Motivos para amar Curitiba e as curitibanas

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas

“Eu já falei que Curitiba está entre as minhas cidades preferidas no mundo (leia clicando aqui) e não é só porque eu moro aqui não, é que Curitiba é a verdadeira cidade maravilhosa! <3 Não temos praia, é verdade, mas temos parques lindos, restaurantes maravilhosos (com as melhores sobremesas!), shoppings para todos os bolsos, baladas para todos os gostos e, é claro, só em Curitiba tem as curitibanas.

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas
Taiza Espolador, curitibana, fotografada por Milene da Mata.

Aliás, isso me faz lembrar uma música: “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça…” só que não, né. Existe um motivo para esta música não se chamar “Garota de Curitiba”: quem conhece uma curitibana sabe que ela é linda sim. Mas aqui no Sul, só a Maria é cheia da graça.

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas
Carime Bitar, curitibana, fotografada por Milene da Mata.

Ei! Nem comecem com aquele discursinho manjado de que “Curitibana é tudo metida”, porque não é bem assim. Quem nunca ouviu: “Nossa! Você é tão legal, nem parece curitibana!”, não sabe o que é injustiça! Essas gurias são muito gente boa e comunicativas, esse papo de “curitibana tem nariz empinado” é mito. Te juro, piá!

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas
Alana Gogola, curitibana, fotografada por Milene da Mata.

Mas se você está de olho em uma curitibana, anota esta dica: fala, mas não encosta! Não, não se trata de arrogância, nem de “não me toque”. Na verdade a explicação pra isso é bem mais simples: a curitibana é daquelas que aguarda sempre o desembarque, isso significa que ela foi educada desde pequena a compreender que dois corpos não ocupam o mesmo espaço (informação que ainda não chegou em alguns locais do mundo…). Portanto é só respeitar o quadrado da colega que a conversa vai fluir bem de boa, pode ter certeza! 🙂

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas
Lorena Lima, curitibana, fotografada por Milene da Mata.

Eu diria sim, que a curitibana é um pouco mais seletiva. Pois é, não fazemos amizade com tanta facilidade, mas acho válido ressaltar que nossos amigos são para a vida toda! Se você tem uma amiga curitibana, você sabe do que eu tô falando!

Curitibanas não só são amáveis, como também são as mulheres mais versáteis do Brasil. Eu explico: No Rio de Janeiro, quando tem sol, tem sol. Em São Paulo, quando chove, chove. Em Curitiba, quando chove, pode ser que esfrie. Ou pode ser que faça sol. Ou ainda pode ser que esfrie muito e depois faça um baita sol! E a mulher curitibana tem que acompanhar no maior estilo as quatro estações do ano no mesmo dia! (A propósito, feliz é a moça do tempo de Curitiba que nunca cai na rotina!)

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas
Walderez Cristina, curitibana, fotografada por Milene da Mata.

Sim, também temos defeitos: Pontualidade, por exemplo, não é o nosso forte (salvo raras exceções – dedico todo o meu respeito e admiração a elas!), mas é tudo culpa do trânsito (Oi, Avenida Batel! Oi, Visconde de Guarapuava! Oooi, Linha Verde!). E aliás, já vimos aqui que isso não chega a ser um grande defeito e que pessoas que se atrasam merecem muito amor! hehehe!

Bom, outro ponto negativo é o sotaque, né gente… não que eu me envergonhe disso, pelo contrário, só digamos que ele não é assim… dos mais invejados! Mas bem no fundinho, quem é que não gosta de um leite quente? 🙂 …não?! 🙁 Um cachorro quente então (com duas vinas)? …também não? Quem sabe um sonho de nata, de creme, ou de doce de leite? 😀 Ah, e daí! Deixe o sotaque pra lá, com tantos motivos para amar uma curitiboca, ele acaba sendo um charme!

Motivos para amar Curitiba e as curitibanas
Aluma Gogola, curitibana, fotografada por Milene da Mata.

Parafraseando Vinícius de Moraes: Que me perdoem todas as outras, mas ser curitibana é fundamental! <3 E se você ainda não tem uma curitibana na sua vida, trate de arrumar uma bem logo! Pode ter certeza, não há mulher igual." Texto original por Milene da Mata do A Terapia de Alice.

WhatsApp libera função para mensagens desaparecerem automaticamente

O WhatsApp liberou nesta segunda-feira (6) uma função para que mensagens desapareçam de conversas de modo automático.

Mark Zuckerberg, presidente da Meta (dona de WhatsApp, Facebook e Instagram), disse em seu perfil que “nem todas as mensagens precisam durar para sempre”.

Usuários do aplicativo poderão definir que mensagens desapareçam de conversas, por padrão, após 24 horas, sete dias ou 90 dias.

A configuração vale para mensagens de novas conversas –conteúdos enviados ou recebidos antes dessa ativação, portanto, não serão afetados.

Em uma conversa individual, os dois usuários podem ativar ou desativas mensagens temporárias. Em grupos, qualquer pessoa pode fazê-lo. Os administradores, porém, podem permitir que apenas eles definam mensagens como temporárias no grupo.

Segundo a empresa, os conteúdos desaparecem conforme a definição mesmo que o usuário não abra o WhatsApp nesse período.

“Se uma mensagem temporária for encaminhada para uma conversa em que esse recurso está desativado, ela não desaparecerá dessa conversa. Se um usuário fizer backup antes de uma mensagem desaparecer, essa mensagem temporária será incluída no backup. Contudo, a mensagem temporária será apagada quando o usuário restaurar o backup”, explicou o WhatsApp em nota.

A recomendação é que esse recurso seja ativado apenas em conversas de confiança porque o interlocutor consegue tirar uma captura de tela ou fotografar qualquer mensagem antes que ela suma.

Nem todos os aparelhos já estão com o recurso disponível.

Para ativar essa função, tanto no iPhone como no Android, é preciso tocar na área de configurações, depois em conta, em privacidade e em duração padrão, selecionando o período desejado.

O Instagram também já permite mensagens temporárias, mas não por padrão.

Telegram e Signal, concorrentes do WhatsApp, já disponibilizam há tempos essa opção, uma camada extra de privacidade a quem não deseja armazenar mensagens. Entre os mensageiros, o Signal é o mais protetivo, pois não permite captura de tela.

Curitiba ilumina pontos turísticos de laranja pela prevenção ao câncer de pele

Nesta terça-feira (7/12), a Praça do Japão e a Torre de Cronometragem do Parque Náutico estarão iluminados de laranja, em alusão à adesão de Curitiba ao Dezembro Laranja, a campanha nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A iluminação nesses locais foi feita para essa segunda-feira (6/12) e hoje ainda pode ser contemplada pela população. O objetivo é chamar a atenção dos curitibanos sobre a importância do diagnóstico e do tratamento precoce, além de orientar sobre os cuidados que devem ser incorporados à rotina diária.

O câncer de pele é o tipo de neoplasia mais incidente no Brasil, com cerca de 180 mil novos casos ao ano. Em Curitiba, dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam a projeção de 1.820 novos casos por ano. A boa notícia é que a maior parte, 95%, é do tipo não melanoma, menos agressivo. Além disso, quando descoberto no início, tem mais de 90% de chances de cura.

“Por isso é importante que a população fique atenta aos sinais e sintomas, e procure logo um serviço de saúde”, afirma a dermatologista do Centro de Especialidades de Santa Felicidade da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Simone Viola Ampuero Gehlen.

Prevenção

De acordo com a médica, a orientação é para que as pessoas fiquem atentas a lesões na pele que não cicatrizam, principalmente nas áreas que comumente ficam expostas ao sol. Sangramentos e pruridos neste tipo de lesões também são sinais de alerta. Segundo Simone, é importante observar pintas com mudança na cor e bordas irregulares.

Em qualquer um desses casos, a orientação é procurar o mais breve possível, um serviço de saúde, para uma avaliação. No SUS Curitibano, a porta de entrada é a unidade de saúde. Caso seja necessário, a unidade faz o encaminhamento do paciente para um especialista.

Além de observar os sinais de alerta, é importante também se prevenir. Medidas básicas do dia a dia que podem ajudar são o uso de filtro solar nas áreas que ficam expostas (com mínimo de fator de proteção solar de 30); evitar o sol entre as 10h e 16h; além de usar chapéu e roupas que protejam a pele o máximo possível da exposição direta ao sol.