Leão do Zoológico de Curitiba morreu na manhã desta segunda-feira

Publicidade
Publicidade

O Zoológico de Curitiba amanheceu triste nesta segunda-feira (3/8). O leão Simba, que chegou ainda filhote ao zoo há 18 anos e já havia ultrapassado a expectativa de vida da espécie fora da natureza, morreu nesta manhã com sinais de senilidade.

De acordo com as informações da equipe técnica, recentemente o animal vinha apresentando problemas nas articulações, tinha dificuldade para se locomover e estava sob medicação para dor. 

“Leões vivem 13 anos na natureza e dificilmente ultrapassam os 18 quando estão fora dela, como aconteceu com o Simba”, lembrou o diretor de Pesquisa e Conservação da Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Edson Evaristo. 

Simba marcou presença no Zoo de Curitiba por bastante tempo e, como um dos moradores prediletos do local, ajudou a equipe de Educação para a Conservação da Fauna a ensinar diversos curitibinhas como ninguém.

Em março deste ano, foram comemorados os 18 anos da chegada dele ao zoo, ainda filhote. Ele foi resgatado de uma residência, onde era tratado como animal de estimação, em condições nada adequadas para a espécie. 

“Ele foi entregue para os cuidados da nossa equipe bastante debilitado, com problemas metabólicos e dermatológicos severos e se recuperou de modo admirável”, observou Evaristo.    

Simba deixa as filhas Leona e Nala, leoas que já nasceram fora da natureza e completam 14 anos em outubro deste ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Centenas de fiéis se reuniram nesta quinta-feira em um megaculto no Boqueirão

Publicidade
Publicidade

Centenas de fiéis se reuniram  na noite desta quinta-feira (25), em um megaculto da na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no bairro Boqueirão, em Curitiba. A cerimônia, chamada de  “Culto da Vitória” , foi comandada pela filha do pastor Silas Malafaia, a cantora Rachel Malafaia. A notícia foi divulgada pela revista Época, com repercussão nacional.

Um dia antes (24), no bairro Batel, a Polícia Militar havia fechado um culto ainda maior, na Igreja Mundial do Poder de Deus, por desrespeitar regras contra a pandemia.

Já no culto da família Malafaia, testemunhas informaram que a PM chegou a ir até o local, mas nada foi feito e o culto continuou normalmente. A Banda B espera a confirmação da assessoria da PM sobre a informação.

Enquanto isso, Curitiba sofre com a falta de leitos e está na bandeira laranja. Nesta quinta-feira, ambulâncias ficaram na porta de hospitais a espera de vagas para pacientes.

Malafaia respondeu

O pastor Silas Malafaia se justificou no Twitter, afirmando que 1.200 pessoas participaram do culto, mas que o local tem capacidade para 3 mil. Segundo Silas Malafaia, todos respeitaram o distanciamento social e os procedimentos obrigatórios, como o uso de máscara. Ele atacou a Revista Época.

Informações Banda B.

Redução no estoque de sangue preocupa Hemepar

Publicidade
Publicidade

O estoque de sangue disponível nesta quinta-feira (25) no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (Hemepar) para atender Curitiba e a Região Metropolitana é suficiente apenas para atender a demanda diária da instituição.

“A informação é muito preocupante pois em uma situação de urgência e emergência não teríamos como atender os hospitais”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Por isso destacamos a importância da doação de sangue como ato de amor ao próximo e cidadania”, ressaltou.

Segundo ele, a pandemia não deve afastar os doadores, pois todas as medidas de prevenção e segurança são tomadas durante o processo.

A diretora do Hemepar, Liana Labres de Souza, disse que o estoque nea manhã de quinta-feira (25) tinha cerca de 200 bolsas entre todos os tipos sanguíneos. “Este quantitativo supre um dia de atendimento nos 42 hospitais da Capital e da Região Metropolitana, entre eles os hospitais de porta aberta ao trauma como Hospital Evangélico Mackenzie, Hospital do Trabalhador, Hospital do Rocio, em Campo Largo, e Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul”.

“Infelizmente os doadores não têm comparecido em nossas unidades e com isso muitas solicitações de transfusão não estão sendo atendidas em sua totalidade”, afirmou.

VACINA – Ela lembrou ainda que pessoas imunizadas contra a Covid-19 podem fazer a doação de sangue e para isso basta aguardar o período estipulado para cada tipo de vacina.

“A vacina Coranovac/ Butantan estabelece um prazo de 48 horas após o recebimento para que o cidadão possa fazer doação de sangue; já a vacina AstraZeneca/Fiocruz pede o intervalo de 7 dias para a doação”.

O Hemepar segue protocolos de segurança para a Covid-19, como o agendamento e recepção de 8 pessoas a cada 30 minutos para evitar aglomeração, utilização de álcool gel 70% e profissionais que atuam no atendimento devidamente paramentados.

O agendamento para doação de sangue pode ser feito pela internet (saúde.pr.gov.br). São aptos a doar sangue pessoas que tenham entre 16 a 69 anos, que pesem mais de 51 quilos e que estejam bem de saúde.

Informações AEN PR.