior, a bandeira havia alcançado a pontuação de 1,35, a melhor pontuação desde o lançamento do painel avaliativo da Secretaria Municipal da Saúde.

De acordo com a SMS, a ligeira alta não significa recrudescimento da pandemia, uma vez que foi motivada especificamente pela influência no indicador de leitos, pois houve desativação de leitos exclusivos de covid-19 que não estavam sendo utilizados.

Mesmo com a desativação de leitos exclusivos para covid-19 e a retomada de outros atendimentos eletivos e emergenciais eletivos, as taxas de ocupação permanecem baixas. Nesta quarta-feira (1/12), a taxa de ocupação dos leitos de UTI exclusivos para covid-19 no SUS é de 33%, com 40 pacientes internados, e nos leitos clínicos a taxa é de 35%, com 40 pacientes internados.

Atualmente, o município conta com 120 leitos de UTI exclusivos de covid-19 e 144 leitos clínicos exclusivos de covid-19 no SUS Curitibano. Em maio e junho deste ano, o município chegou a contar com 548 leitos de UTI exclusivos e 746 leitos clínicos exclusivos.

Veja como ficam as principais atividades

Atividade suspensa

•    Consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas, salvo em feiras livres e de artesanato.

Atividades liberadas com uso obrigatório de máscara e respeitando a capacidade de público prevista no Certificado de Licenciamento do Corpo de Bombeiros (CLCB)

•    Atividades comerciais de rua não essenciais, galerias, centros comerciais e shopping centers;

•    Atividades de prestação de serviços não essenciais, tais como escritórios em geral, salões de beleza, barbearias, atividades de estética, saunas, serviços de banho, tosa e estética de animais, floriculturas e imobiliárias;

•    Academias de ginástica e demais espaços para práticas esportivas individuais e coletivas;

•    Restaurantes, lanchonetes, panificadoras, padarias, confeitarias e bares;

•    Lojas de conveniência em postos de combustíveis;

•    Comércio varejista de hortifrutigranjeiros, quitandas, mercearias, sacolões, distribuidoras de bebidas, peixarias, açougues, e comércio de produtos e alimentos para animais;

•    Mercados, supermercados, hipermercados e lojas de material de construção;

•    Feiras livres;

•    Parques infantis e temáticos;

 Feiras de artesanato, cinemas, museus, circos e teatros para apresentação musical ou teatral;

•    Casas de festas e de recepções, incluídas aquelas com serviços de buffet, salões de festas em clubes sociais e condomínios e estabelecimentos destinados ao entretenimento, tais como casas de shows, casas noturnas e atividades correlatas;

•    Eventos corporativos, de interesse profissional, técnico e/ou científico, como jornadas, seminários, simpósios, workshops, cursos, convenções, fóruns e rodadas de negócios;

•    Mostras comerciais, feirões e feiras de varejo;

•    Serviços de call center e telemarketing;

•    Igrejas e templos;

•    Eventos esportivos profissionais com público externo e de apresentação teatral ou musical em espaços abertos.

Pelo terceiro dia seguido, Curitiba não registra morte pela Covid-19

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba não registrou óbitos de moradores da cidade por covid-19 nesta quinta-feira (2). Com isso, a cidade completa três dias consecutivos sem mortes pela doença.

A SMS lembra que as informações são dinâmicas e todos os óbitos por covid passam por intensa investigação. Assim, é possível que o número de mortes notificados em um dia possa sofrer alteração.

Até o momento foram contabilizadas 7.798 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

O boletim desta quarta confirmou que mais 43 moradores testaram positivo para covid-19. Com os novos casos, 298.593 moradores de Curitiba testaram positivo desde o início da pandemia, dos quais 289.643 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 1.152 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

Leitos do SUS

Nesta quinta-feira (2/12), a taxa de ocupação dos 120 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 37%. Restam 76 leitos livres.

A taxa de ocupação dos 114 leitos de enfermarias SUS covid-19 está em 31%. Há 80 leitos vagos.

A SMS esclarece que os dados da ocupação de leitos em Curitiba são dinâmicos, com alterações ao longo do dia.