Metallica se apresentará em Curitiba

Pela primeira vez em Curitiba, a banda Metallica se apresentará no dia 23 de abril de 2020, no Estádio Couto Pereira. Um dos shows mais esperados nos últimos anos pelos curitibanos fãs de rock and roll. Segundo o Bem paraná, a venda de ingressos deve começar em outubro deste ano. Quem vamos?

Tá caindo a ficha ainda. Cara, é METALLICA EM CURITIBA!

Peço desculpas pela exaltação.

Sobre o Metallica (Wikipedia):

Metallica é uma banda norte-americana de heavy metal originária de Los Angeles, mas com base em San Francisco. O seu repertório inclui tempos rápidos, pesados, melódicos, instrumentais e musicalidade agressiva, a qual os colocou no lugar de pioneiros do thrash metal e uma das bandas fundadoras do Big Four of Thrash, conjuntamente com Slayer, Megadeth e Anthrax. Os Metallica formaram-se em 1981, após James Hetfieldresponder a um anúncio que Lars Ulrich colocou no jornal local. A sua formação atual apresenta os fundadores Ulrich (bateria) e Hetfield (vocal e guitarra base), o guitarrista Kirk Hammett (que se juntou à banda em 1983), e o baixista Robert Trujillo (membro desde 2003). Antes de chegarem à sua formação atual, a banda teve outros integrantes, sendo eles: Dave Mustaine (guitarra), Ron McGovney, Cliff Burton e Jason Newsted (baixo).

Com os lançamentos de seus quatro primeiros álbuns, os Metallica ganhou uma crescente base de fãs na comunidade de música underground, e alguns críticos dizem que Master of Puppets (1986) é um dos álbuns de thrash metal mais influentes e “pesados”. Logo após, a banda alcançou enorme sucesso comercial com o seu álbum auto-intitulado de 1991 (também conhecido como The Black Album), que já vendeu 40 milhões de cópias pelo mundo até hoje.[3] Com este lançamento a banda expandiu seu direcionamento musical, atingindo uma audiência mais mainstream. Com os lançamentos de Load e Reload nos anos 1990, os Metallica tentaram aproximar-se do rock alternativo que fazia sucesso na época para ganhar uma nova base de fãs, mas foi acusada por seus fãs antigos de “vender-se” para as gravadoras. Em 2000 os Metallica estiveram entre os vários artistas que apresentaram uma ação judicial contra o Napster por compartilhar materiais protegidos por direitos de autor livremente sem o consentimento dos membros da banda.[4] A resolução foi tomada, e Napster se tornou um serviço de uso pago.

Apesar de atingir o primeiro lugar na Billboard 200, o lançamento de St. Anger em 2003 foi controverso pelas influências de nu metal e a produção musical crua de Bob Rock. O disco sucessor, Death Magnetic (2008), foi produzido por Rick Rubin e recebeu avaliações mais favoráveis. Mais tarde, a discografia de estúdio do conjunto somou o álbum Lulu (2011), em parceria com Lou Reed e que recebeu críticas mistas. Em 2012, a banda fundou sua própria gravadora, chamada Blackened Recordings, e adquiriu os direitos de todos os seus álbuns de estúdio.[5] Seu disco mais recente é Hardwired…to Self-Destruct, lançado no fim de 2016. Em mais de 30 anos de carreira, os Metallica já lançaram dez álbuns de estúdio, quatro álbuns ao vivo, dez álbuns de vídeo, dentre outros. Tornaram-se uma das bandas mais influentes e bem sucedidas de todos os tempos, tendo vendido cerca de 200 milhões de discos no mundo inteiro.[6] A banda já recebeu nove premiações no Grammy Awards, entrou para o Rock and Roll Hall of Fame em 2009 e tem seis álbuns consecutivos em primeiro lugar na Billboard 200.

0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vai soltar fogos de artifício em Curitiba? Saiba o que é permitido na cidade

Apenas efeitos visuais, sem estampido. Esse deve ser o cenário das festas de fim de ano em Curitiba, pelo segundo ano consecutivo de vigência da lei que proíbe o uso de fogos de artifício com efeitos sonoros na cidade. O consumidor que estiver pensando em adquirir o material para as comemorações, deve estar atento. 

Podem ser usados na capital paranaense fogos de artifício com efeitos de cores, os ditos luminosos, que produzem efeitos visuais sem tiro (fogos de vista, sem estampido). 

“É importante lembrar que a comercialização de fogos com efeito de tiro não é proibida. As lojas fazem a sua parte orientando o consumidor, que deve estar consciente na hora da compra”, explica o superintendente de Controle Ambiental da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Marcos Traad. 

A orientação por parte do comércio é uma exigência do mais recente decreto que regulamenta a norma. Ações de fiscalização do município vem acontecendo neste caráter informativo, informa a diretora de Pesquisa e Monitoramento da Secretaria do Meio Ambiente, Erica Mielke. 

“As lojas receberam cartazes com as informações para que o consumidor não fique em dúvida”, reforça. Também é necessário que o estabelecimento mantenha o cadastro dos compradores, informando o tipo de produto adquirido, data, local e horário previsto da soltura. 

Esforço conjunto

Além de distribuir os folhetos informativos, manter a legislação visível e orientar o consumidor, a Associação Industrial e Comercial de Fogos de Artifício do Paraná (Aincofapar) criou selos que diferenciam os dois tipos de fogos para facilitar a identificação na prateleira. O verde está presente nos produtos com uso liberado em Curitiba e o vermelho, nos que não podem ser soltos na cidade.

O presidente da entidade, Rodolpho Aymoré Junior, conta que o projeto é piloto e que os selos estão disponíveis aos associados. Ainda de acordo com ele, a Aincofapar tem uma lista para orientar a identificação, conforme a legislação municipal. “É uma espécie de homologação dos ‘fogos ecológicos’ que possuem uma frequência sonora menor e atendem aos requisitos da legislação”, comenta.

Para o consumidor que está na dúvida, Aymoré explica que os fogos sem estampido mantêm a beleza e a plasticidade, sem prejuízo nenhum ao evento. “Com a vantagem de poderem ser utilizados em qualquer cidade do Brasil”, acrescenta e alerta, ainda, para que a compra seja feita, sempre, por maiores de 18 anos, em lojas devidamente autorizadas.

O que diz a lei

As multas para o cidadão que fizer a soltura ou manuseio dos fogos proibidos variam de R$ 400 a R$ 100 mil, conforme a gravidade da infração. O comércio que não cumprir as normas de orientação e cadastro pode ter o alvará cassado.

Selos desenvolvidos para os produtos para facilitar a venda e orientar os consumidores sobre a legislação municipal. Curitiba, 06/12/2021. Foto: Levy Ferreira/SMCS.

A demanda é, principalmente, da proteção animal, mas também beneficia crianças, especialmente aquelas com Transtorno do Espectro Autista, e os idosos, que também sofrem com os barulhos dos fogos.

A lei foi uma proposta da Câmara Municipal, ainda em 2019, com a motivação, em especial, de proteger animais domésticos, a fauna silvestre, bebês e pessoas portadoras de transtornos do espectro autista. Quem flagrar a soltura de fogos com barulho na cidade, deve fazer a denúncia pela Central 156. 

Veja o cronograma da dose de reforço da vacina contra a covid

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) divulga o cronograma da aplicação da dose de reforço da vacina anticovid. Deverão ser atendidas quase 78 mil pessoas que receberam a segunda dose entre 7 e 23 de julho (programação abaixo).

Com o novo cronograma, Curitiba antecipa a dose de reforço em até dez dias para os novos convocados. A decisão segue uma recomendação do Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde, que considerou a disponibilidade atual de doses em estoques, a chegada de uma nova variante de preocupação aos país (ômicron), além da proximidade das comemorações de festas de fim de ano e viagens.

“A dose de reforço ajuda a manter o sistema imunológico ativo contra a covid-19, o que é fundamental neste momento, considerando a chegada da nova variante e as festas e viagens do fim do ano. Como atualmente temos essas doses em estoque, tomamos a decisão de adiantar o reforço alguns dias para que nossa população fique mais protegida”, afirma a secretária municipal da saúde de Curitiba, Márcia Huçulak.

Os convocados para receber a dose de reforço nesta semana receberam uma mensagem pelo aplicativo Saúde Já até a sexta-feira passada (3/12), avisando que estão elegíveis para retornar aos pontos de vacinação.

Quem não puder comparecer no dia da convocação ou quem está com a dose de reforço em atraso pode buscar os pontos de vacinação, de segunda a sexta-feira. A Saúde tem mantido a repescagem contínua para primeira dose, segunda dose e dose de reforço.

Confirme os endereços

Os locais de vacinação podem sofrer alterações de acordo com o público estimado para receber vacina a cada dia. Antes de procurar uma unidade, confira as que farão a aplicação no site Imuniza Já.

Janssen

Pessoas vacinadas com imunizantes da farmacêutica Janssen ainda não poderão tomar a dose de reforço neste momento. A indicação atual do Ministério da Saúde é que estas pessoas recebam uma outra dose do mesmo imunizante num período entre dois a seis meses após a primeira aplicação. O município ainda aguarda o recebimento de doses para esta convocação.

Orientação para receber a dose de reforço

Para receber a dose de reforço, basta procurar um dos pontos de vacinação da cidade, das 8h às 17h, levar um documento de identificação com foto e CPF.

Quem pode receber a dose de reforço na próxima semana

– Segunda-feira, 6 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 14 de julho;
– Terça-feira, 7 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 17 de julho;
– Quarta-feira, 8 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 20 de julho;
– Quinta-feira, 9 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 21 de julho;
– Sexta-feira, 10 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 23 de julho.

Outros grupos e repescagens

Os pontos de vacinação também seguem aplicando nos dias úteis:

Primeira dose
– Primeira dose para pessoas com 12 anos completos ou mais;

Segunda dose
– Segunda dose agendada;
– Repescagem de segunda dose de pessoas anteriormente convocadas;

Dose de reforço
– Dose de reforço agendada;
– Repescagem de dose de reforço de pessoas anteriormente convocadas.