Neste fim de semana, Antonina se transforma na Capital do Blues

No próximo fim de semana acontece um dos eventos musicais mais legais do estado, bem pertinho de Curitiba: a quarta edição do Antonina Blues Festival está confirmada para os dias 6 a 8 julho, com shows espalhados por toda a cidade histórica do litoral paranaense. O encontro musical, que seria realizado em junho, foi adiado devido à greve dos caminhoneiros, que impediu a montagem da estrutura necessária na ocasião.

As apresentações começam às 17h30 de sexta – ou seja, as melhores opções são descer a Graciosa para assistir ao jogo do Brasil em Antonina e já ficar para o festival, ou mesmo partir para cidade logo após ao jogo da Copa.

Grande atração de 2017, o bluesman norte-americano Lorenzo Thompson, de Chicago, é presença confirmada. Nascido em Chicago, Lorenzo já tocou com várias lendas do blues como David Meyers e Melvin Taylor. No ano passado, ele fez apresentações épicas.

Estão confirmados também Red Foot, Dose’n’Blues, Lucian Araújo, Banjo Bone e as Criaturas do Pântano, Tony Caster and The Black Mouth Dogs,  Booze’n’Blues, Felipe Ito, Alexandre Mello, e Diego Nicolay e Decio Caetano, entre outros.

Os shows serão espalhados por vários locais da cidade, levando o blues a todos os cantos de Antonina. Os palcos principais, que abrigarão o maior número de shows, ficarão no Belvedere do Valente, pegado à Igreja e ao lado do Hotel Camboa, e no calçadão da Travessa do Marinho, onde fica a Cantina Casa Verde. A praça defood-trucks também ficará instalada na região do Belvedere.

Produzido de forma colaborativa, a partir da iniciativa de artistas e produtores independentes, o Festival é um dos eventos culturais alternativos mais famosos do litoral paranaense, ao lado do Festival de Inverno (promovido pela UFPR), também em Antonina, e do Nhundiaquara Jazz Festival, em Morretes.

Confira a programação completa:

[ SEXTA-FEIRA ]

ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

17h30 – Comboio Saci

 

CANTINA CASA VERDE

18h30 – Antonina Samba Jazz

19h30 – Lucian Araújo

20h30 – Jelly Roll

DOG DO GANSO

20h – Diego Nicolay

BELVEDERE DO VALENTE

21h – The Preachers

22h – Tony Caster & The Black Mouth Dogs

23h30 – Mister Jack

01h – Lorenzo Thompson & The Rooftop Shakers

 

RUA PRINCIPAL

Madrugada adentro com La Casa Beltramim

[ SÁBADO ]

CANTINA CASA VERDE

12h – Blues Things

13h30 – Leo Uoya Trio

14h30 – Décio Caetano & Bernardo Manita

 

FILHOS DA CAPELA

13h30 – Comboio Saci

RESTAURANTE DO GUSSO (PONTA DA PITA)

16h – Show Surpresa

OFICINA DO ENZO

18h – Diego Nicolay

MANAH

19h – Davi Henn

BELARMINO E GABRIELA

20h – Vinicius Maranhão

DOG DO GANSO

20h – Felipe Ito e Otávio Marcolla

BAR LARANJEIRAS

21h30 – Lucian Araújo

BELVEDERE DO VALENTE

18h45 – Mudslide Blues

20h – Boze’n’Blues

21h30 – O Lendário Chucrobilly Man

22h30 – Dinamite Combo

23h – Red Foot

0h15 – Lorenzo Thompson & Rooftop Shakers

RUA PRINCIPAL

Madrugada adentro com Comboio Saci

[ DOMINGO ]

CANTINA CASA VERDE

12h – Booze’n’Blues

13h20 – Dose’n’Blues

 

RESTAURANTE DO GUSSO

15h30 – Diego Nicolay

17h – Blusileiros

BELVEDERE DO VALENTE

14h30 – Boogie Jump Blues Band

16h – Banjo Bone e as Criaturas do Pântano

17h30 – Décio Caetano Quartet

SOMBREIROS

19H15 – Will Dinamite e Os Carusos

20h30 – Jam Session

 

_______________

S E R V I Ç O

4º Antonina Blues Festival

  •     De 6 a 8 de julho
  •     Antonina-PR
  •     Shows gratuitos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Musicoterapia avança para garantir tratamento em todo o País

A musicoterapeuta Gizely Delmonico Amin destacou nesta quinta-feira, 15, que a lei que institui o programa e Incentivo à utilização da musicoterapia como tratamento terapêutico no Paraná é um avanço para que a medida seja adotada em todo o País. A proposta, de autoria do deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), foi aprovada pela Assembleia Legislativa e seguiu para sanção do governador Ratinho Junior (PSD).

Ex-presidente da AMT (associação de musicoterapia) do Paraná, Gizely Amin disse que os profissionais do setor lutaram para incluir o tratamento como essencial para que seja assegurado o atendimento universal no Brasil. “Travamos uma luta juntos e o deputado Romanelli criou uma lei no Paraná para incluir a musicoterapia nos tratamentos complementares. A partir daí, esperamos que os planos de saúde comecem a cobrir esse tipo de tratamento em todo o Brasil”, explica.

Gizely é musicoterapeuta especialista em análise do comportamento aplicada com enfoque em autismo e em TEA. Ela presidiu a AMT até 2020, quando encampou a luta pela criação da lei, proposta por Romanelli. Ela explica ainda que algumas especialidades têm cobertura dos planos de saúde, que garantem atendimento ilimitado de sessões com psicólogos, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos, o que se soma à cobertura ilimitada já assegurada para as sessões com fisioterapeutas.

“Vários estados brasileiros já adotaram a mesma medida aprovada no Paraná, o que fortalece nosso trabalho de incentivar a Agência Nacional de Saúde a garantir os mesmos direitos aos autistas, de receber tratamento com musicoterapia”, acrescenta.

Fundada em 1971, a Associação de Musicoterapia do Paraná promove o uso e desenvolvimento da musicoterapia no tratamento, educação, treinamento, reabilitação e demais objetivos terapêuticos e sociais de todos aqueles que necessitem desta modalidade, como é o caso dos autistas. A entidade reúne profissionais musicoterapeutas e instituições oficiais e particulares que estimulam a investigação e pesquisa em musicoterapia.

Em Brasília, Ratinho Junior defende modelo de pedágio baseado na menor tarifa

[ad_1]

O governador Carlos Massa Ratinho Junior defendeu nesta semana, em reuniões com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a necessidade da implementação de um modelo de pedágio que respeite o anseio da sociedade paranaense pela menor tarifa, sem outorga. 

O Ministério de Infraestrutura estudará as mudanças sugeridas pelo Paraná e apresentará um novo modelo. A ideia é que o novo projeto seja justo com o desejo dos paranaenses.

A intenção, ressaltou o governador, é nortear a concessão dos 3.327 quilômetros de rodovias que cortam o Paraná em torno de duas diretrizes: maior número de obras e menor valor de tarifa cobrada do usuário. Os atuais contratos de pedágio terminam em novembro deste ano.

“O governo federal deve fazer mudanças e apresentar uma nova proposta ao Paraná. Reforçamos o desejo de todos os paranaenses por uma tarifa mais baixa, com a execução de obras e que o leilão ocorra na Bola de Valores de São Paulo, com a maior transparência possível. Esse é o nosso compromisso com a infraestrutura do Paraná”, destacou Ratinho Junior.

As propostas apresentadas pelo governador estão alinhadas ao modelo proposto pelo G7, grupo das principais entidades do setor produtivo paranaense, que entregou ao Ministério da Infraestrutura documento solicitando alterações no modelo de pedágio proposto para o Paraná.

Os empresários pedem que a licitação da concessão seja pela menor tarifa, sem limite de desconto; garantia de execução das obras por meio de depósito caução; adequação no degrau tarifário das pistas duplicadas; a desoneração do PIS/Cofins que incide sobre as tarifas de pedágio; e a transparência total no processo.

“Junto com o setor produtivo e lideranças locais, o Governo do Paraná defende um modelo que contemple o que a população nos exige: o menor valor na tarifa de pedágio”, afirmou o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Os novos traçados, segundo demanda do Governo do Estado, estão divididos em seis lotes, mas com desenhos diferentes do atual, já que incluem rodovias que não estavam contempladas até então, como a PR-323, no Noroeste, a PR-280, no Sudoeste, e a PR-092, no Norte Pioneiro. O conjunto de rodovias em projeto é formado por estaduais (35%) e federais (65%).

Sandro Alex reforçou o pedido para que as obras sejam executadas em sua grande maioria nos primeiros anos do contrato. O pacote atual, lembrou ele, prevê a duplicação de 1.783 quilômetros (90% até o sétimo ano do acordo), a construção de 10 contornos urbanos, 253 quilômetros de faixa adicional nas rodovias já duplicadas e de 104 quilômetros de terceira faixa para apoio ao trânsito.

A proposta contempla ainda sinal de wi-fi em todos os trechos de estradas, câmeras de monitoramento e iluminação em LED.