Médica infectologista alerta para os fatores de risco durante o surto de dengue

Até junho de 2022, ocorreram 1.172.882 casos prováveis de dengue no Brasil, um aumento de 195,9% se comparado ao mesmo período do ano anterior, segundo o Ministério da Saúde. Do total de casos, a região Centro-Oeste foi a que apresentou maior taxa de incidência da doença, seguida pelas regiões Sul, Sudeste, Nordeste e Norte.

De acordo com a Dra. Ana Helena A. Figueiredo, médica infectologista parceira da Docway, empresa pioneira em soluções completas de telemedicina, o surto desse ano já era esperado. “O aumento nos casos de dengue é decorrente de um maior índice de chuva, que dessa vez começaram já em dezembro, desencadeando um surto precoce em 2022”, comenta. “Além disso, tivemos o enfraquecimento da vigilância por conta do direcionamento à Covid, resultando em um déficit de atenção e verba para o cuidado contra a dengue”, diz.

A especialista explica que, no caso de arboviroses, doenças causadas por vírus transmitidos por mosquitos, a probabilidade de infecção está diretamente relacionada a região de moradia ou trabalho do indivíduo. “A proporção de Mata Atlântica remanescente no entorno de áreas urbanas está diretamente relacionada a esses tipos de surtos, tanto no caso da dengue quanto de zica e chicungunha”, aponta. “Em São Paulo, quando comparamos as regiões mais nobres, a área com maior incidência de infecção é nos arredores do Rio Pinheiros e Pacaembu, por ser uma região bem arborizada”, complementa.

Moradores de áreas socioeconômicas desvalorizadas também se tornam mais vulneráveis à doença, explica a infectologista. “Quando a gente pensa em construções mal organizadas, pensamos em muita água parada. Então a situação socioeconômica também está relacionada a um surto aumentado”, conta a especialista da Docway.

Já quando o assunto é a gravidade da doença, crianças, idosos, gestantes, pessoas com comorbidades e imunossuprimidos tendem a ter casos mais agravados. “O grande problema nas crianças é a identificação da doença, pois os sintomas são inexpressivos. Já no caso das gestantes, quando há infecção grave, existe o risco de morte fetal e parto prematuro após o terceiro trimestre da gestação”, explica. “Além disso, a dengue tem uma situação específica relaciona a reinfecção, pois quadros de infeção adjacente tendem a ser também mais graves”, aponta.

O diagnóstico pode ser feito tanto em consultas presenciais quanto via telemedicina. “Dor no corpo, dor de cabeça aguda, afetando principalmente a região dos olhos, e febre alta são os primeiros sinais de dengue”, afirma. Após a confirmação da doença, é papel dos médicos e enfermeiros acompanhar a evolução dos sintomas. “Geralmente, o paciente que vai ficar grave piora depois que a febre passa, por isso o acompanhamento clínico e a consulta de retorno são tão importantes”, finaliza a Dra. Ana Helena A. Figueiredo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Como aliviar as alergias respiratórias que se agravam durante o inverno

Quem tem alergia sofre ainda mais nos meses de outono e inverno. Tosse seca constante, espirros, coriza, irritação das mucosas, chiado no peito e até falta de ar são alguns dos sintomas que tendem a se agravar nesta época do ano.

De acordo com o médico especialista em otorrinolaringologia cooperado da Unimed Curitiba, Diego Malucelli, as crises alérgicas pioram nestes meses não só por causa das temperaturas, mas também por conta do ar seco e do aumento da poluição do ar. “Ambientes fechados com menor ventilação, uso de roupas mais pesadas para combater o frio e cobertores que muitas vezes ficaram guardados por meses e carregados de poeira que podem conter muitos ácaros em suas superfícies também são responsáveis por causar quadros de alergia durante o inverno”, completa.

Nesta época, a asma e a rinite são os tipos de alergia mais comuns. Mas a sinusite e a bronquite alérgica também podem se manifestar e piorar durante essas estações. Entretanto, é possível amenizar os sintomas e diminuir as crises tomando alguns cuidados simples. “É importante evitar ficar em ambientes fechados de pouca ventilação e com aglomeração de pessoas, pois além de tudo, existem mais chances de contaminação de doenças respiratórias como resfriados, gripes e COVID-19. Os ambientes, além de bem ventilados, devem estar sempre limpos, livres de poeira e, sempre que possível, expostos ao sol”, lembra Malucelli.

Estar sempre bem hidratado ajuda muito, especialmente para pessoas alérgicas. A prática de exercícios físicos também é importante. E, quando possível, ao ar livre. Segundo o médico, o uso de antialérgicos e a lavagem nasal com soro fisiológico podem ser eficazes durante as crises, porém a prevenção ainda é o melhor remédio.

Se você acha que está com alguma alergia respiratória, além do diagnóstico clínico, alguns exames laboratoriais podem ser realizados para identificar a doença. “Existem vários exames que podem ser realizados para a detecção da alergia, entre eles o teste de contato, teste RAST, exame de anticorpos IgE, entre outros que são mais específicos. O especialista poderá indicar o melhor caminho para identificar e tratar a doença”, explica o médico.

esquisa indica que pacientes com alinhadores transparentes têm melhor saúde bucal, em comparação com quem usa braquetes

Um estudo publicado pela National Library of Medicine apresentou o impacto na saúde bucal de pacientes em tratamento com alinhadores ortodônticos transparentes em comparação aos aparelhos fixos. Segundo a análise, os pacientes que utilizam alinhador apresentaram um nível menor de acúmulo de placa e menor profundidade de sondagem, em relação a quem usa braquetes. 

Além disso, o estudo verificou que a presença de algumas bactérias, como S.mutans, foi inferior em pessoas que fazem tratamento com os alinhadores. Dessa forma, o estudo mostra que, após um curto período de tratamento ortodôntico, é possível verificar que pacientes com alinhadores transparentes têm uma melhor saúde bucal. Para a cirurgiã-dentista e especialista da ClearCorrect, Caroline Aranalde , o alinhador facilita a escovação, melhorando significativamente a saúde da boca. “Os braquetes dificultam a higienização dos dentes. Consequentemente, há maior tendência de doenças bucais, além de facilitar a entrada de bactérias”, explica. 

Ainda de acordo com a dentista, o paciente que utiliza braquetes precisa estar ainda mais atento com a saúde bucal, justamente por conta desse possível acúmulo de bactérias. “A indicação é higienizar os dentes sempre após se alimentar, utilizar fio dental e ir ao dentista frequentemente, tanto para quem utiliza aparelho fixo quanto para pacientes de alinhadores transparentes”, orienta. Mas quem utiliza braquetes precisa redobrar a atenção na escovação. “O procedimento com braquetes dificulta a escovação e pode levar a um maior acúmulo de placas. Dessa forma, os pacientes devem cuidar ainda mais para evitar cáries e outras doenças bucais”, conclui Caroline. 

Alinhadores transparentes e impacto na saúde bucal

Praticidade, melhor aparência e facilidade na escovação foram alguns dos motivos que levaram a estudante Lana Schroeder, de 16 anos, a optar pelo alinhador transparente. Ela já havia utilizado o aparelho fixo por dois anos. Porém, pela demora do tratamento e pela estética, Lana preferiu tirar os braquetes e alinhar os dentes com outro procedimento. “O braquete machucava e projetava muito os meus lábios, então troquei para os alinhadores pela praticidade, por ser quase imperceptível e no meu caso, mais previsível para a correção dos dentes”, comenta. 

A estudante afirma que, além de facilitar a escovação, o tratamento com os alinhadores da ClearCorrect não machuca os lábios como os braquetes, deixa os dentes alinhados em menos tempo, e também a dor é menor do que a causada pelo aparelho fixo. “A limpeza é bem melhor, pois os alinhadores podem ser retirados a qualquer momento, como se não houvesse aparelho algum”, destaca Lana.