Motorista de ligeirinho agride outro motorista

Motorista de ligeirinho agride outro motorista


“O motorista do ônibus prefixo EL071, da empresa São José, e que fazia a linha Barreirinha/São José, desceu do veículo cheio de passageiros e agrediu fisicamente o motorista do automóvel que estava na sua frente. Isso aconteceu por volta das 18h30 de hoje (08/08/2013), em frente ao Carrefour do Parolin, próximo da esquina entre a rua João Viana Seiler e a Avenida Marechal Floriano Peixoto. Ambos estavam parados no sinal fechado.

Não se sabe o que pode ter acontecido entre os dois, mas o que foi visto anterior a isso, foi o ligeirinho fechando mais de uma vez os carros na rua João Negrão. Ali mesmo no cruzamento, a conversão para entrar Marechal, é feita somente pela faixa da esquerda, e como podemos ver, ele estava na faixa do meio, e obrigou os carros a pararem para que ele pudesse entrar na canaleta.”

0 Comments

  1. ja peguei esse busão com um motorista assim, talvez seja o mesmo, aconteceu exatamente uma cena dessas igualzinha no começo do ano no barreirinha sao josé e foi bem ali na frente do Carrefour, isso foi em março de 2013

  2. Peça para a URBS aumentar os horários já apertados e saturados dos ônibus que talvez nã precise entrar na frente de ninguém pra conseguir fazer horário e não levar multa pra casa.. sou motorista de ônibus da mesma empresa desse cabloco, repudio esse tipo de atitude, até porquê, como motorista, sei que a classe é muito desrespeitada e humilhada pelos outros, sinto na pele todo dia um trânsito cada vez mais absurdo, horários muito mais apertados e falta de respeito total.. Mas, convenhamos, eu, como profissional, não posso me exaltar psicologicamente por causa dos outros, é estressante, eu sei, mas levo vidas comigo, e uma atitude dessas só faz aumentar a "má fama" que temos, não é todo motorista e cobrador que é assim, mas por causa de um, todos nós sofremos. A cada dia, fica mais difícil trabalhar no transporte, e se ele fez isso, não foi por nada… Como eu disse, não aprovo esse tipo de atitude, mas temos que ver AMBOS os lados.

  3. Briga de trânsito é uma M mesmo, dá vontade de fazer isto, mas o profissional tem que ter cabeça fria porque ele está carregando muitas vidas ali no ônibus, e quando acontece isto, os passageiros ficam muito inseguros em continuar no ônibus com o motorista. Mas o Diego Rodrigues disse a mais pura verdade, como em todos as profissões, as empresas exigem cada vez mais dos empregados sem levar em conta as variáveis relativas a profissão!

  4. cara eu penso de outra forma quando vc sentou sua bunda na cadeira do RH foi passado pra vc como seria sua vida dentro da empresa quanto vc ganharia enfim vc saberia como seria sua vida virando um motorista de ônibus eu fico puto da cara quando veem querendo fazer grevinha de bosta prejudicar as pessoas por causa de salario quando vc assinou seu contrato estava la tudo certinho o que vc tinha que fazer quanto e quando vc iria receber e todos saber como a vida é estressante então meu velho não velha dizer que temos que ver ambos os lados pois vcs motorista acha que mandam na cidade acha que vcs estão acima de tudo e de todos se não ta bom saia acredito que vc é bem competente e inteligente para arrumar um emprego aonde vc não vai se estressar e precisar reclamar a empresa ta la quem foi atrás foi vc ela não foi la na sua casa pedindo pra vc ir trabalhar pra ela foi vc então fica bem de boa ai deu tempo deu não deu não deu ponto eu duvido q ao invez de vcs descerem do ônibus ou ficarem andando que nem uns loucos pela ruas se vcs se unissem e fizessem as corridas no ritmo do transito a ubs não ia se cossar e colocar mais ônibus mais vcs são muitos pau mandados do sindicato que leva uma grana de vcs sem fazer porra nenhuma vcs são uns otarios do transporte publico deveria ser que nem são Paulo deu deu não deu não deu e se não tiver bom cruza os braços mais não vcs são europeus curitibanos meditos a europeus que vai pra rua de bola Prada e não pinta a cara pq vai fazer mal pra pele duvida se todos vcs andarem no ritmo que uma cidade grande anda que é devagar todos ubrs governantes iriam respeitar mais a classe de vcs não mais vcs são os manchões do transito é mais fácil jogar o ônibus em cima do carro da moto ou agredir uma pessoa até o dia que alguém fazer o que eu fiz dar uma surra em um motorista pra ele toda vez q olhar no espelho ele lembrar que ele é um ser humano igual a todos ali dentro e que se ele se propôs a atralhar com isso que faça de forma honra sem prejudicar ninguem

  5. Ricardo Camargo tá vendo? é isso que eu falo.. respeito nenhum… pra que esse tom? pra que esse linguajar? eu disse que acho ruim? a falta é de respeito, trabalho no transporte porquê gosto, não estou reclamando, estou falando da categoria. e como eu disse.. na sua frase tem muitos vocês isso, vocês aquilo… é muita generalização… nunca agredi ninguém e não me estresso no volante, por favor, somos trabalhadores e temos direitos também, e como é.. a cada ano impostos sobem mais e queremos ficar com o salário estagnado também? Médicos fazem greve, prejudicando milhares de pessoas, correios, eng. civil, e não podemos, porquê? não somos seres humanos, não trabalhamos pra sustentar nossas famílias? nosso emprego não é digno? reveja seus valores antes de postar tudo isso que você disse meu querido.

  6. Diego amigo, a URBS está repleta de universitários formados e recém formados, que fizeram concurso público ( estudantes ) e estão administrando os horários das linhas de ônibus, gentes supercompetentes ( eu acreditava ), gente que se formou em várias instituições de ensino superior com grande valor ( não é necessário citar as tantas que existem em Curitiba, porque a TV já faz a sua propaganda ), é por isso que pensam de outra forma e se acham os tais atrás de um computador…… Agora quero ver inverter a situação coloca um universitário desse atrás de um volante de um ônibus ou caminhão vê se ele aguenta a pressão?????????? Olhar para a tela do computador, tomando cafezinho preto de garrafa térmica no escritório em copo de plástico feito pela cozinheira. Falo com experiência de ambos os lados, como um profissional do escritório e hoje um profissional do volante do transporte coletivo. Diego assim como muitos motoqueiros e motoristas de veículos menores que só sabem xingar e mostrar gestos obscenos quando a gente passa na frente de um desses não porque queremos mais em alguns casos, a situação nos obriga. É errado, é, mas se os mesmos que nos atacam fossem educados e respeitosos, e agissem de consenso e não de ignorância, não precisaria tudo isso.
    Não só vocês, mas eu também acho que não precisaria chegar a esse ponto, mas quem sabe os playboyzinhos filhinhos de papai que ganham dinheiro do bolso dos seus pais e que pensam diferentes dos demais não aprendem que respeito é tudo do maior para o menor, como do menor para o maior. Se pelo computador o nosso caro colega já é estressado em usar esses tipos de palavras imagine se nós precisar passar na frente do moço hehehehehehehe.

    " Eu também como profissional do volante do transporte coletivo, eu também sou contra esse tipo de situação".

  7. Ah e avisa pra ele que contrato de trabalho é um simples documento, um vínculo por questões de ministério do trabalho não é o que cai na conta de verdade ( dinheiro ) para o sustento da família……

  8. Diego amigo, a URBS está repleta de universitários formados e recém formados, que fizeram concurso público ( estudantes ) e estão administrando os horários das linhas de ônibus, gentes supercompetentes ( eu acreditava ), gente que se formou em várias instituições de ensino superior com grande valor ( não é necessário citar as tantas que existem em Curitiba, porque a TV já faz a sua propaganda ), é por isso que pensam de outra forma e se acham os tais atrás de um computador…… Agora quero ver inverter a situação coloca um universitário desse atrás de um volante de um ônibus ou caminhão vê se ele aguenta a pressão?????????? Olhar para a tela do computador, tomando cafezinho preto de garrafa térmica no escritório em copo de plástico feito pela cozinheira. Falo com experiência de ambos os lados, como um profissional do escritório e hoje um profissional do volante do transporte coletivo. Diego assim como muitos motoqueiros e motoristas de veículos menores que só sabem xingar e mostrar gestos obscenos quando a gente passa na frente de um desses não porque queremos mais em alguns casos, a situação nos obriga. É errado, é, mas se os mesmos que nos atacam fossem educados e respeitosos, e agissem de consenso e não de ignorância, não precisaria tudo isso.
    Não só vocês, mas eu também acho que não precisaria chegar a esse ponto, mas quem sabe os playboyzinhos filhinhos de papai que ganham dinheiro do bolso dos seus pais e que pensam diferentes dos demais não aprendem que respeito é tudo do maior para o menor, como do menor para o maior. Se pelo computador o nosso caro colega já é estressado em usar esses tipos de palavras imagine se nós precisar passar na frente do moço hehehehehehehe.

    " Eu também como profissional do volante do transporte coletivo, eu também sou contra esse tipo de situação".

  9. Ah e avisa pra ele que contrato de trabalho é um simples documento, um vínculo por questões de ministério do trabalho não é o que cai na conta de verdade ( dinheiro ) para o sustento da família……

  10. Ah e avisa para o Ricardo Camargo que contrato de trabalho é um simples documento, um vínculo por questões de ministério do trabalho não é o que cai na conta de verdade ( dinheiro ) para o sustento da família dos motoristas. Não é o contrato que dirige ônibus, e sim um ser humano que transportam vários ser humanos, e inclusive pode até ser o integrante da própria família dele……………

  11. NÃO AOS ABUSOS NO TRÂNSITO. NÃO AOS ABUSOS DOS VEÍCULOS DE GRANDE PORTE EM CIMA DOS DE PORTE MENOR. POR UM TRÂNSITO MAIS HUMANO, SEJA EM CURITIBA, SEJA EM QUALQUER OUTRA CIDADE OU ESTADO DO BRASIL! RESPEITO NO TRÂNSITO JÁ!!!!!

  12. essa filmagem não acrescenta nada na vida de ninguém, só demonstra o ódio e a indignação de ninguém fazer nada. O tempo que ficava filmando podia ter acionado a polícia militar ou a guarda municipal… deixem de bisbilhotar a vida alheia e melhorem suas vidas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Projeto de lei quer dar licença para que bares e casas noturnas abram como restaurantes em Curitiba

Projeto de lei que propõe um licenciamento extraordinário para que casas noturnas e bares de Curitiba funcionem como lanchonetes e restaurantes está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), da Câmara Municipal de Curitiba (CMC). A reunião ordinária acontece nesta terça-feira (20) às 14h30.

De iniciativa conjunta de Alexandre Leprevost (SD) e Tico Kuzma (Pros), a iniciativa prevê que essa autorização para que bares e casas noturnas funcionem como restaurantes e lanchonetes ocorrerá enquanto durar a situação de emergência em saúde pública devido à pandemia da covid-19, estando condicionada à readequação dos espaços, que devem estar caracterizados para a nova atividade.

Além da caracterização para a nova atividade, o projeto de lei ainda determina que “o estabelecimento deverá atender todas as medidas de enfrentamento à pandemia previstas em legislação específica e nas orientações, protocolos e normas da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) e da Secretaria da Saúde do Paraná (Sesa)”. “Com a aprovação da lei, poderíamos amenizar um pouco as dificuldades que esses estabelecimentos enfrentam em decorrência da pandemia”, dizem os autores.

Outros projetos

Outro destaque da CCJ nesta semana é a análise do requerimento de Professor Euler (PSD) que solicita a instalação de uma comissão especial para debater projeto de lei de sua autoria que tem por objetivo revogar três mil leis municipais. Protocolada em março do ano passado, a matéria visa, segundo o autor, “eliminar leis desnecessárias, que perderam eficácia, com redação inadequada ou obsoleta e que não fazem mais sentido, mas causam confusão por estarem em vigor”.

A sugestão de revogar as leis veio depois de a equipe do parlamentar analisar 15.587 leis ordinárias de Curitiba elaboradas nos últimos 71 anos (de 1948 a 2019). No final de 2020, o plenário da CMC chegou aprovar um primeiro requerimento que pedia a constituição dessa mesma comissão especial, protocolado pela Comissão de Constituição e Justiça, para analisar a proposta de Professor Euler.

Completam a pauta outros 13 projetos: a lista completa pode ser consultada aqui. A reunião será a partir de 14h30. São integrantes da comissão os vereadores Osias Moraes (Republicanos), presidente; Pier Petruzziello (PTB), vice; além de Beto Moraes (PSD), Dalton Borba (PDT), Denian Couto (Pode), Indiara Barbosa (Novo), Marcelo Fachinello (PSC), Mauro Ignácio (DEM) e Renato Freitas (PT).

Serviço Público

A Comissão de Serviço Público também se reúne nesta terça, às 8h15, para analisar duas proposições. A primeira é de Tico Kuzma (Pros) e determina o aumento da vida útil dos táxis em circulação de Curitiba para 10 anos. Conforme a lei municipal 13.957/2012, que regulamenta a prestação do serviço, a idade máxima da frota hoje é de 5 anos, considerando-se o ano de fabricação do veículo. Já o decreto 100/2018, que alterou dispositivos da regulamentação da norma vigente, possibilita a prorrogação do prazo por 2 anos, sujeita à vistoria semestral pela Urbs e à emissão de laudo de inspeção técnica anual a partir do 6º ano.

A segunda proposta que será analisada pelo colegiado retorna à pauta após pedido de vista de Professora Josete (PT), solicitado na reunião do dia 6 de abril. Trata-se da iniciativa de Professor Euler (PSD) que condiciona a assinatura de contratos com a prefeitura às empresas comprovarem possuir programas de compliance e práticas anticorrupção. É sugerida que a exigência seja implantada de forma gradual ao longo de quatro anos. A obrigação valeria imediatamente para consórcios, concessões públicas e parcerias público-privadas.

Além de Josete, também integra a Comissão de Serviço Público: Ezequias Barros (PMB), presidente; Leonidas Dias (SD), vice; Hernani (PSB) e Mauro Bobato (Pode).

Economia

Na quinta-feira (22), após o feriado de Tiradentes, a Comissão de Economia, Finanças e Fiscalização se reúne às 11h30 em agenda extraordinária. A pauta ainda não foi divulgada. São membros do colegiado os vereadores Serginho do Posto (DEM), presidente; Indiara Barbosa (Novo), vice; além de Flávia Francischini (PSL), Hernani (PSB), João da 5 Irmãos (PSL), Jornalista Marcio Barros (PSD), Osias Moraes (Republicanos), Professora Josete (PT) e Tito Zeglin (PDT).

As reuniões das três comissões serão remotas, com transmissão ao vivo pelas redes sociais da CMC: YouTube, no Facebook e no Twitter.

Informações Banda B

Com menos chuva na primeira quinzena de abril, Sanepar alerta para uso racional da água

A Sanepar alerta para a necessidade de manter o uso racional da água, já que a primeira quinzena de abril repete o cenário de crise hídrica com seca severa em todas as regiões do Paraná. Em Curitiba e Região Metropolitana, choveu apenas 0,6 milímetro, volume que dificulta atingir a média histórica para o mês de abril, que é de 81,2 mm.

Em Guarapuava, Ponta Grossa, Londrina, Maringá e Umuarama, não foi registrada nenhuma chuva. As regiões Oeste e Sudoeste já se encontram em estado de alerta para o abastecimento de água, uma vez que a falta de chuvas baixou a vazão de rios e poços.

Na Região Metropolitana de Curitiba o rodízio no abastecimento continua em vigor há mais de um ano. No primeiro trimestre de 2021, segundo dados do Simepar, as chuvas na RMC somaram 380 milímetros, abaixo da média histórica para o período, que é de 460 mm. Em 2020, o volume de precipitações do primeiro trimestre foi de 247 mm.

“Esse balanço trimestral abaixo da média mostra que ainda não conseguimos recuperar os passivos anteriores que baixaram os níveis das nossas barragens ao longo de 2020”, afirma o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky.

Ele afirma que as informações meteorológicas disponíveis no momento indicam que estamos a caminho da superação da crise hídrica com o término do fenômeno La Niña ainda no primeiro semestre. Mas é preciso precaução.

“Existe um déficit hídrico a ser superado, o que só vai ocorrer quando tivermos chuvas acima da média por um período regular. Isso ainda não ocorreu. Portanto, temos que manter a cautela e o uso econômico da água. Tanto o rodízio como a economia por parte da população podem assegurar níveis de reservação suficientes para os próximos meses”, completa.

Confira o nível dos reservatórios da RMC no site da Sanepar.